ago
13
Postado em 13-08-2010
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 13-08-2010 21:45

DEU NO FOLHA.COM

A candidata do PT à presidência , Dilma Rousseff, aparece pela primeira vez à frente de seu principal adversário na corrida eleitoral, José Serra (PSDB), segundo o Datafolha.

De acordo com o levantamento divulgado nesta sexta, a ex-ministra cresceu 5 pontos percentuais com relação à última pesquisa, realizada em julho, e agora tem 41% das intenções de voto.

Ao mesmo tempo, o tucano oscilou negativamente de 37% para 33%. Marina Silva (PV) manteve os 10% que havia registrado na sondagem anterior.

Considerados apenas os votos válidos, Dilma tem 47% e fica a três pontos de uma eventual vitória no primeiro turno.

Be Sociable, Share!

Comentários

Jader Martins on 13 agosto, 2010 at 23:27 #

Estamos esperando o comentário do Danillo . Caiu na real?Será que os institutos do PT ( Sensus e VoxPouli )estavam errados ? Apareça rapaz!!!!!!!!!!!!!!i


danilo on 14 agosto, 2010 at 4:58 #

kkkk qual o quê, meu rei?

nesta altura do baba não é nenhuma surpresa para mim se Dilma Sargentão vencer. ela é a candidata da situação, do conformismo, do grande capital especulativo, das oligarquias nordestinas, da antiquada burocracia do funcionalismo federal e da manutenção do status quo sindical peleguista que controla bilhões dos fundos de pensão.

e o fato de vcs, tolinhos, ficarem achando q ela é de esquerda, não há nenhuma dúvida que Dilma Sargentão é, sobretudo, a preferida desta nova burguesia SUPER SUPER SUPER conservadora, ignorante e reacionária.

não pense que vou ficar chateado não. eu vou é me acabar de gargalhar com o que nos espera. afinal existe aquele ditado que diz:

“os anarquistas herdarão a terra”.

parabéns Jader, parabéns Marco Lino. voces merecem Dilma, este Brasilzão todo merece Dilma…


çioz alfredo motta fontana on 14 agosto, 2010 at 8:01 #

Tanto faz, perderemos todos

Dilma ou serra, ou ainda a nova garota propaganda da Natura, traduzem o mesmo do famoso “de sempre”.

Vale um “quebra-queixo”, ou uma algodão-doce, para quem apontar alguma diferença.

Os meninos do Copom farão a festa, e servirão despudoradamente o Sistema Financeiro.

Alguém duvida?


luiz alfredo motta fontana on 14 agosto, 2010 at 8:02 #

Tanto faz, perderemos todos

Dilma ou serra, ou ainda a nova garota propaganda da Natura, traduzem o mesmo do famoso “de sempre”.

Vale um “quebra-queixo”, ou uma algodão-doce, para quem apontar alguma diferença.

Os meninos do Copom farão a festa, e servirão despudoradamente o Sistema Financeiro.

Alguém duvida?


Marco Lino on 14 agosto, 2010 at 9:22 #

Pelo amor de Deus, o que eu tenho a ver com isso?!

A galera critica o Danilo e ele me põe no bolo. Conhece Neco? hehehe

Danilo, só por curiosidade, quem é o anarquista? Você?! Vc é um brincalhão, hein?

Quanto ao Copom que o Fontana tanto critica – com toda razão, é bom que se diga, pois não há cidadão de bem que aprove isto -, parece que não somente o Brasil, mas a quase totalidade das nações ocidentais está nas mãos dessa minoria que mantém a maior parte do capital e da “opinião pública” mundial. Fazer o quê? Que minoria eventualmente no poder terá força suficiente para peitar o poder do capital? Não vejo.

O glorioso Plínio diz que peitaria… Plínio é o velho PT, de quem o Danilo tanto cobra coerência. Possível? Lula, eleito, para acalmar o “mercado”, pensou em manter o presidente do BACEN fernandista, Armínio Fraga. Houve reação. Convidou o Meireles – ligado ao Citibank e filiado ao PSDB… Ou seja, seis por meia dúzia.

Assim que se instalou no “poder”, o todo poderoso Dirceu foi acossado por um grupo do PT que cobrava o porquê da manutenção da política econômica. Respondeu que não tinha o que fazer pois o “Mercado” havia vencido a luta internacional…

Hoje, fora do governo, voltou a falar em Cuba, etc, etc, etc

Abs


rosane santana on 14 agosto, 2010 at 18:52 #

Não existe história sem historicidade (povo), nem na pós-modernidade política. Há um clima burro de já ganhou na campanha da candidata de Lula, forjado pelas pesquisas de opinião induzidas pelo marketing e docemente reproduzidas pela imprensa, o primo pobre da cultura de massas.O jornalismo morreu! Ou, a julgar por esse raciocínio, as eleições estariam dispensadas. Bastaria passar a faixa para a imperatriz Dilma Rousseff. Cautela, minha gente, aguardemos as urnas. Porque pesquisas há pra todos os gostos, pra dar e vender! Bem lembrada a eleição de 2006 em que o Lula ganharia no primeiro turno e deu no que todo mundo sabe. Agora, o comando lulopetista aposta na desidratação de Marina na contramão de tudo que podemos considerar de mais sensato. E ainda, que Plínio, continuaria abaixo de 1%. Outro dia, em viajem de avião entre São Paulo e Salvador ouvi a Ivete Sangalo declarar no programa da Fernanda Young, que a vaidade é burra, no que concordou um amigo psiquiatra. Não só a vaidade é burra, mas a unanimidade também é burra, como disse o pernambucano Nelson Rodrigues. Falta a Dilma, como faltava a Collor, historicidade. E Collor, deu no que deu!


rosane santana on 14 agosto, 2010 at 18:55 #

CORRIGINDO: VIAGEM e não viajem


Carmen on 14 agosto, 2010 at 20:21 #

Também acho Rosane, muita calma nesta hora. A partir de terça, dia 17, tem horário eleitoral e muito mais debates. Não gosto do clima de já ganhou, muito menos de unanimidades.


Carlos Volney on 14 agosto, 2010 at 22:50 #

Olha, me metendo, de ousado, em “briga de cacchorro grande”, permito-me um pitacozinho. Concordo com tudo que o sr. Danilo fala sobre Lula e o PT. ´Seu primeiro parágrafo da nota acima traz afirmações procedentes e pertinentes, na minha ótica. “grande capital, conformismo, oligarquias nordestinas, etc,” é isso aí. Agora, só pergunto: com o PSDB seria diferente? Ele encarna a modernidade, a mudança em nossos hábitos políticos?
Para mim, PT, PSDB, Lula, FHC, são farinha do mesmo saco. Minha concordância total com o poeta Fontana acima.


Carlos Volney on 14 agosto, 2010 at 22:51 #

AH, EM TEMPO. DESCULPEM, SINCERAMENTE, A INTROMISSÃO.


Marco Lino on 14 agosto, 2010 at 23:51 #

Por que tamanha modéstia, Volney? Se continuar assim o Danilo te atropela… (risos)
Abs


danilo on 15 agosto, 2010 at 12:44 #

hehehe deixe de guéri guéri, Marco Lino, o ombundsman do lullo-petismo. eu sou um bom menino e não atropelo ninguém, não.

quem atropela mesmo é o PT, e com caminhão FNM dos tempos do Brasil ame-o ou deixe-o, este é um país que vai pra frente ô ô ô ô ô

o PT é aquele partido que agora se diz republicano e quer tratamento vip para si próprio, e desqualifica opositores e joga no esgoto da credibilidade qualquer pessoa que ouse criticá-lo.

quanto à pergunta de Volney, devo dizer que todos os partidos brasileiros são iguais. é tudo a mesma merda. umas menos fedorentas outras mais.

FHC e o PSDB também não foram puros. e tudo ficou claro no dia que ele “amuntou” num jegue e comeu buchada de bode quando ainda fazia campanha para presidente neste nordestão “progressista”.

mas o PSDB teve até uma certa coragem ao bulir em determinados dogmas intocáveis como privatizações que foram benéficas para o país e a estabilidade da moeda com a implantação do Real. coisas que Lulla e o PT ficaram radicalmente contra, e no entanto desfrutam destes benefícios, e fingem que não desfrutam e ainda convenceram a população ignorante e sem memória que foram eles que fizeram tudo isso.

teve roubo nestes processos? é claro que sim. mas o que dizer dos bilhões desviados pelo PT para “acalmar” as ONGs, movimentos sociais, sindicatos pelegos, UNE, mensalão, mensalinho, aparelhamento, etc etc etc?

talvez por uma formação mais sofisticada os tucanos conviviam melhor com as próprias contradições de ser governo, e tinha um comportamento mais democrata e tolerante em relação às críticas do PT oposicionista. este, certamente, o partido que fez a oposição mais desleal e prejudicial à nação de todos os tempos. o PT atuou como a UDN da esquerda. Lulla e Carlos Lacerda são mais semelhantes que a nossa vã imaginação pode supor.

pra quê? para agora estar de braços dados com Sarney e Collor e Renan? com os banqueiros, os empresários mais sacanas e os representantes dos setores mais excludentes que se tem conhecimento? e ficar por aí esculhambando a fatia da população – a classe média mais crítica e que sempre apoiou Lulla, e ficar demonizando a mesma com o apelido pejorativo de “zelite”?

quando da eleição de Lulla em 2002, eu li uma análise que me deixou de cabelos em pé. o cara dizia que ali se descortinava cenários para a a cena política nacional. a direita brasileira. minguaria cada vez mais, ou renovaria o discurso conservador, ou se aliaria ao PT hegemônico – vide em âmbito regional o caso de Otto Allencar, Fernando de Fabinho e prefeitos demos do interior.

e o pior, o cara preveu um troço que ninguém em sã consciência poderia imaginar: O PT PERDERIA A AURA URBANA E DESENVOLVIMENTISTA, E SE TRANFORMARIA NO PARTIDO DOS GROTÕES, SUBSTITUINDO, ASSIM, A VELHA DIREITA NORDESTINA. PORÉM APENAS ATUALIZANDO SEUS MÉTODOS ANTIQUADOS E SEM QUE HAJA MUDANÇAS ESTRUTURAIS.

uáááu. o cara acertou na mosca. e ainda vem o “camarada de armas” Marco Lino com essa lorota de endeusar os cumpanhêro e , como um ombudsman expedito que ele é, tentar reescrever a história deste país…


Jader Martins on 15 agosto, 2010 at 14:13 #

Dez falsos motivos para não votar em Dilma Rousseff

Do blog Vi o Mundo

Por Jorge Furtado

Tenho alguns amigos que não pretendem votar na Dilma, um ou outro até diz que vai votar no Serra. Espero que sigam sendo meus amigos. Política, como ensina André Comte-Sponville, supõe conflitos: “A política nos reúne nos opondo: ela nos opõe sobre a melhor maneira de nos reunir”.

Leio diariamente o noticiário político e ainda não encontrei bons argumentos para votar no Serra, uma candidatura que cada vez mais assume seu caráter conservador. Serra representa o grupo político que governou o Brasil antes do Lula, com desempenho, sob qualquer critério, muito inferior ao do governo petista, a comparação chega a ser enfadonha, vai lá para o pé da página, quem quiser que leia. (1)

Ouvi alguns argumentos razoáveis para votar em Marina, como incluir a sustentabilidade na agenda do desenvolvimento. Marina foi ministra do Lula por sete anos e parece ser uma boa pessoa, uma batalhadora das causas ambientalistas. Tem, no entanto (na minha opinião) o inconveniente de fazer parte de uma igreja bastante rígida, o que me faz temer sobre a capacidade que teria um eventual governo comandado por ela de avançar em questões fundamentais como os direitos dos homossexuais, a descriminalização do aborto ou as pesquisas envolvendo as células tronco.

Ouço e leio alguns argumentos para não votar em Dilma, argumentos que me parecem inconsistentes, distorcidos, precários ou simplesmente falsos. Passo a analisar os dez mais freqüentes.

1. “Alternância no poder é bom”.

Falso. O sentido da democracia não é a alternância no poder e sim a escolha, pela maioria, da melhor proposta de governo, levando-se em conta o conhecimento que o eleitor tem dos candidatos e seus grupo políticos, o que dizem pretender fazer e, principalmente, o que fizeram quando exerceram o poder. Ninguém pode defender seriamente a idéia de que seria boa a alternância entre a recessão e o desenvolvimento, entre o desemprego e a geração de empregos, entre o arrocho salarial e o aumento do poder aquisitivo da população, entre a distribuição e a concentração da riqueza. Se a alternância no poder fosse um valor em si não precisaria haver eleição e muito menos deveria haver a possibilidade de reeleição.

2. “Não há mais diferença entre direita e esquerda”.

Falso. Esquerda e direita são posições relativas, não absolutas. A esquerda é, desde a sua origem, a posição política que tem por objetivo a diminuição das desigualdades sociais, a distribuição da riqueza, a inserção social dos desfavorecidos. As conquistas necessárias para se atingir estes objetivos mudam com o tempo. Hoje, ser de esquerda significa defender o fortalecimento do estado como garantidor do bem-estar social, regulador do mercado, promotor do desenvolvimento e da distribuição de riqueza, tudo isso numa sociedade democrática com plena liberdade de expressão e ampla defesa das minorias. O complexo (e confuso) sistema político brasileiro exige que os vários partidos se reúnam em coligações que lhes garantam maioria parlamentar, sem a qual o país se torna ingovernável. A candidatura de Dilma tem o apoio de políticos que jamais poderiam ser chamados de “esquerdistas”, como Sarney, Collor ou Renan Calheiros, lideranças regionais que se abrigam principalmente no PMDB, partido de espectro ideológico muito amplo. José Serra tem o apoio majoritário da direita e da extrema-direita reunida no DEM (2), da “direita” do PMDB, além do PTB, PPS e outros pequenos partidos de direita: Roberto Jefferson, Jorge Borhausen, ACM Netto, Orestes Quércia, Heráclito Fortes, Roberto Freire, Demóstenes Torres, Álvaro Dias, Arthur Virgílio, Agripino Maia, Joaquim Roriz, Marconi Pirilo, Ronaldo Caiado, Katia Abreu, André Pucinelli, são todos de direita e todos serristas, isso para não falar no folclórico Índio da Costa, vice de Serra. Comparado com Agripino Maia ou Jorge Borhausen, José Sarney é Che Guevara.

3. “Dilma não é simpática”.

Argumento precário e totalmente subjetivo. Precário porque a simpatia não é, ou não deveria ser, um atributo fundamental para o bom governante. Subjetivo, porque o quesito “simpatia” depende totalmente do gosto do freguês. Na minha opinião, por exemplo, é difícil encontrar alguém na vida pública que seja mais antipático que José Serra, embora ele talvez tenha sido um bom governante de seu estado. Sua arrogância com quem lhe faz críticas, seu destempero e prepotência com jornalistas, especialmente com as mulheres, chega a ser revoltante.

4. “Dilma não tem experiência”.

Argumento inconsistente. Dilma foi secretária de estado, foi ministra de Minas e Energia e da Casa Civil, fez parte do conselho da Petrobras, gerenciou com eficiência os gigantescos investimentos do PAC, dos programas de habitação popular e eletrificação rural. Dilma tem muito mais experiência administrativa, por exemplo, do que tinha o Lula, que só tinha sido parlamentar, nunca tinha administrado um orçamento, e está fazendo um bom governo.

5. “Dilma foi terrorista”.

Argumento em parte falso, em parte distorcido. Falso, porque não há qualquer prova de que Dilma tenha tomado parte de ações “terroristas”. Distorcido, porque é fato que Dilma fez parte de grupos de resistência à ditadura militar, do que deve se orgulhar, e que este grupo praticou ações armadas, o que pode (ou não) ser condenável. José Serra também fez parte de um grupo de resistência à ditadura, a AP (Ação Popular), que também praticou ações armadas, das quais Serra não tomou parte. Muitos jovens que participaram de grupos de resistência à ditadura hoje participam da vida democrática como candidatos. Alguns, como Fernando Gabeira, participaram ativamente de seqüestros, assaltos a banco e ações armadas. A luta daqueles jovens, mesmo que por meios discutíveis, ajudou a restabelecer a democracia no país e deveria ser motivo de orgulho, não de vergonha.

6. “As coisas boas do governo petista começaram no governo tucano”.

Falso. Todo governo herda políticas e programas do governo anterior, políticas que pode manter, transformar, ampliar, reduzir ou encerrar. O governo FHC herdou do governo Itamar o real, o programa dos genéricos, o FAT, o programa de combate a AIDS. Teve o mérito de manter e aperfeiçoá-los, desenvolvê-los, ampliá-los. O governo Lula herdou do governo FHC, por exemplo, vários programas de assistência social. Teve o mérito de unificá-los e ampliá-los, criando o Bolsa Família. De qualquer maneira, os resultados do governo Lula são tão superiores aos do governo FHC que o debate “quem começou o quê” torna-se irrelevante.

7. “Serra vai moralizar a política”.

Argumento inconsistente. Nos oito anos de governo tucano-pefelista – no qual José Serra ocupou papel de destaque, sendo escolhido para suceder FHC – foram inúmeros os casos de corrupção, um deles no próprio Ministério da Saúde, comandado por Serra, o superfaturamento de ambulâncias investigado pela “Operação Sanguessuga”. Se considerarmos o volume de dinheiro público desviado para destinos nebulosos e paraísos fiscais nas privatizações e o auxílio luxuoso aos banqueiros falidos, o governo tucano talvez tenha sido o mais corrupto da história do país. Ao contrário do que aconteceu no governo Lula, a corrupção no governo FHC não foi investigada por nenhuma CPI, todas sepultadas pela maioria parlamentar da coligação PSDB-PFL. O procurador da república ficou conhecido com “engavetador da república”, tal a quantidade de investigações criminais que morreram em suas mãos. O esquema de financiamento eleitoral batizado de “mensalão” foi criado pelo presidente nacional do PSDB, senador Eduardo Azeredo, hoje réu em processo criminal. O governador José Roberto Arruda, do DEM, era o principal candidato ao posto de vice-presidente na chapa de Serra, até ser preso por corrupção no “mensalão do DEM”. Roberto Jefferson, réu confesso do mensalão petista, hoje apóia José Serra. Todos estes fatos, incontestáveis, não indicam que um eventual governo Serra poderia ser mais eficiente no combate à corrupção do que seria um governo Dilma, ao contrário.

8. “O PT apóia as FARC”.

Argumento falso. É fato que, no passado, as FARC ensaiaram uma tentativa de institucionalização e buscaram aproximação com o PT, então na oposição, e também com o governo brasileiro, através de contatos com o líder do governo tucano, Arthur Virgílio. Estes contatos foram rompidos com a radicalização da guerrilha na Colômbia e nunca foram retomados, a não ser nos delírios da imprensa de extrema-direita. A relação entre o governo brasileiro e os governos estabelecidos de vários países deve estar acima de divergências ideológicas, num princípio básico da diplomacia, o da auto-determinação dos povos. Não há notícias, por exemplo, de capitalistas brasileiros que defendam o rompimento das relações com a China, um dos nossos maiores parceiros comerciais, por se tratar de uma ditadura. Ou alguém acha que a China é um país democrático?

9. “O PT censura a imprensa”.

Argumento falso. Em seus oito anos de governo o presidente Lula enfrentou a oposição feroz e constante dos principais veículos da antiga imprensa. Esta oposição foi explicitada pela presidente da Associação Nacional de Jornais (ANJ) que declarou que seus filiados assumiram “a posição oposicionista (sic) deste país”. Não há registro de um único caso de censura à imprensa por parte do governo Lula. O que há, frequentemente, é a queixa dos órgãos de imprensa sobre tentativas da sociedade e do governo, a exemplo do que acontece em todos os países democráticos do mundo, de regulamentar a atividade da mídia.

10. “Os jornais, a televisão e as revistas falam muito mal da Dilma e muito bem do Serra”.

Isso é verdade. E mais um bom motivo para votar nela e não nele.

*****

(1) Alguns dados comparativos dos governos FHC e Lula.

Geração de empregos:
FHC/Serra = 780 mil x Lula/Dilma = 12 milhões

Salário mínimo:
FHC/Serra = 64 dólares x Lula/Dilma = 290 dólares

Mobilidade social (brasileiros que deixaram a linha da pobreza):
FHC/Serra = 2 milhões x Lula/Dilma = 27 milhões

Risco Brasil:
FHC/Serra = 2.700 pontos x Lula/Dilma = 200 pontos

Dólar:
FHC/Serra = R$ 3,00 x Lula/Dilma = R$ 1,78

Reservas cambiais:
FHC/Serra = 185 bilhões de dólares negativos x Lula/Dilma = 239 bilhões de dólares positivos.

Relação crédito/PIB:
FHC/Serra = 14% x Lula/Dilma = 34%

Produção de automóveis:
FHC/Serra = queda de 20% x Lula/Dilma = aumento de 30%

Taxa de juros:
FHC/Serra = 27% x Lula/Dilma = 10,75%


Marco Lino on 15 agosto, 2010 at 14:41 #

Olá Danilão, amigão!!

Não irei mais contender contigo pois o ombudsman do BP (Bahia em Pauta) me passou a informação que ninguém mais aguenta essa nossa eterna discussão.

Tb você, não obstante mandar farpas para mim, respondeu ao Volney – que não é “lulopetista”, se toque…hehehe

Não irei defender o PT. Aliás, ele deve ter muitos e bons advogados – inclusive em seus quadros.

Gostei de sua citação sobre a “buchada” de FHC… tempos áureos do casamento entre o príncipe do centro-sul e o rei do nordestão…

Lula, ao menos, nasceu comendo isto… Mudou o paladar, é claro. Acertou o mais uma vez o barbudo alemão ao dizer que quando se muda de classe social muda-se tb a religião e tudo mais…

Sobre os “grotões”… reparou como o Serra tem viajado ao Nordeste?! Outro detalhe importantíssimo: Maluf e Quércia disputaram no muque (homenagem ao VHS) uma fotografia com Serra e Alckmin… Os tempos mudaram, não?

O PSDB nasceu por não aceitar Quércia, e o principal inimigo do partido em sampa era… Maluf e seus viadutos… O que Serra mostra hoje ao Brasil? Quércia, Maluf e…. viadutos…

Ah, pedágios tb.

O PSDB aprendeu que no Brasil pode-se até ganhar a eleição sozinho (como FHC podia), mas não governa. O PT demorou mais, mas aprendeu tb (a demora deve ter sido pela baixa escolaridade de seus membros, não? hehehe)

Aliás, o PT baiano tb aprendeu que na Bahia não se ganha eleição somente na capital. Deve ter sabido das lições de Juracy Magalhães…

Pois é, meu caro, quem quiser governar aqui precisa aliar-se aos “grotões”. FHC, Lula, Serra, Marina, Plínio (até tu, Plínio?!), Danilo etc, etc, e tal.

Ou então damos um golpe…. chamamos Dilmão Sargentão, vc, como representante da direita, e eu, como representante dos últimos dinossauros…

hehehehe

Abraços fraternos, camarada Danilo!


Carlos Volney on 15 agosto, 2010 at 14:42 #

Obrigado aos dois, Danilo e Marco Lino pela atenção. Danilo, no comentário acima, demonstra, sob minha ótica, mais lucidez pois admite as mazelas do seu (parece-me) PSDB. Marco Lino também é culto, inteligente, mas parece não aceitar qualquer crítica ao PT. Isto é, sob minha opinião que pode tranquilamente não ser aceita. Longe de mim a intenção, e mais longe aínda a pretensão, de ter a melhor e mais acabada convicção.
A ilação que faço é a seguinte: FHC é o grande responsável, ou pelo menos o maior deles, pela sordidez em que se transformou a nossa política. Senão, vejamos. Foi esse senhor que se retirou do PMDB, junto com Covas e Montoro, para fundar o PSDB, sob o argumento de que era preciso separar o “joio do trigo”, melhorar o nível da atuação política, combater o fisiologismo tão enraizado no velho PMDB, afastar-se de pessoas sem grande qualificação moral, etc. etc.
Pois bem, foi só surgir a oportunidade de eleger-se presidente e o que fez ele? Juntou-se ao que tinha de pior, em termos de qualificação moral, em atuação política. Mais, eleito
agiu despudoradamente para mudar a Constituição a fim de reeleger-se. Relembremos que a compra de deputados foi flagrada e alguns até confessaram e renunciaram para fugir da cassação.
Depois, as privatizações, ah!, as privatizações. Não foram um mal em si, mas sim a maneira como foram realizadas. Lembram-se do telefonema grampeado em que ele, sim o FHC, autorizava o Mendonção, seu ministro, a usar dinheiro de fundo de pensão para beneficiar seus amigos em leilões de privatização, no caso o “inefável” e indelével Daniel Dantas? E aí, o mais interessante. A grande imprensa, sempre indulgente com ele, só falava no crime que era se grampear o presidente da República. Quanto ao crime cometido por ele, total silêncio. E SIVAN e tantos outros escândalos? Ficaríamos aqui por dias a enumerar seus “grandes feitos”.
Pois é, mesmo me esforçando para não fazê-lo, incorri em prolixidade. Mas, creio que era preciso para refrescar a memória.
Quanto ao PT, tanto criticou e acabou se revelando o mais fiel e brilhante seguidor do FHC, principalmente no que concerne a fisioligismo, corrupção e coisas que tais. Parece aquela situação do cara que foi criado em um convento e de repente foi obrigado a ganhar a vida no cabaré. Lá, “enlameou-se” de vez e fez gosto pela nova situação.
E o Lula, para mim, que farsante. A mim, me parece que seu grande lema é: rico, cada vez mais rico, a pobre se dá esmola. Assim, nenhum dos dois incomoda. Que avanço qualitativo, eu disse qualitativo, tivemos em educação e saúde??
É isso, fico por aqui. Perdôem a chatice.


Marco Lino on 15 agosto, 2010 at 14:46 #

Pô Danilo, o Martins voltou?!

Isso aí, Jader, volte mais vezes. Fico eu aqui só contra essa miríade de serrista, “marinista” – pensando bem, da Marina até que gosto, viu?!

Abs


Marco Lino on 15 agosto, 2010 at 15:10 #

Volney, vc postou às 14h42 e eu às 14h41. Observe que existem várias convergências no que dissemos e pouquíssimas divergências.

Não poupo o PT, não – critiquei ainda agora. Sou apenas pessimista (já fui otimista) quanto à forma de se fazer política no Brasil. Muda-se o ator, mas o cenário continua o mesmo. Sei que vc conhece tb, mas, só para trazer à memória, leia o nosso Gregório de Matos e vamos chegar à conclusão que esses vícios existem há séculos e não creio que governante algum mude isso. Políticas públicas de longo prazo, sim! Mas, essencialmente, quem deve mudar tb é a sociedade, que repete os mesmos erros. Observe nos bancos, nos semáforos, nas empresas (públicas e privadas).. ou seja, nós, sociedade, repetimos aquilo que criticamos nos outros – especialmente a parte da classe média mais moralista.

Não defendo o PT, já disse, defendo pessoas de honradez ilibadas que existem em seus quadros. Agora dizer que o PT iniciou a corrupção brasileira é dose, não? Não é nem pelo PT, mas pela História, pela verdade “factual”.

É isso.

Parabéns por sua escrita e participe mais.

Abs


Carmen on 15 agosto, 2010 at 19:00 #

A melhor coisa do mundo é a Democracia, viva o debate. Valeu Marco Lino, Danilo, Volney, Fontana e toda turma.


Carlos Volney on 15 agosto, 2010 at 21:59 #

Obrtigado, Marco Lino e Carmen. É isso, o melhor de tudo é que podemos debater livremente. Isso, não há valor que pague. Conspiremos até, sempre, para que nunca mais isso nos seja roubado.
Quanto a seu arrazoado, Marco, ele é pertinente e procedente em praticamente tudo. Mas, continuo achando que não precisava se transigir tanto, conceder tanto, sob o falso argumento – para mim – da governabilidade. O mais importante de tudo, para acabar com os maus costumes na política, seria avançar, QUALITATIVAMENTE, em educação. Assim, aínda que a longo prazo, vislumbraríamos a saída. Mas, desgraçadamente, sob minha ótica não demos sequer o primeiro passo. Estamos pois, perpetuando a situação.
Grande abraço a todos que tiverem a paciência de ler, mesmo que discordem.


Carlos Volney on 16 agosto, 2010 at 14:06 #

Rertorno porque esqueci de um detalhe ontem, Marco Lino. Você tem plena, total e absoluta razão – a redundância é proposital – ao dizer que não foi o PT que começou a corrupção. Claro, não foi. Em verdade, creio que ela começou mesmo com Pero Vaz de Caminha naquela carta, lembra? Para a grande imprensa, entretanto, parece que o PT é que a criou. Agora, do meu ponto de vista, quem a institucionalizou verdadeiramente foi FHC, pelos motivos já expostos. Lembremos também que ele fez de RENAN CALHEIROS seu MINISTRO DA JUSTIÇA, e de JÁDER BARBALHO, PRESIDENTE DO CONGRESSO. Mas parece que nessa época os dois eram “vestais” pois a imprensa até exultou com suas investiduras.
Por fim, para mim, a corrupção do governo Lula, que é grande, somada à do governo Collor, que dispensa comentários, não se compara à do governo FHC. Ali, sim, houve até o inimaginável.


marco lino on 16 agosto, 2010 at 19:54 #

Caro Volney

Imagine que quando nascemos o mundo está aí prontinho esperando por nós, não? É dever nosso, sim, melhorá-lo, transformá-lo num lugar digno de humanos. Um presidente (no nosso caso) tb ao tomar posse encontra um poder legislativo pronto, um poder judiciário estabelecido e monta seu governo com pessoas desse mundo político e da sociedade em geral. Ou seja, são representantes do povo, da sociedade. O mau cheiro que Brasília exala está em toda a pirâmide social brasileira. Não quero eximir governo algum de responsabilidade quando digo isto, mas penso que nosso problema é crônico e perpassa toda sociedade.

Observo que alguns colegas fazem “pesca” (cola) quando estão sendo avaliados, quando estão “fazendo” prova. Pois bem, estes colegas são os que mais protestam contra a corrupção, a imoralidade, a falta de ética na política, etc, etc, etc. E aí?!

Vc já percebeu como funciona o nosso tribunal de Justiça? Já necessitou de algum serviço de lá? Se ainda não, converse com algum advogado que certamente lhe dirá como as coisas funcionam por lá. O negócio é feio.

Vc falou em educação e fez bem em falar, pois educação está no cerne disso tudo. Entretanto, essa educação nossa, hein? Ninguém merece. Gosto sempre de citar os gregos pois estes foram mestres em muita coisa, inclusive no modelo de educação. Educação não é somente informação – ou até conhecimento -, é mais que isso. Educação para os gregos era a formação total do homem, formação que capacitasse o mesmo para a cidadania na polis – o que eles deram o nome de paideia.

Nossas escolas e famílias formam cidadãos? Algumas famílias, sim… e as escolas?!

Abraços


Carlos Volney on 16 agosto, 2010 at 22:06 #

Pois é, caro Marco. Estamos concordando no atacado e discordando no varejo. Concordo com o que você disse acima. O mal, em síntese, está em todos nós que compomos a chamada sociedade.
Só que continuo insistindo. O governo Lula não deu um passo sequer para começar a melhorar a situação que você tão bem explica. Agora, não vou mais ser redundante. Já expus minhas convicções que podem tranquilamente ser contestadas. Mas, valeu a troca de informações.
Grande abraço.


marco lino on 17 agosto, 2010 at 16:21 #

Pois é Volney

qualquer que seja o próximo governo, se repetir os índices positivos da mobilidade social que se deu nos últimos oito anos… avançaremos.

Analisando o atual governo a partir do parabrisa, olhando para frente, para o país que desejamos e esperamos, de fato ele deixa muita coisa a desejar (algumas coisas eu diria que foram excelentes).

Entretanto, meu amigo, se vc olhar para o retrovisor e comparar com o outro…

Abração!


danilo on 17 agosto, 2010 at 23:14 #

você não toma jeito mesmo né, Marco Lino, o ombudsman do lullo-petismo. sempre manipulando a História pra beneficiar o chefinho.

quer dizer que tudo antes que aconteceu no Brasil foi ruim, né? e você quer dizer que foi Lulla que criou o Brasil em 2003, né? e que tudo de bom neste oaís foi feito por Lulla. e até a estabilização da moeda com o plano Real e que tanto beneficiou o governo de Lulla também foi obra de Lulla, né?

mas o assunto que venho tratar é outro.

se ligue, Volney. o Marco Lino ordenou [gentilmente] que eu abandonasse o debate porque a nossa contenda estava causando constrangimento aos nobres leitores deste ilustre espaço.

portanto, Volney, se plante, meu rei. abre o olho. porque se você ficar assim contrapondo o camarada Marco Lino, ele também vai te enxotar daqui e ordenar sua saída da mesa de debate.


Carmen on 17 agosto, 2010 at 23:26 #

Continuo acreditando e repetindo: A melhor coisa é o debate, a Democracia. Vamos continuar debatendo, amigos blogueiros.


Marco Lino on 18 agosto, 2010 at 0:05 #

Caríssimo camarada Danilo!!!

Vc entendeu errado, velho… ou me expressei mal…

Quis dizer que a discussão já estava esgotada e estávamos num círculo interminável, repetindo as mesmas coisas.

Não pedi, muito menos “ordenei”, que vc abandonasse debate algum. O tema é que ficou chato e irritadiço para algumas pessoas.

Vc é irônico, sarcástico, tem informação e é inteligente. Nem se o Blog fosse meu eu pediria isso a vc nem a ninguém. Pelo contrário, incitar-te-ia a participar mais pelos motivos expostos a cima. Vc daria audiência ao blog.

Aliás, o que mais me fascina nos blogs da vida é o bate-bola dos leitores/comentadores inteligentes, pois ali vc vê a penetração da notícia e a ressonância, o reverberar dela em certos setores da sociedade e o que eles estão pensando.

Vc é um desses, pode crer!

Agora, esse negócio de PT vs PSDB está por fora. E por mais que vc queira pôr a pecha em mim de cruzado lulista, estou fora disso. Claro que tenho minhas convicções quanto ao que seria ruim ou menos ruim para o Brasil. Defendo que o período do apedeuta foi melhor que o do doutor, e votarei assim.

Não manipulei a História, meu caro, foram o Jader Martins e o Volney…

Continue postando seus comentários irônicos e inteligentes, que continuarei dando meus pitacos. Não houve problema algum. Vc foi muito “sentimental” hehehe

De qualquer forma, perdoe-me!

Saudações, “camarada”!


Marco Lino on 18 agosto, 2010 at 0:06 #

Isso aí, Carmen.
Abraços!


Carlos Volney on 18 agosto, 2010 at 18:58 #

Caro Marco Lino, acho que voce deu uma “barbeirada”. Onde eu manipulei a história?
Sou contra o maniqueísmo e tento contrapor quando alguém acusa esquecendo de olhar para “o próprio umbigo”.
Em minha opinião, o PT rasgou sua carta de princípios, pratica corrupção e fisiologismo descaradamente da mesma maneira que os outros partidos a quem condenava.
Agora, acho que o tucanato não tem qualquer autoridade moral para condenar, a menos que faça o MEA CULPA. Creio, aliás, que já deixei bem clara minha posição quanto a isso. Lembre-se que minha participação nessa “briga” começou quando questionei Danilo.
De qualquer modo, obrigado e um abraço.


marco lino on 18 agosto, 2010 at 19:45 #

Amigo Volney!!!!

Acho que vou a São Joaquim providenciar umas folhas para tomar um banho…

Quanta confusão!

Meu caro, foi só uma ironia com o Danilo, pois este acha que quem fala mal do psdb “manipula a história”. Como vc e o Martins bateram muito forte, ironizei. Só isso.

No mais, não lembro ter livrado a cara de partido algum. Já disse que defendo pessoas que julgo corretas. Disse tb que nosso Congresso é uma lama. Escrevi aqui que o pt comprou apoio – como o psdb… Mas, não adianta falar. Paciência.

Sobre a política nossa, tem um trecho de uma música do Raul Seixas que diz o seguinte:

“A arapuca está armada
E não adianta de fora protestar
Quando se quer entrar
Num buraco de rato
De rato você tem que transar”

No poder, aqui do Brasil, pessoas mantêm-se limpas, partidos não.

Abraços


Carmen on 18 agosto, 2010 at 20:52 #

Maravilha queridos Marco Lino, Danilo e Volney. O debate está melhor, muito melhor, do que o horário eleitoral gratuito, que de gratuito não tem nada, é o nosso sagrado dinheirinho. Só tem superprodução, proposta a vera, nada.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos