Rosa Espinheira: a atriz que apresenta
musica da rua e encanta na Play TV

==================================================================

Bahia em Pauta aplaude de pe

Sabado passado(11) , às 21h, aconteceu a estreia na PlayTV, em Sampa, da nova temporada de “O Som Que Você Ouve”. O bem humorado programa comandado por Rosa Espinheira mostra os gostos musicais dos transeuntes nas ruas de São Paulo. Andando por aqui e por ali com seus fones de ouvido suas entrevistas sempre rendem novas amizades, bons momentos e histórias de vida.Este sabado(16) tem mais e o Bahia em Pauta recomenda o programa desta baiana que nasceu para brilhar.

Para falar um pouco sobre essa experiência, segue uma conversa com a Rosa postada no site do Play TV. A atriz baiana e apresentadora conta tudo (ou quase) sobre o projeto e a sensação de fazer algo desse tipo.


PlayTV Música: Como começou o projeto?

Rosa: O programa partiu de uma inquietude minha. Eu andava pelas ruas, sempre munida do meu fone, pois nada como música para trilhar os percursos nos metrôs e avenidas, quando comecei a observar que há um mundo paralelo na relação dos seres humanos com seus fones de ouvido.

Como sou curiosíssima, pensei que poderia fazer um programa que desvendasse estes universos variados dos transeuntes nas ruas, tudo através das bandas e das canções que marcam suas vidas. Assim, eu fiz 2 pilotos.

O primeiro com uma amiga que teve que abandonar o projeto para ser mamãe. Como já conhecia o Ricardo Guidara (diretor) e o convidei para fazer o piloto e continuamos juntos.


PlayTV Música: O que você faz além do programa?

Rosa: Sou atriz em toda a essência. Faço locução publicitária e já me arrisquei na música com uma banda chamada Drama Queen. E em 2012 chego com novidades musicais!

PlayTV Música: O que há de novo na segunda temporada de O Som Que Você Ouve?

Rosa: Além da variedade de artistas em entrevistas inéditas e divertidas, temos agora uma interação maior com o público do programa, queremos aumentar a participação da galera que comenta na internet na nossa página do Facebook. Começamos isso na entrevista com os caras do NX ZERO onde escolhi uma fã e fiz a pergunta pela enquete na página do programa na rede social.

http://www.playtv.com.br/playtvmngr/ckeditor/ckfinder/userfiles/images/foto_ok3.jpg

PlayTV Música: O que você aprendeu na temporada anterior e o que trouxe para esta?

Rosa: Eu estou no processo de descoberta e aprendizado sempre. Acho que no dia em que estiver satisfeita totalmente, não terá mais graça. Fico muito atenta a minha dicção, vocabulário, expressão do corpo e estar a vontade diante das câmeras.

PlayTV Música: Como é entrevistar pessoas na rua e se envolver em suas histórias? Qual a sensação de fazer isso?

Rosa: A sensação é a melhor possível. Me faz muito bem conhecer esses universos extremamente distintos e sedutores.

Cada vida, cada história, cada desejo, cada trilha sonora. Eu vou as ruas para descobrir isso e deixar todo mundo a vontade. Quero aumentar minha bagagem musical e já conheci muita coisa nova através das dicas da galera! Gosto de surpresas e novidades a toda hora, sou muito inquieta.

Já me emocionei muito em algumas gravações em que as pessoas me contavam as suas histórias. Lembro que durante as entrevistas da primeira externa para o programa, meus olhos encheram de lágrimas com o entrevistado que falou de sua luta em SP. Me emocionei por sua verdade, sua dor e sinceridade com o relato. Isso foi tão verdadeiro, tão intenso. Gosto muito de gente .

PlayTV Música: Você tem alguma história engraçada dos bastidores do programa que não foi ao ar? Pode contar pra gente?

Rosa: As gravações são aventura pura. Somos surpreendidos a todo instante com o que podemos encontrar na próxima esquina. Já dancei, já cantei, já chorei, já levei susto e até recebo piscadelas dos transeuntes enquanto faço as entrevistas (risos).

Confesso que prendo o riso demais. O que vocês veem nos balõezinhos do programa, muitas vezes já se sabe no próprio instante das gravações que vai virar piada.
Já teve gente atrás de mim me dando susto.

Na última gravação que fizemos em janeiro o que me emocionou muito e fez São Paulo tremer foi a canja na escadaria da Igreja da Sé de Mustache e os Apaches que é uma banda acústica que casou muito bem com a proposta do programa.

Juntou muita gente e foi um clima de “estúdio a céu aberto”. Rola muito dessa plateia “a céu aberto” no estúdio mais democrático do mundo: a rua.

http://www.playtv.com.br/playtvmngr/ckeditor/ckfinder/userfiles/images/foto_ok1.jpg

PlayTV Música: A maior parte das entrevistas acontece em São Paulo, mas você é de Salvador. O que a atraiu para a capital paulista?

Rosa: O programa é todo produzido aqui em Sampa. Essa cidade cheia de misturas e infinitas etnias é o que me atraiu a viver aqui. Isso é a coisa mais linda.

Para mim ter essa licença poética de invadir as ruas e esquinas de São Paulo como se fosse a cidade em que nasci é o maior presente que a cidade me dá. Me sinto muito a vontade nesta cidade.

Vim para cá quando me formei em interpretação teatral em Salvador. Sou atriz de formação e vim para estudar interpretação para cinema e acabei ficando.

PlayTV Música: Rosa, qual é O Som Que Você Ouve?

Rosa: Sei que dessa não escapo nunca, então vamos lá. Minhas paixões musicais vão de Rolling Stones a Cazuza. De Stereolab a Caetano Veloso. De Beatles a Prodigy. De Garbage a Jamiroquai. E assim por diante.

Agora vou dar a dica de 3 projetos que descobri e me impressionaram muito desde o ano passado e que podemos conferir na noite paulistana facilmente.

Os meninos dos Mustache e os Apaches que aliás estão comigo nas ruas nessa temporada. Os caras do Tigre Dente de Sabre que fazem uma sonzeira de deixar qualquer um de boca aberta. E uma voz preciosa com letrinhas lindas e lúdicas que deixam o meu coração todo derretido especialmente pela faixa Chalala, amei conhecer Blubell preciso conferir um show ao vivo urgente!

PlayTV Música: O que você gostaria de dizer aos espectadores do seu programa na PlayTV?

Rosa: Obrigada, obrigada e obrigada isso que tenho a dizer! A resposta do público tem sido muito positiva. Eles sempre me falam que sentem espontaneidade e muita verdade nos programas esse retorno é o que mais tem me estimulado e me encoraja a fazer de cada gravação a mais profunda aventura e descobrir muitas formas de me comunicar com os espectadores de maneira mais próxima e honesta.

Chega de falarem que na tv só tem bobagens! É um veículo potente, apaixonante e eu estou amando fazer televisão. E sei exatamente o meu compromisso com os espectadores. Irei respeitá-los e me dedicar a cada um que der seu tempo para ver o programa.

(Postado por Vitor Hugo Soares)


================================
Tom e Elis no Fantástico. (1974)

BOA SEXTA-FEIRA PARA TODOS!!!

(VHS)

mar
16
Posted on 16-03-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 16-03-2012


Big Ben, Londres:visita gratis para todos

==================================================================DEU NO DIARIO DE NOTICIAS (PORTUGAL)

As visitas ao Big Ben, a torre do relógio do Parlamento britânico, vão continuar a ser gratuitas. A decisão foi tomada ontem após os deputados terem decidido recuar na intenção de cobrar 15 libras (18 euros) por entrada.

A Câmara dos Comuns manifestou-se contra a medida apresentada a 05 de março e que pretendia que os visitantes pagassem a entrada a partir de 2 de julho para subir os 334 degraus que levam ao topo de um dos símbolos mais emblemáticos da capital britânica.

Cerca de 10 mil pessoas visitam todos os anos o Big Ben, algo que custa ao contribuinte britânico cerca de 93.000 libras (110 mil euros). Isto de acordo com cálculos feitos pelo Parlamento.

Embora a proposta de cobrar entrada se destinasse a cobrir estes custos, os deputados argumentaram que a medida iria dissuadir de entrar quer os turistas que visitam Londres quer os próprio londrinos.

Por isso, o Parlamento decidiu em prol daquilo que consideram “um direito” das pessoas visitarem o Big Ben de forma gratuita pelo menos até 2015.

mar
16
Posted on 16-03-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 16-03-2012


================================================
Frank, hoje na Notícia (SC)

====================================================

Opinião Política

A Bahia e o governo Dilma

Ivan de Carvalho

O governador Jaques Wagner está reclamando, em linguagem moderada e de correligionário e amigo da presidente Dilma Rousseff, contra o expurgo sofrido pela Bahia nas mais altas esferas do Executivo federal. No rastro da atitude do governador, a bancada do PT no Congresso – ou parlamentares que integram essa bancada – começaram a se mover e a protestar na quarta-feira e continuaram ontem.

No princípio, o governador fez pouco mais que um lamento pela saída de Afonso Florence do Ministério do Desenvolvimento Agrário, ao que acrescentou a sua ressalva explícita de que não deixará que o fato abale sua relação com a presidente da República, que o tem distinguido ultimamente com amáveis e vistosos convites para acompanhá-la em viagens a Cuba e Haiti e à Alemanha.

O lamento foi feito longe da capital, numa cidade do interior. Deu, pouco depois, uma entrevista a jornal de Salvador, A Tarde, em que transforma o lamento numa reclamação, ao tempo em que ensaia uma análise ou avaliação dos fatos. Claro que essas reações acabam repercutindo na mídia nacional, pelo destaque político que tem o próprio Wagner.

Entre a declaração no interior e a entrevista na capital, o governador foi alvo das oposições, que o acusaram – sintetizando – de omissão, de não ir à luta contra esse expurgo dos baianos na alta administração federal. Por motivos diversos – cada um com os seus – foram afastados os ex-ministros dos Esportes, Orlando Silva (PC do B), das Cidades, Mário Negromonte (PP) e do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence (PT), além do presidente da Petrobrás, Sérgio Gabrielli (PT).

Mas o governador, pelo que disse até ontem, não está reclamando em nome de todos os aliados, somente do PT baiano ou nordestino. E, até mesmo por isto, seu alvo de reclamação, ao invés de ser a presidente da República e a cúpula do governo, é a direção nacional do PT. Ao contrário do que ocorre em partidos aliados, o comando nacional petista tem privilegiado o Sul e Sudeste e esquece o Nordeste, que tem feito a diferença eleitoral a favor do partido nas eleições presidenciais. E na região, a Bahia desempenhou nisso um papel de importância inigualada.

O governador explica que a geografia não tem sido levada em conta na distribuição de posições na administração federal. O critério é, segundo disse, considerar os partidos. Esse critério – ele não explicitou, mas é óbvio – leva a que, se a um partido, a exemplo do PT, cabem 50 por cento dos ministérios (não sei se é só isso, o percentual foi posto apenas para facilitar o raciocínio), pouco importa que o PT ganhe ministérios aos montes no Rio Grande do Sul, São Paulo e fique de mãos abanando na Bahia. Como está, já que “não tem nada”, o que sugere que o governador esqueceu ou não está contando Luiza Bairros, da Promoção da Igualdade, que saiu daqui, mas é gaúcha. E tem um ministério de grande valor imaterial, que não fura poço, como diria Severino Cavalcanti, trabalhando mais com ideias que com obras ou serviços.

Vale notar, no entanto, que, ressalvado o caso de Afonso Florence, indicado pela tendência petista Democracia Socialista, apoiado pelo governador e aceito sem restrições por Dilma, os demais expurgados baianos contavam com a má vontade presidencial. Orlando Silva, indicado pelo PC do B, foi uma herança maldita – do ponto de vista da presidente – do governo anterior. Negromonte, indicado pelo PP, foi nomeado com grande má vontade e, quanto a Gabrielli, ficou na presidência da Petrobrás até recentemente – mas com prazo certo para sair – apenas graças a um pedido de seu grande amigo Lula.

Enquanto reclama do PT baiano fora de posições importantes no governo federal e com isto dá até certo ponto uma resposta às críticas oposicionistas de omissão na luta pela “representação da Bahia” na administração federal, Jaques Wagner parece, no momento, lutando mesmo, no que diz respeito a postos na administração federal, é pelo comando da Codevasf.

Yves Montand canta “A Paris” no majestoso Olympia. Voz e sentimento em quimica perfeita com o local da apresentação.

Vai com dedicatoria especial para Leticia Marques, a Let, querida amiga e incentivadora deste site blog.

Palavras de Olivia:

“Nesta sexta, 16 de março, Let celebra a vida. Segue um lindo vídeo, pode ser uma homenagem…Ela segue para a Praia do Forte onde vai curtir seu aniversário, muito feliz e amando. Viva!”

Viva! Parabens e toda felicidade do mundo. Let merece!

(Olivia, Margarida e Hugo, em nome do BP)

  • Arquivos