fev
09
Postado em 09-02-2011
Arquivado em (Artigos, Ivan) por vitor em 09-02-2011 10:26


Marta a Sarney: “É presidenta, senhor presidente!”
================================================

OPINIÃO POLÍTICA

O marimbondo e a avestruza

Ivan de Carvalho

Pode ser que tenha êxito, mas não será fácil ao marketing política da presidente Dilma Rousseff alcançá-lo. Trata-se de emplacar ou não o tratamento de “presidenta” para a chefe – ou deveria eu escrever chefa? – do Executivo federal.

Já abordei antes esse assunto, mas ontem foram acrescentados mais um ou dois elementos. E como uma gripe que não sei se, como as outras, veio das galinhas e outras aves da China, me pegou, estou querendo pegar leve no escrever para poupar energias. Assim, talvez elas – as energias, não as galinhas – possam ser melhor usadas no combate ao vírus.

Bem, voltando ao assunto, as pesquisas, durante o ano eleitoral de 2010, mostraram à saciedade que a resistência do eleitorado feminino à aspirante e depois candidata Dilma Rousseff era maior que a resistência do eleitorado masculino. Dizendo de outra forma, ela obtinha percentuais mais altos de intenções de votos entre os eleitores do que entre as eleitoras.

Isso prolongou-se até o final da campanha para o segundo turno e não tenho dúvidas de que o marketing político da presidente tem até aqui acesso a pesquisas que confirmam (possivelmente com variações de percentuais, é claro) a persistência do fenômeno.
Foi aí que o comando do marketing e o então presidente Lula tiveram a idéia, supostamente vantajosa, de agredir os tímpanos de todo mundo para fazer a média de Dilma Rousseff com as mulheres. Não bastasse ser a primeira presidente do Brasil, tinha que ser a primeira presidenta e maldito burro será quem nestes tempos lembrar da princesa Isabel Cristina Leopoldina de Bragança, a famosa regente – ou deveria eu escrever regenta? – que assinou a Lei Áurea.

A lembrança é apropriada (para não deixar o país boquiaberto com essa maravilha de ser governado por uma pessoa do sexo feminino), mas incômoda, podendo, no entanto ser minimizada com o argumento de que a princesa não foi eleita, mas exercia o poder em nome de seu pai, o Imperador Pedro II, que também, obviamente, não fora eleito.

Dos que insistem em “presidenta Dilma”, muitos se alimentam no fato de que Machado de Assis, em certo trecho de seus escritos, pespegou um “presidente, presidenta…”, como quem quer afirmar a correção das duas formas. Aí o dicionário Caldas Aulete incorporou as duas alternativas oferecidos pelo papa do português brasileiro e o Houaiss e o Aurélio embarcaram na onda do escritor e do primeiro dicionário citados.

Etimologicamente, como já explicou a revista Veja, a palavra vem do latim praesidentis, particípio presente do verbo praesidere (que significa tomar assento à frente). Por este caminho, a palavra seria invariável desde a origem – o correto seria, pois, presidente. Se são, observa a revista, indiscutivelmente invariáveis termos como assistente e dependente, não ocorrendo a ninguém “dizer que tem uma assistenta ou uma dependenta”, para que serviria a palavra presidenta?

Para fazer política, conclui, por vias oblíquas, a revista, dizendo que a questão de estar certo ou errado às vezes é menos definida pela gramática que pela questão política. Ontem, no seu blog, citado no Blog do Noblat, o jornalista José Roberto de Toledo, de O Globo, chama Dilma de presidente e avisa que, para ele, presidenta “só se o governo flexionar também o gênero de gerentes e serventes”. A gerenta (está perto, já se usou o neologismo gerentona) e a serventa. Arg!

Foi hilário, ontem. O presidente do Senado, José Sarney, o Marimbondo de Fogo da Academia Brasileira de Letras, referiu-se por três vezes a Dilma Rousseff como “presidente”. Na terceira vez, a 1ª vice-presidente do Senado, Marta Suplicy, pegou o microfone do plenário e corrigiu: “Pela ordem, senhor presidente. Senhora presidenta da República”.

E Sarney? Ah, Sarney é de lascar: “Muito obrigado a Vossa Excelência, mas eu sempre estou usando a fórmula francesa: madame le président. Todas as duas são corretas, senadora, gramaticalmente”.
Quem viu teve a impressão de que Marta Suplicy baixou a cabeça como uma avestruza.

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 9 Fevereiro, 2011 at 16:09 #

E o Botox sucumbiu ante o Marimbondo de Fogo

A intervenção foi…. impertinente

A resposta de Sarney, raposa velha em galinheiro conhecido,…. pertinente

Resta a dúvida

Marta Suplicy seria a primeira-vice “impertinenta” do Senado?


Ivan de Carvalho on 9 Fevereiro, 2011 at 18:48 #

Legal, Fontana.
A primeira vice-presidenta “impertinenta” do Senado.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Fevereiro 2011
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28