Otávio Mangabeira
==========================================================

OPINIÃO POLÍTICA

Um edital muito doido

Ivan de Carvalho

Ah, ora, que coisa mais aborrecida.

Na Antiguidade, o governador Octávio Mangabeira, de reconhecida cultura, teve um insight, virou-se para o interlocutor e sugeriu, irônico: “Pense um absurdo. Na Bahia tem precedente”.

Desde então, e infelizmente com cada vez maior frequência, a ponto de já se haver tornado um lugar comum na Bahia e algo conhecido em todo o país – no mesmo nível da famosa frase mineira segundo a qual “Minas está onde sempre esteve” – o insight lapidar do ancestral político do governador Jaques Wagner vem sendo justificadamente aplicado às coisas da Bahia.

Não se pretende aqui enumerá-las. Mas fazer breves observações sobre, não certamente a última – uma vez que muitas vezes outras virão – mas a mais recente.
Ela é, no entanto, diferente das anteriores, que tanto nos obrigaram, a mim e a muitos outros, a papaguear (na Secretaria de Cultura o desprezo que receberia esse verbo o substituiria por repetir ou talvez parafrasear, mas isso é lá uma opção dos cultos) o vetusto Octávio Mangabeira.

Na verdade, o novo absurdo, a nova ocorrência – que seguramente mereceria um B.O. em alguma delegacia especializada e/ou sindicância administrativa como providências preliminares para apuração de responsabilidades e definição das ações corretivas adequadas – não justifica a famosa e quase imortal citação de Octávio Mangabeira. Antes, a desmoraliza e deixaria seu autor, se ele ainda estivesse do lado de cá, com a cara mexendo, incrédulo da inutilidade de seu genial insight.

É que o edital da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia sobre a contratação de servidores pelo sistema Reda – até a manhã de ontem exposto no portal da Secult, como se fosse coisa digna de se exibir – não tem precedente nem mesmo na Bahia.

Um dos itens sem precedentes está no seguinte dispositivo do edital: “Atuação em sindicatos, partidos e organizações da sociedade civil (2,5 pontos por ano – máximo 04).” Explicando melhor: Se o candidato inscrito para o processo seletivo tem “atuação sindical” – uma expressão de significado extremamente vago – por algo menos que dois anos obtém quatro pontos. Tempo idêntico de atuação em “organização da sociedade civil”, um conceito também extremamente amplo, ganha mais quatro pontos. E se é filiado a partido político por período idêntico, mais quatro pontos. O total é de 12, mas o edital, cautelosamente, fixa o limite da soma desses três fatores qualificativos em dez.

Oh, o infeliz perdeu dois pontos, melhor dizendo, deixou de ganhar mais dois pontos, coitadinho (a).

Pode ser que haja precedente dessa vantagem conferida por “atuação em partidos” na extinta União Soviética, na China, em Cuba, em países de partido único, nos quais ser integrante do partido dava ou dá direito a privilégios diversos, sempre maiores à medida que o filiado vai subindo na hierarquia partidária.

Fico me perguntando se o idealizador desse edital (a Secretaria de Cultura diz que o secretário não conhecia o teor do edital, que estava sob a responsabilidade do superintendente de Desenvolvimento Territorial, Adalberto Santos, que algum dia há de voltar de uma viagem ao Rio de Janeiro, revelada pela Secult), seja lá quem haja sido, terá tentado lançar um balaio de ensaio ou fazer um teste sobre aquelas vantagens dos filiados ao partido único e seus auxiliares, a exemplo de sindicatos geralmente alinhados e “organizações da sociedade civil”.

Bem, aos candidatos, aos quais eram oferecidas nove vagas, uma em cada uma das nove regiões discriminadas no edital, exigia-se (o edital foi oficialmente posto no lixo quando a mídia o descobriu) nível de instrução superior e remuneração de R$ 1980,00. Uma doideira do edital até aqui não referida é que, se nenhum candidato obtivesse a pontuação requerida, não se faria outra seleção nem seriam aproveitados os que houvessem obtido pontuação menos ruim. Seriam escolhidos candidatos exclusivamente
pelo critério de entrevista.

Be Sociable, Share!

Comentários

vangelis on 24 Fevereiro, 2012 at 9:01 #

Isso é o que se chama de verticalização da esculhambação inventada pelo chefe maior dos Petralhas quando disse que não sabia de nada no episódio dos mensalões, agora esse Albino, que deve estar com a cara de pau vermelho, dizendo que não sabia o que continha no documento que assinou. Se o povo não abrir o olho os petralhas não largam o osso!!!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2012
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    272829