dez
05
Posted on 05-12-2011
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-12-2011


Show de Gil em Sevilha, 2008.
=============================================
BOA NOITE!!!
(VHS)

dez
05

deu na revista digital Terra Magazine

Claudio Leal

O caso da cantora Ivete Sangalo, internada em Salvador com o quadro de “meningite benigna” (termo usado no boletim), retira do semi-anonimato o surto da doença na Bahia. Segundo a assessoria da secretaria estadual de Saúde (Sesab), o Estado registrou, até 24 de novembro, 1.670 casos de todos os tipos de meningite, com 108 óbitos.

A meningite é a inflamação das membranas que revestem o encéfalo e a medula espinhal. Pode ser provocada por vírus, bactérias e micro-organismos. As transmissões ocorrem de pessoa a pessoa, através das vias respiratórias.

Em setembro, houve um surto da doença no complexo hoteleiro Costa do Sauípe, no litoral norte baiano. Quatro funcionários morreram com o tipo C, a forma mais grave.

De acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), que tem seus dados expostos no site do Ministério da Saúde, até o mês de setembro deste ano ocorreram 8.676 casos de meningite no País. Entre os pacientes com meningite bacteriana, 1.133 foram diagnosticados com a meningocócica e 487 com a pneumocócica.

Em 2010, a Secretaria de Vigilância em Saúde se posicionou, em nota técnica, sobre os temores de viajantes. “A ocorrência dos casos da Doença Meningocócica (DM) na Bahia está dentro do padrão esperado”, destacou.

À época, o ministério sustentou que havia tomado as medidas de controle para evitar a disseminação da doença. “As vacinas contra meningite são específicas para algumas bactérias e não existe uma vacina que proteja contra todos os tipos de meningite”, detalha a nota.

Cantora segue internada

Ivete Sangalo foi internada no Hospital Aliança, em Salvador, na manhã de domingo (4), “com quadro clínico de meningite benigna, não contagiosa”, segundo o boletim médico. Ela havia chegado de uma apresentação no Carnatal, o carnaval fora de época do Rio Grande do Norte.

No hospital, a cantora baiana faz “uso de medicações intravenosas, com quadro neurológico estável, lúcida, orientada e ativa”. A equipe médica afasta a suspeita de meningite meningocócica tipo C.

dez
05
Posted on 05-12-2011
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-12-2011

=========================================

Maria Olívia Soares

Familiares e ex-companheiros, com o apoio da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça e do Grupo Tortura Nunca Mais/Bahia, se reúnem hoje, dia 5 de dezembro, no Teatro Vila Velha, às 15 horas, com personalidades políticas, intelectuais, artistas e representantes de entidades e movimentos sociais para prestar homenagem ao líder revolucionário baiano Carlos Marighella, um dos principais opositores da ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985, que completaria na data, cem anos de nascimento.
A Comissão de Anistia vai se reunir em Salvador para analisar o requerimento formulado por familiares de Marighella, onde se pede que seja declarada a sua condição de anistiado. Carlos Augusto, filho do revolucionário, ressalta que o evento faz parte de uma campanha, denominada Marighella Vive, que pretende criar na Bahia um memorial dedicado aos brasileiros que lutaram contra o golpe militar e se tornaram, na prática, as principais figuras do momento democrático vivido no país, assim como, fazer justiça a memória de seu pai. “Marighella foi uma pessoa que deixou marca na vida do país, um verdadeiro herói nacional”, explica.
O evento contará com as participações do ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, do governador Jaques Wagner, além de secretários de estado, vereadores, deputados, senadores, presidentes da OAB/BA e OAB/RJ e da viúva de Marighella, Clara Charf.
Documentário
No mesmo dia, às 20hs, acontece no Cine Glauber Rocha o lançamento na Bahia do documentário Marighella, feito pela sobrinha Isa Grispum Ferraz. Com 1h40 de duração, o longa é narrado pelo ator Lázaro Ramos e traça um retrato emocionado do líder político baiano.
Finalista do Festival do Rio e da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e selecionado ao Prêmio Itamaraty, o filme é fruto da inquietação pessoal de Ferraz. “É minha contribuição de registro de uma figura que viveu 40 anos na clandestinidade. Um jeito de tentar entender esse político complexo, trazendo mil faces dele para conhecimento do público”, explica. De acordo com a sobrinha, ela tem boas recordações do tio, que escrevia, lia e amava a vida. “Aquela pessoa carinhosa e brincalhona vivia escondida em minha casa. Considerado perigoso e frio, com cartaz de procura-se, era o mesmo que fazia paródias de músicas de Roberto Carlos com nomes de meus coleguinhas da época”, derrete-se.
Em seguida, no dia 07, o filme vai participar do Festival do Documentário em Cachoeira e depois, dia 10, no Festival de Havana, Cuba. A previsão é que o documentário entre em cartaz no cinema comercial em março de 2012.

Maria Olivia Soares , jornalista, é colaboradora do BP

dez
05


Risério: um banho de entrevista na Carta Capital

======================================================

Inteligente da primeira à última linha de respostas (perguntas também), polêmica, além de leitura indispensável. É tudo isso e muito mais a entrevista do antropólogo e escritor Antonio Risério à revista Carta Capital, no suplemento especial sobre o Nordeste que a revista publica esta semana . Bahia em Pauta reproduz dois momentos da conversa para despertar o apetite pela leitura da entrevista inteira.

(Vitor Hugo Soares)

=======================================

CC: É possível identificar alguma mudança na imagem que o nordestino tem de si mesmo, a sua autoestima mudou?

AR: Sim, isso é muito claro em Pernambuco e no Ceará, mas é visível também em Sergipe, em muitas cidades nordestinas. O curioso é que houve uma inversão: os baianos de Salvador e do Recôncavo, que sempre foram extremamente orgulhosos e narcisistas, hoje andam de cabeça baixa. Enquanto a autoestima dos moradores do Recife, de Fortaleza ou de Aracaju está lá em cima, a dos moradores de Salvador desabou. Na verdade, a Bahia, apesar de sua posição no ranking da economia brasileira, está ficando para trás. Há não muito tempo era ela que se industrializava, montava um polo petroquímico, firmava-se como vanguarda cultural etc. E Pernambuco pouco mais era do que um engenho. O panorama mudou. Penso que o problema central de Jaques Wagner é que, por não ter um projeto claro para a Bahia, ele não sabe o que fazer com a hegemonia que conquistou. Limita-se a tocar obras federais. É por isso que digo que hoje a Bahia tem a faca e o queijo, mas falta a mão. E Salvador é uma cidade abandonada, suja, destruída, com o pior prefeito de sua história. Mas de um modo geral é evidente, para qualquer observador, que a autoestima do nordestino se elevou. E que não foi pouco. Muitos inclusive deixam hoje o Sudeste e voltam para seus lugares de origem, orgulhosos de que estas sejam agora terras de prosperidade e de oportunidades.

CC: O que ocorreu de relevante em termos culturais na região? O que ocorreu na Bahia, em Pernambuco e nos outros estados?

AR: Pernambuco, de uns tempos para cá, vem se convertendo na vanguarda do Nordeste, da arrancada industrial à criação cultural. Basta pensar na música e no cinema. Não dá para comparar axé music e manguebeart. E é interessante porque Chico Science e o manguebeat nascem do tropicalismo baiano. É claro que há o rap, a valorização da percussão a Olodum, a música tradicional nordestina, o rock pesado etc., mas tudo sob o signo maior da Tropicália. A Bahia, ao contrário, estacionou na banalização, na redundância, na autocomplacência desinformada. Axé music é pastel de vento, manguebeat tem substância. De um modo geral, também o novo cinema pernambucano está alguns passos à frente. É o que há de mais interessante no atual cinema nordestino. E em ambos os casos, na música e no cinema, a moçada pernambucana encara de modo direto e crítico a realidade envolvente. Mas penso que a principal virtude pernambucana, nesse processo, é saber preservar suas tradições e ao mesmo tempo inovar. É manter o seu carnaval maravilhoso, seu frevo e seu maracatu, e também alimentar a inquietude estética. Isso é o que mais interessa: a dialética entre a tradição e a invenção.

Leia integra da entrevista de Risério na edição impressa de Carta Capital. Nas Bancas.

dez
05


===========================================
“Pôxa”, antes de Zeca gravar, sucesso na decada de 1970 com o sambista Gilson de Souza!!

BOM DIA!!!

(VHS)

dez
05


Boletim médico confirma..
———————————————————

…meningite de Ivete Sangalo

DEU NA UOL

Ivete Sangalo está internada no Hospital Aliança, em Salvador. A cantora deu entrada na unidade no último domingo (4). Na manhã desta segunda-feira (5), a assessoria de imprensa de Ivete divulgou um comunicado à imprensa sobre a internação da cantora.

A meningite de Ivete é benigna e não contagiosa e o estado da cantora é estável. Leia o comunicado, na íntegra:

A cantora Ivete Maria Dias Sangalo foi atendida no Serviço de Pronto Atendimento na manhã de ontem, domingo, 4 de dezembro, com quadro clínico de meningite benigna, não contagiosa, sendo afastado diagnóstico meningocócica tipo C. A paciente encontra-se em repouso em apartamento, em uso de medicações intravenosas, com quadro neurológico estável, lúcida, orientada e ativa. Aguarda exames laboratoriais mais específicos para definição do tempo de tratamento.

dez
05
Posted on 05-12-2011
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-12-2011


Chips nos automóveis:Constituição violada

===================================================

OPINIÃO POLÍTICA

A nova investida do chip

Ivan de Carvalho

Lembrou ontem o jornalista Elio Gaspari na Folha de S. Paulo: “Em 2006, a resolução 212 do Conselho Nacional de Trânsito mandou que, até meados de 2010, nenhum veículo pudesse ser licenciado sem que nele houvesse um chip”.

O chip “transmitiria dados para dezenas de milhares de antenas” e elas os remeteriam “a centenas de centrais de processamento”. Nenhum veículo seria licenciado sem o chip e isso valia para todo e qualquer lugar do país, ainda que nesse lugar só houvesse um carro. O sistema todo custaria, segundo o jornalista, R$ 4 bilhões. Suponho que apenas para ser implantado. Mas está programado para ter continuidade no futuro e com isso o valor a ser gasto irá aumentando por tempo indeterminado.
Elio Gaspari deu ao seu artigo o apropriado título de “A maracutaia da vez: chips nos carros”. E no texto chamou a coisa também de “o escândalo da vez”.

Inicialmente marcada para meados de 2010 a data limite para que mais nenhum veículo fosse licenciado sem o chip, em 2009 a resolução do Contran foi “reescrita” e o “início da festa”, como o chamou Gaspari, foi remarcado para junho de 2011. Não aconteceu. Então em julho deste ano decidiu-se que “a festa dos contratos começa em 1º de janeiro de 2012 (ano de campanha eleitoral).” Está em cima da hora.

É, como qualifica Elio Gaspari, “em nome da modernidade”, um “negócio milionário para vendedores de equipamentos”. Mas não é só isso, penso eu. Pode-se até imaginar que se for seguido certo hábito nacional, os vendedores de equipamentos pagarão parte do que receberão aos vendedores de facilidades. É da atual lógica estatal brasileira e até acredito que Gaspari haja implicitamente incluído esse hábito no seu título, que fala de “maracutaia”, palavra que todos aprendemos de Luiz Inácio Lula da Silva e objeto de tanto esforço que se tem feito para dar demonstração prática de seu significado.

Mas creio que integram o tema “chips nos carros” alguns aspectos não abordados ontem pelo competente Elio Gaspari e por mim já apontados há tempo neste espaço. Alegaram os criadores da Resolução do Contran que os chips tinham como objetivos fundamentais o rastreamento dos veículos, reduzindo os roubos (Gaspari tocou neste item, mostrando como é falso) e permitindo melhor conhecimento e ordenamento do fluxo de tráfego.

Praticamente esconderam, nas explicações oficiais e oficiosas, o objetivo de arrecadação tributária, que talvez seja o maior de todos os objetivos. O chip garantirá ao Estado saber, sem blitz, se o carro está em atraso com o IPVA e o licenciamento (sem falar no bom negócio do seguro obrigatório), imposto e taxa muito rendosos, mais ainda com o intenso e recente aumento da frota nacional de veículos por conta da ascensão da classe C e dos estímulos que o governo tem dado ou autorizado para incrementar as vendas. O objetivo de arrecadação tributária é fundamental nessa história dos chips nos carros.

Mas há outro aspecto mais relevante, essencial mesmo. O direito das pessoas à privacidade é cláusula pétrea da Constituição. E com uma maldosa resolução do Contran, abaixo de lei ordinária, até de decreto, agride-se esse direito, pois passa o Estado a rastrear o carro – considerado quase uma extensão da residência – e, com ele, xeretar a vida do proprietário ou motorista, eventualmente para fins espúrios, ou, no mínimo, obtendo informações que não são da conta do Estado.

Sabem a tática do salame? Uma fatia, mais outra, mais outra… e vai-se todo o salame. Na Record News, há algumas semanas, vi um repórter da emissora (não lembro qual) dar uma entrevista ao jornalista Celso Freitas. O tema: pessoas desaparecidas, sobre o qual o entrevistado fizera uma série de reportagens. Então, bem no final, Freitas comentou que, com o previsto advento do chip subcutâneo, vai melhorar, porque será mais fácil achar os desaparecidos. O entrevistado contestou, com firmeza: “Não, acho que não. As pessoas têm o direito de desaparecer, se quiserem”.

Seria conveniente uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra os chips nos carros. Antes que nos ponham um também sob a pele, como planejam.

dez
05
Posted on 05-12-2011
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-12-2011


===================================================
Mariano, hoje, no site A Charge on Line

  • Arquivos

  • dezembro 2011
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031