=====================================================

OPINIÃO POLÍTICA

Um plano para o PMDB

Ivan de Carvalho

Prossegue a guerra do governo e do PT contra o PMDB em todo o país. Aqui e ali pratica-se um ato diversionista, tendente a disfarçar o propósito central de enfraquecer o maior aliado do governo e, com isso, neutralizar eventual disposição de reação imediata.
De outro lado, o PMDB raciocina que não chegou ainda o momento de retaliar, pois a presidente Dilma Rousseff acaba de obter nas urnas o seu mandato e está, assim, protegida, além do poder inerente ao cargo que ocupa, pelo manto do apoio popular. Estes dois fatores são fortíssimos elementos para a manutenção de uma base partidária e parlamentar fiel e submissa.

Tais circunstâncias – o poder do cargo, a manifestação eleitoral muito recente e a fidelidade submissa de todos os outros setores da base parlamentar e política do governo – levam o PMDB, por sua vez, a encher-se de cautelas e não lançar desafios nem mostrar as unhas (ou garras?) antes que o governo sofra um certo desgaste, o que parece razoavelmente provável, quando se considera a herança bendita deixada pelo antecessor e com a qual a presidente terá de lidar. Mas, se acontecer, exigirá tempo.

Enquanto esse tempo não passa e o desgaste do governo não se materializa, o PMDB espera e vai se enchendo de raiva como o sapo-boi se enche de ar. Se, nessa situação, esperar demais, pode ter o mesmo destino não raro reservado ao batráquio – explodir, numa idiota autodestruição, enquanto supõe que crescer à base de um enchimento de nada vai assustar o predador.

Não assusta, porque o predador já conhece bem sua presa. Que se entregou de mãos e pés atados na presunção, alimentada à base de promessas que não se cumprem, de que seria um participante privilegiado do poder, do qual este não poderia prescindir, enquanto ele, o PMDB, poderia ameaçar, chantagear, rebelar-se, até passar para o outro lado, juntando-se a Aécio Neves e sua candidatura a presidente.

Aliás, passar para o outro lado exigiria ao PMDB renunciar às “boquinhas” que o governo do PT lhe tem permitido ocupar, o que não fará facilmente nem sem uma dolorida emoção. Mas não só isto.
A outra grande dificuldade de passar para o outro lado, composto pelo PSDB, Democratas e PPS, além, supõe-se, do PV e do Psol, é que esse outro lado saiu muito fragilizado das urnas e está ensaiando, pelo menos no PSDB e no DEM – as peças principais –, guerras civis. Além disso, parece impossível que o PMDB demonstre, numa eventual passagem para o “outro lado”, a impecável unidade com que se apresentou na votação do salário mínimo proposto pelo governo na Câmara dos Deputados.

E enquanto o PMDB espera para ver o que mais de cargos de segunda ou terceira classe lhe será concedido, bem como o momento propício para demonstrar sua insatisfação em alguma ou algumas votações no Congresso, até o que o partido ia conseguindo por sorte ou esforço próprio lhe foi tirado.

Para ser mais claro: Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo – maior cidade do Brasil e terceiro maior orçamento público do país – vai deixar o DEM e combinara com o ex-presidente do PMDB e vice-presidente da República, Michel Temer, que é do PMDB paulista, ingressar na sessão estadual do partido para ser candidato a governador em 2014. O PMDB foi destruído em São Paulo, não tem sequer um deputado federal e só tem um estadual. Orestes Quércia morreu. Kassab, talvez, para o PMDB paulista, (meu Deus dos céus) a ressurreição e a vida. Aí a presidente Dilma pediu a ele para esquecer o PMDB e ingressar no PSB. Deverá ser atendida, do que estão à vista todos os sinais.

É preciso mais do que isto para ter certeza do que o governo e o PT planejam para o PMDB?

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 25 Fevereiro, 2011 at 10:52 #

Caro Ivan de Carvalho

O PMDB de são paulo está mesmo exaurido, mas…

Edinho Araújo é Deputado Federal (o único eleito pelo PMDB, como tenho observado em comentários aqui no BP)

Quanto aos estaduais, salvo engano, o PMDB elegeu dois entre os 94.

O que em nada muda o malogro.

Abraços!


Ivan de Carvalho on 25 Fevereiro, 2011 at 11:22 #

Fontana,
Grato pelas informações corretivas.
Abraços


luiz alfredo motta fontana on 25 Fevereiro, 2011 at 16:10 #

Caro Ivan

Anotei a eleição de Edinho Araújo, posto que é didática para compreender o vazio eleitoral em que se meteu o PMDB em São Paulo.

Edinho é o típico político interiorano, foi prefeito em duas cidades, sendo que na última, São José do Rio Preto, terra natal de Aloysio Nunes Ferreira, e também do dono da Traffic, elegeu-se pelo PPS, o mesmo, quem diria, de Itamar Franco.
De resto, o PMDB paulista foi surrupiado pelo PSDB por ocasião da revoada tucana, sustentou-se com Quércia, pagando o preço do “quercismo”. Ulisses, por sorte, encantou-se, caso contrário ficaria mudo de desilusão.

Quanto à oposição, parece que Lula estava certo, até mesmo Dona Dilma pode com ela, caso realmente exista.

Quanto a Sarney e Renan, Jucá e outros anfíbios, esta é outra história, afinal “governabilidade” é fetiche para os herdeiros de Lula.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2011
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28