jul
12
Posted on 12-07-2011
Filed Under (Newsletter) by vitor on 12-07-2011

Hillary Clinton: parceria pela transparência

=============================================

DEU NO ESTADÃO

Mesmo sob o risco de o Congresso Nacional aprovar o sigilo superior a 50 anos – e até mesmo perpétuo – para documentos secretos do Estado brasileiro, o governo junta-se nesta terça-feira, 12, aos Estados Unidos para lançar, em Washington, a Parceria de Governo Aberto (OGP, na sigla em inglês).

Trata-se de uma iniciativa para promover a transparência dos dados oficiais, combater a corrupção e estimular a prestação de contas das ações de governo para a sociedade civil – compromisso que foi reforçado durante a visita do presidente dos EUA, Barack Obama, ao Brasil, em março passado. Essa é a primeira iniciativa conjunta dos dois países desde que atuaram na ajuda ao Haiti, vítima de um terremoto em janeiro de 2009.

A OGP será lançada nesta terça-feira, pela secretária de Estado, Hillary Clinton, e o ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, em uma cerimônia na qual cerca de 60 países devem aderir à iniciativa. O grupo funcionará por adesão voluntária, sem qualquer represália aos países que deixarem de cumprir os compromissos. Tendo como líderes e condutores do processo o Brasil e os EUA, o acordo será seguidos por Reino Unido, Noruega, Finlândia, Indonésia, México e África do Sul.

“Essa é a primeira vez que países do Norte e do Sul se unem para definir os padrões de transparência e de prestação de contas dos governos”, explicou a subsecretária de Estado americana para Democracia e Assuntos Globais, Maria Otero. Do lado brasileiro, o ministro Jorge Hage, da Controladoria Geral da União, explicou que a avaliação dos países terá um caráter mais “moral” do que legal, como acontece na Convenção das Nações Unidas de Combate à Corrupção.

No caso do Brasil, onde a lentidão da Justiça resulta em impunidade e as doações para campanhas eleitorais estão longe de padrões de transparência, Hage acredita que essa iniciativa dará uma mensagem “sobre a real vontade do governo de se comprometer com a transparência e a abertura de documentos e dados”. Também criará um ambiente mais favorável para a atração de investimentos.

Lentidão

Nos EUA, o (megainvestidor Bernard) Madoff foi preso depois de apenas seis meses de processo judicial. “Se fosse no Brasil, estaria livre até hoje porque o Supremo Tribunal Federal garantiria seus direitos de aguardar em liberdade até a sentença de seu último recurso”, queixou-se Hage. Madoff acabou condenado a 150 anos de prisão, em 2009, por fraudes que chegaram a US$ 65 bilhões.

Hage entende que não há nenhum conflito entre a adesão e a liderança do Brasil na OGP, ao lado dos EUA, e o risco de documentos confidenciais do Estado brasileiro serem mantidos em segredo por tempo indefinido por decisão do Congresso.

Dona Canô

================================================

Dona Canô), de 103 anos, matriarca da família Veloso em Santo Amaro da Purificação, Recôncavo Baiano, deixou a Unidade Cardiovascular Intensiva (UCI) do Hospital São Rafael e já se encontra no quarto, segundo boletim médico divulgado na manhã desta terça-feira, 12.

De acordo com o boletim, emitido pelo médico do Serviço de Pneumologia do Hospital São Rafael, Dr. Guilherme Montal, “a paciente encontra-se muito bem e continua melhorando progressivamente”. Dona Canô foi internada no hospital na última quinta-feira, dia 7, com quadro de traqueobronquite e dor abdominal.

As solenidades de posse e transmissão de cargo dos professores Lorene Louise Silva Pinto e Luis Fernando Fernandes Adan nos cargos de Diretor e Vice-Diretor, respectivamente, da FMB-UFBA, serão realizadas amanhã, quarta-feira, 13 de julho .

A Solenidade de Posse será na Sala dos Conselhos, Palácio da Reitoria da UFBA, às 10:00 horas. A Sessão Solene da Congregação será no Salão Nobre da Faculdade de Mediicina da Bahia, no Largo do Terreiro de Jesus, às 18:00 horas.

No dia 19 de abril deste ano foi realizada a Consulta à Comunidade da Faculdade de Medicina da Bahia, para os cargos de diretor e vice-diretor 2011-2015. A consulta foi realizada em urnas eletrônicas cedidas pelo TRE-BA, o que proporcionou um processo ágil, tranquilo e transparente. Foi eleita com a maioria dos votos dos 3 segmentos a Chapa 1- Lorene e Adan. Com esse resultado foi escolhida a primeira mulher à direção da primeira faculdade de Medicina do Brasil. A Faculdade de Medicina da Bahia foi fundada em 18 de fevereiro de 1808.

Lorene Louise Silva Pinto, tem 53 anos, é médica sanitarista, professora de medicina preventiva, mestranda em saúde pública e doutoranda em medicina e saúde.

==============================================

OPINIÃO POLÍTICA

O caso dos Transportes

Ivan de Carvalho

Primeiro ato: a presidente da República, ante denúncias da revista Veja, que demorou, mas acabou sendo pioneira na imprensa em dar sequência a denúncias do governador do Ceará, Cid Gomes, do PSB e irmão do também socialista Ciro Gomes, resolve afastar a cúpula do Ministério dos Transportes, excetuando o secretário-executivo Paulo Sérgio Passos, filiado ao PR somente no ano passado e o ministro Alfredo Nascimento, presidente licenciado do mesmo partido. Um blog baiano, Os Inimigos do Rei, em artigo de Toni Pacheco, resgata a primazia de Cid Gomes na denúncia do descalabro nos transportes.

Segundo ato: os ataques do governador Cid Gomes eram contra o ministro, “inepto, incompetente e desonesto” e contra o Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (DNIT), “antro de roubalheira” cujo diretor-geral era ou é (ia ser exonerado, mas entrou de férias antes, de modo que, formalmente, permanece titular do cargo) Luís Antônio Pagot, um apadrinhado do PR e principalmente do senador e ex-governador de Mato Grosso, Blairo Maggi. Mas Alfredo Nascimento, ante novas denúncias relacionadas inclusive com um imóvel de alto luxo que um filho seu estava construindo, foi obrigado a demitir-se.

Terceiro ato: a presidente Dilma Rousseff escolheu o secretário- executivo Paulo Sérgio Passos, nascido na Bahia e economista formado pela UFBa, para responder interinamente pelo Ministério dos Transportes, enquanto ela e o PR escolhiam o novo ministro titular. Mas Dilma deu sinais de que lhe aprazia confirmar Paulo Sérgio Passos no cargo, pois ela e os petistas gostam dele. Mas o PR deixou claro que não é o seu caso – o PR não gosta dele, pelo menos como ministro representando o partido.

Quarto ato: a presidente Dilma Rousseff convidou Blairo Maggi, para suceder o ex-ministro Alfredo Nascimento, como este também senador do PR. Enquanto Alfredo Nascimento reassume a presidência nacional do PR, Blairo Maggi, maior produtor de soja do mundo, além de líder de seu grupo empresarial em vários outros setores de negócios, reúne-se com a família e com dirigentes do grupo. Conclusão: não dava para aceitar o convite da presidente da República, porque isso prejudicaria seriamente os negócios, vários deles relacionados com o Estado. Isso foi durante a semana passada. Esta semana, Maggi está se dedicando a acalmar e amenizar a situação de seu afilhado político Luís Antônio Pagot, que dava sinais de que se fosse deixado às baratas soltaria a língua no depoimento programado para dar hoje ao Congresso, coisa que pareceu deixar muita gente nervosa no governo. Mas parece que Blairo Maggi está sendo convincente.

Quinto ato: a presidente Dilma Rousseff atropela ou passa o trator por cima do PR e convida Paulo Sérgio Passos para ministro. Não passa pela cabeça deste, nem de Dilma, nem de ninguém, que o convite seja recusado. Portanto, ontem já se podia dizer, como nas complicadas escolhas dos sucessores de Pedro, “habemus papam”.

Sexto ato: O PR, que dizia ter pelo menos meia dúzia de nomes para indicar para o Ministério dos Transportes – um dos cogitados foi o ex-senador e ex-governador César Borges – passou a dizer que não tem nenhum. Entenda-se: os que tinha não seriam aceitos, cada um por seus motivos (no caso do baiano César Borges, por objeções do governismo estadual e pelo fato de, mesmo já apoiando o governo, ter mantido sua posição de votar no Senado contra a restauração da CPMF – a maior derrota legislativa do governo Lula, que o ex-presidente não perdoa.

Sétimo ato: informações de fontes que pedem anonimato indicam que há forte insatisfação no PR e uma corrente, liderada pelo ex-presidente da legenda e influente deputado Valdemar Costa Neto, agora presidente de honra (?!) da legenda, pretendendo articular a saída do partido da base do governo. Mas quem vai confessar? Uma nota já foi emitida, desmentindo essas maldosas intenções.

Creio que vale esperar por outros atos. Sete não é um número redondo, embora seja, digamos, cabalístico.

ACM:família vê rancores em nova mudança
de nome do aeroporto de Salvador

=================================================

DEU NA REVISTA DIGITAL TERRA MAGAZINE

Claudio Leal

Numa tentativa diplomática de evitar conflitos com a família de Luis Eduardo Magalhães, o governador baiano Jaques Wagner (PT) enviou um emissário para convencer o filho do ex-deputado sobre a troca do nome do aeroporto internacional de Salvador.

Em 1998, depois da morte do ex-presidente da Câmara – herdeiro político de Antonio Carlos Magalhães -, o nome do aeroporto foi alterado de “Dois de Julho” (data da Independência do Brasil na Bahia, em 1823) para Luis Eduardo Magalhães. Há 13 anos, Wagner foi um dos deputados que votaram a favor da homenagem à liderança do PFL. Agora, amparando-se no projeto de lei Nº 6.106, de autoria do petista Luiz Alberto, ele articula a mudança.

Para conduzir o diálogo, o governador escolheu um amigo em comum com Luis Eduardo Magalhães Filho, o Duquinho, executivo da Rede Bahia. Na semana passada, houve o primeiro encontro. “Particularmente, sou contra. E minha família é contra”, disse o filho do ex-deputado, descontente com o “revanchismo”. A família admite a existência de erros no processo de rebatismo do aeroporto, com votação em tempo recorde no Congresso, em 1998. Mas vê uma manobra que pode tornar “hostil” o nome de Luis Eduardo na Bahia, em função de antigos rancores despertados por ACM.

Na conversa com o emissário de Wagner, Duquinho argumentou que o “Dois de Julho” poderia ser contemplado nas inúmeras obras viárias desenvolvidas para a Copa do Mundo de 2014. Chegou-lhe uma ponderação de Wagner: de estilo discreto, Luis Eduardo jamais cogitaria esse tipo de homenagem pública, por substituir uma data histórica. Apesar do desagrado, os filhos de Luis Eduardo entendem que a esquerda baiana deseja recuperar “um troféu”, muito mais por causa dos ressentimentos acumulados pelo avô na política local. E sabem que, na esfera parlamentar, o projeto de lei seguirá à revelia dos sentimentos familiares.

Sem entendimento, houve a promessa de que o próprio Wagner procuraria Duquinho, em respeito à antiga amizade com seu pai.
Conforme antecipou Terra Magazine, em 1º de julho, Jaques Wagner passou a apoiar a recuperação do nome “Dois de Julho”, atendendo a velhas pressões do PT, PCdoB e da sociedade civil. Deputado federal próximo ao governador e ex-secretário estadual de Relações Institucionais, Rui Costa (PT) apresentou um parecer favorável na comissão de Educação, depois de contar com o aval de Wagner.

Leia mais sobre o assunto em Terra Magazine

http://terramagazine.terra.com.br

Pagot: expectativa no Congresso
J
===============================================
Já está em andamento o depoimento do ex-diretor do Departamento de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot a duas comissões do Senado. A expectativa é que ele ofereça explicações sobre denúncias de corrução envolvendo a autarquia.

Depois de Pagot insinuar que poderia distribuir ataques no Congresso, porém, nem o governo nem a base aliada esperam mais um depoimento bombástico, com revelações que possam causar uma nova crise. Até agora tem sido uma mera leitura relatorial e monótona de Pagot, que já provoca protestos da oposição, a exemplo do senador Alvaro Dia (PSDB-PR).

Pagot deixou o Dnit junto com parte da cúpula do Ministério dos Transportes após denúncia de corrupção dentro da pasta. Na quarta-feira, o então ministro Alfredo Nascimento também acabou demitido diante de novas acusações. Cotado para substituí-lo, o senador Blairo Maggi (PR-MT) saiu em defesa de Pagot. Os dois são aliados no Mato Grosso.

Ao longo da semana passada, surgiram declarações na imprensa de que Pagot comprometeria o ministro Paulo Bernardo (Comunicações), que no governo Lula comandou o Planejamento. Em conversa com interlocutores ontem, Pagot afirmou que hoje irá se restringir a questões técnicas do Dnit: “Vou tratar das coisas do Dnit. O resto é invencionice”, disse ele.

A expectativa por declarações bombásticas de Pagot ficou ainda mais reduzida na noite de ontem, quando a presidenta Dilma Rousseff ratificou Paulo Sergio Passos, ex-secretário-executivo dos Transportes e ministro interino, como titular da pasta. Passos é escolha de Dilma, mas também representará uma continuidade de domínio do PR na pasta.

Pagot deve se restringir a depoimentos sobre questões técnicas do cargo, citando que relações com o ministro dos Transportes e o então ministro do Planejamento, Bernardo, faziam parte da rotina de trabalho da autarquia. No caso do Planejamento, as discussões passavam pela liberação de recursos do Orçamento e contingenciamentos periódicos da pasta.

(Postado por Vitor Hugo Soares, com informações do portal IG)

jul
12
Posted on 12-07-2011
Filed Under (Charges) by vitor on 12-07-2011


================================================
Aroeira, hoje, no jornal O Dia


============================================
Curare
Rosa Passos
De: Bororó

Você tem boniteza e a natureza foi quem agiu
Com esses olhos de índia curare no corpo que é bem Brasil
Você é toda a Bahia, é a flor do mocambo da gente de cor
Faz do amor confusão
Numa misturação bem banzeira
Izoneira, que tem raça e tradição
Que é pra machucar minha dor
Nega, neguinha, tudo, tudinho
Meu amorzinho com essa boquinha vermelhinha
Que rasgadinha tem veneno como quê
Conta tristeza e alegria pro seu bem
Que vive a dizer
Que você é diferente dessa gente que finge querer

  • Arquivos