set
15
Postado em 15-09-2010
Arquivado em (Artigos, Ivan) por vitor em 15-09-2010 10:15

Debate de domingo na RedeTV

======================================================

Em seu artigo desta quarta-feira, na Tribuna da Bahia, o jornalista político Ivan de Carvalho avalia que coisa mais importante ocorrida no debate de domingo, promoção Folha/Rede TV, também transmitido pelo UOL, entre os quatro candidatos a presidente, levados mais em conta pela mídia, foi a ausência de resposta da candidata petista, Dilma Rousseff, à pergunta feita pelo candidato tucano, José Serra. Este indagou se a ex-ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República botaria a mão no fogo por sua sucessora, por ela mesma indicada e sua ex-principal auxiliar, Erenice Guerra. “Dilma Rousseff pulou mais do que gata em teto de zinco quente para esquivar-se à pergunta direta de Serra, que era um óbvio desafio,” afirma o colunista no texto que Bahia em Pauta reproduz.

(VHS)
===========================================================================

Gata em teto de zinco quente

Ivan de Carvalho

1. A coisa mais importante ocorrida no debate de domingo, promoção Folha/Rede TV, também transmitido pelo UOL, entre os quatro candidatos a presidente levados mais em conta pela mídia foi a ausência de resposta da candidata petista Dilma Rousseff à pergunta feita pelo candidato tucano José Serra. Este indagou se a ex-ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República botaria a mão no fogo por sua sucessora, por ela mesma indicada e sua ex-principal auxiliar, Erenice Guerra, envolvida em um escândalo que inclui pesadas acusações de tráfico de influência e recebimento de propina – no caso, chamada de “taxa de êxito” – feitas contra seu filho de nome Israel. O escândalo envolve os Correios e o noticiário de ontem estava cheio da informação de que a nova ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República foi muito incisiva nas indicações que fez, com pleno êxito, dos novos presidente e diretor de Operações dos Correios.

Dilma Rousseff pulou mais do que gata em teto de zinco quente para esquivar-se à pergunta direta de Serra, que era um óbvio desafio. Não respondeu, mas deu bandeira. Ficou evidente que Dilma não quis “botar a mão no fogo”, quando ela disse que “até hoje” – quem sabe o que se poderia descobrir nos dias seguintes, não é mesmo? – Erenice Guerra era merecedora de sua confiança. E, no mesmo debate, chamou Erenice de “uma ex-auxiliar”, assim como se não fosse Erenice seu braço direito na Casa Civil e a pessoa que ela, Dilma, indicou para sucedê-la no cargo de ministra.

2. Conforme combinado em reunião no Palácio do Planalto como parte do esforço para atenuar a crise deflagrada com a violação criminosa do sigilo fiscal de muitas centenas de contribuintes – inclusive alguns ligados por laços familiares ou políticos ao principal candidato de oposição a presidente da República, José Serra – o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou ontem algumas medidas que o governo se propõe a adotar para combater tais violações na Receita Federal. São medidas administrativas e uma medida provisória a ser apresentada ao Congresso Nacional, alterando (agravando) as punições contra funcionários que incorrerem em irregularidades.

Mantega disse que o desafio é aumentar a segurança sem prejudicar a operacionalidade do sistema. “Se blindar totalmente, aí não se pode fazer mais nada”, disse ele. Em síntese, o ministro diz que o governo vai tentar dificultar as violações, mas não garante a preservação do sigilo fiscal. É que se fosse muito longe nas medidas de segurança, prejudicaria a eficácia da fiscalização. Entendo que o ministro está dizendo que, se tem que escolher entre prejudicar a operacionalidade do sistema e prejudicar o direito/garantia dos contribuintes ao sigilo fiscal, o governo prefere a segunda hipótese.

As medidas (algumas surpreendem e até causam espanto por não estarem sendo praticadas desde sempre) anunciadas por Mantega podem ser encontradas no noticiário dos jornais de hoje.

Be Sociable, Share!

Comentários

marco lino on 15 setembro, 2010 at 17:35 #

Caro Ivan
A pergunta foi de Serra ou de uma repórter (Renata?) da Folha?

Bobagem minha, não? Serra e Folha são a mesmíssima coisa.


danilo on 15 setembro, 2010 at 20:26 #

ah como a Folha era boa e tinha legitimidade quando denunciava as roubalheiras do então presidente Collor, lá no ano de 1990/1992…

mas como bem disse o General Charles de Gaulle, “o Brasil não é um país sério”.


marco lino on 15 setembro, 2010 at 20:57 #

A coisa está tão feia na “imprensa” que até os desapaixonados “do lado de lá”, como o Lembo, têm notado.

Mas Lembo é um cara sério, de Gaulle…


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2010
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     12345
    6789101112
    13141516171819
    20212223242526
    27282930