=======================================================
Desejar boa noite hoje é plenamente dispensável. Não há noite que não seja boa quando acompanhada de tão maravilhosa canção como esta do paulista de Marilia – meio carioca e meio baiano também – Sergio Ricardo, tão lindamente interpretada por Leila Pinheiro. Ainda assim, vá lá: BOA NOITE!!!

(Vitor Hugo Soares)

Dilma, Serra e Marina: decisão incerta

=======================================================
DEU NA FOLHA.COM

Pesquisa Datafolha realizada hoje(sábado) e ontem (sexta-feira) que a disputa presidencial segue incerta sobre terminar ou não neste domingo, já no primeiro turno. Quando se consideram só votos válidos, Dilma Rousseff (PT) está com 50% contra 50% de todos os outros candidatos somados.

Para vencer no primeiro turno é necessário ter mais da metade dos votos.

No levantamento anterior, realizado terça e quarta-feira, Dilma tinha 52% dos votos válidos. Agora, oscilou dois pontos percentuais para baixo. Essa variação está dentro da margem de erro máxima da pesquisa, que é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Mas a curva de intenção de votos da petista passou a ter uma trajetória lenta e declinante a partir da metade de setembro, exatamente quando eclodiu o caso de tráfico de influência na Casa Civil -pasta ocupada por Dilma até março último.

Essa curva levemente declinante faz aumentar a chance de a eleição presidencial ir ao segundo turno, embora essa previsão esteja dentro da margem de erro.

Depois de ter atingido 57% dos votos válidos num levantamento realizado de 13 a 15 do mês passado, a taxa de intenção de votos de Dilma foi sofrendo uma erosão contínua. Segundo o Datafolha, os 50% dos votos válidos da petista são o patamar mais baixo desde 23 e 24 de agosto, quando ela tinha 55%.

Na atual pesquisa, José Serra (PSDB) aparece com 31% dos votos válidos, mesmo percentual do meio da semana. O tucano está nessa faixa desde a primeira semana de setembro.

Marina Silva (PV) está com 17% contra 15% da sondagem anterior. Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) e Zé Maria (PSTU) têm 1% cada. Nenhum dos demais candidatos atinge 1%.

O levantamento do Datafolha é o mais extenso realizado pelo instituto nesta campanha eleitoral. Foram entrevistadas 20.960 pessoas em 521 municípios. A sondagem foi encomendada pela Folha e pela Rede Globo.

Numa simulação de segundo turno, Dilma venceria hoje com 52% contra 40% de Serra. Os percentuais exatamente os mesmos no caso de a petista enfrentar Marina: 52% a 40%.

VOTOS TOTAIS

Quando se consideram os votos totais, Dilma aparece com 47%. Serra tem 29%, Marina pontua 16%. Plínio fica com 1%. Há apenas 2% que dizem ter intenção de votar em branco, nulo e nenhum. Outros 4% afirmam estar indecisos.

Quando se observam as curvas dos três principais candidatos na disputa pelo Planalto nos últimos 40 dias, o que chama a atenção são os movimentos suaves de ascensão de Marina sincronizado com a leve desidratação de Dilma. No meio, o tucano Serra está quase imóvel.

Essa pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral com o número 50.690/2010 e no Tribunal Superior Eleitoral com o número 33493/2010

out
02

Wagner e Fátima: permanencia em Ondina quase certa

========================================================

DEU NA FOLHA.COM

O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), 59, é o favorito para se reeleger hoje, com 58% dos votos válidos.

Ele oscilou positivamente um ponto em relação à pesquisa anterior, feita no início da semana.

O segundo, o ex-governador Paulo Souto (DEM), 66, manteve os 21% dos votos válidos. Geddel Vieira Lima (PMDB) oscilou negativamente um ponto e ficou com 16% dos válidos.

Bassuma (PV) aparece em quarto lugar, com 3% dos votos válidos, seguido por Marcos Mendes (PSOL) e Professor Carlos (PSTU), com 1% cada um. Sandro Santa Bárbara (PCB) foi citado, mas não alcançou 1%.

Na contagem dos votos válidos, brancos e nulos são descartados. O Tribunal Superior Eleitoral divulga os resultados em relação aos votos válidos.

Levando-se em conta o total de votos, sem excluir os brancos e nulos, Wagner lidera com 52% das intenções de voto, seguido de Souto, com 19%, e Geddel, com 14%.

Segundo o Datafolha, 4% dos entrevistados disseram que vão votar em branco ou anular o voto, e 7% afirmaram que não sabem em quem vão votar para o governo da Bahia.

O Datafolha fez 1.715 entrevistas com eleitores com 16 ou mais em 49 municípios da Bahia.

Esta pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral com o número 44.113/2010, e no Tribunal Superior Eleitoral com o número 33.482/2010.

out
02

Lídice: na frente e embalada

=========================================================

Jogo duro: Na Bahia, a luta pelo Senado chega ao dia da eleição indefinida, com empate entre os favoritos. Segundo o Datafolha, três pontos percentuais separam os três candidatos na ponta da disputa, mas quem está na frente é a deputada socialista Lídice da Mata, candidata na chapa do governador petista Jaques Wagner, que disputa a reeleição.

Lídice (PSB) aparece com 25% dos votos válidos no Estado, seguida por Walter Pinheiro (PT), com 23%, e César Borges (PR), com 22%.

(Informações do Folha.com )

Faça sua cola para votação

out
02
Posted on 02-10-2010
Filed Under (Charges) by vitor on 02-10-2010


=========================================================
Paixão – Gazeta do Povo – Curitiba, PR
Reproduzido no Blogbar do Fontana

http://fontanablog.blogspot.com/

out
02
Posted on 02-10-2010
Filed Under (Newsletter) by vitor on 02-10-2010

Na coluna Em Tempo, assinada pelo jornalista Alex Ferraz, a Tribuna da Bahia publica em sua edição deste fim de semana (sábado e domingo)

=======================================================

Supremo desserviço à Nação

Foram cerca de seis meses de anúncios diários, em vários horários, em todas as redes de televisão, inclusive nos canais por assinatura. Foram quase três milhões de novos Títulos de Eleitor impressos para atender à demanda da segunda via. Foram horas e horas em imensas filas, sob sol ou chuva. E foram necessárias apenas poucas horas, já quase na antevéspera da eleição, ontem, para o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubar a lei que exigia documento com foto mais Título de Eleitor para as eleições deste ano. Agora, basta a identidade…
Deixando de lado o imenso prejuízo financeiro que tal decisão causou aos cofres públicos, visto que centenas de milhões de reais devem ter sido gastos com a veiculação de anúncios e impressão de títulos, concentremo-nos no autêntico deboche que se fez com milhões de eleitores que perderam horas de seus trabalhos, de seus afazeres outros, em torturantes filas, para tirar segunda via do título. Tremendo deboche também se fez com, mais uma vez, com a lei neste país, onde a legislação muda ao sabor das veleidades político-eleitorais, em casuísmos de fazer Ruy Barbosa tremer na tumba.
Decididamente, o STF tem dado mostras de algo que já disse e repito, sempre que for necessário: a Justiça, neste país, trabalha para os poderosos e debocha do cidadão comum.
Só para lembrar, mais uma vez: vejam as liminares que aniquilaram leis municipais de Salvador para favorecer grupos econômicos, em detrimento de um mínimo de conforto para a sociedade, como são os casos da carga e descarga e dos empacotadores nos supermercados.
Depois dessa, quando alguém for preso deveria ter o direito e pedir para que mudem a lei, em vez de ser punido.

Deu no MSN/Estadão

Amanhã, das 8 às 17 horas, exatos 135.804.433 brasileiros irão às urnas para eleições em que estarão em disputa os cargos de presidente da República, senador, governador, deputados federais, estaduais ou distritais. Em relação à eleição presidencial de 2006, o eleitorado cresceu em 9 milhões – menos que entre 2002 e 2006, quando passou de 115 milhões para 126 milhões (11 milhões).

Em São Paulo, o eleitorado equivale à população da Argentina. São quase 8,5 milhões na capital e 21,8 milhões no interior, totalizando 30.301.398 eleitores aptos, para uma população estimada em 42 milhões. O Estado é o maior colégio eleitoral do País, seguido por Minas Gerais, com 14,5 milhões, e Rio de Janeiro, com 11,5 milhões.

Ainda de acordo com as estatísticas do Tribunal Superior Eleitora (TSE), com dados atualizados até 2 de setembro, 9 pessoas disputarão o cargo de presidente da República. Para governador, 171 candidatos concorrerão a 26 vagas referentes aos Estados e uma ao Distrito Federal.

Há 276 concorrentes para 54 vagas ao Senado. Para a Câmara, 6.057 candidatos disputam 513 vagas. Já para deputado estadual, serão eleitos 1.059 candidatos entre os 14.418 concorrentes. Para deputado distrital, 882 candidatos lutam por 24 vagas.

Projeção. ‘Nossa expectativa para a eleição é a melhor possível. O TSE já divulgou uma projeção de uma demora de cerca de um minuto e meio para o eleitor votar, um pouco mais que a eleição passada, mas acredito que não teremos problemas no pleito’, analisou o presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo, Walter Guilherme.

Na madrugada da segunda, de acordo com Guilherme, já deverão estar definidos os nomes dos vencedores das eleições para presidente e governador. O pleito contará com 420 mil seções, nas quais trabalharão 2,2 milhões de mesários distribuídos em todos os municípios do País e em 154 cidades no exterior.

Pouco mais de 200 mil brasileiros votarão em outros países. O maior eleitorado fora do Brasil, com 21 mil brasileiros aptos a votar, é Nova York, seguida por Lisboa e Boston, ambos com cerca de 12 mil eleitores.

out
02

Ilha de Maré: paisagem esconde miséria

========================================================
Com o título “No Brasil tem uma mão que dá e outra que tira, o jornal português Diário de Notícias publica em sua edição deste sábado, véspera de eleição presidencial e para o governo do Estado, reportagem especial sobre o Brasil e o Nordeste produzida em Ilha de Maré, uma das áreas mais carentes da região metropolitana de Salvador. Bahia em Pauta reproduz (VHS)
========================================================
por RICARDO J. RODRIGUES, enviado ao Brasil

Na Ilha de Maré (região metropolitana de Salvador) moram nove mil pessoas. Oito mil vivem da Bolsa Família. Sem saneamento, sem centro de saúde, sem polícia.

“Me ajuda, Messias.” Báu chama o colega para puxar as redes do Rainha das Águas, uma balsa de quatro metros com motor a gasóleo. Há três ou quatro dias que o mar não dá nada, nem para o consumo de casa os homens pescam. Báu, nome de batismo António Jorge de Sousa, avisa logo: “Vem leve.” E quando içam a rede confirma-se o pior – uma cavala e dois badejos pequenos, prontamente devolvidos ao Atlântico. Os homens abanam a cabeça e permanecem calados, olhos postos no monstro.

O monstro está do outro lado do canal. São duas chaminés encostadas ao mar do Nordeste, mesmo em frente à Ilha de Maré, uma reserva marinha a norte de Salvador, na Baía de Todos os Santos. Desde que a refinaria do Acarajú começou a operar em plena força, há meia dúzia de anos, nove mil ilhéus passaram a afogar-se todos os dias em terra.
A poluição e o tráfego marítimo assustaram os peixes, um derrame de petróleo em Abril do ano passado fê-los fugir para outras águas. “A vida aqui já não era fácil. Agora piorou”, atesta Messias do Nascimento.

A Maré é uma das comunidades mais pobres do Nordeste, por sua vez a região mais pobre do Brasil. No entanto, quando se larga de barco de São Tomé de Paripe, no continente, e se ensaia a aproximação à ilha, não se adivinha nada menos que o paraíso: palmeiras por toda a parte, areal cândido, água transparente. A ilusão quebra-se depois: aqui também há um inferno. Saneamento não tem, polícia não há e médico só vem às quartas-feiras. Quando vem.

O isolamento da Maré é tremendo, pela geografia e pela falta de infraestruturas. Para pescadores como Báu, que nasceram e cresceram aqui, a questão não precisava de ser um drama, desde que o mar fosse dando qualquer coisa. “Tenho um filho de dois meses, ele e a minha mulher têm de viver lá no continente. Não ganho para todos, ela precisa de trabalhar, senão como é que a gente vai fazer?” Emprego na ilha não há? “Nada.”

Messias está farto. Passou quatro anos a trabalhar nas obras em Salvador para investir num barco. “Eu não bebia, não procurava mulher, comia barato e só saía no Carnaval. Juntei tudinho o que eu pude porque queria viver na minha ilha, viver do mar.” As dívidas acumularam-se, não tarda nada vai ter de vender a Rainha das Águas.

O que diz Joana Lima, que é assistente social e se instalou há seis meses na ilha? “Me mandaram trabalhar com as famílias que estão em situação de vulnerabilidade”, diz, “o problema é que todo mundo na Ilha de Maré está em situação de vulnerabilidade”. A tarefa revelou-se gigantesca, Joana é responsável pela integração social dos que recebem a Bolsa Família e as regras do rendimento mínimo criado pelo governo Lula são claras: primeira, é preciso matar a fome, depois há que compor a vida. “Promovemos cursos para quem não está trabalhando, orientação profissional para adolescentes, tomamos conta das crianças quando as mães não podem. Mas tem oito mil habitantes auferindo do programa, numa população de nove mil. Como é que a gente faz?”

O suspiro de José Esteves é profundo, preocupado. Pescador decano, não se conforma com um mar seco. “Quase a totalidade da população da ilha vivia do peixe e do marisco. Agora vive tudo da Bolsa Família. Isso é que é progresso? O Brasil tem uma mão que dá e outra que tira.”

Nem todos concordam com ele. Para muita gente, o rendimento mínimo criado nos governos Lula é a única tábua de salvação contra o desespero. Olha a Ieda Rufino, que tem um marido sem trabalho e dois filhos para criar. “Deram 90 reais por mês para a gente, aí eu pude botar os meus filhos na banca. É isso mesmo, estou apostando: eles agora podem ir na escola e um dia vão salvar a gente. Antes não podiam, não tinha jeito de eu pagar a merenda deles todo o santo dia.”

“Porta Estandarte:” 1º lugar no Festival Nacional de MPB da
TV Excelsior em 66, foi defendida pela
cantora Tuca e por Airto Moreira.
Esta é a versão de um dos seus autores:
Geraldo Vandré.

Porta Estandarte

Geraldo Vandré
Composição: Geraldo Vandré

Olha que a vida tão linda se perde em tristezas assim

Desce o teu rancho cantando essa tua esperança sem fim

Deixa que a tua certeza se faça do povo a canção

Pra que teu povo cantando teu canto ele não seja em vão

Eu vou levando a minha vida enfim

Cantando e canto sim

E não cantava se não fosse assim

Levando pra quem me ouvir

Certezas e esperanças pra trocar

Por dores e tristezas que bem sei

Um dia ainda vão findar

Um dia que vem vindo

E que eu vivo pra cantar

Na avenida girando, estandarte na mão pra anunciar.

========================================================
BOM DIA E PENSE BEM ANTES DE DAR SEU VOTO!
EM TEMPO: NO DOMINGO, NÃO ESQUEÇA A CARTEIRA DE IDENTIDADE. LEVE TAMBÉM O TÍTULO ELEITORAL PARA FACILITAR A LOCALIZAÇÃO DE SEU LOCAL DE VOTAÇÃO E SECÇÃO ELEITORAL.
(VHS)

out
02
Posted on 02-10-2010
Filed Under (Crônica, Janio) by vitor on 02-10-2010

Marina: a surpresa que voa alto

==========================================================

CRÔNICA/ UMA MULHER

VOE, MARINA, VOE

Janio Ferreira Soares

É uma pena que talvez não dê tempo, mas eu gostaria muito de ver Marina disputando com Dilma o segundo turno da eleição presidencial. Primeiro, porque ela me lembra aquela vizinha que sempre chega com um pedaço de bolo ou um chazinho de erva cidreira para acalmar os nervos da gente. Segundo, porque seria muito bacana uma disputa entre uma Silva e uma Rousseff. A propósito, se fosse uma luta pra valer eu até arriscaria dizer como seria a apresentação das duas.
“Neste canto do ringue, pesando o seu peso e mais o de toda a nação petista, ela, uma mineira com sangue búlgaro correndo nas veias; ela, que é a esperança dos companheiros que estavam controlados por Lula e que sonham em voltar a vestir camisetas com a foto de Che Guevara no peito; ela, que não é de brincadeiras e já foi acusada de ter feito chorar o presidente da Petrobrás, José Sérgio Gabrielli; ela, que ao contrário de Lula (que sempre foi uma metáfora em constante aperfeiçoamento) é uma grande interrogação, a começar pelas sobrancelhas flexionadas em arco. Com vocês, o furacão dos pampas, Dilma Vana Rousseff!”
“No outro canto do ringue, pesando o suficiente para flutuar acima do bem e do mal, ela, que veio dos cafundós do Acre; ela, que perdeu a mãe aos 15, contraiu hepatite aos 16, e mais cinco malárias e uma leishmaniose; ela, que foi empregada doméstica, estudou no Mobral e se formou em História; ela, que aos 36 anos foi a senadora mais jovem da história da república, e depois foi ministra do Meio Ambiente no governo Lula; ela, que por não concordar “com ganhos exacerbados para poucos e resultados perversos para os mais pobres”, pediu demissão, saiu do PT e foi para o PV. Com vocês, a caboquinha Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima!”
E quando a platéia já imaginava um massacre, milhões de silvas (incluindo Lula, Marisa e José Alencar) fariam uma grande corrente e ela flutuaria tal um raro colibri, espalhando uma essência mágica sobre todos, que, hipnotizados, lhe dariam uma bela vitória no ringue e nas urnas. Voe, Marina, voe.

Janio Ferreira Soares, cronista, é secretário de Cultura e Turismo de Paulo Afonso , na margem baiana do Vale do São Fracisco)

Pages: 1 2

  • Arquivos