fev
15

=======================================


CRÔNICA/DESTINOS

Witney e Judy, destinos cruzados

Maria Aparecida Torneros

Em meio ao noticiário triste sobre a perda de Whitney Houston fui assistir com duas amigas a peça sobre a vida de Judy Garland, vivida no palco pela excelente Claudia Netto.

Duas estrelas com fins parecidos. Em idades semelhantes, de causas que envolvem drogas, apesar de talentos imensos, vidas envoltas em crises existenciais profundas, mortes solitárias, amores distantes, provavelmente, falsos amores por divas que encantam gerações e se desencantam dentro dos seus universos interiores. Poderia citar muitas e muitos. Os reféns do sucesso, os prisioneiros da mídia, os aquartelados da máquina propulsora que os impele a vender música, fazer shows, filmes, apresentar-se em tournês fantásticas, correndo o mundo de cidade em cidade, de hotel em hotel, engrossando faturamentos de uma indústria opressora que os recompensa com … bem…aqui eu páro e reflito… com o que mesmo estas criaturas de vozes e talentos maravilhosos alcançam felicidade e paz interna, com suas famílias, no seu trabalho, na sua trajetória marcada pelas fugas e recomeços?

Não vou citar…outros e outras, deixo que cada um faça sua própria lista. A tal lista da piedade pelos que nos oferecem tanta beleza e a quem devolvemos cifras em bilheterias ou compra de cds e dvds, ou idolatria e assédio que certamente não os prenchem nas horas solitárias, no instantes em que precisam se olhar nos espelhos da alma e nem se reconhecem mais em sonhos ou esperanças.

A peça de Judy mostra bem seus momentos de decadência e sua necessidade de drogas. Ela revela que na adolescência , quando gravou as cenas de O mágico de Oz, a drogaram, muitas vezes para que aguentasse o ritmo frenético do trabalho. Depois, para o vício, foi um passo progressivo, deve ter sido assim também com Whitney, somando-se desilusões amorosas, expectativas por sentimentos reais que não se baseiem em uso do seu incomparável marketing, do investimento em suas performances perfeitas ou do mundo pequenino de onde nunca conseguiram sair, mas que fingiram ultrapassar para as luzes dos refletores das noites de entrega dos grandes prêmios que sempre renderam milhões de dólares.

As histórias de ambas, no meu domingo, se entrecruzaram. Ao ouvir a personagem Judy cantar Smile, eu lembrei do belo sorriso de Whitney nas vezes em que a apreciei, em filmes ou televisão.

Sorrir pode ser um artifício magnífico para esconder uma dor insurpotável.
Psicotrópicos podem ajudar no processo e podem levar a um final assim…
Quantas e quantos mais? Insisto em não citar, os leitores podem enumerar e traduzir para si mesmos as mensagens das divas… Eu sempre amarei você… Além do arco-íris…

Chaplin, com Smile, resumiu tudo…e era justamente esta a canção preferida de Michael Jackson, ironia de um destino semelhante, bem, acabei citando um deles, o menino que a máquina transformou também em consumidor voraz de medicamentos, bolinhas, etc. etc…

Meu consolo, ter a certeza de que o público de milhões de fãs de todos estes ídolos, sempre os amarão, e muitas vezes, ao reverem ou reouvirem suas apresentações, poderão se emocionar ou até sorrir, apesar dos pesares e dos narcóticos.

Cida Torneros, jornalista e escritora, mora no Rio de Janeiro onde etita o Blog da Mulher Necessária

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2012
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    272829