mar
19

BOA NOITE!

mar
19
Posted on 19-03-2010
Filed Under (Multimídia) by vitor on 19-03-2010


===================================================
“My one and only love”, com John Coltrane e Johnny Hartman, para embalar o fim da tarde e a noite desta sexta-feira de adeus Verão.
(Gilson Nogueira)

mar
19
Posted on 19-03-2010
Filed Under (Newsletter) by vitor on 19-03-2010

DEU NO BLOG DO TOM (Editado pelo músico Tom Tavares, do irdeb e proferssor da Escola de Música da UFBA)
=========================================


MÁ COMPANHIA

Depois que vi gente
como Mauro Santayana e Emir Sader
escrevendo artigos apaixonados
em defesa do Adriano,
não tive dúvida:
este jogador não merece confiança!
Tom Tavares
(O Inimigo do Rei… e do Imperador também)

mar
19
Posted on 19-03-2010
Filed Under (Newsletter) by vitor on 19-03-2010

O prefeito João Henrique Carneiro (PMDB) vai precisar encontrar outro nome para assumir o lugar de Antonio Lins à frente da Fundação Gregório de Matos, entidade municipal que deveria cuidar das coisas da cultura em Salvador. Ontem, de um consultório médico, o prefeito encarregou João Cavalcante, chefe da Casa Civil, de livrar-se de Lins.

O autor e diretor teatral, Fernando Guerreiro, recusou o convite de João para carregar o fardo.

(Vitor Hugo Soares)

Jorge Amado:na casa do Rio Vermelho

============================================

DEU NA REVISTA DIGITAL TERRA MAGAZINE

Claudio Leal

A família do escritor Jorge Amado desmente os boatos de que esteja à venda a casa do Rio Vermelho, onde o romancista baiano viveu a partir dos anos 60, em Salvador (BA). “Essa notícia não tem nenhum fundo de verdade. A casa é nossa, cuidamos dela, nunca nos deram um tostão para preservar”, reage Paloma Amado, filha de Jorge e Zélia Gattai. Em conversa com Terra Magazine, ela afirma que não pretende “entrar em polêmica” sobre o assunto, mas rebate uma nota publicada pela revista “IstoÉ”.

Inicialmente, houve a ideia de que a casa se transformasse num memorial ou museu, como relatou a escritora Zélia Gattai no livro “Memorial do Amor” (2004). “Por que não aproveitá-la para um museu?”, sugeriu Jorge Amado. Para escrever suas obras, ele dividia-se entre a casa da rua Alagoinhas, 33, em Salvador, e um apartamento no bairro do Marais, em Paris. “Por que ficaria eu sozinha nessa casa? Por que não manter abertas as portas para os admiradores de Jorge Amado, aqueles que aparecem diariamente, ansiosos de conhecer o ambiente onde o escritor viveu durante tantos anos, inspirou-se e escreveu seus romances?”, cogitou Zélia.

Comprada com os dólares da venda dos direitos autorais de “Gabriela, cravo e canela” à Metro Goldwin Mayer (MGM), a residência baiana era frequentada por artistas e intelectuais – de Vinicius de Moraes e José Saramago ao poeta cubano Nicolás Guillén, Roman Polanski e Jack Nicholson. Agora, ela virou um enigma da cultura brasileira. O destino do acervo de um dos escritores brasileiros mais reconhecidos no exterior permanece incerto, sem apoio do Estado e do empresariado nacional. “Estamos cuidando com recursos próprios”, diz o filho do casal de escritores, João Jorge Amado.

Em 2008, as obras de arte – parte delas guardadas num apartamento no Rio de Janeiro, vendido recentemente – foram a leilão na Soraia Cals Escritório de Arte. Havia quadros e desenhos de Carybé, Carlos Scliar, Djanira, Floriano Teixeira, Segall, Volpi, Anita Malfatti, Flávio de Carvalho, Pancetti, Antonio Bandeira, Diego Rivera e Picasso, entre outros artistas plásticos.

“Brasil não reconhece Jorge Amado”

Apesar de evitar a polêmica sobre o rumo do acervo do pai, Paloma esclarece que batalhou durante três anos por recursos para a conservação da casa do Rio Vermelho e a abertura de um memorial. “Minha mãe era a única contrária ao tombamento”, afirma Paloma, indignada com uma frase atribuída a Zélia Gattai, de que temia a venda de todo o espólio pelos herdeiros. “Tentam difamar a gente por uma coisa que não existe. Se mamãe lesse essa nota que me leram!…”, lamenta. Ela ainda se recorda de um conselho: “Não pense que o fato de ser minha filha vai ajudar. Se tem quem goste, tem quem não goste de mim”.

O tombamento era uma medida recomendável para a captação de recursos estatais, mas a ideia terminou abandonada pela família, depois ter sido submetida ao Conselho Estadual de Cultura da Bahia. Com a venda das obras de arte, iniciaram uma reforma na casa, que conta com gradis do pintor Carybé. As cinzas de Jorge e Zélia foram espargidas embaixo de uma mangueira, no quintal.

Recém-radicada no Rio de Janeiro (“a Bahia sem meus pais é muito triste”), Paloma revela um espanto:

– Onde eu passo, a obra de meu pai é aplaudida. Estive na Universidade do México e houve uma aclamação. Ele foi homenageado pela Feira do Livro de Santo Domingo. Uma coisa bonita. Só não vejo isso no Brasil. Não reconhecem.

A fundação criada pelo pai, no Pelourinho, também enfrentou tormentas financeiras. Em março de 2007, o governo da Bahia cortou o repasse mensal de R$68 mil para a Fundação Casa de Jorge Amado. A entidade preserva cerca de 250 mil documentos do autor de “Cacau”, “Capitães da Areia”, “Gabriela” e “A morte e a morte de Quincas Berro D’Água”. Indignado, o romancista João Ubaldo Ribeiro protestou contra a medida e contribuiu para o recuo do governo baiano:

– Vou esculhambar, vou continuar a bater, e chamar o povo baiano aos brios! Não nasce um Jorge Amado a toda hora! E ficam aí uns beletristas de segunda categoria fazendo críticas aos romances dele. Esquecem que Jorge Amado foi um grande romancista, lido e traduzido em todo o mundo! – criticou Ubaldo.

À época, em entrevista a Terra Magazine, o governador Jaques Wagner (PT) justificou os cortes e garantiu a retomada do financiamento:

– Por determinação da Procuradoria Geral, o Estado não pode financiar em 100% a fundação. No máximo, 80%. São coisas que teria que modificar e quero antecipar: João Ubaldo está falando agora, mas estas modificações já estavam sendo feitas e conversadas com a fundação. Falta acertar detalhes… Ela tem um nível de fundação adequado e o repasse será mantindo – assegurou Wagner.

“Empresários só queriam explorar imagem”

Nos últimos anos, a editora Companhia das Letras tem relançado as obras completas de Jorge Amado, no que talvez seja a única ação pela permanência do “doutor em romance”, como o definiu Mário de Andrade, em comentário sobre “Mar Morto”. Os livros “Capitães da Areia”, “Quincas Berro D’água” e “Os velhos marinheiros” foram adaptados para o cinema e devem estrear até 2011.

Quanto ao memorial, nenhum passo. Paloma Amado cita os exemplos da casa do sociólogo Gilberto Freyre, em Pernambuco, e das três moradias do poeta Pablo Neruda, no Chile, “recuperadas pela Telefonica da Espanha”. No Brasil, indiferença pelo romancista baiano.

– Ninguém se interessou. Os empresários vinham com um contratinho pronto para se tornarem donos do nome de Jorge Amado. Queriam explorar a imagem. Não aceitamos isso – diz a filha.

Último ato. Quando o projeto do memorial ganhou o selo da Lei Rouanet, no tempo em que Gilberto Gil ainda ocupava o Ministério da Cultura, “a Petrobras disse que não dava mais dinheiro”. Segundo Paloma, após os reparos, a casa tem sido cuidada pelo neto do escritor, João Jorge Filho.

Com milhões de leitores e cúmplices de sua obra, Jorge Amado não consegue mobilizar financiadores

mar
19
Posted on 19-03-2010
Filed Under (Artigos, Ivan) by vitor on 19-03-2010

Em seu artigo desta sexta-feira na Tribuna da Bahia o jornalista político Ivan de Carvalho analisa as expectativas de paz reveladas pelo presidente Lula em seu périplo pelo Oriente Médio, alimentadas principalmente pelas atuais diverg~encias entre Estados Unidos e Israel. “Divergências sérias entre EUA e Israel já ocorreram antes e contam-se às dezenas, algumas delas graves, mas nenhuma capaz de romper a aliança”, assinala Ivan no texto que Bahia em pauta reproduz.
(VHS)

=====================================================
Paz distante

================================================

Lula fantasia a paz

Ivan de Carvalho

Na Terra Santa e adjacências, quase tudo gira em torno da Bíblia – Antigo e Novo Testamento – e do Corão. Eles são a base da cultura israelita, islamita e da rarefeita população cristã da região que envolve Israel, 22 países árabes e alguns países muçulmanos não-árabes, a exemplo do Irã.
As três religiões monoteístas estão imbricadas a tal ponto na região que o primeiro Patriarca, Abraão, deu origem a Ismael e Isaac e desses dois troncos descendem, respectivamente, árabes e hebreus, estes por intermédio de um dos dois filhos de Isaac, Jacob. Mais tarde, surge a figura essencial e misteriosa do Arcanjo Gabriel, aquele que anunciou a Maria que ela teria um filho ao qual chamaria Jesus (aqui, o nome na versão latina) e que foi o mesmo Arcanjo Gabriel que ditou o Corão a Maomé.
A um observador neutro e atilado (não reivindico para mim qualquer dessas duas qualidades), não há de parecer casuais essas circunstâncias, seja em relação aos patriarcas, seja quanto à gravidez de Maria e ao ditado “angélico” representado pelo Corão, o livro sagrado dos muçulmanos. A conclusão lógica – e certamente quase todo mundo concordaria com ela se não envolvessem três das quatro cinco grandes religiões do planeta (as outras são o budismo e o hinduísmo) – é a de que há um plano milenar em andamento. Um plano que praticamente chega a ser exposto na Bíblia, quase a cada página, embora a Bíblia evite proclamar essa característica de um planejamento a longo (para nós) prazo.
Daí que a viagem e o bedelho do governo brasileiro no conflito entre Israel, os palestinos, os árabes em geral e os muçulmanos engajados nessa briga (há os que não estão dando bola pra ela) não tem a chance de influir para a pacificação, pela simples razão de que, devido ao comportamento da sociedade humana, a pacificação só virá – segundo o plano – após a destruição da atual sociedade, quando uma nova passará a ser construída em outras bases.
“De nada valerá buscardes o auxílio do Egito (com quem Israel fez um tratado de paz), pois não haverá paz e Israel deve confiar apenas no Senhor”, diz lá no Antigo Testamento o profeta Isaías. Eis (para os crentes) porque não podem os crentes e mesmo os não crentes, mas inteligentes, comemorar a descoberta do presidente Lula de que a divergência entre Israel e Estados Unidos sobre as 1.600 casas que o governo israelense acaba de decidir construir em Jerusalém Oriental pode abrir a chance para que se chegue à paz, suponho que por um hipotético enfraquecimento de da posição de Israel.
Divergências sérias entre EUA e Israel já ocorreram antes e contam-se às dezenas, algumas delas graves, mas nenhuma capaz de romper a aliança entre americanos e israelenses. Na hora do aperto estão, inevitavelmente, juntos. Naquela área do mundo, ao se fazer política, é bom ter um olho nela e o outro nos livros sagrados fundamentais de israelenses, muçulmanos e cristãos. “Bem aventurados os pacificadores”, Jesus disse no Sermão da Montanha. Mas não disse que eles terão sempre êxito em seus intentos, ainda que recebam o prêmio, se tentaram a paz de coração puro.

  • Arquivos