A Bahia está em polvorosa desde a manha desta quarta-feira (10) com uma operação da Polícia Federal desencadeada para prender sete prefeitos de municípios baianos e outras 39 pessoas suspeitas de envolvimento num suposto esquema de desvio de verbas federais e fraude em licitações.

A Operação Carcará da Bahia, que contou com o apoio da CGU (Controladoria-Geral da União) e do MPF (Ministério Público Federal) na Bahia, deve cumprir até o final do dia 82 mandados de busca e apreensão e 46 mandados de prisão (27 deles foram cumpridos até as 10h). Entre os suspeitos há também funcionários públicos e empresários.

Segundo a PF, os suspeitos fraudaram licitações com uma divisão do mercado entre as empresas envolvidas, utilizaram notas fiscais frias e superfaturaram preços de produtos e serviços. Há indícios de desvio de verbas federais que seriam usadas para a compra de merenda escolar, medicamentos e obras públicas em 20 municípios baianos.

A CGU estima que os prejuízos aos cofres públicos cheguem a R$ 60 milhões. A investigação teve início há mais de um ano, a partir de denúncias envolvendo a empresa Sustare Distribuidora de Alimentos Ltda, sediada em Itatim (BA), e outras empresas do grupo.

A investigação apontou Edison dos Santos Cruz, que comanda o grupo de empresas, como o mentor do suposto esquema. Ele é o único que teve a prisão preventiva decretada pela Justiça. Os outros foram presos temporariamente. A reportagem não conseguiu localizar o advogado dele.

A atuação do grupo criminoso se estendia, pelo menos, aos seguintes municípios baianos: Itatim, Cafarnaum, Utinga, Lençóis, Aratuípe, Ibicoara, Brejões, Cândido Sales, Santa Terezinha, Iraquara, Bonito, Lamarão, Santo Estevão, Elísio Medrado, Mulungu do Morro, Souto Soares, Castro Alves, Palmeiras, Cravolândia, Lafaiete Coutinho e Sapeaçu.

Os envolvidos poderão responder pelos crimes de formação de quadrilha, peculato e fraude ao caráter competitivo de licitações, dentre outros. Dirigentes da PF e da CGU darão uma entrevista coletiva à imprensa hoje (10), às 14 horas (horário da Bahia), na Sede da Superintendência Regional da Polícia Federal no Estado da Bahia, para explicar detalhes da operação.

O material apreendido durante a operação será analisado pela PF e pela CGU e deve ser anexado ao inquérito, ainda não concluído.c

( Postado por Vitor Hugo Soares, com informações do Portal Folha.com
e CGU).

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 10 novembro, 2010 at 14:49 #

De uns tempos para cá

Cara Mariana

De uns tempos para cá

estou longe de Sampa

das esquinas que amo

dos bares que me reconhecem

dos garçons e suas/minhas histórias

De uns tempos para cá

sou estrangeiro na Av. Paulista

enfim liberto da gravata

Por uns tempos

enquanto dure

trago em mim a saudade discreta da deselegância em alamedas

Por uns tempos

Penso mais em Caymmi do que em Caetano

E saboreio o banzo

e adio a volta


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • novembro 2010
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    2930