Eliana: sem trocar verdades e deveres
por concessões e conivências.

=========================================================

OPINIÃO POLÍTICA

Memórias do Natal

Ivan de Carvalho

No Painel, da Folha de S. Paulo, Renata Lo Prete escreve o seguinte: “As mesmas vozes do bom senso, minoritárias na atual conjuntura, ponderam que a corregedora nacional de Justiça contribuiu, com palavras e gestos, para a situação de asfixia em que se encontra. Eliana, observam essas pessoas, enfrenta dificuldades até entre os conselheiros do CNJ. Sem alguma negociação, a cada dia mais difícil, ela ganhará a batalha da opinião pública, sem dúvida, mas não conseguirá dar mais um passo.”

Bem, acabamos de viver o Natal. O que traz a alguns a lembrança do nascimento e da história de vida, morte e ressurreição de Jesus. Um bom motivo para perguntar se ele negociou com o Sinédrio, se deixou de expulsar os mercadores do Templo ou se chegou a algum acordo com Pôncio Pilatos, trocando verdades e deveres por concessões e conivências.

Sei que todos que conhecem a história de Jesus sabem qual a resposta a essa pergunta. E tenho a impressão que Ele, como Renata Lo Prete prevê no caso de Eliana Calmon, ganhou a batalha da opinião pública. Isso fez uma grande diferença.

Mesmo que na batalha da opinião pública a vitória não haja sido total. Mas o próprio Jesus já sabia que seria assim, o Novo Testamento deixa isso evidente. A vitória completa não seria mesmo a da opinião pública, pois que de qualidade e não de quantidade, mas a vitória na “batalha da opinião pública”, ainda que parcial, seria e será fator importante para a vitória final, a da mudança, que só chegará ao completar-se, no seu tempo, que não tarda, o drama ainda em curso.

Mas já que do Conselho Nacional de Justiça passamos ao Natal, cumpre expressar uma observação que há anos já se tornou um clichê, um lugar comum. Salvo nos templos cristãos, na transmissão da “missa do galo” pela televisão e em mais alguns lugares discretos e privilegiados, às vezes secretos para evitar perseguições, esqueceu-se o Dono do Natal, miseravelmente trocado por um “simpático” velhinho barbudo com um saco enorme, cheio de atrativos com que a indústria e o comércio desviam do Aniversariante o coração das crianças e até a atenção dos adultos.

Ah, sim, comemorei o Natal em companhia de umas 15 a 20 pessoas, além de um cachorro e um papagaio. Respeitoso, o papagaio não disse nenhuma bobagem, aliás, ficou em total silêncio, ainda que não seja mudo. Também silente, talvez meditativo, quedou-se o cachorro.

As pessoas estavam alegres. Trocaram presentes (sem se darem ao trabalho de lembrar a razão profunda dessa atitude), abraços e beijos, beberam moderadamente, conversaram, mas o Natal nem o Dono dele foram assunto em momento algum. Uma delas tocou violão, duas cantaram, outras tentaram acompanhar, nenhuma música tinha referência com o Natal ou o Aniversariante. Entre as canções, umas três ou quatro de Roberto Carlos, mas nenhuma daqueles em que ele fala Nele. Nenhuma rejeição, apenas esquecimento.

Dois de meus netos, crianças, estavam presentes. Havia um mural com desenhos/pinturas deles e de uma prima sobre o Natal. Papai Noel estava em destaque em 90 por cento dos “quadros”, em 80 por cento com o saco e em alguns com o acréscimo daquele ridículo Hô! Hô! Hô! Nos outros, o destaque eram pinheiros, a “árvore de Natal”.

Chamei o meu neto mais velho (?!), uma linda (por dentro e por fora) criança-adolescente de 12 anos. “Parece que tem alguma coisa faltando aí no mural, não é?”, provoquei. “O que, voinho?”, perguntou, depois de um atento olhar geral. “Quantos Papai Noel tem aí?”, repliquei. Ele contou, não lembro exatamente, mas eram uns dez. “E árvores de Natal?”, insisti. Havia umas cinco ou seis. Então dei o golpe final: “E o Dono do Natal, Jesus, quantos tem?”. Não havia. “Ah, voinho, eu fiz um quadro com Jesus, mas ficou muito ruim, eu não botei no mural”.

Acho que a intenção dele salvou o mural. Acho que a intenção (e a coragem) de Eliana salva sua luta, mesmo que algum abutre lhe devore o fígado ou que o corporativismo nada santo a crucifique.

Be Sociable, Share!

Comentários

Mariana on 26 dezembro, 2011 at 11:26 #

É isso aí, caro Ivan, você disse tudo! Sempre se esquecem do principal nas festas de Natal, mas o importante é que, mesmo sem alarde, seguimos lembrando Dele e fazendo Dele o nosso guia em todos os momento e atitudes.
Quanto a Eliana, pode acreditar, ela vai fazer o impossivel para botar esses “bandidos de toga”, senão na cadeia, mas, pelo menos, em boa dose de aflição.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • dezembro 2011
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031