dez
15
Postado em 15-12-2011
Arquivado em (Artigos) por vitor em 15-12-2011 14:20

==========================================================

CRÔNICA/RELÍQUIA

Cassia Eller, 49

Maria Aparecida Torneros

Ela só pedia a Deus um pouco de malandragem. Sua geração, sucesso dos anos 90, mocidade vivida entre Brasília , Minas e Rio de Janeiro, nos legou um tipo de música cuja interpretação tão forte é um símbolo dos pós anos 70, os filhos daquela gente que ia ser hippie e ia mudar o mundo. Cássia Eller faria 49 anos esta semana, parece que ela ainda está por aí, nos nossos recantos onde observamos as garotinhas que quase 49, as mesmas que tiveram a coragem das mães solteiras, das mulheres destemidas, de pares reais ou efêmeros, de gente cuidadosamente descuidada com a própria vida.

Seus contemporâneos, Cazuza e Renato Russo, eram tão bons e tão fascinantes, na sua arte, que seguem nos encantando tal o nível de criatividade e expressão musical. Cassia tinha uma voz tão forte e tão destemida, ela era um furacão e ao mesmo tempo era doce. Um documentário especial homenageando seus 49 anos, na Globo News, mostrou facetas da cantora e depoimentos sobre trajetória de vida e sua estrada de sucesso. Zelia Duncan falou da docilidade que ela podia imprimir na própria voz , quando queria, como se uma gama de possibilidades vocais a separassem do lugar comum.

Cássia Eller e Nando Reis, uma dupla de extasiar, cantando Relicário, imperdível e inesquecível. Lembro de um carnaval na Bahia, em 200, transmitido na televisão, quando a Cássia apareceu de seios de fora, solta como um pássaro, ela cantou “Polly”, do Nirvana, em pleno carnaval da Bahia, e deixou o Vanutty sem falas quando mostrou os peitos, no gesto irreverente e natural.

Em 2002, Armandinho e seu trio elétrico que desfilou no circuito Barra-Ondina no carnaval de Salvador fez uma homenagem a ela, durante a apresentação do blogo “Trio Fobicão, na avenida. Depois de mencionar a criação da guitarra elétrica e do trio elétrico, obra de Dodô e Osmar, Armandinho emendou uma homenagem à cantora Cássia Eller, que morreu em dezembro de 2001, vítima de infarto, com a música “Malandragem”.

Num trecho de artigo de autoria de Hagamenon Brito, vale ressaltar o que ele diz :”filha de um sargento paraquedista do Exército e mãe dona de casa, Cássia Eller completaria 49 anos. Quis o senhor da razão e da emoção, porém, que a cantora carioca partisse cedo demais, aos 39 anos, em 29 de dezembro de 2001, de infarto.

Entretanto, caros admiradores da irmãzinha tímida e rebelde de uma geração, uma década depois de sua morte não existe motivo para tristeza e, sim, celebração por tudo aquilo que Cássia Eller viveu – de modo intenso -, cantou e deixou. Dois lançamentos da gravadora Universal homenageiam a única cantora que rivalizou com Marisa Monte nos nos 90 em impacto e relevância na música brasileira – mas que, diferentemente da comportada MM, foi rock’n’roll em atitude e irreverência no palco e na vida pessoal”.

Ela nos deixou um relicário imenso, se contabilizarmos suas interpretações tanto nos lançamentos em vida como nos álbuns lançados pós-mortem e agora, nas edições que homenageiam sua memória com um trabalho coordnado e remasterizado por Carlos Savalla, intitulado O Mundo Completo de Cassia Eller, que reúne, em nove CDS, todos os álbuns da artissat e mais o DVD do show Violões, de 1996.

Faz bem lembrar que ela gravou Clarice Lispector, Que o Deus venha, poema musicado por Cazuza e Frejat. Importante voltar no tempo e ouvi-la interpretar No me quites pas, e nunca esqueçamos que ela ainda é mesmo uma garotinha rebelde, mãe do Chicão, ousada, nos contando que mudaram as estações… Tudo era pra sempre, sem saber que pra sempre, sempre acaba…

“Mas nada vai conseguir mudar… nem desistir nem tentar, agora, tanto faz”, garotinha Cássia, você estará sempre de volta para a casa… que é o coração de gerações que aprenderam a respeitar sua passagem por aqui e a amar sua arte inquietante. “Palavras ao vento”, talvez você esteja mesmo coberta de razão, anda por aí tentando encontrar o tal amor que jamais será palavras apenas, palavras pequenas… Você conquistou o seu lugar na paixão da vida agitada e sôfrega, agitou, agita ainda, pois ainda não se superou e tem fôlego para seguir encantando novas gerações, afinal, “quando o segundo sol chegar para realinhar as órbitas dos planetas”, você estará na frente, pois este outro tem um nome: Cássia Eller…

Cida e Cássia(em bronze)

Maria Aparecida Torneros, jornalista e escritora, mora no Rio de Janeiro onde edita O Blog da Mulher Nessária, que abrigou o texto originalmente.

Be Sociable, Share!

Comentários

regina on 15 dezembro, 2011 at 14:28 #

Perfeito!!! Obrigada, Cida! Eu cheguei um pouco tarde no trem da Cassia Eller, mas, quando a descobri me encantei, comprei tudo que ela tinha feito e fui curtir, ainda curto todo santo dia!!!! Como ela, poucas!!!!
Já roubei e postei no “Sussurro”. VALEU!!!!!!


rosane santana on 15 dezembro, 2011 at 19:05 #

Belo, maravilhoso e bem escrito artigo, Cida, um verdadeiro bálsamo!


Olivia on 15 dezembro, 2011 at 19:25 #

Eu só peço a Deus, um pouco de malandragem, pois sou criança… Muita saudade de Cássia, grande guria. Valeu, Cida, grande homenagem!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • dezembro 2011
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031