abr
11

Morro do Bumba, Niteroi: “então vem a chuva”

=============================================
CRÔNICA/TEMPO

OCEANOS E LÁGRIMAS

(UMA ORAÇÃO PRA QUEM NÃO SABE REZAR)

Diogo Tavares

Água é vida. É dela que vieram todos os seres vivos, começando com aqueles seres mononucleares de nossas aulas de biologia. É ela que representa mais de 70% do corpo humano. É por ela que o sertanejo reza olhando pra lavoura. Não, não se trata de água este texto. Nem de agricultura. Ou de seca. Se trata de vida e da perda dela. Há muito tempo escrevi um poema baseado num fato real, numa notícia de jornal, em que uma criança nordestina de cinco anos, diante de algo que nunca tinha visto na vida, pergunta:

“Mainha, o céu tá furado?”

Sim, era chuva. A chuva que lava calçadas e leva esperança ao sertão também revela os piores traços de nossa injustiça social.

Por mais surreal que pareça, vamos viajar no tempo e ver uma montanha de lixo, um lugar insalubre e utilizado como solução pelo imediatismo dos gestores públicos. Não, não um aterro sanitário como algumas emissoras de TV noticiaram, mas um imenso lixão, com detritos de toda espécie disputados por badameiros e urubus. E então este mesmo lixão é deixado de lado e esquecido, sendo ocupado depois por barracos, casebres e construções. Gente sem terra pra chamar de sua, transformando em chão a montanha de detritos. Depois, gente que comprou pelo que podia pagar um canto pra morar. E o chorume que brotava, e o mau cheiro que exalava, tudo compensava o preço a pagar por ter o mínimo nesse mundo de tanta gente sem nada.

Então vem a chuva e a água não negocia, não faz barganha, não poupa ninguém em seu caminho morro abaixo. Revira a terra, revela o podre, derruba aquilo que se construiu sobre a omissão, a ganância e a exploração do homem pelo homem. Transforma a morada transitória em morada final e segue alimentando oceanos e lágrimas.

Sim, porque oceanos e lágrimas são feitos praticamente da mesma matéria. Como são feitas das mesmas matérias nossas mazelas – e essa matéria não é água. Interditam-se casas, mudam-se famílias, fazem-se promessas que um dia ficarão submersas na lembrança como lixões que viram loteamentos. Mortos e vivos descansarão, em completo desrespeito à natureza e à vida. Os segundos levarão mais tempo do que os primeiros para saber que nós, seres humanos, também somos todos feitos da mesma matéria.

Diogo Tavares é jornalista e escritor

O acidente com o avião presidencial da Polônia não foi causado por um problema técnico, segundo revelaram neste domingo as autoridades russas que investigam o caso, face às conclusões da análise das caixas negras do aparelho.

A Polónia foi abalada, no sábado, com o drama da queda de um avião Tupolev-154, perto de Smolensk, que provocou a morte dos seus 96 ocupantes, entre os quais se encontravam o presidente polaco Lech Kaczynsk, a sua esposa, e vários altos responsáveis do Estado polaco.

O portal português TSF assinala: os peritos russos e polacos iniciaram uma ação conjunta de investigação, num laboratório em Moscou, onde analisaram as duas caixas negras do avião encontradas no local da catástrofe.

Enquanto Varsóvia manteve o silêncio sobre a sua percepção das causas do acidente, os russos declararam, este domingo, excluir a existência de qualquer problema técnico com o avião, colocando de novo em causa a ação dos pilotos polacos.

«O registo que temos à nossa disposição confirma que não houve problemas técnicos com o avião», afirmou o chefe da comissão de inquérito russa Alexandre Bastrykine.

«O piloto foi informado das condições meteorológicas complicadas, mas não tomou a decisão de aterrar», explicou o investigador.

Os polacos pararam hoje ao meio-dia local para dois minutos de silêncio em homenagem às 96 vítimas do acidente de avião que sábado matou o presidente Lech Kaczynski, na Rússia.O país, que perdeu simultaneamente o presidente e numerosos altos dirigentes militares e políticos, iniciou hoje uma semana de luto nacional.

(Com informações do portal TSF, de Portugal)


==================================================
FEIO NÃO É BONITO
De Carlos Lyra e Gianfranceso Guarnieri, Feio Não é Bonito, porque tristeza é só o que se tem pra contar. ( Garimpo e sugestão de Gilson Nogueira)

Salve as belezas desse meu Brasil
Com seu passado e tradição
E salve o morro cheio de glória
Com as escolas que falam no samba
Da sua história
Feio, não é bonito
O morro existe
Mas pede pra se acabar
Canta, mas canta triste
Porque tristeza
E só o que se tem pra contar
Chora, mas chora rindo
Porque é valente
E nunca se deixa quebrar
Ah, ama, o morro ama
Um amor aflito, um amor bonito
Que pede outra história

abr
11
Posted on 11-04-2010
Filed Under (Newsletter) by vitor on 11-04-2010

Lula, Dilma e Geddel:palanque da vida

============================================
Bahia em Pauta publica em seu espaço principal de notícia e opinião, a nota de Luiz Fontana, do Blogbar, postada mais cedo neste domingo na área de comentários deste site blog baiano de olho no mundo, a propósito de matéria sobre aos bastidores da sucessão baiana. BP agradece mais uma vez ao atento editor do indispensável Blogbar do Fontana. Confira.

=============================================

E por falar em Geddel

Janio de Freitas “premia” Geddel em seu artigo de hoje na Folha de S. Paulo que aborda a agressividade de Lula nos palanques da vida.

Aqui a transcrição da parte referente ao “diligente” político baiano:

________________________________

“O insulto de Lula aos ministros do Tribunal de Contas da União, acusados de “leviandade” por concluírem que Geddel Vieira Lima destinou à Bahia 65% das verbas de prevenção a calamidades, revela a responsabilidade maior do próprio Lula, no caso.
Seu nomeado para o rico Ministério da Integração Nacional, no segundo mandato, foi nada menos do que um “anão do Orçamento”, salvo da degola por um pedido de última hora de Luiz Eduardo Magalhães ao relator Roberto Magalhães. Durante o primeiro mandato de Lula, Geddel manteve-se contrário ao governo, mesmo como integrante do PMDB, e se dedicou a atividades que criaram um bordão em Brasília: “Geddel vai às compras”.
Por isso mesmo, o motivo de sua nomeação é ainda mais revelador. Foi parte do acordo para que o PMDB de Geddel apoiasse Jaques Wagner, incapaz de eleger-se ao governo baiano só com o PT. Muito ligado ao casal Jaques Wagner, Lula apoiou o acordo comprometendo a entrega de uma parte importante do governo, como o Ministério da Integração Nacional repleto de verbas e obras, na permuta eleitoral com um “anão do Orçamento”. Geddel tratou de usar o ministério para sua própria candidatura, a par, claro, de outras finalidades.
A leviandade, ou muito mais, está no Tribunal de Contas da União?”

Claudia: certificado e agradecimento mineiros

============================================================
O jornal Correio da Bahia destaca em sua edição online deste domingo, em meio a um mar de más notícias e desastres, que a cantora baiana Claudia Leite e seu público acabam de entrar para o livro dos recordes. Foi reconhecido oficialmente que a cantora realizou no ano passado o maior beijaço coletivo do mundo e recebeu agora o certificado do Guinness Book, o famoso livro dos recordes.

“Minas Gerais está no Guinness. Vocês estão satisfeitos?’, indagou a cantora durante entrevista coletiva em Belo Horizonte, pouco antes de se apresentar no Axé 2010. Segundo a própria cantora foram 8372 casais se beijando ao som do hit ‘Beijar na boca’. Um dia antes, na capital mineira, antes de se apresentar no estádio do Mineirão, a cantora Ivete Sangalo anunciara, também em coletiva, que vai participar de show para arrecadar fundos de ajuda às vítimas dos temporais no Rio de Janeiro.

Segundo o CB, em sua edição de hoje, com a apresentação que faz no Axé Brasil, Claudia Leite se derreteu pelos mineiros, que a ajudaram a bater o recorde mundial. ‘Espero que as pessoas se sintam energizadas. O que acontece aqui é muito forte, muito potente’, declarou a cantora, que deixou o filho Davi em casa para fazer o show. ‘Davi é muito esperto e fica ligado quando começo a me movimentar. Basta colocar maquiagem que ele sabe que eu vou sair’, entregou.

No vácuo aberto pela conterrânea Ivete, na véspera, outro assunto presente na entrevista foi o meio ambiente. Preocupada com as catástrofes climáticas que assolam o Brasil, Cláudia Leite chamou a atenção para o problema. “Estamos vivendo uma desordem climática, um período bizarro. As chuvas estão destruindo cidades muito próximas, Salvador e Rio de Janeiro’, disse a cantora.
(Com informações do Correio da Bahia e portal G1)

  • Arquivos