=================================================
Em noite de Lua Cheia, ou não, nada melhor do que ouvir “Serenata”, de autoria do cantor e compositor carioca Sílvio Caldas com o letrista, também carioca, Orestes Barbosa. Ambos, autores de “Chão de Estrelas”, obra-prima da dupla e uma das mais belas canções ja feitas, no Brasil, em todos os tempos. Sobre ela o poeta Manuel Bandeira escreveu: “Se se fizesse aqui um concurso, como fizeram na França, para apurar qual o verso mais bonito da nossa língua, talvez eu votasse naquele de Orestes em que ele diz: “Tu pisavas os astros distraída…”. (Orestes, Jornal do Brasil, 18 de janeiro de 1956)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

BOA NOITE!!!

(Gilson Nogueira)

maio
26
Posted on 26-05-2011
Filed Under (Artigos) by vitor on 26-05-2011


================================================
O ex-diretor geral do FMI encontra-se atualmente em prisão domiciliar, mas na noite de ontem, quarta-feira, mudou-se para uma verdadeira ‘gaiola dourada’: uma casa ultra-luxuosa no bairro nova-iorquina de Tribeca

O canal de notícias France 24 fez a reportagem com imagens da casa para onde se mudou Dominique Strauss-Kahn.

Na mansão, DSK pode usufruir de 630 metros quadrados de área útil, divididos em quatro quartos, cinco casas de banho e um ginásio. E como se trata de uma moradia, Strauss-Kahn não evita assim os problemas de vizinhança.
Segundo France 24, para arrendar a casa o ex-director do FMI teve de desembolsar 14 milhões de dólares (cerca de 9,88 milhões de euros) e vai pagar uma renda mensal de 50 mil dólares – 35 mil euros.

Dominique Strauss-Kahn está em prisão domiciliar aguardando julgamento das acusações de agressão sexual, tentativa de violação sobre uma empregada de hotel em Nova Iorque.

Dilma com Palocci hoje em Brasília/ig

=============================================

DEU NO IG

A presidenta Dilma Rousseff saiu hoje pela primeira vez em defesa do chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, desde o início da crise que se abriu por causa da evolução patrimonial do ministro nos últimos anos. Ao cumprir agenda em Brasília, em um evento sobre educação, a presidenta abriu uma entrevista coletiva alegando que o ministro dará “todas as explicações” aos órgãos competentes.

“O primeiro ponto que eu quero abordar diz respeito à questão do ministro Palocci. Quero assegurar a a vocês que o ministro Palocci está dando todas as explicações para os órgãos de contorle, as explicações necessárias”, disse Dilma.

Acompanhada pelo chefe da Casa Civil no evento, a presidenta afirmou ainda esperar que o caso não seja “politizado”, como, segundo ela, ocorreu no momento em que o PSDB levantou suspeitas sobre o pagamento de restituições feitos pela Receita Federal à WTorre, uma das empresas que contrataram os serviços de consultoria da Projeto, empresa de propriedade do chefe da Casa Civil.

“Lamento que um caso como este esteja sendo politizado. E quero reiterar que o ministro Palocci dará todas as explicações aos órgãos de controle inclusive ao Ministério Público, nos próximos dias”, reforçou.


==========================================
Para começar o dia no Bahia em Pauta escute e aproveite esta linda música, Mãos Denhas! de Carlinhos Brown, novo disco Diminuto, maravilhoso. Nesta música, Chico recita, magistralmente, Suor Caseiro, divino!

CONFIRA.

(Maria Olívia Soares, jornalista)
======================================
“Suor Caseiro”

Qual letras que se veem a bordo da borboleta
Fui à luz e vi a tempo a tempestuosa escuridão
Acostumei-me ao comportamento natural das coisas
E então pedi ao amor uma companhia que mudasse o meu percurso
Entre a fresta do invisível e a ausência do merecido
Vi o que queria ver
Guardei uma gota para lavar-me o suor caseiro
E me fazer sonhar na viagem, pleno de ti
Não sei de onde vens, mas ch egaste
Qual tetas que se leem lentas
Qual borboletas que estalam letras
Tangos
Mambos
Boleros
Texto incidental ‘Chico Buarque de Holanda’


================================================

OPINIÃO POLÍTICA

A vantagem do novo Estado

Ivan de Carvalho

Está se iniciando um movimento pela criação do Estado do São Francisco, a ser desmembrado do território do Estado da Bahia, principalmente, mas com fortes possibilidades de agregar também territórios hoje integrados ao Estado de Pernambuco.

A idéia medra entre alguns políticos baianos, incluindo parlamentares como o deputado federal Oziel Oliveira, do PR, ligadíssimo ao próspero município de Luís Eduardo Magalhães e à ex-deputada Jusmari Oliveira, prefeita de Barreiras, que poderia ser informalmente chamada de capital do oeste baiano.

Mas o movimento é supra-ideológico, pois tem o decidido apoio da deputada estadual Kelly Magalhães, do PC do B, que ao saudar da tribuna da Assembléia Legislativa os 120 anos de Barreiras, que estão sendo completados hoje, insistiu na “importância de se discutir a criação do Estado do São Francisco”.

Se não existem barreiras (sem nenhuma intenção de trocadilho) ideológicas entre os defensores da criação do novo Estado, também não existem na transposição de divisas estaduais para acumulação de territórios que venham a, eventualmente, compor a futura unidade federada.

Assim é que o São Francisco, generoso como o santo que lhe emprestou o nome, dá suas águas e suas margens férteis aos estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. Mas Alagoas e Sergipe são estados demasiado pequenos para que se pense na malvadeza de subtrair-lhes um pouco do pouco território que possuem. E quanto a Minas Gerais, “está onde sempre esteve” e sempre estará, nada tendo a ganhar quem lançar os olhos compridos na direção das Alterosas.

Mas a idéia do Estado do São Francisco não se restringe aos baianos. Também tem trânsito entre políticos de Pernambuco. Os Coelho de Petrolina (aqueles poderosos roedores que um dia estiveram, por intermédio do senador Nilo Coelho (morto há anos), na presidência do Senado e do Congresso) também se mostram interessados.

A proposta deles é de que a capital do futuro Estado do São Francisco seja a cidade pernambucana de Petrolina, talvez unida à baiana Juazeiro. Já os políticos baianos que pregam a criação do novo estado vêm em Barreiras a capital natural. E ambos os lados viam como alvo a região do Médio São Francisco, mas agora já espicham o olhar para o Baixo São Francisco, de modo a tentar colher uma pérola fluvial, a cachoeira de Paulo Afonso – melhor dizendo, a hidrelétrica e a cidade, com a importância econômica que tem, inclusive na possibilidade de exploração turística.

Vale lembrar que, quando a lavoura cacaueira do sul baiano estava em toda sua pujança, antes da bruxa dar suas vassouradas por lá, não eram poucos os políticos da região, incluindo parlamentares liderados pelo então deputado federal Fernando Gomes, plantado em Itabuna e que chegou a apresentar projeto de lei na Câmara dos Deputados visando à criação de um Estado de Santa Cruz, com o território do sul e do extremo-sul baiano.

Dizimada a lavoura do cacau pela vassoura-de-bruxa, não se falou mais no assunto, mas o grande celeiro que surge no São Francisco, com cereais (destacando-se a soja), frutas, produção de vinhos de qualidade, fez ressurgir lá olhares cobiçosos.

Para a Bahia, que tanto teria a perder, há, apesar de tudo, um consolo, se o improvável Estado do São Francisco surgir. Querem incluir nele o município de Rodelas, no Baixo São Francisco. Rodelas está -praticamente escolhida como local para construção de uma das usinas nucleares que a União nos quer enfiar goela abaixo. Pois bem, que se vier o tal novo estado, vá com ele Rodelas e sua maldita usina. É a maneira mais simples da Bahia se livrar dela. Embora só formalmente, pois, infelizmente, Rodelas não sairá do lugar onde Deus a colocou, ressalvado o caso de alguma mágica nuclear.

maio
26
Posted on 26-05-2011
Filed Under (Charges) by vitor on 26-05-2011


==================================================
Amorim , hoje, no jornal Correio do Povo (RS)

maio
26
Posted on 26-05-2011
Filed Under (Newsletter) by vitor on 26-05-2011

Maria: balas interrompem luta e estudos

=================================================
DEU NA REVISTA DIGITAL TERRA MAGAZINE

Felipe Milanez

De São Paulo

“Qualquer coisa que eu fale, e qualquer coisa que eu escreva, tem lágrima. Eu acho que a tinta, quando eu to escrevendo, ela é borrada pela lagrima”. Pausa. Choro. Lágrimas.

E dona Maria continua: “A ousadia. Ela é uma coisa que alimenta, para mim. Alimenta a luta”. Mais choro.

Estamos sentados na varanda de sua casa, no assentamento agroextrativista Praia Alta Piranheira. Faz um dia bonito, sol forte, mês de outubro de 2010. A varanda é o “escritório” de Dona Maria, disse o marido seu Zé Cláudio.

Seu Zé Cláudio anda impaciente, enquanto dona Maria está sentada conversando comigo. Ele fica nervoso. Sabe que ela fala. E dona Maria conta as ameaças que eles têm sofrido. Intimidações. Recados. As angústias. Os madeireiros que querem cortar as castanheiras. Os carvoeiros que querem fazer carvão. Os fazendeiros que querem pasto.

É mulher forte. E sensível. Está concluindo a dissertação de mestrado – “quero estudar o nosso projeto de assentamento. Quem vem fazer pesquisa aqui, vem e vai, não volta.” Ela quer fazer um livro. Porque acha que as histórias devem ficar escritas.

Ela me disse coisas muito bonitas. Cheia de lágrimas:

“Quando criou esse assentamento, pra mim era uma coisa tão distante. E eu sou do campo. Meu pai era do campo, nunca criou boi, sempre colheu da floresta. Com esse projeto, eu, como liderança dos povos extrativistas, toda a minha trajetória, chegando aqui, essa história de luta que nós estamos construindo aqui dentro. Todas as coisas bonitas. Foi um modelo em 1997. Hoje, contamos com o Conselho Nacional dos Seringueiros e a Comissão Pastoral da Terra. Ninguém mais apóia. Isso foi me angustiando. Surgiu a idéia de escrever um livro. O projeto ta sendo saqueado a cada momento, a biodiversidade está desaparecendo.

Os demais, são só omissos.

Tem que ficar alguma coisa escrita. Não pode eu fazer só o trabalho para universidade. Mas para eu deixar alguma coisa para as futuras gerações. Se você voltar daqui a um mês, ou daqui 10 anos, não importa. O dia que você voltar aqui você vai encontrar as mesmas pessoas, só um pouco mais velhas, já que a cada dia a gente envelhece. Mas a floresta é essa mesma. A idéia é essa mesma.”

Seu Zé Cláudio, um bravo guerreiro, estava revoltado com a venda ilegal de madeira: “quem compra?” E se dizia o verdadeiro ambientalista: “por que eu moro na floresta, eu vivo nela, e não vendo.”
O casal foi assassinado na manhã desta terça-feira, por volta das 7:30, a cerca de 8 km de sua casa, enquanto iam para Marabá. Dilma mandou que a Polícia Federal investigasse – mandar a polícia investigar um crime seria necessário se não houvesse uma lei que obrigue a tanto. Mais justo teria sido o Planalto mandar algum representante para acompanhar as investigações, ao local, como foi feito no assassinato da irmã Dorothy Stang.

No mesmo dia do crime, à noite, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto do novo Código Florestal.

Na plenária, o deputado Sarney Filho (PV), leu trechos de uma reportagem que escrevi sobre Zé Cláudio (http://www.viceland.com/blogs/br/2010/10/28/ze-claudio-e-a-majestade/). Zé Cláudio dizia amar a floresta, e queria que suas cinzas fossem enterradas junto da Majestade – a linda e imponente castanheira que ainda está de pé, dentro do seu lote. Muitos no plenário se emocionaram. Alguns choraram. Como eu choro quando releio o texto. Como as lágrimas que estão no teclado enquanto escrevo esse texto.

O assassinato do casal poderia tê-los tornado mártires em defesa da floresta. Mas nesse mesmo dia, os representantes da nação preferiam apontar um caminho diferente para o futuro: aquele onde a floresta, se continuar a existir, não terá importância para os brasileiros. Onde a biodiversidade, que tanto encantava seu Zé Cláudio Ribeiro da Silva e dona Maria do Espírito Santo, corre o risco de ser reduzida a pasto e boi. Num campo marcado de sangue.
——————————————————-

Zé Claudio e Maria: execução no dia da aprovação do Código


===============================================
I’ll Be Seeing You – Frank Sinatra – Tommy Dorsey , a música do boa noite de hoje do BP é a canção tema do filme “Os Yankes estão Voltando” (Soldier), de John Schelsinger, com Ricard Gere. Foi exibido terça-feira no canal privado Cineclub CULT.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos estabeleceam bases militares na Grã-Bretanha como parte do esforço de guerra. Muitos britânicos não gostaram muito da chegada dos ianques impetuosos em seu território, mesmo como aliados, especialmente quando os soldados faziam avanços sobre as meninas solitárias da Grã Bretanha, algumas cujos namorados também estão longe na guerra.Um belissimo filme, que vale a pena ver, quem ainda não o fez. Musica mais linda ainda. Confira.

BOA NOITE!!!

(VHS)

  • Arquivos