out
16
Postado em 16-10-2010
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 16-10-2010 18:04

Zé Alencar rouba cena em BH/UOL

===================================

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste sábado que ricos sentem “preconceito” e “medo” diante da possibilidade de a candidata do PT ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, sair vitoriosa das urnas no próximo dia 31. Durante uma carreata seguida de comício em Belo Horizonte (MG), Lula e Dilma atravessaram um bairro de classe média alta da capital mineira e receberam de alguns moradores que assistiam ao ato sinais negativos indicando os polegares para baixo.

“Sabe, Dilma, aquelas pessoas ricas foram as que mais ganahram dinheiro no meu governo, mas não conseguiram superar o preconceito”, respondeu o presidente, diante dos acenos. “Agora, é o preconceito e o medo de uma mulher ganhar as eleições e fazer mais do que eles.”

Apesar da presença de Dilma e Lula em solo mineiro, quem chamou a atenção no ato político que sucedeu a carreata foi o vice-presidente José Alencar. Ele abriu o evento dizendo que Dilma ganhou o primeiro turno, mas agora é preciso focar na nova fase.

“A regra do jogo é exige que nós ganhemos novamente”, afirmou. Alencar foi o político mais aplaudido durante o evento e foi recebido com gritos de “Viva, Zé Alencar”.

Evocando as raízes mineiras, Dilma, que é nascida em Belo Horizonte, disse que, se eleita, terá um “compromisso sagrado” com a cidade. “Se Deus quiser, serei a primeira presidente do Brasil”, disse. Em um discurso relâmpago, Lula também apelou para as raízes de Dilma ao dizer que “mineiro que é mineiro” não trai o seu torrão”. “A partir de agora, não tem trégua companheiros de Minas Gerais.”

A visita de Dilma e Lula ao Estado ocorre em meio ao esforço da campanha petista para conter o estreitamento da vantagem sobre o adversário tucano José Serra. Esta semana, o ex-governador de São Paulo também fez campanha na cidade, com o reforço do ex-governador Aécio Neves, que se elegeu para o Senado no primeiro turno da corrida eleitoral.
(deu no IG)

Be Sociable, Share!

Comentários

joemar rios de oliveira on 17 outubro, 2010 at 20:09 #

Ciro Ferreira Gomes (Pindamonhangaba, 6 de novembro de 1957) é um advogado, professor universitário e político brasileiro radicado em Sobral, Ceará, desde 1968. É formado em direito pela Universidade Federal do Ceará.[1]

Foi casado com Patrícia Saboya Gomes, sua aliada política e atualmente senadora pelo Ceará. É casado com a atriz Patrícia Pillar.

Em 1979, disputou as eleições da UNE, onde concorreu para vice-presidente na chapa Maioria, que na época era vista como uma tentativa da direita de buscar influência no âmbito estudantil. Iniciou a carreira política no PDS, sucessor da Aliança Renovadora Nacional, a Arena, partido que dava sustentação à Ditadura Militar Brasileira. Em 1980 a agremiação passou a se chamar PDS, partido pelo qual disputou seu primeiro pleito, tendo se filiado ao partido poucos meses antes, elegendo-se deputado estadual em 1982.[2] Em 1983 trocou de partido, passando para o PMDB, partido pelo qual reelegeu-se deputado estadual em 1986. Em 1988 migrou ao PSDB e conseguiu ser eleito, neste mesmo ano, prefeito de Fortaleza. Na eleição presidencial de 1989, apoiou no primeiro turno Mário Covas, candidato de seu partido, e Lula, no segundo turno. Em 1990, foi eleito governador do Ceará vencendo Paulo Lustosa. Foi o primeiro governador a ser eleito pelo PSDB. Ficou no posto entre 1991 e 1994.


joemar rios de oliveira on 17 outubro, 2010 at 20:11 #

Os serviços da administração pública da esfera e competência do Governo da Bahia eram distribuídos por quatro secretarias no final do século passado. Uma dessas secretarias era a de Polícia e Segurança Pública, à qual pertenciam os serviços com a polícia administrativa e judiciária, a força policial do Estado e o regime penitenciário, correcional e detentivo, e com as prisões em geral.

Em 1930, (Dec. n° 7.066/01 nov.), funde-se a outras secretarias, passando a denominar-se Secretaria do Interior, Justiça, Instrução, Polícia, Segurança, Saúde e Assistência Pública. Em 1931, (Dec. n° 7.284/03 maio) volta à denominação anterior.

Em 1935 (Dec. n° 9.479/24 abr.) passa a denominar-se Secretaria da Segurança Pública.

Em 1973, foi criada a Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes (Dec. n° 23.446/10 maio), atendendo à necessidade de prevenção, recuperação e combate ao uso e tráfico de tóxicos e entorpecentes; foi estruturado o Departamento de Polícia Técnica, com finalidades específicas, realizando perícias, exames, pesquisas e estudos no campo da polícia técnico-científica (Lei n° 3.113/27 jun.); e foi aprovado o regimento interno do Conselho Estadual de Trânsito – CETRAN, com a competência básica de zelar pelo cumprimento da legislação de trânsito (Dec. n° 23.603/09 ago.).

A necessária e constante renovação estrutural da Secretaria levou à criação, em 1974, da Delegacia de Defraudações e Falsificações (Dec. n° 24.141/09 jul.); à extinção da Seção de Controle e Repressão da Vadiagem, cujas atividades passariam a ser realizadas por todas as Delegacias de Polícia do Estado; à criação da Delegacia de Furtos de Veículos (Dec. n° 24.510/06 dez.); e, em 1976, a ampla reestruturação organizacional (Lei. n° 3.497/08 jul.).

O crescimento acelerado da Região Metropolitana de Salvador, levou à instituição, em 1979, do Grupamento Especial de Prevenção visando à melhor garantia e maior proteção à comunidade e ao cidadão (Dec. n° 26.702/23 abr.); e da Delegacia Especial de Terras, considerando a necessidade de melhor preservar a inviolabilidade do patrimônio imobiliário contra ações representativas de grilagens, usurpações e ocupações (Dec. n° 26.890/12 set.).

Ainda no mesmo ano, foram estruturadas as Divisões Regionais de Polícia do Interior, do Departamento de Polícia do Interior e da Polícia Civil da Bahia, considerando, entre outras, a necessidade de interiorizar a atuação dos órgãos técnicos da Polícia Civil (Dec. n° 26.896/21 set.).

A reorganização da Secretaria, ocorrida em 1983, trouxe no seu bojo a instituição do Sistema Estadual de Segurança Pública, compreendendo a Polícia Civil, a Polícia Militar e o Departamento Estadual de Trânsito (Lei Delegada n° 78/03 junho). Em 1986, a criação da Delegacia de Proteção à Mulher constituiu-se num passo concreto em direção à realidade social do momento, que coloca a mulher como vítima constante e indefesa de vários tipos de violência (Dec. n° 33.038/28 abr.). por sua vez, o reforço à atuação da Polícia Judiciária em relação aos crimes de homicídio doloso de autoria incerta, não determinada ou ignorada, ocorridos na Região Metropolitana de Salvador, proporcionou a criação da Delegacia de Homicídios, em 1989 (Dec. n° 2.781/14 set.). No ano seguinte, seria criado o Comitê de Informática (Port. n° 63/8 jan.), com a finalidade de assessorar o Secretário na definição e implementação da política de informática, no âmbito da Pasta.

Em, 1991, a consideração ao mandamento constitucional de preservar o equilíbrio do meio ambiente, defendendo-o e preservando-o de ações nocivas, levou à criação de Delegacias de Proteção Ambiental no Estado (Dec. n° 4.357/23 jan.), sendo duas com sede na Região Metropolitana, em Salvador e Mata de São João, e as demais com sede nos municípios de Porto Seguro, Morro do Chapéu, Itabuna e Caravelas.

Pela Lei n° 6.459, de 16.03.93, a Secretaria da Segurança Pública passa por uma transformação na sua estrutura sendo alteradas a denominação e a subordinação de alguns órgãos: Fica o Conselho Superior da Polícia denominado Conselho Estadual de Segurança Pública – CONSEG e a Coordenação de Planejamento e Operações Policiais denominados Coordenação Integrada de Segurança Pública – CISEP, com a finalidade de assessorar o Secretário de Segurança na coordenação e integração dos diferentes órgãos de segurança. Já o Centro de Informações e o Centro de Operações Policiais, ambos da estrutura da Coordenação de Planejamento e Operações Policiais, passam a integrar respectivamente o Gabinete do Secretário e o Gabinete do Delegado-Chefe da Polícia Civil ficando este último com a denominação de Centro de Operações Especiais de Polícia Judiciária. O Centro de Estatística Policial e Criminal passa a integrar o Gabinete do Delegado Chefe da Polícia Civil por esta mesma Lei.

A Lei nº 7.435, de 30 de dezembro de 1998 introduziu modificações na estrutura organizacional da Administração Pública Estadual, criando as Diretorias Gerais nas Secretarias de Estado e na Procuradoria Geral de Estado para coordenar os órgãos setoriais e seccionais dos Sistemas formalmente instituídos, denominados Diretoria de Orçamento Público, Diretoria Administrativa, Diretoria de Finanças e Coordenação de Modernização. Nesta mesma Lei foram criadas as Superintendências, suas Diretorias e Coordenações, com o objetivo de executar o controle das atividades finalísticas das Secretarias.

Com a Lei nº 8.538, de 20 de dezembro de 2002, que modificou a estrutura organizacional da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, foram criados a Corregedoria Geral de Segurança Pública, órgão de assessoria no acompanhamento, controle e avaliação da regularidade do funcionamento e operação dos órgãos policiais, civis e militares, integrantes do Sistema Estadual de Segurança Pública,bem como o Departamento de Inteligência Policial, cuja finalidade é planejar, coordenar, dirigir, orientar e integrar as atividades de inteligência de segurança pública, no âmbito estadual, visando à implementação da polícia e das ações relativas à manutenção da ordem pública, prevenção e controle da criminalidade, em consonância com a legislação pertinente. Nesta mesma Lei, foi extinto o Centro de Informações.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos