DEU NO CORREIO

Luciana Rebouças | Redação

Depois de fazer campanha para receber a abertura da Copa do Mundo, de dar como certa a participação de Salvador na Copa das Confederações e de alimentar a expectativa da cidade vir a figurar como um dos principais destinos turísticos durante esses eventos, o trade turístico baiano recebeu a tabela da Fifa como um balde de água fria. Os adjetivos mais usados foram decepcionante, frustrante, injusto. Tudo para demonstrar o descontentamento do setor em não ser uma das cidades-sede em evidência, como o Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Fortaleza.

No caso da capital cearense, o inconformismo é ainda maior. O presidente da Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (Abih-BA), José Manuel Garrido, diz que Fortaleza tem as mesmas carências que Salvador e argumenta: “A nossa Arena não fica a dever; na mobilidade urbana, as duas cidades estão correndo atrás; a nossa estrutura hoteleira é melhor. Esta foi uma decisão política ou técnica”, critica Garrido.

Outro ponto que o dirigente chama a atenção é sobre o potencial turístico da Bahia. Para ele, nosso desenvolvimento econômico e cultural não se compara às outras capitais nordestinas. “É lamentável. Temos que indagar à Fifa o que aconteceu”, acredita.

Com relação ao potencial, os dados confirmam a Bahia como destino carimbado no imaginário dos visitantes. No último ano, recebeu 9 milhões de turistas, ultrapassando o número de visitantes dos estados do Ceará e Pernambuco juntos.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • outubro 2011
    S T Q Q S S D
    « set   nov »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31