jan
15
Postado em 15-01-2011
Arquivado em (Artigos, Ivan) por vitor em 15-01-2011 12:07


============================================
OPINIÃO POLÍTICA

A Lavagem, o jegue e o Senhor

Ivan de Carvalho

Li, sem surpresa, mas com deleite, o comentário escrito pelo grande amigo e competente colega Alex Ferraz, publicado ontem na Tribuna da Bahia, e intitulado “A nova revolução dos bichos”.
Como diria Karl Marx, como a História, “A Revolução dos Bichos”, criada pela imaginação do escritor-profeta George Orwell sobre o modo stalinista de governar, aconteceu pela primeira vez como realidade e agora, na versão de Alex, se repete como farsa. Mas farsa só para não contradizer Marx. Porque o relato de Alex Ferraz retrata a pura realidade.

É verdade que se trata de um relato hilário. Mas não seria, sem deixar de ser trágico e hediondo, hilário, para quem tivesse um pouco de discernimento, o modo stalinista de governar? Tão hilário – assim como tão terrível – quanto o modo hitlerista de governar.

Alex Ferraz protesta contra a terrível decisão contra-cultural – solicitada e adotada a pretexto de proteger os animais – que atingiu a lavagem do Bonfim de proibirem o jegue e alguns outros animais de quatro patas (cavalos e burros sim, com inexplicável omissão sobre os cachorros e fora de questão as pessoas, que, sem o privilégio das quatro patas, têm apenas dois pés). E, reportando a revolta, que se instalou entre os bichos, contagiando outras espécies, dá conta de justas ações de protesto programadas.

É claro que houve, em relação aos jegues da Lavagem do Bonfim e animais assemelhados (burros e cavalos) uma dramática queda de status. De astros de uma festa supostamente abençoada por Deus e mundialmente conhecida foram rebaixados a escravos. Não podem desfilar garbosos puxando as enfeitadas carroças e aparecendo em filmes e fotografias nas televisões e jornais, mas vão puxar outras carroças, sem nenhuma graça e cheias de cana de açúcar, ou carregar cangalhas ou ainda servir de montaria sob o sol escaldante do sertão, bem pior que o da Cidade Baixa. E sem a proximidade do Senhor do Bonfim para “dar uma força”.

Afinal, quando Jesus, em sua pregação de três anos na Terra, aproximava-se do momento da cruz, ele atingiu a máxima popularidade. Aclamado pelas ruas de Jerusalém como profeta ou mesmo como o Messias, escolheu que faria o seu desfile de rei no Domingo de Ramos montado em um jumentinho que nunca antes fora montado por alguém. Não se chamava o quadrúpede Rocinante, nem Bucéfalo, nem Incitatus, nem Pégaso. Era apenas um jegue sem nome, mas entrou para a história, o mais famoso quadrúpede da história do planeta.

Fico pensando… se isso fosse na Salvador de hoje, Jesus teria de fazer o percurso a pé. Ou em uma moto, para glória e marketing da Honda, Susiki, Yamaha ou outra marca.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • Janeiro 2011
    S T Q Q S S D
    « dez   fev »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31