dez
30


=========================================


——————————————————
O pianista e compositor norte-americano Billy Taylor, conhecido pelo trabalho como mestre e divulgador de jazz, morreu em Nova Iorque aos 89 anos. A morte de Taylor aconteceu na terça-feira, segundo revelou a imprensa norte- americana.A notícia ´re uma das manchetes de hoje (30) no portal europeu TSF.

O jornalista Rui Tukayana traça a trajetória de Billy Taylor em e breve texto publicado no destacado site de Lisbos:

“Tocou com Charlie Parker, Dizzy Gillespie e Miles Davis, compôs cerca de 300 canções, mas era apelidado de Dr. Taylor por ter conduzido durante mais de uma década um programa de jazz no National Public Radio e por ter criado o Jazzmobile, plataforma para atuações de jazz.

Billy Taylor escreveu ainda o gospel “I wish I knew how it would feel to be free”, que Nina Simone chegou a gravar, e que foi adopada nos anos 1960 como um hino não oficial do movimentos dos direitos civis nos Estados Unidos.

Numa entrevista em 2007, Billy Taylor afirmou que o jazz era a melhor música para contar a História da América: «Se ouvirem com atenção, se o estudarem, perceberão que tudo o que precisam saber sobre a América está ali».

dez
30
Posted on 30-12-2010
Filed Under (Artigos) by vitor on 30-12-2010

===========================================

CRÔNICA/ CALOR

DITADURA DA COR

GILSON NOGUEIRA

Nem sol, nem chuva, “ o xixi da nuvem”, segundo minha neta, aos três aninhos de vida. No lugar do sol e da chuva, mormaço, de não sentir a brisa no rosto e de dar vontade de abrir a ducha de casa e sair com ela sobre a cabeça lançando moda em Copacabana, no Rio de Janeiro, onde o azul parece ser mais azul e a moda praia bomba o ano inteiro nos corpos de mulheres esculturais e invariavelmente quentes como as águas do meu Nordeste amado.

Pois é, está difícil levar a sério a previsão de tempo carioca neste começo de verão com cara de inverno bêbado. Ao lado desse desarranjo de origem glacial, provocado, no espaço, pelo aquecimento global, tem algo esquisito na terra do saudoso Mané Garrincha, no verão tupiniquim: Pintaram de vermelho a praia de Ipanema e irão utilizar a mesma cor nos assentos do novo Maracanã!

No primeiro caso, a novidade fica por conta das barracas de praia, distribuídas por uma marca de cerveja entre vendedores do seu produto, o que vem provocando críticas de freqüentadores do pedaço, independentemente de suas colorações futebolísticas e político-partidárias. No segundo, visando fazer bonito na Copa de 2014, irão pintar de vermelho as arquibancadas do mais importante estádio de futebol do mundo, o que me leva a pensar,desde já, em uma tremenda falta de gosto dos cartolas da CBF, aliada a “jogadas” do poder central.

Por que não tingir de branco, de ponta a ponta, as arquibancadas do Maraca, em homenagem à Paz Universal? A iniciativa, creio, depois disso, inspiraria neutralidade, contrastando com o verde do gramado, onde o colorido dos uniformes dos times em ação comporia mais uma obra de arte na moldura das torcidas do futebol brasileiro.

Enquanto escrevo, com pressa, para entrar no Skipe e, assim, falar com parentes, nos Estados Unidos, onde a neve cai intensamente e apavora até esquimó, em férias, surge, em pé, na porta do “ escritório”,com a camisa 10 do Flamengo, um amigo, que pergunta:

“ Você já imaginou que nós podemos ser uma simples bactéria para os ET no Universo?”

Não meu, irmão, agora não, até que admito a possibilidade de existir vida fora da Terra, disco voador, essas coisas, mas, deixe-me encontrar,por favor, a idéia para tentar barrar essa onda vermelha que ameaça impor a ditadura da cor no nosso país.

Gilson Nogueira é jornalista baiano, com neta-xodó carioca e coração espalhado entre a Bahia e o Rio


=================================================
Gonzaguinha e Roberto Ribeiro Cantando “E vamos a luta” no especial Luiz Gonzaga JR.

BOA QUINTA-FEIRA!!!

dez
30

A violência no Iraque custou a vida a 3976 civis desde 1 de Janeiro deste ano, embora este seja o balanço anual mais baixo do morticínio desde a invasão americana no governo Bush em 2003.Os dados estão em um relatório preliminar publicado pela ONG internacional Iraq Body Count (IBC), com sede no Reino Unidos, noticiado pelo portal europeu TSF.

Este balanço, até 23 de Dezembro, é inferior ao número estabelecido pela mesma organização não governamental (ONG) para 2009 (4680) e que já tinha sido o mais baixo desde a invasão do Iraque, em 2003.

No entanto, o mesmo balanço é bastante superior ao estabelecido pelos Ministérios da Saúde, Interior e Defesa iraquianos, que a 01 de Dezembro apontavam para 2416 civis mortos nos primeiros 11 meses de 2010.

Apesar desta redução anual do número de mortos civis, a IBC destaca que a diminuição é agora menos acentuada do que nos anos anteriores, tendo passado de 50 por cento em 2009 e 63 por cento em 2008 para apenas 15 por cento.

A organização, que desde 2003 faz a contagem do número de civis mortos a partir de informações avançadas pelos meios de comunicação e pelas autoridades, adianta que Bagdad e Mossul foram as cidades mais violentas do Iraque.

dez
30
Posted on 30-12-2010
Filed Under (Artigos) by vitor on 30-12-2010


=========================================
Solda, no jornal O Estado do Paraná

OPINIÃO POLÍTICA

PRIORIDADE TOTAL

IVAN DE CARVALHO

Nem somente sobre sua candidatura a mais um biênio na presidência da Assembléia Legislativa conversou o deputado Marcelo Nilo, durante almoço com jornalistas, na terça-feira. Fora desse tema, o que houve de mais relevante na conversa foi a avaliação do presidente da Assembléia sobre o futuro governo de Jaques Wagner, que começa no sábado.

Marcelo Nilo está em boas condições para fazer tal previsão, embora, como facilmente se pode supor por sua posição política e sua ligação até de amizade pessoal com o governador, só se pudesse esperar uma previsão otimista. Mas ele dispõe de informações gerais suficientes para uma avaliação das perspectivas do governo.

Assinalando que considera bom o governo de Wagner durante os quatro anos de mandato que se encerram no dia 31, Nilo diz acreditar que o novo governo “vai ser melhor que o primeiro”. E é então que, convidado a explicar as razões que o levariam a pensar assim, o presidente da Assembléia dá uma informação importante.
O segundo governo (mandato) será melhor “porque ele vai estar mais experiente” e porque “ele vai dar prioridade total à segurança”. Esta é a informação nova. E a respeito vale lembrar, em linhas gerais, o que aconteceu no setor da segurança pública no primeiro mandato.

O governador fez sua campanha para conquistar o primeiro mandato e assumiu o cargo anunciando prioridade para educação, saúde e emprego e renda. Não incluiu a segurança, que, presume-se, deveria ser tratada normalmente. Mas isto não foi suficiente e a criminalidade – especialmente a praticada com uso da violência – cresceu progressiva e expressivamente. Com um ano de governo já se tornara o principal alvo das críticas da oposição. Uma situação que já era grave quando Wagner assumiu chegara a um estágio agudo, crítico.

O governador certamente examinou os números e outras informações a respeito. Terá, eu acredito, percebido também o crescimento da preocupação da sociedade com o problema e o aumento do sentimento de insegurança da população, tanto na região metropolitana de Salvador quanto no interior. Então anunciou que a segurança pública passaria a ser prioridade, juntamente com aquelas outras três desde o início anunciadas.

Algumas iniciativas foram tomadas, mas não com a intensidade e a celeridade necessárias para reverter o quadro. Assim foi que o principal tema das oposições durante a campanha eleitoral deste ano (na qual as oposições, como se sabe, se saíram mal) foi a insegurança pública. O fato de as oposições não terem obtido êxito eleitoral não significa que, nesta questão, estivessem mal fundamentadas. É que muitos outros fatores de grande influência estiveram envolvidos nos resultados eleitorais.

Se a informação do presidente da Assembléia, de “prioridade total à segurança” se concretizar – e não há razão para supor que ele não tenha sobre isso uma informação definitiva sobre a disposição do governador – poderá haver um progresso importante no setor. Até porque alguma coisa já foi feita e estudos e planos podem ter sido preparados ao longo do primeiro mandato de Wagner. E também porque, já tendo a prioridade para a segurança decidida, ele poderá começar a por a decisão em prática imediatamente.

É verdade que no momento as finanças do Estado da Bahia estão apertadas, mas prioridade total é prioridade total. Sem esquecer que a saúde continua precisando (e por muito tempo mais continuará, seja qual for o esforço, pois são colossais a demanda e a deficiência do SUS) de prioridade igual.


==================================
BOA NOITE!!!

dez
29
Posted on 29-12-2010
Filed Under (Artigos) by vitor on 29-12-2010

Lula: “nunca me chamaram de Excelência”

DEU NO IG
=====================================
Em sua última viagem oficial antes de deixar o cargo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a subir o tom contra a imprensa e governos que o antecederam. Num discurso em que evidenciou mais uma vez sua insatisfação com o tratamento que recebeu dos meios de comunicação durante o governo, Lula teceu sucessivos elogios a sua administração, comparou-se a chefes de Estado estrangeiros e disse que a imprensa lhe deve “desculpas”.

A cobrança veio em referência a notícias de que o governo teria dificuldade de cumprir a meta de chegar a 1 milhão de moradias contratadas por meio do programa Minha Casa Minha Vida, uma das bandeiras de campanha da presidenta eleita Dilma Rousseff.
Lula, que entregou apartamentos financiados programa em Salvador (BA), queixou-se logo na abertura de sua fala: “Alguns companheiros dos meios de comunicação disseram há algumas semanas que não íamos conseguir fazer o contrato de 1 milhão de casas. Talvez alguns estivessem acostumados com governos que ficavam sentados com a bunda na cadeira e não chamavam seus companheiros para cobrar o que tinham que cobrar”, disse Lula. “Deveriam pedir desculpas”, cobrou.

Lula voltou a dizer que “valeu a pena” ter passado oito anos no Palácio do Planalto. “Eles diziam que era difícil ser presidente. Mas é fácil, se você fizer exatamente o que o povo pede para você fazer”, disse. A passagem pelo Planalto, acrescentou, ainda lhe deu voz na cena internacional, enquanto chefes de Estado estrangeiros custavam para lidar com a crise econômica. Ainda assim, disse, não deixou de receber todos os representantes da sociedade. “Nunca me chamaram de excelência”, disse.

Lula relembrou a crise econômica e, em um auto-elogio, comparou o desempenho do Brasil frente a países desenvolvidos. “Foi gostoso passar pela presidência vendo os EUA, Europa, Japão em crise. (…) Foi um torneiro mecânico, pernambucano, presidente do Brasil, que soube lidar com a crise com sua equipe econômica”.

Em uma referência indireta ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Lula citou a última pesquisa sobre sua popularidade. “Enquanto uns com 2 anos de mandato já não tinha mais muro para pichar “fora não sei quem”, nós vamos terminar com 87% de aprovação”, disse.
Lula brincou ao dizer que não tem a intenção de disputar nenhum cargo no futuro e, portanto, pretende aproveitar as férias, quem sabe na Bahia. “Pode escrever, que Lulinha vem para arrasar no Carnaval. É Lulinha 2011”, disse o presidente, repetindo o discurso feito mais cedo no Ceará, de que “pobre também gosta de luxo”.
Emocionado, Lula voltou a afirmar que um bom governo não depende de diploma acadêmico, mas sim de líderes que saibam “enxergar” o que o povo mais precisa. “Valeu a pena ser presidente para provar que a inteligência não está ligada à quantidade de anos que passou em uma universidade. A inteligência de saber o que é prioridade é uma mistura de massa encefálica com o coração”.
Plateia

Lula entregou apartamentos de um conjunto habitacional do Minha Casa Minha Vida. A obra, entretanto, só deve ser concluída em dezembro de 2011. Antes de chegar à capital baiana, Lula telefonou a auxiliares, para pedir que esvaziassem suas gavetas no escritório que ocupou durante os últimos oito anos no Palácio do Planalto.

dez
29

DEU NA FOLHA.COM

Uma lei aprovada pelo governo dos Estados Unidos levou as autoridades brasileiras a buscar novamente o bloqueio de cerca de US$ 500 milhões do grupo Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas, que estão depositados em instituições financeiras no território americano.

Segundo a Folha apurou, o governo do Brasil já contatou as autoridades americanas para viabilizar o congelamento de recursos que estão no fundo de investimento Opportunity Fund e na Tiger Eye, uma conta de Dantas e a da irmã dele, Veronica.

Em 2009, o montante foi bloqueado pelos EUA por conta do processo da Operação Satiagraha, mas em agosto de 2010 uma corte de apelação do distrito de Columbia liberou o valor.

Para o órgão da Justiça americana, o congelamento só poderia ocorrer se houvesse uma decisão definitiva do Judiciário brasileiro contra os titulares do dinheiro.

Apresentado como lei de combate à corrupção internacional, o novo texto legal dos EUA derruba essa tese jurídica e permite os bloqueios com ações em andamento.

A tramitação da emenda à lei processual penal americana no Congresso foi extraordinariamente curta.

O texto foi apresentado no último dia 2 no Senado pelo democrata Sheldon Whitehouse (Rhode Island) e pelo republicano John Cornyn (Texas) e foi aprovado por unanimidade no dia 14.

Na Câmara dos Representantes (deputados), a proposta chegou no dia 15, foi debatida por apenas 40 minutos e aprovada no dia 16. O presidente Barack Obama sancionou o texto no dia 22.

A emenda corrigiu uma discrepância entre duas decisões anteriores nos EUA.

Em 2000, o Congresso passou a Lei de Reforma de Confisco de Bens Civis, que autorizava cortes federais a ajudar investigações internacionais bloqueando bens localizados nos EUA de pessoas julgadas em outros países.

Mas em 2010 a Justiça federal interpretou a lei como válida apenas após decisão final do Judiciário do país de origem da investigação.

Nos últimos meses, milhões de dólares identificados por outras nações como suspeitos escaparam de congelamentos nos EUA devido a essa interpretação.

Com a emenda aprovada agora, tribunais poderão determinar a restrição de bens antes de decisões definitivas.

O Secretário Nacional de Justiça, Pedro Abramovay, afirmou que o governo brasileiro já havia feito um alerta internacional sobre necessidade de alterar as regras sobre bloqueios nos EUA.

“A decisão da corte de Columbia poderia afetar todo o sistema de cooperação internacional, se fosse seguida por outros países”, disse.

Para Ricardo Saadi, diretor do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional, a lei “permite tirar os recursos financeiros das organizações criminosas, o que diminui muito o poder de fogo delas”.
=============================
DD: tropeço no fim de ano

Padre Houtart: guia do Forum Mundial em Porto Alegre

——————————————————–
O sacerdote católico e sociólogo marxista belga, François Houtart, figura-chave do movimento europeu chamado de “altermundialista” (Teoria da Libertação no Brasil e América Latina), confessou esta quarta-feira (29) ter abusado de um menor há 40 anos e pediu a suspensão da campanha pela sua candidatura a Nobel da Paz 2011.
François Houtart, de 85 anos, reconheceu os abusos ao diário Le Soir, depois de uma denúncia anónima à comissão que trata dos casos de abuso sexual de menores pela Igreja belga.
A denúncia não citava nomes mas sustentava que um sacerdote da região de Liège teria violado um rapaz em duas ocasiões, nos anos 1970.
Segundo o Le Soir, a denunciante é prima de Houtart e irmã da vítima, que na época dos fatos denunciados tinha oito anos de idade.
Em declarações ao jornal, Houtart admitiu ter «tocado as partes íntimas» do menor em duas ocasiões e qualificou esse comportamento como «irreflectido e irresponsável».
O sacerdote afirmou também que na altura propôs aos pais da vítima renunciar ao sacerdócio e assumir as consequências dos seus atos, mas que eles lhe pediram que consultasse antes um professor do seminário de Liège, o qual o teria aconselhado a permanecer na Igreja e se concentrar nos estudos de sociologia das religiões.
Nas declarações ao jornal, Houtart pediu a suspensão da campanha de promoção da sua candidatura a Nobel da Paz 2011 e disse ter-se demitido das suas funções na organização não-governamental “Centro Tricontinental”, da qual foi fundador.
Impulsionador da Teologia da Libertação e conhecido em alguns círculos como o “papa do altermundialismo”, Houtart foi professor de sociologia na Universidade Católica de Lovaina entre 1958 e 1990 e um dos impulsionadores do Fórum Social Mundial de Porto Alegre, no Brasil.

(Postado por Vitor Hugo Soares com informações do portal europeu TSF)

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 ... 21 22

  • Arquivos

  • dezembro 2010
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031