jun
23
Postado em 23-06-2010
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 23-06-2010 10:52

Retrato da destruição/DN

===========================================
DEU NO DIÁRIO DE NOTÍCIAS (PORTUGAL)

POR SUZANA SALVADOR (HOJE)

Pelo menos 41 pessoas morreram por causa das inundações em Alagoas e Pernabuco. Chuvas vão continuar.

Uns comparam a destruição à do tsunami no Sudeste Asiático, em 2004, outros ao sismo do Haiti, em Janeiro deste ano. As cheias nos estados brasileiros de Alagoas e de Pernambuco deixaram cidades arrasadas e um balanço provisório de 41 mortos. Há ainda mais de 600 desaparecidos e 150 mil desalojados. Os sobreviventes não têm o que comer: “Tá uma fome que só Deus sabe”, desabafou Anamara da Silva, aposentada de 65 anos, ao jornal a Folha de S. Paulo.

A chuva começou a cair na sexta-feira e, de um momento para o outro, houve cidades que ficaram debaixo de água. Em União dos Palmares e Branquinha, em Alagoas, o rio Mundaú subiu pelo menos cinco metros depois de uma barragem ter cedido sob a pressão das águas. Apesar do tempo ter melhorado no fim-de-semana, a chuva regressou ontem e deve continuar nos próximos dias. As autoridades deixam o alerta, lembrando que os solos saturados não devem aguentar mais água e que são esperadas novas cheias.

“Sempre teve enchente, mas sempre a água baixava logo, não cobria as casas. Só que dessa vez só deu tempo de sair com a roupa. Foi rápido demais, perdemos tudo”, afirmou José Izidoro, de União dos Palmares – onde há pelo menos 500 desaparecidos. “Só não foi pior porque foi de dia. Se fosse à noite e não víssemos a água, teriam morrido milhares”, acrescentou José Amauri, que viu a sua oficina ficar destruída.

“Tem cidades em que dá a impressão de que soltaram uma bomba atômica. A cidade inteira foi ao chão”, desabafou o governador de Alagoas. Teotônio Vilela Filho foi ainda o responsável pela comparação com o sismo: “É uma coisa parecida com o que aconteceu no Haiti, só que em proporções localizadas porque foi nos municípios que margeiam os rios Paraíba e Mundaú.” Para agravar a situação, o governador lembra que mais de metade da população do seu estado vive na pobreza.

O presidente brasileiro, Lula da Silva, disse que a situação exige um “esforço de guerra” e mobilizou as Forças Armadas. Além disso, enviou os seus ministros avaliarem os estragos, anunciando a disponibilização de uma verba de 150 milhões de reais (quase 70 milhões de euros) para a recuperação da região.

Foram ainda enviadas mais de 15 mil “cestas básicas” , com alimentos, sendo outra das preocupações o fornecimento de água – e de electricidade. Em Pernambuco, uma mulher contou à Folha de S. Paulo que mesmo quem tem dinheiro não consegue comprar nada. Num local, onde antes os garrafões de água eram vendidos a 3,50 reais (1,60 euros), custam agora 20 reais (mais de nove euros). Em várias zonas, por causa da destruição de pontes e do corte de estradas, os bens só podem chegar aos mais necessitados por ar.

As autoridades apelam à doação de bens para ajudar os 73 mil desalojados em Alagoas, onde o número de mortos chega aos 29, e as 42 mil pessoas que tiveram de fugir de casa em Pernambuco, onde pelo menos seis mil casas foram totalmente destruídas e há registo de 12 vítimas mortais.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • junho 2010
    S T Q Q S S D
    « maio   jul »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930