mar
14
Postado em 14-03-2010
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 14-03-2010 14:29

DEU NO BLOG DE JOSIAS DE SOUZA ( FOLHA DE S. PAULO)

Lula embarcou neste sábado (13) para o Oriente Médio. A viagem começa por Israel, evolui pelos territórios palestinos e termina na Jordânia.

O retorno a Brasília está previsto para a próxima sexta (19). Estima-se que o Aerolula pousará em Brasília no meio da madrugada, ao redor de 3h30.

Lula vai tirar o sábado e o domingo para repousar. Na segunda (22), descerá ao front político com a disposição de pacificar as relações entre PT e PMDB nos Estados.

Vai cuidar, primeiro, da encrenca que considera mais espinhosa e prioritária: a de Minas Gerais, o segundo maior colégio eleitoral do país.

Na manhã da última quarta (10), Lula recebeu para uma conversa reservada o ministro Hélio Costa (Comunicações), do PMDB.

Senador licenciado, Hélio deseja comparecer às urnas de Minas como candidato a governador. Tomado pelas pesquisas de hoje, é favorito. Porém…

Porém, o próprio ministro reconhece, entre quatro paredes: sem o PT, será candidato à derrota.

Precisa retirar de seu caminho os dois petistas que, como ele, se declaram candidatos à sucessão do tucano Aécio Neves: Patrus Ananias e Fernando Pimentel.

Mais do que isso: Hélio precisa atrair o petismo mineiro para o seu palanque. Na conversa de quarta, ganhou um aliado de peso.

Lula deixou claro que, no pano verde mineiro, suas fichas serão puxadas para o lado do PMDB:

“Sua presença [nas pesquisas] é forte, está muito bem. Merece e deve ser candidato. Conte comigo”, disse o presidente ao ministro pemedebê.

De volta da viagem internacional, Lula se reunirá com os presidentes do PMDB, Michel Temer; e do PT, José Eduardo Dutra.

Chamará para o encontro o preferido Hélio Costa e o par de petistas que disputam com ele: Patrus, ministro do Bolsa Família; e Pimentel, ex-prefeito de BH.

Será, no dizer de Lula, um encontro de “definições”. Acha que se esgotou a fase do deixa-como-está-para-ver-como-é-que-fica.

Aproxima-se o fatídico 3 de abril. Nesse dia, os ministros-candidatos terão de trocar a Esplanada pelos palanques. Daí a pressa.

No sonho do PMDB, Hélio Costa seria candidato com um dos rivais –Patrus ou Pimentel- na posição de vice.

No plano esboçado pela direção do PT, Patrus iria ao Senado. Pimentel coordenaria a campanha de Dilma, com a promessa de ocupar um ministério num eventual governo companheiro.

E quanto ao vice? O petismo deseja acomodar do lado de Hélio Costa o deputado federal Virgílio Guimarães (PT-MG).

Resolvida a pendência de Minas, Lula vai cuidar de outras encrencas. PMDB e PT se estranham em pelo menos mais quatro Estados: BA, PA, MS e CE.

Metade dos problemas estará resolvida a partir da definição de como vai funcionar a política de duplo palanque que se pretende adotar nos Estados em que os sócios de Dilma Rousseff medirão forças.

Lula já absorveu como coisa definitiva a idéia do convívio com os dois palanques. Mas o PMDB quer definir melhor as coisas.

Lula pisará nos dois palanques ou reservará a tarefa apenas para Dilma? Ambos levarão a cara à propaganda televisiva ou só a candidata vai aparecer?

Em conversas com os negociadores do PMDB, o ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) pronunciou a palavra que será repetida a Lula: “Igualdade”.

Para o PMDB, o que for feito para um terá de ser repetido para o outro.

Geddel enfrentará na Bahia o projeto reeleitoral do petista Jaques Wagner, velho amigo de Lula.

Nos seus diálogos privados, o ministro pemedebê resume assim o drama: “Os acordos terão de ser políticos, não na base da amizade. Até porque o pemedebista mais amigo de Lula jamais será tão amigo quanto o menos amigo do PT”.

Daí a intenção do PMDB de arrancar de Lula um rol de compromissos que promova a igualdade de armas entre os aliados de conveniência e os amigos históricos.
==================================================
=================================================
BAHIA EM PAUTA COMENTA:

O relato de Josias está quase perfeito nas informações de bastidores e análises. No caso da Bahia, cairá em erro grosseiro quem tentar reduzir o governador petista, Jaques Wagner, a simples amigo do governador. É bem mais que isso: considerado um dos melhores negociadores políticos do PT, saído da velha escola sindicalista do presidente, os dois se entendem por música. E não é preciso apurar os ouvidos para saber que o governador é considerado um dos nomes estratégicos para os embates políticos e eleitorais que estão a caminho.

Ah, não custa lembrar também, que Wagner foi escolhido a dedo por indicação presidencial para compor a comitiva que embarcou ontem para o Oriente Médio, com agenda das mais delicadas a ser cumprida.

Judeu, o “galeguinho dos óio azul”, como Lula o chama da intimidade, é bom de conversa e, em geram, nada ortodoxo. O convite à Jaques Wagner “se apóia, dentre outras razões, no relacionamento do Governo do Estado com Israel, por conta da visita do Presidente Mahmoud Abbas, à Bahia, e ao encontro que o Governador promoveu entre integrantes da Sociedade Israelita da Bahia e o presidente Abbas – encontro que teve o intuito de demonstrar o exemplo de convivência harmoniosa entre judeus e palestinos no Brasil”, assinala um comunicado distribuído pela Agecom-BA em seguida ao embarque de Wagner para juntar-se.

Além dos temas internacionais, seguramente não faltarão na viagem momentos de conversas – e acertos- sobre política caseira.

Pena o ministro Geddel, do PMDB, não cultivar barba nem bigode, pois assim poderia coloca-los de molçho desde já.

(Vitor Hugo Soares ).

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos