maio
20


=============================================
“Luz Negra”, um dos 10 maiores sambas da música popular brasileira, o primeiro -desde a juventude – no coração e sentimento do editor deste BP.Vai para o compósitor e cantor baiano Fábio Paes, outro fã de carteirinha do grande sambista carioca.

Em noite de boemia, há anos, no Bar Extudo, Fabinho puxou o violão e chamou este jornalista e amigo para cantar “Luz Negra” em dupla com ele.

Foi o sucesso da noite! Até Margareth Menezes, presente no bar quando ralava duro para ser a estrela de hoje, bateu palmas. Com entusiasmo, diga-se .

Quem duvidar pergunte a Fabinho Paes. E agora silêncio e concentração para ouvir Seu Nelson.

BOA NOITE!!!

(Vitor Hugo Soares)

Seu Nelson: desde que o samba é samba…

=============================================

OPINIÃO CULTURAL / SEU NELSON

Nelson Cavaquinho, 100 anos

Maria Olívia Soares

Para festejar os cem anos de Nelson Cavaquinho, chega às lojas pela EMI o álbum duplo Degraus da Vida, idealizado e produzido pelo jornalista e pesquisador Rodrigo Faour. Com 28 composições do grande sambista, no CD estão as canções mais conhecidas de Seu Nelson, como Folhas Secas, imortalizada na voz de Beth Carvalho, Palhaço, interpretada por Dalva de Oliveira e Sempre Mangueira, em versão de Clara Nunes.

Além disso, o disco também inclui algumas composições raras, como Deus Não me Esqueceu, Sinal de Paz e Depois da Vida. “Ao iniciar a pesquisa para o disco, no final de 2009, eu me deparei com esses sambas menos conhecidos e fiquei bastante surpreso com a qualidade de suas letras. Eles nada devem aos clássicos do Nelson”, disse Faour em entrevista à Folha de São Paulo.

Entre o time de músicos que interpreta as canções e letras cheias de tristeza e sentimento do compositor, estão Elza Soares, Paulinho da Viola, Nora Ney e os ainda poucos conhecidos Germano Batista e Jurema Cavaquinho.
Outro destaque do registro é o encarte, uma verdadeira pérola, além das letras na íntegra inclui uma breve biografia do sambista, assim como a história de cada uma das composições. Esse Rodrigo Faour é danadinho. Outro dia, ele afirmou em entrevista ao Globo: “Vou passar o resto da minha vida fazendo isso, trabalhando pela música brasileira”. Emocionados, agradecemos.

Nelson Antonio da Silva nasceu no Rio de Janeiro, em 28 de outubro de 1911, na rua Maris e Barros, imediações da Praça da Bandeira. Tirou seu sorriso do caminho em 18 de fevereiro de 1986, abraçado a seu violão. Apesar de uma obra vastíssima e bela, deixou à sua companheira, Durvalina, minguada pensão do INSS e uma pequena casa da Cohab, no Jardim América. É assim que o Brasil trata seus filhos mais valorosos, uma pena.

Maria Olívia Soares é jornalista baiana, colaboradora do BP

O Conselho de Administração do Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou esta sexta-feira, em Washington, a participação da instituição financeira no resgate internacional a Portugal, com um empréstimo de 26 bilhões de euros.

Do crédito total, 6,1 bilhões de euros serão disponibilizados “imediatamente”, e 12,6 mil bilhões até final de 2011, segundo adianta comunicado divulgado pelo FMI após a reunião de hoje.

“O FMI, juntamente com os nossos parceiros europeus, está empenhado em apoiar este esforço nacional. A ação de hoje pelo FMI para apoiar Portugal contribui para o amplo esforço internacional em curso para ajudar a trazer estabilidade à zona do euro e assegurar a retomada da economia global”, afirmou o diretor interino do FMI, John Lipsky.

Na semana passada, os ministros das Finanças da União Europeia aprovaram a ativação do Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira na ajuda a Portugal, contribuindo com dois terços dos 78 bilhões de euros que o país vai receber.

O crédito do FMI, aprovado ao abrigo dos mecanismos de financiamento de emergência da instituição financeira, será disponibilizado ao longo de três anos.

Destina-se a apoiar um programa de ajustamento e crescimento económico, a ser conduzido pelo governo de Lisboa, que assim evita o recurso aos mercados financeiros, sublinha o comunicado do FMI.

(Com informações do jornal português Diário de Notícias)

maio
20

Hebe:agradecimento em Fátima/DN/CONTIGO

=========================
DEU NO JORNAL PORTUGUÊS DIÁRIO DE NOTÍCIAS

Um ano e meio após o diagnóstico de cancer de abdomem, a apresentadora de televisão e cantora brasileira Hebe Camargo visitou o Santuário de Fátima, para agradecer a cura.

A viagem, que coincidiu com as comemorações dos 94 anos da primeira aparição de Nossa Senhora de Fátima, foi emocionante para Hebe: “Não diria que vim pagar uma promessa, porque as minhas conversas com Fátima são íntimas e informais. Sempre fui devota, mas a primeira e última vez que pedi algo para mim foi em Janeiro passado. E elas disseram: “Amém!” Quis vir até aqui no dia de Fátima para agradecer imensamente por ter me livrado daquela doença”, disse à revista Contigo!.

Hebe combateu um tumor raro no abdomem entre Janeiro e Junho de 2010 e está mais confiante que nunca. “Não tenho medo de nada. Vou aceitar quando Deus estipular que chegou a minha hora. Continuo bem de saúde. Vou com naturalidade fazer meus exames de controle”, acrescentou a apresentadora brasileira à revista.


=========================================================

OPINIÃO POLÍTICA

Responsabilidade pública

Ivan de Carvalho

Registrou ontem o blog Gama Livre, sediado no Distrito Federal, duas interessantes decisões judiciais, que podem não ser pioneiras no país, mas de qualquer forma representam dois pequenos passos na direção da afirmação da cidadania.

A primeira dessas decisões, já em grau de recurso, foi tomada, por unanimidade, pela 1ª Turma do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, onde a presidência e a ex-presidência não estão brigando e assim os demais desembargadores podem se concentrar em outros assuntos.

A decisão da 1ª Turma do TJDF manteve decisão da 1ª instância que condenou o Distrito Federal a pagar indenização, no valor de R$ 15 mil, a título de danos morais, a um homem que foi vítima de prisão ilegal durante 16 horas e 43 minutos (das 21h de 24 de novembro de 2009 às 13:43 horas do dia seguinte), na 26ª Delegacia de Polícia. O homem foi preso ao ir à delegacia registrar uma ocorrência referente a acidente de trânsito.

O Estado fez o possível para livrar-se da condenação. Basicamente alegou que a polícia civil prendeu o cidadão por existir mandado judicial de prisão contra ele. E de fato um mandado judicial nesse sentido fora expedido. Mas quando o cidadão foi preso, o mandado já havia sido revogado. O relator, que teve seu voto acompanhado pelos demais desembargadores da Turma, entendeu que a negligência dos agentes da Polícia Civil acarretou o dano e o nexo causal, configurando a responsabilidade civil do Distrito Federal.

O DF recorreu da decisão de 1ª instância, alegando, preliminarmente, ilegitimidade passiva, por se tratar de erro originário do Poder Judiciário e não da Polícia Civil. E, no mérito, alegou que os agentes da Polícia Civil agiram no estrito cumprimento de ordem judicial. Finalmente, alegou o Distrito Federal que a responsabilidade é da União, pois a prisão ilegal decorrera de erro do Poder Judiciário federal.

Nada disso funcionou. Os autos do processo continham documentos que mostravam que o decreto prisional já havia sido revogado e mesmo assim a prisão foi realizada, resultando daí a ilegalidade dela do ato dos agentes da Polícia Civil do DF, daí a responsabilidade deste.

Mais importante é que a 1ª Turma do TJDF, acompanhando o relator, entendeu que o Decreto nº 7.205/82 deu à Polinter a incumbência de organizar e manter atualizado o seu banco de dados para evitar erros. Assim, entendeu também que a culpa do DF está configurada na negligência de sua Polícia Civil em manter atualizado seu banco de dados, o que acarretou a prisão e o dano moral. (Nº do processo: 2010 01 1 024522-8).

Em outro processo, este ainda em primeira instância (1ª Vara da Fazenda Pública), o Distrito Federal foi condenado a pagar indenização de R$ 15 mil por danos morais e pensão vitalícia de um salário mínimo por danos materiais a um ciclista que caiu em um bueiro aberto, na cidade de Planaltina. Naturalmente cabe recurso.

O autor alegou que, em agosto de 2005 (que demora!) retornava para casa de bicicleta quando caiu em um bueiro que estava aberto sem qualquer sinalização de advertência. Sofreu sequelas permanentes na medula espinhal, impossibilitando-o de exercer suas atividades como trabalhador autônomo. Fez cirurgia no Hospital Regional de Planaltina, mas o atendimento aí foi tão ruim que teve seu problema agravado. Requereu indenização por danos morais no valor de 300 mil, além de pensão vitalícia de três salários mínimos mensais.

A defesa do DF alegou não existir comprovação de culpa do DF por estar o bueiro aberto e que o ciclista estava embriagado, daí sua culpa exclusiva pelo acidente. O laudo médico atestou a incapacidade do autor para o trabalho. Na sentença, a juíza afirmou que “o Poder Público faltou com o dever de manutenção e conservação dos bueiros localizados em vias públicas. O conjunto probatório demonstrou a ineficiência da fiscalização estatal em garantir segurança aos transeuntes ou motoristas que utilizam diariamente as vias públicas naquele local.”

maio
20
Posted on 20-05-2011
Filed Under (Charges) by vitor on 20-05-2011


==================================================
Enio, h0je, no jornal Gazeta de Alagoas


===========================================================
Canção especial, cenário especial, dia especial.

Boa noite a todos

(VHS)

  • Arquivos