Os pilotos do voo 447 da Air France, que caiu no Atlântico em 2009, podiam ter salvo a situação depois que o avião perdeu os dados de velocidade, disse o Escritório de Investigação e Análise (BEA), agência francesa que investiga acidentes aéreos. “A situação era salvável”, afirmou Jean-Paul Troadec, diretor do órgão, a repórteres durante a divulgação do relatório atualizado sobre o acidente. O Airbus 330 mergulhou no Atlântico, em meados de 2009, quando fazia a rota Rio de Janeiro-Paris, matando todas as 228 pessoas a bordo.

“É difícil saber a partir de qual momento nada mais poderia ser feito. Os pilotos não entenderam o que estava acontecendo. No último minuto de voo, eles ouviram o alarme de proximidade do solo”, explicou Troadec durante coletiva de imprensa realizada em Paris, na França. O diretor disse ainda que “todos os dados obtidos exigem uma análise mais sistemática que demanda muito tempo” e “o relatório final não será divulgado neste ano, mas provavelmente no primeiro semestre do próximo ano”.

Diante de expectativa pela divulgação do relatório final com “as causas exatas” do acidente, o órgão divulgou nesta manhã um resumo do que poderia ser encontrado no terceiro documento. A última parte da investigação foi elaborada com as informações obtidas das caixas-pretas e revelaria as causas do acidente. Com as definitivas causas do acidente divulgadas, o BEA emitiu dez novas recomendações de segurança, reforçando a necessidade de treinamentos para o comando manual de aeronaves em altas altitudes.

Leia reportagem completa sobre o caso no IG:
www.ig.com.br

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos