Dona Lucia Rocha, mãe de Glauber: emoção no Senado
============================================

Senadora Lidice fala sobre Glauber no Senado
===================================================

A sessão solene do Senado Federal nesta terça-feira (23/8) em homenagem ao cineasta Glauber Rocha, na passagem dos 30 anos a morte de realizador que revolucionou o cinema brasileiro, teve um reflexo positivo antes mesmo de ser encerrada. A ministra da Cultura, Ana de Hollanda enviou um recado aos familiares presentes ao evento garantindo todo o empenho para a manutenção do acervo de Glaube, mantido no Rio de janeiro pela mãe do cineasta baiano.

O “Tempo Glauber”, fundado por sua mãe, Lúcia Rocha, enfrenta dificuldades para prosseguir com suas atividades e manter o acervo intelectual do cineasta. O aval da ministra da Cultura deverá permitir a continuidade da catalogação de mais de 50 mil documentos deixados por Glauber, assim como cursos de capacitação voltados para a produção audiovisual.

A homenagem a Glauber foi proposta pela senadora Lídice da Mata (PSB-BA) que, durante a sessão solene, ressaltou o perfil de pesquisador do cineasta. De acordo com a senadora, ele saiu em campo para ver de perto o sofrimento das famílias no interior do Brasil. Foi presenciar a opressão política e climática que foram matéria prima para diversos filmes seus. Foi também, segundo ela, um consumidor voraz de livros de autores brasileiros, entre eles Jorge Amado e, principalmente, José Lins do Rego. “Ao lado das lições da ficção nordestina, Glauber mergulhou também na sociologia de Gilberto Freire, antes de se aventurar pelas terras ásperas e longínquas que desejava pesquisar, para completar o conhecimento da terra iniciado em Vitória da Conquista”, afirmou Lídice.

A homenagem ao diretor envolveu todos os órgãos de comunicação do Senado. Os três principais filmes de Glauber – Deus e o Diabo na Terra do Sol, Terra em Transe e O Dragão da Maldade contra o Santo Guereiro – foram exibidos pela TV Senado aos domingos durante o mês de agosto. A Rádio Senado produziu um programa sobre as trilhas sonoras dos filmes de Glauber e a Agência e Jornal do Senado fizeram matérias especiais sobre os 30 anos de seu falecimento.

Nascido em 1939, em Vitória da Conquista (BA), Glauber Rocha aos 13 anos fazia já críticas de cinema, no programa Close-up, da Rrádio Sociedade da Bahia. Aos 19, realizou Barravento e estreou na direção de longa-metragem, com o qual ganhou o Prêmio Opera Prima no Festival Internacional de Cinema de Karlovy-Vary, na Tchecoslováquia. Com Deus e o Diabo na Terra do Sol, de 1963, um épico sobre violência e religiosidade no sertão, conquistou o sucesso de crítica e público e passou a ser reconhecido internacionalmente como um gênio do cinema mundial. Ao morrer precocemente em 1981, aos 42 anos, deixou 10 longas-metragens, além de documentários (um deles sobre o enterro de Di Cavalvcanti, vencedor do Festival de Cannes), poesias, roteiros, artigos e livros sobre cinema.

ago
23
Posted on 23-08-2011
Filed Under (Newsletter) by vitor on 23-08-2011

“Leão de Sete Cabeça” na programação do Senado

=============================================
DEU NA REVISTA DIGITAL TERRA MAGAZINE

Provocador, vanguardista, revolucionário, o baiano Glauber Rocha reiventou a forma de fazer cinema no País, ganhando projeção internacional. O cineasta, morto em 22 de agosto de 1981, terá sua memória celebrada nesta terça-feira (23), em sessão especial no plenário do Senado.

O autor do memorável Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) – apontado por críticos como um dos melhores filmes brasileiros de todos os tempos – tem recebido uma série de homenagens na Casa durante o mês, com direito a programações especiais exibidas pelas TV e Rádio Senado.

– A ideia era de fazer uma homenagem a Glauber Rocha, da forma como se fez para o centenário de Carybé (artista plástico). Que marcasse a importância dele para a nossa cultura. Como senadora da Bahia, procuro usar o mandato para promover os artistas baianos que tiveram destaque nacional – afirma Lídice da Matta, responsável pela iniciativa.

O presidente da Casa, José Sarney (PMDB) – perfilado pelo cineasta no documentário “Maranhão 66” -, resolveu se incorporar à celebração. Acertou-se que, todos os domingos, a TV Senado exibiria um filme de Glauber. E, no dia 24, “O Leão de Sete Cabeças” será apresentado, em cópia restaurada, no auditório do Senado, às 19h. Foi a primeira produção do baiano no exílio.

Um dos mais importantes nomes do Cinema Novo, Glauber é autor de obras como “Barravento” (1962); “Terra em transe (1967) – que recebeu o Prêmio da Crítica Internacional em Cannes – e “O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1969)”. A crítica social, feita sempre com ferocidade e contundência, era das principais marcas do homem que popularizou a frase “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”.


===================================================

Deu em O Globo

Os exames toxicológicos no corpo de Amy Winehouse não detectaram presença de substâncias ilegais, informou Chris Goodmanseu, o porta-voz da família, nesta terça-feira. O laudo da causa do falecimento da cantora inglesa, que morreu há exatamente um mês aos 27 anos, será divulgado em outubro.

Em nota, segundo as agências Reuters e AP, ele acrescentou que foi encontrado álcool, mas que não era possível determinar a participação disso na morte dela.

“Os resultados toxicológicos divulgados pelas autoridades à família Winehouse confirmaram que não há nenhuma substância ilegal no organismo de Amy na hora de sua morte”, disse.

A cantora, que tinha histórico de abuso de álcool e drogas, foi encontrada morta em sua casa no norte de Londres, em 23 de julho.

Em janeiro deste ano, Amy Winehouse fez uma série de cinco shows no Brasil. Ela fez duas apresentações no Rio, e outras em São Paulo, Florianópolis e Recife. Sua performance cambaleante, mas carismática, nos palcos brasileiros dividiu opiniões.

Um mês antes de morrer, ela anunciou o cancelamento de toda a sua turnê europeia, após uma apresentação desastrosa na Sérvia. “Amy Winehouse está se retirando de todas as apresentações programadas”, disse um porta-voz da cantora em junho. Em maio, os executivos da gravadora da diva anunciaram o adiamento do lançamento do terceiro disco da cantora devido a mais uma internação em uma clínica de reabilitação.

(reportagem completa na edição impressa de O Globo)


===============================================
O ex-director do FMI Dominique Strauss-Kahn deverá regressar hoje mesmo a França após o Ministério Público de Nova Iorque ter arquivado todas as acusações de que era alvo.

Segundo a AFP, na sessão marcada para meio do dia, o juiz Michael Obus deverá seguir a recomendação do procurador de Nova Iorque e inocentar DSK de todas as acusações.

Num documento de 25 páginas, o procurador Cyrus Vance afirma que Nafissatou Diallo, a camareira de 32 anos que acusa Dominique Strauss-Kahn de agressões sexuais, mentiu várias vezes aos investigadores, escreve a AFP.

A acusação diz existirem provas de que ela manteve relações sexuais com o ex-diretor do FMI, mas não é possível demonstrar que não tenham sido consentidas.

Segundo o mesmo documento, as mentiras e contradições da camareira, detectadas em “quase todos os interrogatórios com os investigadores”, “feriram seriamente a credibilidade da testemunha no caso”.

Dominique Strauss-Kahn, 62 anos, foi acusado de tentativa de violação, agressão sexual e sequestro.

ago
23
Posted on 23-08-2011
Filed Under (Charges) by vitor on 23-08-2011


=======================================
Myrria, hoje, no jornal A Crítica (AM)

ago
23
Posted on 23-08-2011
Filed Under (Artigos, Ivan) by vitor on 23-08-2011

Planserv: perigoso caminha da burocratização

==================================================

OPINIÃO POLÍTICA

O caso do Planserv

Ivan de Carvalho

O governo muito provavelmente tem uma parte da razão, ao propor à Assembléia Legislativa projeto de lei que reformula o plano de saúde dos servidores públicos do estado da Bahia. Dificilmente enviaria para o Legislativo um projeto que aumenta o valor das contribuições, ao tempo em que impõe restrições à utilização do plano, caso não existissem razões financeiras muito significativas para isto.

Não as houvesse e o governo não se exporia ao surgimento de uma área de atrito e desgaste com um grupo numeroso, constituído por quase 450 mil beneficiários filiados ao Planserv. Esse atrito, que é um fato inegável, tem expressão política e eventualmente eleitoral.

Mas se o governo tem, como já assinalado, uma parte da razão para sua decisão de apresentar um projeto – que, com algumas alterações que o próprio governo aceitar, será fatalmente aprovado pela Assembléia Legislativa, tendo em vista a esmagadora maioria governista no parlamento estadual, – as oposições e entidades representativas dos servidores públicos que estão protestando, ora contra o projeto, ora contra o processo como vem sendo conduzido, tem também sua parte de razão. E é uma parte muito importante.

O governo alega, na própria mensagem que acompanha o projeto, que o aumento dos valores na tabela de contribuição dos beneficiários visa a dar autonomia financeira ao Planserv. Este é um objetivo desejável. Mas a oposição e entidades de servidores têm duas reclamações quanto a esse ponto.

A primeira é que os novos valores, na maioria dos casos bem maiores que os anteriores, não foram discutidos com o Conselho do Planserv, nem com as entidades de servidores, muito menos com a oposição, desconhecendo-se, portanto, os cálculos que levaram à fixação desses valores.

A segunda reclamação quanto aos valores é que, se este ano eles estão sendo aumentados mediante uma lei ordinária, que a Assembléia Legislativa vai aprovar (há quem sugira que o assunto é bastante relevante para justificar emenda constitucional, cuja aprovação exige a maioria qualificada votos favoráveis de três quintos da Casa Legislativa, ao invés de um projeto de lei ordinária que pode ser aprovado por maioria simples), a partir de 2012 poderão ser reajustados/aumentados por simples decreto do chefe do Executivo. E critérios para tais reajustes/aumentos não são estabelecidos no projeto.

Claro que o governo tenta minimizar os aparentemente inevitáveis desgastes políticos. Manteve a existência do projeto de lei em segredo até poucas semanas atrás e, quando tal existência foi conhecida, o Executivo e sua liderança parlamentar negaram-se a revelar qualquer coisa a respeito do conteúdo. E, finalmente, quanto o projeto chegou à Assembléia, o governo obteve de sua bancada a tramitação em regime de “urgência urgentíssima”, o que elimina quase totalmente a possibilidade de debates e de mobilização dos servidores.

Quanto às restrições ao uso do plano pelos servidores, seus dependentes e agregados, simplesmente é impossível um debate esclarecedor no escasso tempo que a tramitação em regime de “urgência urgentíssima” concede. Mas há algo surpreendente em buscar evitar uso “abusivo” de cinco por cento dos associados limitando-se o atendimento dos cem por cento.

Também é surpreendente fazer o cálculo do número anual de cada tipo de atendimento pela média, quando é óbvio que, em questão de saúde, cada caso é um caso. E que as necessidades de atendimento de um jovem saudável tende a ser totalmente diferente do atendimento que precisa um idoso com saúde geral abalada.
De resto, o projeto dá clara impressão de que o Planserv vai ser profundamente burocratizado. E, na área da Saúde, é notório, há muito, que a burocracia costuma matar.

==============================================

==============================================
Grande Jerry Leiber:Por esta e muitas outras os que amam a música em geral, e os amantes do rock em particular, serão eternamente agradecidos a você.
BOA NOITE!!

(VHS)

  • Arquivos