jul
02
Postado em 02-07-2010
Arquivado em (Artigos, Eventuais) por vitor em 02-07-2010 16:21

Julio Cesar: vergonha do goleiro

=================================
DEU NO TERRA

Bob Fernandes
Direto de Port Elizabeth

Mais do que nunca, uma torcida multinacional para a Seleção Brasileira. Da Europa, Ásia, Américas, África, em especial África do Sul, quem ficou pelo caminho escolhe outro para torcer. À entrada do estádio, gente de todas as cores e línguas com camisetas, bonés, chapéus, lenços ou bandeiras do Brasil.

E, recordemos, os sul-africanos têm motivos históricos, contas a acertar com os antigos colonizadores, os holandeses.

Felipe Melo de volta ao time, que já se aqueceu e voltou aos vestiários. Pintaram o gramado, que é irregular, ruim.

Dia lindo, tarde de sol e 24 graus, mais um belo estádio – e futuro elefante branco – o Nelson Mandela Bay de Port Elizabeth. As torcidas fazem festa. Na bancada da mídia, tensão.

A Seleção, hoje de camisas azuis, no túnel de acesso. Dunga, gripado, já no banco, repetindo o casacão Herchcovitch. A câmera no rosto do técnico, que expira, não há como esconder a ansiedade, a tensão.

Ao contrário de outras partidas, não há sorrisos no túnel de acesso, salvo quando Boulahrouz se aproxima, abraça Luis Fabiano e Daniel Alves.

Robben, o astro holandês, passa a mão esquerda nos lábios e a câmera flagra: um esparadrapo no anular… e os dedos estão tremendo.

Lúcio lê mensagem da FIFA contra o racismo e, por conta própria, em inglês, acrescenta um “Deus te abençoe”:
– God Bless you.

Bola rolando.

Van Bommel encrenca com Luis Fabiano, que reage, aos 2’. Robben encena. Empurra-empurra aos 3’. A Holanda encena a cada chegada do Brasil. O juiz é japonês, Nishimura.

Gol aos 7’. O bandeira marca impedimento de Daniel Alves, meia perna, antes de Robinho fazer o gol.

Lançamento sensacional de Felipe, que levanta a cabeça, vê Robinho se deslocando por trás da zaga e joga a Jabulani no vazio. Diante de Stekelenburg, Robinho executa, com um toque de pé direito faz um a zero aos 9’.

Galvão Bueno, nosso Himalaia de convicções, opina:
– Em 94, Bebeto e Romário fizeram gols de contra-ataque. E assim o jogo se abriu… me impressionou a batida do Robinho, de primeira, nem precisou ajeitar…

Aos 22?, Galvão engasga e fica rouco. Quiçá, a praga viral, via web. Galvão calado por alguns segundos. A voz quase não sai. Arnaldo e Casagrande comentam enquanto o narrador tenta se recuperar.

Aos 15’, Lúcio brinca, comete o erro que vem ensaiando em toda sua, grande, Copa, e dá um presente.

Lúcio lança Kaká, mal, Michel Bastos, na esquerda, se queixa.

Robben encena de novo, o juiz marca. Dunga enlouquece diante do banco e do juiz, e encena a loucura.

Daniel toca aos 24 e Juan quase faz o segundo.

Robinho enrosca, dribla, ginga, dribla de novo e toca para Kaká. A Jabulani ia no ângulo esquerdo, em curva para dentro, mas Stekelenburg vai buscá-la com ponta dos dedos. Quase um golaço de Kaká.

Escanteio migué de Robben, que dá um toque mínimo e deixa a bola no lugar, para ninguém perceber uma jogada ensaiada, mas Daniel Alves se toca e estraga a surpresa holandesa.

Falta. Julio Cesar defende. E beija a Jabulani.

O juiz, depois de ter avisado, amarela Michel Bastos.

O quarto árbitro chega em Dunga, que havia acabado de sapatear e espernear novamente, contra Nishimura. Juiz japonês para um jogo pegado e catimbado como esse? Encrenca garantida.

Contra-ataque, Daniel rola para Maicon, final de jogada que lembra o gol de Carlos Alberto Torres em 70, o quarto contra a Itália. Maicon bate, o goleiro trisca na bola, o bandeira não dá o escanteio.

Dunga esperneia, soca a própria mão, esbofeteia a lateral do banco de reservas.

Júnior, ex-lateral esquerdo da Seleção, analisa:
– Essa zaga é uma mãe, Galvão, já era pra esse jogo estar decidido.

Arnaldo Cezar Coelho se penitencia:
– Parece jogo de Libertadores… quebrei a cara, disse que seria jogo fácil (pra arbitragem).

Fim do primeiro ato.

De novo lembram 70. Felipe Melo, como Clodoaldo no gol da Itália, inventa um calcanhar a 1’ do segundo tempo. Por sorte, a zaga do Brasil atenta.

Michel faz falta em Robben, que encena. Jorginho fala algo com Dunga. Ou trocam Michel Bastos ou será expulso.

Cruzamento de Sneijder. Julio Cesar e Felipe Melo trombam no ar, aos 8’. Gol da Holanda.

Outro dramático Brasil x Holanda.

Kaká, aos 19’, mata no peito e bate. Raspando a trave.

O Brasil sentiu o primeiro gol, não se encontra mais em campo. Escanteio, Kuyt se antecipa a Luis Fabiano e trisca, Sneijder, sem que Felipe Melo encoste, faz o segundo.

Felipe Melo, aos 28’, encarna o papel de vilão, por tantos desenhado para ele na Copa. Faz falta em Robben, pisa no holandês que está no chão. É expulso.

O Brasil mais que perdido, desarvorado em campo. A Copa começa a ficar distante. A multinacional torcida silencia, os holandeses festejam.

Faltam 11’. Falta para a Holanda. Van Persie. Na arquibancada.

Nilmar entrou, saiu Luis Fabiano.

Agora, a se cumprir a tradição verde-amarela, caça aos culpados, como em 2006, quando o eleito foi Roberto Carlos.

Galvão Bueno dá o tom:
– Felipe Melo, expulsão já prevista.

Tô fora dessa. Copa se ganha e se perde. Ponto.

Ronaldo, El Gordo, no twitter:
– Felipe Melo não deve passar férias no Brasil.

Absolutamente dispensável o comentário, justo ele que já viveu a boataria e perseguição depois da final em 1998.

Juan e Julio Cesar se desentendem, descontrole total. O Brasil entregue, sem capacidade alguma de reação, os jogadores já sabem que estão fora da Copa, desistem da luta. A Holanda não faz o terceiro porque não força, porque brinca diante de Julio Cesar.

Fim do segundo ato.

Jorginho de cabeça baixa. Dunga não espera seus comandados, desce para os vestiários. Lágrimas nas arquibancadas, irritação da bancada de imprensa.

A Seleção jogou um ótimo primeiro tempo, mas não matou o jogo quando poderia ter matado. Com o gol de empate, viu-se aquilo que Marwijk, o técnico holandês, classificou como “arrogância positiva” da equipe brasileira. Eles, os jogadores verde-amarelos, não esperam, não estão preparados para a derrota, nem mesmo para o anúncio da derrota. Com o gol de empate, se perderam.

Fim da Copa. Hora de lágrimas, e da triste tradição de caça aos culpados.

Hora de voltar para casa.

Be Sociable, Share!

Comentários

Mariana Soares on 2 julho, 2010 at 17:36 #

Belíssimo texto, Bob! Pena que a realidade nos entristeça tanto e, pior, nos tire a esperança e a alegria.
É issso aí, na próxima copa, em vez de técnico, que se leve uma equipe de terapeutas e psicólogos, ou que se exija vergonha na cara e espírito de luta dos jogadores da seleção.
Só uma pergunta: quanto será que Galvão Bueno ganha para a todo instante gritar o nome do “santinho” do Kaka, que nada fez pela seleção, além de ganhar um salário de 10 milhões de euros por ano????


Marco Lino on 2 julho, 2010 at 18:48 #

Santinho do pau oco, diria minha mãe!


Olivia on 2 julho, 2010 at 19:13 #

O pior é que essa turba não volta nem para o Brasil, para as merecidas vais, vão direto para a Europa, eles só pensam em cifrão…acabou o amor. Agora sou Argentina, os caras lutam bravamente, sempre. Quanto ao Galvão…não merece nem um comentário…e o Kaka, muito menos, o evangélico é uma fraude.


Olivia on 2 julho, 2010 at 19:15 #

Corrigindo:MERECIDAS VAIAS


Graça Azevedo on 2 julho, 2010 at 22:35 #

O texto de Bob é um primor. Pobre de quem não sabe enfrentar derrotas.
Olivia querida, só discordo da torcida prá Argentina. “Dieguto” com sua vaidade e prepotência não merece vitórias. Além do mais um atleta que se droga não é exemplo para o esporte.


Olivia on 3 julho, 2010 at 13:33 #

Olá querida Gal, já de volta a boa terra ? Sou Argentina, latina… e não me engano… Uma pena a derrota para a gélida equipe alemã. Os caras não sabem nem festejar, não se tocam. Os argentinos lutaram os noventa minutos, com muito amor e orgulho. Gosto do Maradona, sempre gostei.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • julho 2010
    S T Q Q S S D
    « jun   ago »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031