abr
20

Wagner:”nome com peso político-eleitoral”

===========================================
Deu na revista digital Terra Magazine

Claudio Leal

Depois do recuo do senador César Borges (PR), ex-afilhado político de ACM cooptado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), os petistas podem sair fortalecidos na chapa do governador da Bahia, Jaques Wagner (PT).

A frente governista conta com três nomes consolidados, mas não totalmente imunes a ajustes: além de Wagner, candidato à reeleição, Otto Alencar (PP) deve ocupar a vice e a deputada federal Lídice da Matta (PSB), uma das vagas do Senado. Com a desistência do PR, a executiva do PT recebeu o aval para discutir a candidatura própria ao segundo posto de senador.

Nesta segunda-feira, 19, os petistas se reuniram em Salvador para iniciar os debates internos. Do Palácio de Ondina, há a recomendação de que o nome tenha “peso político-eleitoral” e não seja garimpado somente no PT. Nos bastidores, os petistas recobraram a “autonomia” e pretendem definir-se por um dos três pré-candidatos apresentados ontem: o ex-ministro da Defesa Waldir Pires e os ex-deputados federais Walter Pinheiro e Nelson Pelegrino. Aliado do governador, o deputado estadual Marcelo Nilo (PDT) é um dos cotados.

O presidente estadual do PT, Jonas Paulo, defende uma escolha consensual, sem a realização de prévias. Ainda que se mantenha em relativa reserva, este também é o desejo de Wagner, sabedor dos ânimos conflituosos das correntes internas do partido.

Por ora, a escalação das tendências: a Democracia Socialista e a Reencantar querem Pinheiro; a EDP (Esquerda Democrática Popular), Pelegrino; a CNB (Construindo um Novo Brasil), Waldir Pires, também apoiado por lideranças representativas do PT, como Emiliano José, Zezéu Ribeiro, Geraldo Simões e Joseph Bandeira.

“O partido me designou para conversar com os aliados sobre a complementação da chapa. Wagner tem a tendência de definir o vice e colocou o partido para conduzir as conversas sobre o Senado. Ele não fez um pedido pessoal, não apoiou previamente um nome”, diz o presidente regional, Jonas Paulo. Na próxima segunda-feira, a executiva deve reunir-se outra vez. O PSB e o PCdoB integram as articulações.

Os debates consomem as noites dos petistas, mas, por antecipação, aceita-se que Jaques Wagner defina seus companheiros de chapa. Os defensores da candidatura Waldir Pires o apontam como o único candidato “suprapartidário” (isto é, acatado pelos demais aliados e com manancial de votos de ex-governador), mas Pelegrino e Pinheiro têm forte liderança na militância petista.

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 20 Abril, 2010 at 18:12 #

Quando a simpatia pessoal “faz das suas” e “embola o texto”.

O brilhante articulista Ivan de Carvalho tramita, com a facilidade de sempre, pelas angústias “Wagnerianas”, e o faz com estilo e charme.

Entretanto, no penúltimo parágrafo, não resiste, e fraternamente atende ao reclamo de sua simpatia, talvez ainda tocado pela péssima idéia de fazer da eleição de um senador a homenagem a quem já colheu homengens e mimos em excesso, quer do povo baiano, quer do governo petista, que acolheu esse migrante do PDT de Brizola, o eterno candidato Waldir Píres.

Esquece o articulista que em seu artigo anterior, denominado “Turbulência no PT”, com acuidade afirmou:
“Há, não se pode esquecer, um grupo petista, ainda que minoritário, insistindo em que Waldir Pires deve ser candidato a senador.”

E, talvez para evitar o adjetivo minoritário, que certamente desgosta o velho político Píres, resolve pintar com umacréscimo inexistente nas outras possibilidades petistas:

“Waldir Pires, também apoiado por lideranças representativas do PT, como Emiliano José, Zezéu Ribeiro, Geraldo Simões e Joseph Bandeira.”

Assim, ao nomear, um a um, o pequeno séquito, dá impressão, ao menos no artigo, de que uma multidão acompanha Waldir, ao contrário de seus concorrentes brindados apenas pela lembrança dos nomes de tendências.

Mimou o fraterno, e trincou o raciocínio, o que pode parecer normal e humano, mas difere de jornalismo e relato do real.


luiz alfredo motta fontana on 20 Abril, 2010 at 18:15 #

Wagner, quem diria, reconhece a tibieza das colunas Wagnerianas, acusando e apliando o golpe sofrido pelo abandono sem aviso-prévio de César, o Borges.

O forró Geddeliano anima-se.


Claudio on 20 Abril, 2010 at 18:50 #

Caro Fontana,

Como você jamais se aprofundou sobre a política baiana, apesar de comentá-la profusamente neste blog, apenas ressalto que Waldir Pires não possui tendência no PT. Optou por isso desde que se filiou, há mais de dez anos. Portanto, é importante ressaltar, na reportagem, os nomes que o apoiam (e, sim, têm expressão política). Sua leitura tendenciosa fez suprimir o complemento da frase: “mas Pelegrino e Pinheiro têm forte liderança na militância petista.” Seja um citador mais correto e jornalístico. Deixe a poesia para outros comentários.

grande abraço,
Claudio.


luiz alfredo motta fontana on 20 Abril, 2010 at 19:39 #

Caro Cláudio

Desculpe se meu comentar “profuso” cause espanto.

Quanto,ao resto, e sobretudo a “homenagem”, ou o “resgate” de Waldir, mantenho o meu olhar, que nesse caso pode até ser prosáico, mas não poético.

Lembrando, contudo, que meu comentário diz respeito ao peculiar uso de complemento diverso em rol de semelhantes.

São Saussere que me acuda!

E por falar em poesia:

Você é mais um dos que acreditam ser ela, a poesia, incompatível com a compreensão da realidade?


luiz alfredo motta fontana on 20 Abril, 2010 at 19:47 #

Em tempo

Percebo agora com a intervenção de Cláudio, que Ivan de Carvalho não foi autor deste artigo.

Penitencio-me com ele, e continuo utilizando a frase:

“Há, não se pode esquecer, um grupo petista, ainda que minoritário, insistindo em que Waldir Pires deve ser candidato a senador.”

Ao mesmo tempo agradeço, ao acaso e ao engano, serviu para Cláudio demonstrar seu leve estranhar no trato com poetas.

Como pode perceber, jamais serei um bom citador, até pelo fato de ainda ousar pensar, e até mesmo errar, por conta própria.


Claudio on 20 Abril, 2010 at 23:55 #

Fontana,

Deixe de bobagem. Eu adoro poetas. Foi só uma provocação. Você não gosta delas?

abraços,
Claudio.


luiz alfredo motta fontana on 21 Abril, 2010 at 4:21 #

Cláudio

Abraços!

Adoro provocações!

E salve a Bahia, especialmente a “Em Pauta”!


danilo on 21 Abril, 2010 at 16:57 #

João Durval e Waldir Pires. A juventude baiana representada no Semado Federal


Braga on 21 Abril, 2010 at 19:02 #

GENTE BOBAGEM A PARTE, TEMOS QUE ELEGER SENADORES E DEPUTADOS COMBATITVOS…OLHEM PARA PERNAMBUCO, ELES TEM MENOS DA METADE DE DEPUTADOS FEDERAIS QUE NÓS BAIANO, E O QUE ELES CONSEGUIRAM: REFINARIA, CANAL DO SERTÃO, TRANSPOSIÇÃO, FERROVIA, PORTO DE SUAPE, ESTALEIRO, VÁRIAS UNIVERSIDADES FEDERAIS FORAM CRIADAS NO INTERIOR DO ESTADO (4), BOAS ESTRADAS (NÃO EXISTE ESTRADA RUIM NO ESTADO)….ENTÃO FORA OS DEPUTADOS E SENADORES BAIANOS DESSA LEGISLATURA…VAMOS VOTAR EM OUTROS PELO BEM DA BAHIA E DO SEU POVO…


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos