Ministro Cardoso: surfando na onda dos chips

============================================

OPINIÃO POLÍTICA

ELE VAI TIRAR O CHIP

Ivan de Carvalho

A proposta, de iniciativa do presidente do Senado e do Congresso Nacional, José Sarney, com apoio de outros políticos, de aproveitar a comoção pública com o massacre na escola de Realengo, no Rio de Janeiro, para realizar um plebiscito sobre a comercialização de armas e munições no país, parece estar morta.

Convém lembrar que em 2005 foi realizado um referendo com igual objetivo e a resposta amplamente majoritária foi “não”, isto é, que não se devia extinguir a comercialização de armas e munições. Desse “não” resultou, como se sabe – um pouco na contramão da seca decisão popular, mas compreensível, dentro das condições brasileiras – uma lei federal conhecida como Estatuto do Desarmamento e da qual foi relator, com forte influência sobre o conteúdo e o texto final, o então senador baiano César Borges.

O massacre de Realengo trouxe de volta a idéia de repetir como plebiscito o referendo de 2005. Recorde-se que a elite política brasileira, quando entende de fazer uma coisa e tem de perguntar ao povo, não desiste facilmente se recebe um não. Fica aguardando outra oportunidade para renovar a tentativa.

O presidencialismo veio com a República. Em circunstâncias políticas críticas, o Congresso mudou, em 1961, o sistema para parlamentarismo. Em 1963, um plebiscito restabeleceu o presidencialismo. Pronto? Não. A Constituição de 1988 quis tentar outra vez. Determinou um novo plebiscito sobre o sistema de governo. Foi realizado em 1993. “Vade retro, Satanás”. A tentação foi repelida com acachapante maioria.

Agora, o presidente da Câmara, Marco Maia, do PT, já disse que é contra a proposta plebiscitária de Sarney sobre o comércio de armas. O presidente da OAB, Ophir Cavalcante, também. O presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados, Mendonça Prado, do DEM, também se declarou contra. Prado qualificou a proposta do plebiscito corretamente: uma cortina de fumaça para encobrir a inação do Estado brasileiro ante a circulação de armas no país.

O mais novo ministro do STF, Luiz Fux, que estreou no tribunal com um voto acertadíssimo sobre a Lei da Ficha Limpa – apesar das críticas que sofreu por desagradar a parte da população menos consciente das implicações da questão e setores da mídia sem maior compromisso com a integridade do sistema jurídico brasileiro –, ao por as garantias constitucionais acima do favor popular, declarou-se contra o plebiscito. Acha ele que “o povo votou errado” no referendo de 2005 e que medidas legislativas podem ser tomadas, mas nada de plebiscito a respeito.

Já o presidente da OAB, Ophir Cavalcante, afirma que fazer agora um novo plebiscito pode ser um desrespeito à vontade popular expressa no plebiscito de 2005. Presumo que Cavalcante veria risco de desrespeito maior se o Congresso agora legislar na contramão absoluta do que foi decidido no plebiscito tão recente. Mas o ministro Luiz Fux sugere uma idéia que, humildemente, considero perigosa, mesmo que se lhe dê respaldo legal. “Não entra na casa das pessoas para ver se tem dengue? Tem que ter uma maneira de entrar na casa das pessoas para desarmar a população”, afirmou quinta-feira ao G1.

Imagino que um alvo seriam as casas das pessoas que têm armas registradas, legais e que seriam tornadas ilegais. O segundo alvo seria ainda mais questionável: as casas das pessoas em cujo nome não consta registro de arma de fogo. Entrar, a título de que? Para ver se tem febre amarela, varíola, dengue ou revólver? Ação de busca e eventual apreensão sem indício algum que leve a suspeita?

Mais esquisita é a proposta do Ministério da Justiça, surfando na onda mundial e avassaladora de monitoramento do cidadão e seus pertences. Botar chip nas armas. Nas vendidas legalmente e registradas, presumo. E nas que o Ministério da Justiça não impede que sejam contrabandeadas? E os bandidos levarão suas armas à Polícia Federal e às polícias estaduais para que sejam colocados chips? E se alguma arma com chip chegar às mãos do bandido? O que será que ele vai fazer, ministro José Eduardo Cardozo? Ora, Zé, ele vai tirar o chip.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Abril 2011
    S T Q Q S S D
    « mar   maio »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    252627282930