abr
12
Postado em 12-04-2011
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 12-04-2011 11:50

Os preços elevados do petróleo começam a afetar a procura mundial, que demonstra tendência de quedar há alguns meses, segundo anunciou a Agência Internacional de Energia (AIE).A notícia é uma das principais manchetes esta terça-feira, 12, no jornal PÚBLICO, de Portugal.

A oferta dos países da OPEP também tem diminuido.A Líbia, por exemplo, afetada por graves conflitos internos, passou de uma produção de 935 mil barris por dia para 450 mil

“Há um verdadeiro risco de que um preço do petróleo acima dos 100 dólares por barril não seja compatível com o ritmo de retomada económica”, escreve a agência no seu relatório mensal, adiantado pela AFP. A AIE, sediada em Paris, observou que “o crescimento da oferta mundial de petróleo mostra sinais de abrandamento há já alguns meses, afetado pelos preços muito elevados”.

Após seis revisões em alta consecutivas, a agência decidiu manter inalteradas as suas previsões de procura do petróleo para o ano de 2011. Prevê, tal como em Março, que a procura atinja os 89,4 milhões de barris por dia este ano, o que representa mais 1,6 por cento do que ano em 2010.

A AIE espera uma procura em alta dos países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE), com realce para o Japão, que vai aumentar o seu consumo a partir do segundo trimestre de 2011, para reconstruir o país depois da catástrofe nuclear. Ao contrário, espera-se uma baixa a procura dos países que não fazem parte da OCDE.

No total, a procura mundial continuará a aumentar este ano, mas menos do que em 2010 (crescimento de 3,4 por cento em relação a 2009), onde o consumo atingiu 87,9 milhões de barris por dia, estima ainda a AIE.

Implicações da guerra civil na Líbia

Por outro lado, a produção mundial de petróleo caiu 700 mil barris diários em Março, para 88,3 milhões. Esta queda deve-se a uma baixa de produção na Líbia de cerca de 70 por cento. O país passou de uma produção de 935 mil b arris por dia para 450 mil e está atualmente num ponto morto, depois do ataque a vários campos petrolíferos.

Assim, a oferta dos países membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) diminuiu de 890 mil barris por dia em Março. Mas, “a perda de produção da Líbia e a escalada dos preços de 25 a 30 por cento desde o início da crise no país, em meados de Fevereiro, suscitaram, até agora, poucas respostas por parte dos outros membros da OPEP”, estima a agência, acrescentando que “os países produtores continuam a negar a necessidade de marcar uma reunião extraordinária antes da prevista para Junho, alegando que o mercado tem petróleo que chegue”.

Em Março, a baixa de produção da Líbia foi compensada por um aumento da oferta chinesa e brasileira. A produção dos membros da OPEP continua mesmo assim superior aos níveis dos anos passados, graças a um aumento da produção na Arábia Saudita desde o inicio de 2010. Mas a AIE estima que o crescimento da procura dirigida aos países da OPEP deverá “novamente aumentar na segunda metade de 2011”. “Tudo vai depender da maneira como a situação na Líbia vai evoluir”, conclui a agência.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Abril 2011
    S T Q Q S S D
    « mar   maio »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    252627282930