abr
13
Postado em 13-04-2011
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 13-04-2011 19:28


FHC: falando grego?
============================================

DEU NO SITE DE CHICO BRUNO ESTA QUARTA-FEIRA

Direito da Varanda: Chico Bruno
Os colegas não entenderam FHC

Nenhum partido pode representar o todo da sociedade. O nome – partido – indica que uma legenda deve representar uma parte da sociedade.

Infelizmente a oposição não entendeu o artigo de FHC, na verdade um ensaio sobre o papel da oposição.

Mais uma vez o governo agiu rápido e usou uma única palavra do longo texto para atiçar a oposição: “povão”, que como sempre caiu na esparrela e destoou da análise de FHC.

Vale fazer a exceção.

Pelo que se lê na imprensa, só José Serra deve ter lido o texto de FHC.

Os demais se contentaram em se defender da provocação dos petistas de que FHC e a oposição não gostam do “povão”.

FHC faz uma reflexão correta.

Só os que não têm bom senso é que não enxergam que o Parlamento de hoje é irrelevante, que os partidos se distanciaram da sociedade, que a moral dos políticos está na lama e que a banalização dos maus costumes tomou conta do país, entre outras mazelas.

FHC faz a mesma autocrítica que muitos já fizeram sobre a incapacidade dos tucanos de defender a agenda positiva iniciada com Itamar Franco.

Resumo da ópera.

O longo artigo de FHC remete a uma reflexão sobre a questão da falta de um comandante oposicionista.

Talvez o grande erro do PSDB tenha sido negar a FHC a liderança do partido.

O constrangimento dos tucanos com o artigo de FHC é uma babaquice sem tamanho.

O pior é que todos pegaram a corda petista e saíram dizendo aleivosias como à dita pelo líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR).

– Se eu ficar longe do povão não me elejo a nada.

Ora bolas, o senador paranaense sabe muito bem quem são seus eleitores. Pronunciou a frase apenas tentar afastar de si pecha de elitista.

Aécio Neves, que sempre escorrega que nem quiabo trocou o termo povão por classes C e D para dizer que ele foi reeleito em 2006 e Anastásia foi eleito em 2010 com os votos dessas classes.

Ora bolas, quem tem pretensões eleitorais se elege com os votos de uma parte da sociedade que é composta de vários patamares.

Serra teve 44 milhões de votos, a grande maioria desses votos foi obtida junto aos que não queriam eleger Dilma.

FHC e Serra falam a mesma língua destes eleitores, os demais oposicionistas se contorcem em uma estratégia equivocada de conquista de eleitores cativos do PT, quando deveriam correr atrás daqueles que emergiram para a nova classe média.

Para isso, só lhes resta seguir o caminho apontado por FHC, caso contrário definharão.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Abril 2011
    S T Q Q S S D
    « mar   maio »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    252627282930