Alice:”candidatura para valer”

===================================================

DEU NA COLUNA DE FELIPE PATURY, NA REVISTA ÉPOCA

Marceloo Osakabe

O PCdoB baiano lançou a deputada Alice Portugal na disputa da prefeitura de Salvador. A candidatura de Alice contraria o PT, que cobrava o apoio dos comunistas para o petista Nelson Pellegrino. “Somos uma sigla de porte médio que sente a necessidade de lutar para ganhar mais espaços”, ela se defende. “Salvador não tem tradição de decidir no primeiro turno, e isso nos leva a uma possibilidade de composição mais adiante”, disse, em entrevista ao jornalista Marcelo Osakabe.

O PCdoB terá candidato próprio nesta eleição ou só se lançou para ganhar cacife político?

Não, é para valer. A decisão faz parte de uma estratégia nacional de nos lançarmos em cidades onde temos boa aceitação. O PCdoB é o partido mais antigo do país. Somos aliados do PT mas independentes em relação a ele.

O que orientou o lançamento da candidatura em Salvador?

Nosso partido tem bastante força em Salvador e na Bahia. Com três deputados federais e dezoito prefeitos, somos uma sigla de porte médio que sente a necessidade de lutar para ganhar mais espaços.

Como está a costura das alianças?

Temos conversado com os partidos da base do governador Jaques Wagner e da presidente Dilma Rousseff. Já procuramos PPS, PDT, PRB, PTB e até o PMDB, que ainda não decidiu se apresenta candidatura. Mas não é nada adiantado. O período é de um olhar para o outro, ver quem esta se colocando e procurar aliados para este primeiro turno.

Que temas a senhora quer debater na campanha?

A primeira capital do país está em completa desconstrução e abandono. Temos um grave problema de mobilidade urbana, as vias públicas estão congestionadas, áreas tipicamente destinadas ao espaço publico estão sendo privatizadas. Precisamos devolver os encantos da cidade ao seu morador, e também à Bahia. Sou a favor do crescimento da cidade, mas para isso precisamos dialogar com todos os setores da sociedade para resolver todos os nossos problemas. É um recomeço.

Como combater a violência, que cresce na cidade?

Precisamos trabalhar, em conjunto com o governo federal e do estado, em soluções que deixem a polícia mais presente no quotidiano do cidadão. Quero também focar em políticas sociais para os jovens, como escola e esportes. Alguns bairros afastados precisam ser totalmente ressignificados. A inclusão social é chave para combater a violência.

O turismo estagnou na cidade, enquanto cresceu em outras cidades do Nordeste. A nossa conversa com a sociedade vai inclui esse segmento, que é estratégico. Algumas cidades podem ter balneário, belezas naturais. Mas quando pensamos em patrimônio histórico, pensamos em Salvador, em função da mescla racial, cultural e religiosa. Precisamos requalificar todos os nossos serviços turísticos, Salvador não é uma cidade de indústria pesada.

Petistas baianos dizem que a sua candidatura atrapalha a pretensão de vencer no primeiro turno.

Não acreditamos que nossa candidatura atrapalhe o projeto do grupo do governador Wagner. Salvador não tem tradição de decidir no primeiro turno, e isso nos leva a uma possibilidade de composição mais adiante. Além disso, alternância não é ameaça, não é ruptura. É salutar para o processo político.

Marcelo Osakabe (FOTO: Dilvugação)

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos