jul
14
Posted on 14-07-2010
Filed Under (Newsletter) by vitor on 14-07-2010

==========================

Centenas de fãs, familiares e amigos da cantora cubana a Olga Guillot, considerada a Rainha do Bolero se despediram nesta quarata-feira da intérprete, que morreu segunda-feira em Miami, nos Estados Unidos, aos 87 anos.

Olga desparece depois de uma exitosa carreira artística, que lhe valeu 14 Discos de Ouro e 10 de Platina..

A legendaria cantora , que morreu de complicações cardíacas, recebeu no exílio uma sentida homenagem durante seu velorio, realizado hoje na Igreja St. Michael’s, no oesta da Pequena Havana, onde reside grande parte da comunidade cubana no exílio, ao sul do estado da Flórida..

“Minha mãe mostrou a fortaleza e dignidade que a caracterizaram a vida inteira..Seu legado artístico e patriótico viverá para sempre no coração de seu povo e todos os que a admiram no mundo”, disse hoje María Touzet Guillot, filha da artista.

Olga Guillot foi a primeira cantora latino-americana a se apresentar no Carnegie Hall de Nova York, em 1964. Nascida em Santiago de Cuba, no anos de 1923 , a cantora gravou canções que se tornaram clássicas como Tú Me Acostumbraste e Sabor a Mí.

Na década de 1950, era uma figura que não podia faltar na rádio e televisão cubana, segundo o jornal El Nuevo Herald.

Marco Ugarte/APNa década de 1950, era uma figura que não podia faltar na rádio e televisão .

Chamada de Rainha do Bolero, participou de 20 filmes. Aos 20 anos, cantou com Edith Piaf em Cannes e em 1961 abandonou Cuba depois da revolução de Fidel Castro. Morou na Venezuela e no México, onde passou boa parte de sua vida.

(Postado por Vitor Hugo Soares, com informações de agencias internacionais de notícias, emissores de rádio latinas e Estadão)

jul
14

Marina: ataque de surpresa

=========================

Deu no IG (Último Segundo)

A candidata do PV a presidente, Marina Silva, começou a mudar seu discurso de campanha. Agora há pouco, ao falar para sindicalistas da UGT, em São Paulo, a senadora elegeu como alvo o tucano José Serra.

Sem abandonar sua principal bandeira, o desenvolvimento sustentável, Marina dedicou menos tempo a este tema e deu prioridade a ataques ao PSDB. Em 30 minutos, a senadora atacou a ideia de Serra de criar o Ministério da Segurança, criticou o sistema de progressão continuada (a aprovação de alunos sem nota), marca da gestão Mário Covas na Educação e, de quebra, levantou a platéia ao dizer que esta eleição não é um embate entre currículos, principal mote da campanha de Serra.

Agradou em cheio.

jul
14
Posted on 14-07-2010
Filed Under (Artigos, Gilson) by vitor on 14-07-2010


=========================================

CRÔNICA/BATATINHA

A hora da razão

Gilson Nogueira

Vamos nessa, Batata, aproveita que você está aí em cima pertinho de Deus e manda um recado em forma de poesia para o Criador do Universo ajudar sua Associação Casa de Batatinha (Rua Gabriel Soares, 68, Aflitos, Salvador, Bahia ), através da iniciativa privada e governo, municipal, estadual e federal, com grana salvadora, visando impedir que o telhado da casa onde você nasceu caia na cabeça dos seus filhos que lutam para manter a “ Casa de Batatinha” aberta ao público e, desse modo, não deixar o seu nome se apagar na memória do povo.

Quem aprendeu a admirar sua obra musical, construída desde o dia 5 de agosto de 1924, quando você veio ao mundo e chorou um samba, nos braços de sua mamãe, sabe que você, poeta, que iria completar 86 anos, aqui, entre nós, está vivo na lembrança e admiração da gente brasileira. Quem sabe de samba o considera um dos grandes mestres da nossa música popular. Salve você, saudoso Oscar da Penha, sambista imortal, autor de mais de 100 composições dignas de aplausos celestiais, que, no dia 5 de agosto, vai receber, em hora oportuníssima, justa homenagem dos seus familiares, amigos e colegas, e de milhares de fãs, por sua obra monumental.

Não vou perder, amigo Batata ( lembra do prato de dobradinha que compartilhamos, felizes, com cerveja, em pleno calçadão do Porto da Barra, naquele verão dos anos 80?), a bela programação que está sendo bolada para o dia do seu aniversário. Anuncia-se que Nelson Rufino, Valmir Lima, Riachão, Claudete Macedo, Edil Pacheco e outros astros e estrelas do samba raiz da Bahia vão estar, lá, na sua “ Casa de Batatinha”, fazendo o tempo, a partir das oito horas da noite, parar para sua turma cantar e tocar samba feito parabéns a você nessa data querida. O sobrinho do Mano Cae, J. Velloso, que inteligentemente produziu o único CD gravado por você, com Paquito, Diplomacia, vai abrir o show dos seus 86 anos. Tudo em clima de intensa emoção e alegria, com seu DVD rodando, fazendo você espalhar seu olhar, seu sorriso, sua voz, seu jeito de anjo e diplomata, sem desespero, pelos ares da cidade.

No dia 3 de janeiro de 1997, aos 72 anos de idade, o inesquecível Batatinha foi morar no céu, deixando, atrás de si, além de suas canções memoráveis, o rastro luminoso dos gênios da música. Em tempo, Batata, se você encontrar Bethoven, aí, em cima, convide essa figura para tomar uma com a rapaziada, no próximo dia 5, no botequim em que irá se transformar a sede da Associação Casa de Batatinha, presidida por um dos seus filhos, o elegante Artur Emílio dos Santos Penha. Vai ser porreta, meu rei!

Gilson Nogueira é jornalista

jul
14
Posted on 14-07-2010
Filed Under (Newsletter) by vitor on 14-07-2010

Deu na coluna EM TEMPO, assinada pelo jornalista Alex Ferraz na Tribuna da Bahia:

=========================================

Do futebol ao futebol, muito fútil

Engana-se quem pensava que, depois da Copa do Mundo que teve um Brasil enxotado – com conivência visível dos jogadores e técnico, diga-se de passagem -, de Maradona decepcionado e Espanha estreando como campeã, ficaríamos livres por um breve intervalo do assunto Copa, a fim de que coisas realmente sérias para o País e seu povo fossem tratadas. Nananinha! O fato de sediarmos a próxima Copa não nos dá fôlego. Na televisão e nos jornais, o assunto agora é a Copa de 2014. Quem será o técnico, como será a Seleção, que estádios estarão prontos, quantos aeroportos serão reformados, quanto Ricardo Teixeira vai embolsar (êpa, errei, isso não se discute!) etc.etc.
Pois é. Os programas esportivos continuarão batendo recordes de audiência, salvo uma concorrência forte da criminalidade, e, como sempre, em bares, restaurantes, residências, hospitais, delegacias, repartições em geral, todos conversarão alto e bom som durante o noticiário de política, arte, serviços etc., e se calarão, atentos e sisudos, para saber quem matou quem e, principalmente, como será a Copa de 2014.
Afinal de contas, quem precisa discutir sobre hospitais que não atendem pacientes, colégios que não ensinam, salários que não remuneram e candidatos a isto ou aquilo?
Somos, mais do que nunca, e até o fim da Copa de 2014, o país do futebol, mesmo sendo óbvio que futebol sério (se é que é possível usar esse termo) só existe em São Paulo, porque no resto do país, principalmente nestes Norte e Nordeste pelo visto amaldiçoados, vivemos uma piada à qual a mídia insiste em chamar de futebol, de disputa, disso e daquilo. E vamos em frente, galera!


======================================
“O insuperável Batatinha, em Imitação da Vida, simplesmente genial”, diz o jornalista Gilson Nogueira no e-mail em que sugere ao editor o samba maravilhoso com todo o sabor doce-amargo das composições do saudoso Batata.

Vai especialmente para a jornalista Rosane Santana, querida e competente colaboradora , amiga de verdade deste site blog, que ela ajudou a criar e a fazer florescer.

Atualmente participando do Projeto Eleições 2010, do portal Terra, sob o comando de Bob Fernandes, em Sampa, Ro passa o 14 de Julho em Salvador, a cidade que ela ama com arroubos próprios de seu jeito apaixonado e polêmico , que não abre mão da crítica por maior que seja a paixão.

Parabéns para Rosane e todo sucesso e felicidade que ela merece.

(Vitor Hugo Soares, editor, e equipe do BP)

jul
14

JB: perto do fim

=========================================
Deu no Comunique-se (Portal especializado em notícias de bastidores da imprensa)

Izabela Vasconcelos

Os repórteres do Jornal do Brasil criticam a falta de informação da empresa sobre o fim da edição impressa do veículo. Os jornalistas dizem que só ficaram sabendo do encerramento da publicação por meio de notícias divulgadas em outros veículos. Os profissionais preferiram não se identificar, e aguardam um comunicado na intranet da empresa ou que a informação seja dada pessoalmente por alguém da direção.

De acordo com duas fontes, o clima na Redação é relativamente normal, e os jornalistas estão tentando manter o profissionalismo, já que a informação de que a empresa investirá apenas na edição online ainda não foi dada internamente.

Uma das fontes negou a informação divulgada pelo O Globo de que dois funcionários teriam passado mal com a notícia. “É compreensível que isso aconteça, mas ainda não aconteceu nada do tipo”.

Para outra jornalista, que diz que os repórteres trabalham normalmente, o clima não tem sido bom. “Pra mim, particularmente, o clima não está bom porque tenho um apego muito grande ao jornal”, lamentou.

Outro repórter confirmou que o último salário dos profissionais estaria atrasado. “Na sexta-feira (09/07) recebemos apenas R$ 800,00 do pagamento de junho e ainda não há previsão de quando devemos receber o restante”, explicou.

Sindicato deve acompanhar situação
O vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro, Rogério Marques Gomes, disse que atrasos salariais no Jornal do Brasil eram constantes, mas que depois a empresa regularizava a situação com os funcionários. Para Gomes, o problema é outro. “A maior irregularidade do JB é a contratação de um grande número de jornalistas como Pessoa Jurídica (PJ)”.

Gomes lamentou a situação e disse que o sindicato está de “luto” pela decisão de Nelson Tanure, que anunciou a intenção de manter apenas a versão online do jornal. “Posso dizer que estamos de luto. É uma situação lamentável. Isso é péssimo para a democracia, porque o Rio de Janeiro fica numa situação de transmitir praticamente uma opinião só, a do grupo Globo”, destacou.

O dirigente afirmou que pretende se reunir com os demais membros da diretoria do sindicato para discutir os passos que devem ser tomados a partir de agora. “Estamos pensando em fazer alguma coisa para que essa decisão não se concretize, o que parece difícil, mas perder o JB é perder uma parte da história do Brasil”.

Caso o anúncio de Tanure se concretize, a entidade pretende acompanhar a situação dos jornalistas de perto. “Vamos acompanhar rigorosamente de perto, pra que não aconteça o que aconteceu com a TV Manchete”, enfatizou.

  • Arquivos

  • julho 2010
    S T Q Q S S D
    « jun   ago »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031