DEU NO UOL

A presidente Dilma Rousseff está reunida desde as 9h40 desta quinta-feira (4) com os ministros Ideli Salvatti (Relações Institucionais), Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral), Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Helena Chagas (Comunicação Social) e discute as novas declarações dadas pelo titular da Defesa, Nelson Jobim, que pode perder o cargo nas próximas horas.

Em entrevista à revista “Piauí”, Jobim chamou de “atrapalhada” a política do governo para divulgação de dados sigilosos e chamou Ideli de “fraquinha”. Ele disse ainda que Gleisi Hoffmann “nem sequer conhece Brasília”. O ministro se reuniu com Dilma na quarta-feira (3) e não entregou o cargo depois de outras declarações polêmicas.

O peemedebista afirmou ao programa “Poder e Política – Entrevista”, uma parceria da Folha de S.Paulo, Folha.com e UOL, que votou em seu amigo José Serra nas eleições presidenciais de 2010 e que o tucano teria tomado as mesmas medidas de Dilma para afastar suspeitos de corrupção do Ministério dos Transportes.

Jobim também teve de se explicar a Dilma há pouco mais de um mês, quando foi ao aniversário de 80 anos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e sugeriu que a atual ocupante do Palácio do Planalto tem um estilo autoritário. Em outras declarações, o ministro elogiou a presidente e disse que sua relação com ela é “ótima”.

Antes da reunião, também em entrevista ao “Poder e Política – Entrevista”, Ideli afirmou que Jobim tem dado declarações “desnecessárias” e deveria se “conter um pouquinho”. O peemedebista foi mantido no cargo no início do atual governo por conta da insistência do antecessor de Dilma, Luiz Inácio Lula da Silva.

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 4 agosto, 2011 at 14:48 #

Papéis trocados

O comum, no estilo PT, é a notícia de reunião de avaliação sobre possível exoneração após o “candidato” ter sido exposto à inúmeros e sucessivos vazamentos sobre fatos ou ilações que o condenem. Vide os casos recentes.

Por fim, após a renovação de votos de confiança, o “candidato” apresenta sua renúncia.

O caso Jobim difere.

Os ataques são feitos sob holofotes, com a peculiaridade de que ele, o “ministro da sucuri”, é quem desfere os golpes, baixos ou não.

Cria a cada entrevista, o clima de final de festa, com a disciplina digna de um sargento.

De tal sorte e arte que a reunião anunciada assemelha o encontro de vítimas, na busca assombrada de solução para seus martírios.

Dilma e suas escolhidas, Ideli e Gleisi, parecem cumprir papéis coadjuvantes no ato escrito e ensaiado previamente por ele, o ministro da sucuri, ou seja, dão cor e brilho à ensaiada despedida.

Pergunta-se:

O que motiva Jobim?


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos