dez
31
Postado em 31-12-2010
Arquivado em (Artigos) por vitor em 31-12-2010 10:54

===========================================

OPINIÃO POLÍTICA

Um cidadão, um número

Ivan de Carvalho

A partir do ano que começa amanhã a tradicional cédula de identidade, também conhecida como RG, começará a ser substituída por outro documento, o Registro de Identidade Civil, que vai ser mais conhecido como RIC, e que foi lançado ontem em Brasília pelo presidente Lula e seu atual ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto. Em 2011, dois milhões de brasileiros de sete Estados já poderão trocar o antigo documento pelo novo.

Trata-se de um avanço tecnológico na identificação do cidadão. A nova identidade é um cartão magnético com impressão digital e chip eletrônico. Dele constarão nome, sexo, data de nascimento, foto, filiação, naturalidade, assinatura, impressão digital do indicador (não mais do polegar) direito, órgão emissor, local e data da expedição e de validade. Abstraída a tecnologia, até aí tudo é muito parecido com a atual cédula de identidade. O CPF, que nesta é opcional, não deve ser incluído no cartão magnético ontem lançado. Cada cidadão passa a ser reconhecido nacionalmente por um único número, vinculado diretamente às suas impressões digitais e registrado no chip.

O ministro da Justiça parece bem entusiasmado. “O novo RIC é mais moderno, traz tecnologia de ponta, é mais seguro e mais prático. No futuro, esse documento também integrará o CPF, o título de eleitor e muitos outros documentos. Além disso, há possibilidade de fazer transições bancárias com o novo cartão.”

Está bem claro. Começou ontem o processo, previsto para se completar em dez anos, de implantação do documento único de identificação com chip no Brasil e ele abre a oportunidade de vir a ser instrumento para efetuar também transações bancárias. Se o ministro da Justiça faz o elogio da iniciativa que tomou junto com o presidente Lula, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral e ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowsky, também é todo elogios.

“É à prova de fraudes e evita que uma mesma pessoa seja identificada por mais de um número de registro em diferentes estados da Federação ou que o cidadão seja confundido com uma pessoa de mesmo nome”, disse, acrescentando: “Essas vantagens são de extrema relevância e poderão contribuir para mitigar os graves prejuízos para o Estado e para os cofres públicos, pois evita crimes”.

Esse documento único de identificação tem a capacidade de ser a um tempo a chave e o cadeado. Ao lado das vantagens tão proclamadas e que realmente apresenta, aumenta imensamente o perigo da implantação de um sistema cuja figura central é o que chamei, em artigo recente, de “o homem chipado”, isto é, monitorado, fiscalizado e controlado pelo Estado por meio de um chip.

Os norte-americanos, apesar do temor do terrorismo desde o atentado contra as torres Gêmeas e o Pentágono, não admitem esse documento único por entenderem que ele é uma ameaça à liberdade e à privacidade do indivíduo. Claro que eles poderão, em grande maioria, ser convencidos a admiti-lo, se uma catástrofe muito maior vier a acontecer. Mas, por enquanto, não admitem assumir o ônus.

Enquanto isso, no Brasil, o documento único de identidade nos é simplesmente imposto, sem consultas e debates, sem aprovação do Congresso, praticamente de surpresa – embora alguns ensaios viessem sendo feitos, como a decisão do Contran que impõe chips de rastreamento nos veículos. E o torpedo é vendido como vantajoso, moderno, seguro, à prova de fraudes. Se um dia um regime ditatorial dominar o país (já aconteceu antes mais de uma vez) o RIC será extremamente útil aos ditadores.

Be Sociable, Share!

Comentários

Angela maria de Souza on 15 Fevereiro, 2012 at 11:15 #

pensei que fosse o microchip


Ivan de Carvalho on 15 Fevereiro, 2012 at 18:34 #

Angela Maria,

Você comentou um artigo meu publicado em 31 de dezembro de 2010. Sobre a carteira de identidade com chip. Pensou que era o microchip… qual, aquele que vão colocar sob a pele das pessoas? Se é isso, você não pensou na direção errada. Na carteira de identidade, nos carros, nas pessoas, subcutâneos, para rastreamento contra sequestros e para informações sobre saúde, até vir aquele previsto na Bíblia (Apocalypse), o sinal da Besta, indispensável para comerciar, comprar, vender. O processo avança passao a passo.


Anita on 7 outubro, 2013 at 17:06 #

EU IRIA ADORAR SE TIVESSE UM MICROCHIP IMPLANTADO NO CORPO DO SER HUMANO AO NASCER…ISSO EVITARIA QUE PESSOAS SUMISSEM PARA SEMPRE E EVITARIA QUE SEUS PARENTES VIVESSE COM A INCERTEZA SE TA MORTO OU VIVO…CLARO, SOMENTE A POLÍCIA PODEDIA RASTREAR A PESSOA..


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • dezembro 2010
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    2728293031