Ministro Jobim: “fui amanuense de Fernando Henrique”
=================================================


ARTIGO DA SEMANA

JOBIM, O AMANUENSE DE FHC

Vitor Hugo Soares

As embaraçosas e polêmicas confissões do ministro da Defesa, Nelson Jobim (PMDB), sobre suas relações com os dois nomes da linha de frente da oposição nacional – Fernando Henrique Cardoso e José Serra -, na estreia do programa “Poder e Política – Entrevista” (parceria da UOL e da Folha), merecem figurar com louvor entre os destaques desta semana no País.

A entrevista do ministro de FHC, Lula e agora do governo Dilma, conduzida pelo jornalista Fernando Rodrigues, do grupo Folha, superou em muito os limites do simples trabalho profissional bem executado. Foi, além disso, uma realização quase completa na proposta de fugir às obviedades apelativas – cada vez mais comuns em programas do gênero – e focar no essencial, jornalisticamente falando: arrancar informação relevante, gerar fatos e, ao mesmo tempo, dar o que pensar e falar ao ouvinte ou leitor.

A conversa de Jobim com Rodrigues, escutada em Salvador pelo redator destas linhas, fez mais: conduziu a memória às nuances mais intrincadas do personagem-título do romance do mineiro Cyro dos Anjos, “O Amanuense Belmiro”, que considero desde as primeiras leituras na escola secundária um dos mais complexos e interessantes no rico e diversificado cardápio de figuras da literatura brasileira.

Transposto para o universo complicado do poder e da política no Brasil atual, isso vale também para o gaúcho ministro da Defesa. Não adianta disfarçar: vaza por todos os cantos o conhecimento de que nomes de peso e da primeira linha do petismo nacional, aparentemente tolerantes na superfície, viram araras quando o nome de Nelson Jobim vem à baila em conversas nas esferas mais altas do partido e nos gabinetes mais poderosos do governo Dilma.

A pinimba cercada de desconfianças mútuas é antiga. Começou a agravar-se, porém, no episódio traumático do afastamento do ministro Waldir Pires (PT-BA), com a participação direta da então ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e mais direta e agressiva ainda da ex-chefe de gabinete e depois ministra defenestrada em meio a um dos muitos escândalos recentes da República, Erenice Guerra.

Mas a questão ganhou foro de guerra surda a partir de um caso bem mais recente. A ainda mal explicada expressão “idiotas”, introduzida pelo ministro da Defesa em seu discurso de tributo rasgado ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, na cerimônia de homenagem pelos 80 anos do presidente de honra do PSDB, realizada no Congresso. No recinto, com a presença de parlamentares de proa do PT, até os próprios tucanos foram mais contidos que Jobim nas palavras e gestos de exaltação ao seu guru político e partidário.

Na entrevista de enorme repercussão esta semana, o ministro apesar de todo bafafá à sua volta nos núcleos do poder atual, parecia com vontade de entoar a todo momento a popular canção de enorme sucesso na interpretação de uma cantora do Rio Grande do Sul: “Tô nem aí”.

De certa maneira o gaúcho grandalhão, com fama de valente, fez isso em suas respostas ao entrevistador. E não apenas ao abrir com toda clareza e sem titubeios o seu voto para presidente no ex-governador de São Paulo José Serra, na eleição de 2010, vencida por Dilma Rousseff. Segundo Jobim, isso não era segredo para ninguém no governo, muito menos para Lula e Dilma, desde que ele decidiu ficar fora da campanha, “por motivos pessoais e institucionais” expostos diretamente em conversa “na lata” com o ocupante da principal cadeira de mando na época.

Foi liberado por Lula da campanha, depois de explicar a estreita ligação afetiva com o candidato tucano: “O Serra foi meu padrinho de casamento, eu morei com ele algum tempo aqui em Brasília. Quando vou a São Paulo normalmente eu janto com ele, vou ao Palácio (dos Bandeirantes) com minha mulher, nos damos muito bem”. Ponto.

Quanto ao amigo FHC, o ministro da Defesa foi ainda mais explicito e surpreendente ao falar sobre sua relação com o ex-ocupante do Palácio do Planalto, de cujo governo foi ministro da Justiça e de onde saiu para o Supremo Tribunal Federal, na única indicação de FHC para o STF.

“Tendo em vista as relações do PMDB eu tinha uma grande integração com o Fernando (Henrique).Trabalhei com o Fernando também, na Constituinte. Servi como uma espécie amanuense de Fernando Henrique, se essa expressão ainda significa alguma coisa para você e os ouvintes”, ressaltou o entrevistado dirigindo-se a Fernando Rodrigues, no único momento da entrevista em que o ministro demonstrou preocupação de não ser bem entendido em suas palavras e intenções.

A expressão amanuense, por acaso ou não, foi expurgada na publicação “da íntegra” da entrevista no portal da Folha.com/UOL, substituída pela palavra “assessor”, também utilizada pelo ministro de Dilma para falar da relação pessoal e política com FHC. Uma pena para quem admira o escritor mineiro Cyro dos Anjos e a sua obra-prima “O Amanuense Belmiro”, como este ouvinte à distância da entrevista.

Amanuense, diga-se, é muito mais do que um simples assessor, figura que grassa atualmente em qualquer esquina da burocracia oficial. Por força de sua origem, a palavra designa qualquer pessoa que copia textos ou documentos à mão, o que praticamente não existe mais em tempos cibernéticos, a não ser nos resistentes cartórios da Bahia.

Mas preserva ainda o significado simbólico da palavra originária do latim amanuensis, por sua vez, como explica a Wikipédia, derivada da expressão latina “ab manu” (à mão). Assim como o personagem do romance famoso. Ou o ministro Nelson Jobim em sua relação com Serra e FHC. Ou não?

Vitor Hugo Soares é jornalista. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

Be Sociable, Share!

Comentários

mario brito on 30 julho, 2011 at 2:45 #

A ministra Ellen Gracie, tambem foi indicação de FHC.mário brito.


Olivia on 30 julho, 2011 at 12:42 #

O homem do faça ou saia não tem limite, nunca perdoei Lula por substituir Waldir Pires por esse senhor Jobim, uma lástima. Belo artigo.


luiz alfredo motta fontana on 30 julho, 2011 at 13:48 #

Caro VHS

Mesmo que a censura venha a abater, vale o comentário.

Nenhuma simpatia ao “ministro da sucuri”, nenhuma simpatia ao benificiário de seu voto, o “circunspecto” Serra, mas… nenhuma simpatia à “presidenta em busca de uma biografia, Dona Dilma, “a preferida”.

Jobim é o que é, um Jobim numa nau de insensatos, seja lá o que isto possa traduzir.

Entretanto, mas, porém, contudo e todavia… pior figura fez Waldir, o Pires, durante seu mandarinato à frente da pasta da defesa.

Não cabe aqui loas, ou “vinganças de estilo”, Waldir caiu por total incompetência, disto não podemos olvidar.


rosane santana on 30 julho, 2011 at 19:09 #

Quem já teve a oportunidade de conviver com Waldir Pires, de bem perto, no exercício de um cargo público, certamente sabe que ele não se enquadra no figurino latino-americano de fazer política. Esse é o seu maior pecado, sua incompetência. Waldir é elegância e dignidade da cabeça aos pés!


rosane santana on 30 julho, 2011 at 19:13 #

Exemplo raro no Brasil, um país de políticos corruptos, estúpidos, analfabetos e incultos. A história lhe fará justiça.


rosane santana on 30 julho, 2011 at 19:17 #

Waldir é da linhagem política de um outro grande baiano, Otávio Mangabeira. Infelizmente, nasceu no lugar errado, no país errado. Que país é esse?


Graça Azevedo on 30 julho, 2011 at 21:27 #

Rosane
Vc já disse o que eu queria dizer, obrigada.
Quanto ao Jobim ele é apenas mais um dos inúmeros políticos que qurem uma única coisa: estar no poder. Sobre o texto de VHS: perfeito!


rosane santana on 30 julho, 2011 at 22:02 #

Obrigada, digo eu Graça.


Olivia on 31 julho, 2011 at 10:46 #

Rosane, querida, ‘Johnbim’ (segundo PHA) não serve para varrer o chão por onde Waldir passa, com todo respeito aos varredores, são duas biografias distintas. O resto é resto, a vida vai provar.


rosane santana on 31 julho, 2011 at 16:44 #

É isso aí Olivinha! O professor Francisco Waldir Pires de Sousa, a despeito de todos os equívocos políticos que possa ter cometido em sua trajetória política, é digno de nossa admiração. Sua obra não se resume a monumentos de concreto e cimento armado, dessas que o tempo e os poderosos destróem. É obra essencial à consolidação dos valores democráticos, que construiu com seu exemplo de dignidade, honestidade, ética, num país onde a política virou sinônimo de corrupção e desrespeito aos valores mais fundamentais da vida humana. Político erudito, grande orador, figura além do seu tempo e seu país. Sem dúvida, um grande brasileiro.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos