fev
07


Marco Prisco:”condições essenciais”
==============================================
DEU NO G1 Bahia

No oitavo dia de paralisação de parte da Polícia Militar no estado da Bahia, o líder do movimento grevista, Marco Prisco, delimita três reivindicações como os itens principais para chegar a um acordo com o governo. “Queremos anistia administrativa, revogação das prisões e pagamento da Gratificação por Atividade Policial 4 e 5, as chamadas GAP. Somente com essas três reivindicações a greve terá fim”, disse Prisco, que representa um grupo dos PMs que ocupa a Assembleia Legislativa do estado..

No fim da manhã, o governador Jaques Wagner disse que a expectativa é de que a greve da Polícia Militar acabe ainda nesta terça-feira (7). “Meu esforço está sendo esse, muito grande, fazendo propostas consistentes para que a gente possa terminar esse movimento ainda hoje”, declarou em entrevista à TV Bahia, afiliada da Globo no estado.

O pagamento das Gratificações por Atividade da Polícia Militar de número 4 e 5, que está entre as principais exigências dos manifestantes, não tem como ser incluso “imediatamente” no orçamento do governo o aumento solicitado, disse o governador. Segundo ele, é possível incorporar a gratificação ao soldo, como é chamado o salário dos soldados, até 2015. Um dos integrantes do movimento grevista, que não se identifica, diz que eles aceitam o pagamento escalonado apenas se todos os 12 mandados de prisão já expedidos forem revogados.

“Divida isso em seis anos de mandato. É pouco para uma cidade como Salvador, que tem nível alto de violência. O que estamos pedindo é simples, é apenas o cumprimento da lei 7.145/1997, que diz que todos os policiais que trabalham 40 horas, a carga horária máxima, devem receber a gratificação [GAP V]. Mas eles não querem negociar”, disse Prisco.

De acordo com a Polícia Militar da Bahia, o soldo de um soldado é de R$ 566, 44. Com o pagamento da GAP 3, que ocorre atualmente no valor de R$ 1.454,49, o salário sobe para R$ 2.173,87, referente à carga horária máxima. Se a GAP 5 fosse incorporada, Prisco afirma que o salário bruto dos PMs subiria para cerca de R$ 3.680. “A nossa mobilização é pacífica, ordeira, queremos dialogar. Desde o início a nossa palavra é negociar”, relata.


Greve de PMs: Sem acordo hoje, de volta ao impasse
=======================================

DEU NO CORREIO DA BAHIA

Da Redação

Terminou sem acordo a reunião entre associações da Polícia Militar e representantes do governo estadual realizada nesta terça-feira (7). O encontro começou às 10h, na residência episcopal do arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, e terminou por volta de 17h.

O governador Jaques Wagner disse, na manhã desta terça-feira (7), acreditar que esta reunião poderia ser o fim do greve parcial de PMs. “Iniciamos um processo de negociação. Nós fizemos uma proposta que eu considero bastante razoável e é com base nisso que estou fazendo essa aposta”, explicou o governador.

O que teria impedido o fim da greve foi a data de pagamento da Gratificação por Atividade Policial (GAP) IV. As associações queriam que o pagamento fosse realizado em 2012, mas o governador diz que só pode começar a pagar a GAP IV a partir de 2013.

Segundo a TV Bahia, na reunião, houve avanço em três pontos. Ficou decidido que os 12 PMs que tiveram a prisão decretada não irão para presídios federais, aqueles que participaram da greve de forma pacífica não serão punidos, e os policiais que cometeram atos de vandalismo durante a paralisação responderão a processos administrativos.

Agora, as associações vão apresentar à categoria as propostas discutidas na reunião. A Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra), que decretou greve por tempo indeterminado em assembleia no último dia 31, não participou da reunião.

Além de Dom Murido Krieger, participaram da reunião o secretário da Casa Civil, Rui Costa, o presidente da OAB da Bahia, Saul Quadros, o secretário da Administração do Estado, Manoel Vitório, o comandante geral da PM, coronel Alfredo Castro, e representantes de cinco associações ligadas à PM.

Impasse

“Nós, ao longo de cinco anos, concedemos 30% de aumento real. E eu tenho limite na folha. As negociações são em torno desse valor, da chamada GAP IV, e eventualmente até da GAP V, mas evidentemente isso terá que ser partilhado ao longo de 2013, 2014 e até 2015. Se for para pagar alguma coisa imediatamente agora, não há menor espaço, porque eu não tenho espaço fiscal para fazê-lo”, afirmou o governador.

Os grevistas recusam a proposta de reajuste oferecida pelo governo de 6,5% reatroativo ao mês de janeiro. Além do aumento salarial, a categoria reivindica o pagamento da GAP IV e V, e a regulamentação do pagamento de auxílio acidente, insalubidade e periculosidade.

Os grevistas também pedem anistia administrativa e revogação das prisões dos 12 líderes do movimento.

Assembleia cercada

Cerca de 600 homens do Exército e 40 agentes do Comando de Operações Táticas (COT) cercam a Assembleia Legislativa desde a manhã de segunda-feira (6) para cumprir os 11 mandados de prisão contra policiais e bombeiros que estão acampados no prédio. Um policial militar foi baleado no confronto.

Nesta terça-feira, o general da 6ª Região Militar permitiu a entrega de alimentos e material de higiene para os policiais militares que estão acampados no prédio da Assembleia Legislativa. Segundo oficial de Comunicação, Mário Cunha, a entrega de alimentos foi permitida por conta do avanço das negociações para o fim da greve.

Por volta das 10h, soldados do Exército que fazem o cordão de isolamento em torno do prédio da Assembleia permitiram que manifestantes jogassem sacolas com alimentos, papel higiênico e água.

Três policiais militares que estavam acampados deixaram o prédio, um deles saiu da Assembleia ainda na madrugada. Antes da saída dos PMs, soldados do Exército checaram se havia pedido de prisão expedido em nome deles.

fev
07
Posted on 07-02-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 07-02-2012


Covilhã, em Portugal, enfrenta a seca…
——————————————————————
…e o Leste Europeu(Bulgária) onda de gelo
============================================

O mesmo problema, as mesmas consequências.

Washingto de Souza Filho

De Covilhã, Portugal, especial para o Bahia em Pauta

A presença em Portugal, no período do inverno, permite perceber que a seca é um fenômeno que atinge o país, por razões diferentes,da mesma forma que o Brasil, com as mesmas consequências: os prejuízos para os mais pobres, especialmente os trabalhadores da agricultura. A falta de chuva é um assunto em pauta, principalmente na região de Covilhã, onde vivo desde o mês de dezembro.

A seca foi destacada esta semana, praticamente da mesma forma que a onda de frio iniciada no Leste da Europa e que atingiu a Península Ibérica a partir de sexta-feira, 3. A onda de frio não alterou muito a temperatura – mantidas as médias no limite máximo de 10 graus. Os dias de frio, considerado pouco, tem sempre a presença do Sol.O inverno de 2012 é considerado ameno pelos especialistas portugueses, sem atingir a marca do inverno de 2004-2005 – com temperaturas mais elevadas e pouca chuva.

O mais grave é a falta de chuva. A queda da temperatura e a chuva fornecem os elementos para um fenômeno, destacado nesta região, da Serra Estrela, na Beira Interior, que é a neve. Além de atrativo para os turistas – e renda para diversas atividades -, a neve é importante para a ampliação das reservas das barragens e para umedecer a terra – essencial para o trabalho dos agricultores.

O espetáculo que é registrado em inúmeras fotos pelos turistas, além de permitir praticar esportes, como esqui, contribui para a produção de alimentos e a manutenção dos animais, com o degelo. E ele que faz a água retida como neve, no alto da serra, ao iniciar a transformação em líquido, revigorar a terra. A região vive, desde o início do inverno, em dezembro, esta expectativa, que não se concretizou, com a falta de chuva. Uma situação que é conhecida dos nordestinos do Brasil, principalmente, mas que tem razões diferentes, uma parte delas sem a interferência da natureza.

A preocupação com a falta de chuva tem feito muita gente esquecer o principal problema do país – a crise financeira. Na contramão do processo que está marcando Portugal – a emigração, comparada ao padrão de 1960, com Oliveira Salazar no comando – um assunto que envolve o Brasil – uma opção de salvação para os portugueses com disposição para atravessar o Atlântico – passa despercebido, inclusive em nosso país. É a tentativa de limitar a contratação de jogadores de futebol estrangeiros pelos clubes da Europa.

Em Portugal, o Brasil está absoluto em primeiro lugar. São 130 jogadores, mais de 100 à frente da Argentina, que tem 11. Os considerados grandes do futebol português – Benfica, Porto e Sporting – anunciaram que são contra. O Porto, atrás do Benfica, no campeonato nacional, tenta contratar Paulo Henrique Ganso, meio-campo do Santos, e sonha com Liédson, atualmente no Corínthians, que tinha jogado, por aqui, no Sporting.

Washington José de Souza Filho, jornalista, professor da Faculdade de Comunicação da UFBA.


Battisti no lançamento de novo livro em POA/Folha
===========================================

DEU NA FOLHA.COM

Livre há quase oito meses, o italiano Cesare Battisti, que vive no Rio de Janeiro, prepara-se para começar a trabalhar em uma livraria e lançar, em abril, seu 18° livro “Ao Pé do Muro”.

O roteiro faz parte da tentativa do italiano, que recebeu asilo político no Brasil e causou estremecimento na relação diplomática do país com a Itália, de refazer a vida e afastar a ideia de que ainda vive como um clandestino.

Battisti visitou nesta terça-feira a Comissão de Direitos Humanos da Câmara e o gabinete do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP). Manteve-se quase o tempo inteiro calado. Trocou poucas frases com jornalistas e só foi enfático ao negar que tenha conhecimento de uma ação do Ministério Público pedindo a revisão de seu asilo. “Não conheço.”

Ele afirmou ainda que a passagem pelo Congresso era para “agradecer” o apoio dos deputados pela liberdade e justiça. Foi recebido por técnicos da comissão e entregou um livro.

Sua mais recente obra, “Ao Pé do Muro”, segundo interlocutores, é de ficção e fala em prisão, liberdade, justiça. Ele buscou inspiração nos cerca de três anos de vida clandestina no Brasil e foi concedido ao longo dos quatro anos na prisão. O livro deve ser lançado entre 10 e 12 de abril em Brasília.

Segundo o ex-senador José Nery (PA), que o acompanhou na visita, Battisti quer distância de polêmicas. “Foi uma decisão soberana que concedeu o refúgio político e ele espera ter tranquilidade para tocar a vida”.

O futuro local de trabalho de Battisti ainda é mantido em reservado, mas a livraria é no Rio de Janeiro.

Livre da prisão, o italiano também pretende defilar no Cordão da Bola Preta, tradicional bloco de carnaval de rua da cidade.

Ex-integrante do PAC (Proletários Armados pelo Comunismo), condenado à prisão perpétua por quatro assassinatos ocorridos nos anos 1970 na Itália, Battisti não tem problemas com a lei brasileira –já tirou até RG e CPF.


Gisele consola marido depois da derrota

============================================

A modelo brasileira Gisele Bündchen foi acusada pelos jogadores do New England Patriots, time de da NFL (a Liga profissional de futebol americano dos EUA) defendido pelo seu marido Tom Brady, de violar o código de conduta do time após o desabafo por causa da derrota no Super Bowl. A equipe de Brady perdeu para o New York Giants por 21 a 17.

“Você tem que agarrar a bola quando é esperado que você faça isso. Meu marido não pode arremessar a bola e agarrá-la ao mesmo tempo. Não consigo acreditar que eles deixaram a bola escapar tantas vezes”, este foi o comentário de Gisele, que deu início a polêmica.

Segundo o site TMZ, a afirmação da modelo violou o código de ética dos jogadores do New England Patriots, que têm como lema “Vença como um time e perca como um time”.

A vontade de ver o time de seu marido vencer no Super Bowl era tamanha, que Gisele Bündchen chegou a pedir para amigos e familiares para que orassem por Tom Brady.

(Informações do IG e TMZ)


Dom Murilo:fé no cardeal como negociador na greve
==========================================

DEU NO GLOBO.COM

Representantes do governo da Bahia e de associações de policiais militares do estado se reúnem desde a manhã desta terça-feira na residência episcopal do arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, no condomínio Pedra da Marca. O objetivo é pôr fim à greve.

Participam do encontro o secretário estadual da Casa Civil, Rui Costa; o secretário de Administração do estado, Manoel Vitório; o comandante-geral da PM, coronel Valter Medeiros; o procurador-geral do estado, Rui Moraes; e representantes das associações, com exceção da Associação dos Policiais, Bombeiros e Damiliares (Aspra), que encabeça a ocupação no prédio da Assembleia Legislativa.

O governador da Bahia, Jaques Wagner, disse nesta terça-feira acreditar que as negociações com os policiais militares que estão em greve no estado estão avançando e aproveitou para fazer um apelo e pedir para que os profissionais de segurança não deixem a população desamparada. Os grevistas passaram a madrugada na Assembleia Legislativa da Bahia e não obedeceram à determinação de sair do prédio.

Na noite de segunda-feira, oito menores deixaram a Assembleia junto com familiares, após decisão judicial assinada pelo juiz Adenilson Barbosa dos Santos, da Justiça estadual, que determinou a retirada das crianças do local. Ainda assim, muitas crianças ainda continuam ao lado dos policiais. O Ministério Público e deputados estaduais acusaram o comando de greve de usar os filhos dos militares (cerca de 150 estão lá dentro, segundo os líderes do movimento) para deter o avanço das tropas do Exército.

Não haverá anistia para PMs que praticaram vandalismo, diz Jaques

Mesmo com os grevistas desobedecendo às determinações, o governador declarou que o fato de uma negociação ter durado tanto tempo é um “ótimo sinal”.

– Quando as coisas não andam, as negociações se interrompem rapidamente – disse, em entrevista ao “Bom Dia Brasil”, da TV Globo.

– A extensão da reunião é um sinal de que estamos no caminho de encontrar uma saída negociada – acrescentou.

Mas na negociação, os policiais também terão que ceder, já que Jaques Wagner diz que não há espaço fiscal para suprir todas as demandas:

– Nós, ao longo de cinco anos, concedemos 30% de aumento real. E eu tenho limite na folha. As negociações são em torno desse valor, da chamada GAP 4 e eventualmente até da GAP 5, mas evidentemente isso terá que ser partilhado ao longo de 2013, 2014 e até 2015. Se for para pagar alguma coisa imediatamente agora, não há menor espaço, porque não tenho espaço fiscal para fazê-lo – afirmou.

Como forma de negociação, o governo da Bahia disse que garante um reajuste salarial de 6,5% em 2012, retroativo a janeiro, para os policiais militares, “como prova de que está disposto a negociar as reivindicações econômicas da categoria”. Mas, à TV Globo, o presidente da Associação de Policiais, Bombeiros e de seus familiares (Aspra), o soldado Marco Prisco, reclamou da oferta:

– 6,5% não é proposta – disse Prisco, um dos 11 grevistas que estão com mandados de prisão expedidos pela Justiça.

Sobre uma possível anistia aos grevistas, Jaques Wagner afirmou este não é o caso na situação:

– Não tenho interesse em perseguir ninguém. Mas aqueles que cometeram crimes de vandalismo, e atacaram um ônibus escolar, por exemplo, serão punidos. São coisas diferentes: protestar é uma coisa, fazer vandalismo é outra – declarou ele, em entrevista à Rádio CBN.

O governador também foi perguntado se considera a greve é legítima:

– Cada um tem sua opinião, eu não sou obrigado a ter a mesma opinião do ex-presidente ou do meu partido.

( LEIA MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O ASSUNTO NO GLOBO.COM)

O Itaú Unibanco, maior banco privado do país, anunciou nesta terça-feira seu lucro líquido de 2011, que foi o maior resultado da história dos bancos do País. O banco registrou um ganho de R$ 14,6 bilhões no ano passado, crescimento de 9,7% sobre o ano anterior.

Com esse resultado, o banco superou o recorde anterior, que foi seu resultado de 2010, de R$ 12,493 bilhões, divulgado em abril do ano passado.

A terceira posição é do Banco do Brasil, que lucrou R$ 11,7 bilhões em 2010.

O Bradesco, que anunciou seus números na última semana, terminou 2011 com um ganho de R$ 11,198 bilhões, uma alta de 14,2% sobre R$ 9,804 bilhões no mesmo período de 2010. O número coloca a instituição na quarta posição.

Entre os resultados de 2011 já divulgados, o Santander contabilizou um lucro líquido de R$ 7,775 bilhões, aumento de 5,1% em relação aos R$ 7,382 bilhões do ano anterior.

(Informações do IG)

fev
07
Posted on 07-02-2012
Filed Under (Artigos) by vitor on 07-02-2012


Aroeira, hoje, no jornal O Dia (RJ)


=================================================


OPINIÃO POLÍTICA

Motim, um conceito superado

Ivan de Carvalho

O governador da Bahia, Jaques Wagner, do PT, em entrevista à Folha de S. Paulo, ontem, disse que a greve na Bahia está sendo orquestrada nacionalmente para pressionar o Congresso a aprovar a PEC 300, uma proposta de emenda constitucional segundo a qual os policiais militares e civis de todo o país teriam remuneração igual aos do Distrito Federal.

Uma resposta surgiu de bate-pronto por intermédio do presidente estadual do PMDB, deputado Lúcio Vieira Lima, entrevistado por Mário Kertész para a Rádio Metrópole: “Isso é uma tentativa do governador de dividir e democratizar os prejuízos”, ao atribuir a esse movimento um caráter nacional.

Na mesma entrevista à Folha, o governador disse que os métodos usados por uma parte dos grevistas da PM são “coisa de bandido”. Referia-se ao uso de armas para tomar ônibus e bloquear vias públicas. Também atribuiu, segundo a Folha, uma parte dos homicídios ocorridos nos últimos dias a policiais militares grevistas.

Certamente não àqueles que estavam dentro do prédio da Assembléia, que desde o início da noite de terça-feira ocupavam, grande parte deles armada, a sede de um dos Poderes do Estado, mas sem violência. Até às 20:15 horas de ontem, quando escrevia estas linhas, não haviam, que se soubesse, matado ninguém.

A manhã, ontem, no entorno da Assembléia Legislativa foi agitadíssima por conta do veto das forças militares e policiais militares que sitiavam – sob o comando do general Gonçalves Dias, comandante da VI Região Militar, que agia com serenidade – o Palácio Deputado Luís Eduardo Magalhães – ao ingresso de um grupo de outros PMs e familiares dos PMs que já estavam no prédio.

Na área externa, três PMs grevistas foram feridos com balas de borracha e foram usadas também bombas de gás e de “efeito moral”. Um PM estava sendo espancado por dois soldados do Exército, sendo socorrido pelo deputado Capitão Tadeu Fernandes, do PSB, que conseguiu interromper a agressão, praticamente usando o corpo para proteger a vítima. O PM espancado e o general Gonçalves Dias acabaram abraçando-se.

A tarde foi bem menos intranquila, embora um caminhão haja chegado com placas de metal para serem usadas de modo a impedir a visão do prédio. E a transparência, hein? Os jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas ficariam impedidos de terem uma visão da sede do Poder Legislativo e documentar, mesmo à distância, o que lá acontecesse. Houve protestos e o caminhão foi embora com suas placas.

No início da noite, o deputado Capitão Tadeu, que havia se retirado quando as coisas estavam calmas, voltou, mas não lhe foi permitido acesso ao interior da área isolada. Ele disse à Rádio Metrópole que o governo estava pondo à frente das negociações o deputado Nelson Pelegrino (candidato a prefeito pelo PT em Salvador) e a prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho. Disse que isso prejudica negociações e que o governo oferecia apenas não enviar o líder da greve Marco Prisco para uma prisão federal, mas estadual, além do aumento de 6,5 por cento, mesmo percentual da inflação oficial deste ano. Observou que isso apenas não levaria a um acordo.

Falando do teatro de operações, o deputado Capitão Tadeu, entre indignado e desconsolado, disse que tudo que via indicava que “vai haver a invasão do prédio esta noite” e acrescentou que os PMs que ocupam a sede da Assembléia “dizem que vão atirar”.

Em tempo: o que grande parte da PM da Bahia está fazendo não é uma greve, mas um motim, perfeitamente tipificado em lei. Mas como Lula, em 2001, a um passo de eleger-se presidente em 2002 – referindo-se ao motim em muitas unidades da PM da Bahia – disse que “toda greve é legal”, mesmo em serviços essenciais, se os salários “não são essenciais”, e que na Suécia até o Exército pode fazer greve fora de período de guerra, então o conceito de motim ficou ultrapassado. Uma anistia geral a policiais amotinados no país foi dada durante seu governo.


====================================

BOA NOITE!!!

(VHS)

  • Arquivos

  • Fevereiro 2012
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    272829