out
30
Postado em 30-10-2010
Arquivado em (Artigos, Ivan) por vitor em 30-10-2010 21:56

==========================================================

OPINIÃO POLÍTICA

Perdido no tempo e nas contas

Ivan de Carvalho

Amanhã (31) os brasileiros votam pela segunda vez este mês para eleger o (a) presidente da República e governadores em alguns Estados e no Distrito Federal. Não vejo muito sentido em chover no molhado, escrever mais uma vez o que os leitores já têm, até o cansaço, lido e ouvido nos jornais, na televisão, no rádio, na Internet, até mesmo em alguns comícios e alguns panfletos, estes agora declarados um instrumento maldito de comunicação.

Mas, se os panfletos já ganharam a (des) qualificação de malditos, não havendo distribuição de panfleto que não gere imediatamente boletim de ocorrência, auto de flagrante e abertura de inquérito policial e comunicação a tribunal eleitoral, alguns dos demais meios de comunicação estão ingressando decididamente na esfera dos malditos.

Vale recordar que na última fase da campanha eleitoral para o primeiro turno, certo de que sua candidata a presidente ganharia com ampla vantagem sem precisar do segundo turno, o presidente da República deleitou-se em maldizer os meios de comunicação de massa, notoriamente porque estes não escreviam ou diziam exatamente o que ele queria.

Os malditos meios de comunicação de massa noticiavam os questionamentos religiosos, especialmente sobre o aborto, mas também sobre outros, como a eutanásia e a criminalização da homofobia, que levavam as igrejas católica e evangélicas a infernizarem a campanha eleitoral da candidata oficial para que ela, a candidata, esclarecesse sua posição (na minha opinião não esclareceu nada, deliberadamente confundiu, mas esta é uma avaliação a ser feita pelas igrejas e pela consciência de cada eleitor).

Assim, vamos deixar mesmo de lado, nesta véspera da eleição, as já surradas e cansativas promessas retumbantes e a notória ausência de informação sobre os meios a serem usados para cumpri-las. Deste mato não sai mais coelho. Mais vale anotar o discurso do papa Bento XVI na quinta-feira, quando recomendou aos bispos brasileiros que defendam, perante o eleitorado, os dogmas da Igreja Católica contra a descriminalização do aborto e a eutanásia, vale dizer, a favor da vida.

Não surpreende, claro, a posição expressa pelo papa, exceto por haver demorado tanto a acontecer que a maioria dos eleitores, mesmo os católicos, irá às urnas sem ter conhecimento do discurso do pontífice e mais ainda, sem uma discussão a respeito.

Mas fiquei surpreso com os comentários feitos a respeito, ontem, pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Isto me levou a ficar preocupado com certas questões que não pareciam ter qualquer relação com aborto e eutanásia, como, por exemplo, o imenso valor da dívida pública que ele vai deixando de herança maldita para seu sucessor, o índice de inflação (ante o aumento brutal dos preços dos alimentos nos últimos três meses).

“Não vejo nenhuma novidade na declaração do Papa. Esse é o comportamento da Igreja Católica desde que ela existe. Se você for ver o que a Igreja Católica falava há 2 mil anos, ela falava exatamente o que o papa falou”, disse o presidente no Salão Internacional do Automóvel, em São Paulo. Ora, que conta!!! Se formos ver o que a Igreja Católica falava há 2 mil anos, veremos que ela não falava nada.
Nem existia. O próprio Jesus Cristo estava com idade em torno de dez anos, no mínimo e 17, no máximo, segundo os estudiosos do assunto. Nem começara a pregar.

Mas a Igreja Católica já estava lá, firme, combatendo o aborto e a eutanásia, afirma o presidente da República Federativa do Brasil.

Be Sociable, Share!

Comentários

MeuPovo on 30 outubro, 2010 at 22:35 #

Tentei entender o Ivan de Carvalho. Li-o e o reli. Creio, no entanto, que ele quis apenas ´´entreter-nos´´ com seus preconceitos e deboches ´´cachés´´ contra Lula. Ora, Ivan, tem dó! Venho aqui para mais uma vez denunciar este clube de vizinhança chamado Igreja, esse ajuntamento deletério, fundador das cruzadas, da inquisição, do nazifascismo. Essa impostura como diz Voltaire, esse embrião da discórdia, essa usurpadora do poder dos bravos imperadores romanos, esse atraso de vida, esse retrocesso da humanidade. Mas, Ivan, respeite o Lula e seu passado. Se você teve boa educação, boa escola, respeite aqueles que não tiveram!


Jailson Leopoldino de Castro on 31 outubro, 2010 at 5:36 #

Para que tanto espaço a um comentário tão vazio e repleto de nulidades. Esse Ivan… sei não…
Qual relevancia nessa manifestação? Será que ele acredita que criticar ao leo, só pra falar mal vai mudar o voto de alguém?
Chega de nulidades Ivan…


luiz alfredo motta fontana on 31 outubro, 2010 at 8:16 #

Já é hora de Ivan descansar

Lula I, “o antes nunca visto”, pode ser tudo, menos alvo difícil em uma polêmica.

Confrontar S.M. Lula I, é tarefa para focas, estagiários, ou mesmo boêmios insones.

E o que acontece com Ivan?

Tenta invalidar a fala do nosso “lame duck”, espicaçando:

“Ora, que conta!!! Se formos ver o que a Igreja Católica falava há 2 mil anos, veremos que ela não falava nada.
Nem existia. O próprio Jesus Cristo estava com idade em torno de dez anos, no mínimo e 17, no máximo, segundo os estudiosos do assunto. Nem começara a pregar.”

Ora bolas, diria o mais terno dos leitores.

Ivan, deveria conhecer, mas parece ter esquecido, inúmeras razões para confrontar Lula, em nome de sua profissão de fé em Serra, mas não essa tentativa milimétrica de expor saber divinno. Afinal, para muitos, senão a maioria, a Igreja é exatamente Cristo.


Ivan de carvalho on 31 outubro, 2010 at 19:10 #

Ora, caro Fontana,
Porque você, já que me sugere descanso, não tira umas férias?
A Igreja reivindica ser “o corpo místico de Cristo na Terra”. No intento, a Igreja não é exatamente Cristo, como evidentemente não o foi nas Cruzadas e na Inquisição, entre outros episódios. Cristo não disse que Ele é a Igreja, o que disse foi que sobre Pedro, porque este era pedra, construiria a Sua Igreja.
Aliás, falar em igrejas puxa o assunto de profissões de fé. Diga aí: quando foi que, segundo você me “acusou”, fiz profissão de fé em Serra? Só por não concordar com muita coisa da Dilma, do PT, do Lula, não significa ter fé em Serra.
Aliás, procuro ter fé mesmo é em Jesus Cristo, que é, com certeza, fiel.
Ah, e o comentário de “Meu Povo”, hein?… A Igreja Católica seria “usurpadora do poder dos bravos imperadores romanos”. Surpreendente, tendo em conta que Júlio Caesar e Octávio Augusto não foram imperadores, que o primeiro deles foi o crudelíssimo Tibério, seguido por seu tresloucado filho Calígula, a quem Nero sucedeu, vindo depois o claudicante (não só fisicamente, mas também quanto à suposta bravura) Cláudio e outros bravos garantidores da escravidão, lançadores de homens e mulheres às feras no Coliseu e outros circos (bem, no Brasl estamos sendo servidos de pão, moderadamente, e circo, à saciedade) e parece que isto nos basta, pelo que dizem as urnas.
Quanto a Lula, não teve boa escola, é verdade, mas quando pode ter, não quis. Preferiu ser presidente da República. Bom, mas pra ele…


Ivan de carvalho on 31 outubro, 2010 at 19:15 #

Correção: onde escrevi “intento”, leia-se “entando”. Coisa aqui do teclado, que está com uma letras apagadas e, pois, precisando ser trocado.


Ivan de carvalho on 31 outubro, 2010 at 19:16 #

As letras estão apagadas mesmo. “Entando” nada, “entanto”.


luiz alfredo motta fontana on 1 novembro, 2010 at 5:02 #

Caro Ivan

Leia com atenção

Eu disse:

“Afinal, para muitos, senão a maioria, a Igreja é exatamente Cristo.”

Discorda?

Não levantei nenhuma tese teológica, apenas constatei um realidade fática.

Quanto à tua profissão de fé em Serra, ela aflora de teus textos, sobretudo quando apoiado em Pagotto, aquele meigo e cândido bispo trazido por você ao BP. Entretanto, aceita-se tua declaração de isenção.

Quanto a este blogueiro de vagas horas, é conhecida a posição de repúdio isonômico às políticas do PT e do PSDB, que traduzem o mesmo, especialmente quanto à devoção ao sistema financeiro, propalando, os dois, o mesmo mantra, ou seja: “JurosAlém Amém”.

Agora que Inês é morta, ou melhor, Dilma é posta, as urnas se calam, e o PMDB acorda, engalfinhando-se com o PT e quejandos em busca do melhor pedaço do butim, reitero o aceno para que goze de merecidas férias,

Em tempo:

Este blogueiro de vagas horas, que não distingue petistas de tucanos, também padece de tíbio teclar em apagado teclado, afora a incidência cruel de làmpadas que teimam em queimar. (Nesse exato momento, escrevo com o auxílio de uma singela vela acesa ao lado do PC)

Abraços


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos