jun
30
Postado em 30-06-2010
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 30-06-2010 15:14

Indio, o vice: juventude influiu

==============================================

============================================================

O DEM e PSDB acabam de decidir nesta quarta-feira, 30, o nome do deputado Índio da Costa (DEM-RJ) como vice do tucano José Serra na disputa presidencial.

Entre os pontos que levaram a escolha do deputado está o fato de ele ter sido o relator do projeto do Ficha Limpa. Também foi levado em conta o fato de ser do Rio de Janeiro, terceiro maior colégio eleitoral do país, e ser jovem.
(Informações do UOL)

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 30 junho, 2010 at 15:46 #

Pior não poderia ser

Quem não acompanhou os analistas de plantão, sempre com “exaustas” laudas e “soberbas” certezas, tem agora o direito de igualar-se, aos pobres leitores desses sábios jornalistas, na surpresa quanto ao escolhido, afinal, o tal Indio nunca foi citado pelos experimentados cronistas.

Melhor ainda, é ver a preoucpação com eleitorado do Rio tornar-se motivo para a entrada de Indio, afinal, ao que parece, Serra já desistiu de “comover” o Nordeste.

Pelo visto, a eleição já está decidida, duro será conviver com Dilma, e seu estilo “ordem unida”, que parece ser o único traço que herdou de seus tempos de guerrilha.


ISA on 30 junho, 2010 at 16:10 #

Achei inteligente a estratégia do Serra na sua conciliação. O jovem parlamentar não tem nenhum problema de honestidade e com potencial para se consagrar como nova liderança. Torço pelo Serra que é o melhor dos candidatos, o estadista que este País merece


luiz alfredo motta fontana on 30 junho, 2010 at 16:24 #

Vida que segue:

Aqui as primeiras repercussões no Blog do Fernando Rodrigues.

________________________________

Governistas já começam ataques a Índio da Costa

Em seu blog, o deputado federal Brizola Neto (PDT-RJ) acaba de postar uma notícia que não vai agradar à direção do PSDB. Trata-se de uma acusação contra o recém-escolhido candidato a vice-presidente na chapa de José Serra, o deputado federal Índio da Costa (DEM):

Eis o que escreveu Brizola Neto:

“Ele foi um dos alvos da CPI na Câmara dos Vereadores que investigou superfaturamento e má-qualidade nos alimentos comprados para a merenda escolar, quasndo eu ainda era vereador. A CPI foi pedida pelo meu amigo e deputado Edson santos (PT) e relatada pela – atenção – vereadora tucana Andrea Gouvêa Vieira”.

Em seguida, Brizola Neto transcreve o que diz ser um trecho de um texto de uma página da tucana Gouvêa Vieira na internet:

“O relatório de Andrea concluiu que a licitação para a compra de gêneros alimentícios para a merenda, entre julho de 2005 e junho de 2006, realizada pela Secretaria Municipal de Administração e pela Secretaria Municipal de Educação, no valor de R$ 75.204.984,02, causaram prejuízo aos cofres públicos. 99% do fornecimento ficaram concentrados numa única empresa, a Comercial Milano, que apresentou uma engenhosa combinação de preços em suas propostas. A licitação ocorreu num único dia, mas foi dividida 10 coordenadorias de educação (CREs). O “curioso” foi que esta empresa ofertou preços diferentes para o mesmo alimento. O preço do frango da proposta da Milano, por exemplo, para Santa Cruz, era cerca de 30 % mais caro do que o preço ofertado para Campo Grande. Detalhe: em Santa Cruz a Milano não teve concorrentes e em Campo Grande sim. Como ela soube da falta de concorrentes, um mistério. E a Prefeitura aceitou isso! Pagou à mesma empresa, pela mesma mercadoria, preços muito diferentes. Essa foi a característica geral dessa licitação: uma combinação de preços que otimizaram os ganhos de uma única empresa fornecedora em prejuízo dos cofres públicos.

Na primeira parte do relatório, a CPI concluiu que o então Secretário de Administração, Índio da Costa, deveria ter cancelado a licitação porque as regras do edital levaram a um resultado que contrariou o objetivo inicial de atrair dezenas de pequenos comerciantes locais a vender para as escolas dos bairros, descentralizando o fornecimento, e pelo melhor preço. Ao contrário, a licitação acabou por provocar a maior concentração de entrega de gêneros alimentícios na história da merenda escolar.

Como evidência incontestável do prejuízo aos cofres públicos, o relatório revelou que o pregão presencial adotado depois da instalação da CPI pelo
sucessor do Secretário Índio, um ano depois, possibilitou uma economia de cerca de R$ 11 milhões na compra da mesma merenda escolar.

Durante o processo licitatório, segundo o relatório da CPI, foram identificadas diversas irregularidades no registro das atas das reuniões de entrega, abertura e verificação de documentos. Chamou a atenção o fato de a empresa Milano ter sido a única a ter acesso aos documentos das empresas concorrentes ainda durante o período em que a Comissão de Licitação analisava a documentação dia 23 de março de 2005, enquanto os pedidos de vista das demais só ocorreram após o dia 31 do mesmo mês, quando já havia sido anunciado o julgamento dos documentos.

Uma das empresas eliminadas – a única que conseguiu na Justiça liminar para que a Secretaria de Administração não destruísse sua proposta de preços – mostrou, quase um ano depois, quando a Justiça obrigou a abertura do envelope, que se não tivesse sido desabilitada, teria vencido a Milano em vários quesitos, com condições mais vantajosas para o Município”.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • junho 2010
    S T Q Q S S D
    « maio   jul »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930