out
11
Postado em 11-10-2011
Arquivado em (Artigos, Ivan) por vitor em 11-10-2011 01:04


=============================================

OPINIÃO POLÍTICA

Medindo forças

Ivan de Carvalho

Está na moda dizer, nos meios políticos da Bahia, que o governador Jaques Wagner está com uma força política maior que a conquistada por Antonio Carlos Magalhães no auge de seu poder. Talvez não seja bem assim. Pelo menos até aqui.

A comparação tem levado em conta, implicitamente, a força política atual de Wagner e a força política de ACM na sua segunda fase de domínio político da Bahia. Não se tem considerado o período anterior à espetacular eleição de Waldir Pires para governador, em outubro de 1986, mas somente a segunda fase de domínio do carlismo, iniciada com a vitória de ACM na eleição de outubro de 1990 para governador – a terceira vez em que ele chegou ao cargo, a primeira após a democratização do país.

A partir daí, o poder de ACM experimentou um ciclo de acelerado crescimento. Do governo ele foi para o Senado, deixando no Palácio de Ondina o amigo Paulo Souto, seguindo-se César Borges e retornando depois Paulo Souto, que tentou a reeleição em 2006 e finalmente teve de passar o poder a Jaques Wagner, do PT, partido que na Bahia se beneficiou de uma evidente fadiga social em relação ao carlismo.

Antes desse final melancólico, ACM apoiou e participou do governo Sarney, apoiou e indiretamente participou do governo Collor, não teve maior influência sobre o governo Itamar Franco, mas exerceu enorme influência no primeiro governo de FHC e em parte do segundo, quando então um incidente resultou em um afastamento profundo, envolvendo rompimento pessoal, o que, junto com outros fatores de ordem nacional e razões da política baiana, marcou o início do declínio. Antes, a morte prematura de Luís Eduardo já representara um imenso revés para o futuro político do carlismo – e se não houvesse ocorrido talvez hoje a história da Bahia e até do Brasil fossem bem diferentes.

Mas, aqui importa dizer que em seu tempo áureo ACM mandava em tudo, onde devia e não devia, no Executivo, no Legislativo, no Judiciário (tinha forte influência sobre a maioria do Tribunal de Justiça e, conseqüentemente, do Tribunal Regional Eleitoral). E tinha uma força política, no sentido restrito, partidário-parlamentar, incontrastável.
Ele tinha carlistas, pessoas de total confiança (pelo menos enquanto ele estivesse no poder) no comando de vários partidos, além do dele próprio, o extinto PFL. Qualquer coisa importante que houvesse, passava as ordens para esses comandos de partidos aliados, que obedeciam sem questionar.

Com Wagner não é assim. Ele tem influência (como quase todo governador tem) no Tribunal de Justiça, mas não o suficiente para exercer controle como fizera ACM. E resta saber se Wagner gostaria de ter ou exercer esse controle, que custa um preço e não impressiona bem. E que seria especialmente incômodo em um momento em que aumentam e se acentuam desencontros de posições sobre questões do Judiciário dentro do próprio TJB, gerando alguma turbulência nos bastidores do tribunal.

Quanto aos partidos que integram a base política de seu governo, são aliados, mas nem tanto. Em 2008, nas eleições para prefeito de Salvador, tendo o PT, seu partido, um candidato a prefeito, o governador Wagner foi e discursou em três convenções, cada uma formalizando uma candidatura diferente. Bem, PMDB e PSDB já não estão na base, mas o PC do B, fiel aliado de tantos anos, mesmo sabendo do agarramento do PT com Pelegrino, lançou candidata própria Alice Portugal. E, no PSB, a senadora Lídice da Mata está incomodada por não estar sendo ouvida. O PDT cismou de lançar a candidatura do deputado Marcos Medrado. E o PP, do ministro Mário Negromonte e do prefeito João Henrique, ensaia lançar o deputado chefe da Casa Civil, João Leão.

Na Assembléia, ACM sempre teve apoio amplamente majoritário, mas nunca apoio tão numeroso quanto Wagner tem hoje. Quase não existe oposição. No entanto, o rebanho de cujo apoio desfrutou ACM era ordeiro, disciplinado, obediente. No rebanho que apóia Wagner sempre há ovelhas desgarradas, rebeldes, exigindo cuidados especiais. Sem levar em conta as apenas descontentes.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • outubro 2011
    S T Q Q S S D
    « set   nov »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31