fev
18
Postado em 18-02-2010
Arquivado em (Artigos, Eventuais) por vitor em 18-02-2010 19:07

====================================================
DEU NA REVISTA MUITO


OPINIÃO / PRINCÍPIOS

A PONTE, OS ARTISTAS E OS POLÍTICOS

Aninha Franco

O governador Jaques Wagner se indispõe com artistas desde o início de seu governo, ou pessoalmente ou através do secretário de Cultura que promoveu tremor haitiano na produção artística local sob seu silêncio. Calado. Consentido. Agora é a vez da ponte Salvador-Itaparica. Meu irmão, que eu amo, proprietário na ilha, que sofre horrores para chegar e sair de lá, acha que a ponte resolverá o funcionamento caótico do ferryboat. João Ubaldo nasceu na Ilha e criou Viva o povo brasileiro, livro-ponte da obra de Jorge Amado para a Bahia atual, e por suas razões, contrárias à ponte, terá, sempre, o meu apoio independente do meu amor. A contrapartida do governador é João Leão, secretário pós-Geddel, que como argumento master diz que os intelectuais estão contra a ponte mas o povo está a favor. E pode falar em nome do povo quem perdeu as eleições? Tem credibilidade para falar pelo povo quem ofendeu políticos íntegros como Moema Gramacho na disputa pelo poder em Lauro de Freitas?

A diferença entre políticos e artistas, governador, é que nós nos admiramos e respeitamos como pares, sem partidos, sempre por um mundo mais belo e honesto. Um mundo melhor. E é por isso que Chico Buarque é contrário à ponte, e sendo artista pode falar pelo povo porque tem o seu respeito e amor. Estar do outro lado de Chico, até em disputa de cuspe a distância, não é bom sinal, governador.

Tem gente que garante que a ponte só vai unir a violência de Salvador à violência de Itaparica, e por isso prefere a Ilha sem ponte, com o sistema ferryboat funcionando, honesto, eficiente, coisas que ele não faz há décadas, minado pela corrupção, providência infinitamente menos onerosa para nós, financiadores da ponte. Conselho não se dá nem a quem pede, governador, mas no futuro, dentro da história que o senhor está tecendo, essa que vem sendo fotografada, filmada, escrita, a ponte que falta é a que liga o povo à educação, para que ele nunca mais precise de intermediários do seu querer. E pra fazer essa ponte, governador, é mais seguro ser parceiro de artistas.

(Aninha Franco é poeta, escritora e dramaturga. Texto publicado originalmente na Revista Muito, jornal A Tarde, 14/02/2010, p. 41)

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 18 Fevereiro, 2010 at 19:35 #

VHS

Trazer o piano de Amilson Godoy é tradução de cuidares.

O Bahia em Pauta, com essa escala, simplesmente cuida do sentir de seus fiéis seguidores.

Abraços, em bossa e tons!


rosane santana on 18 Fevereiro, 2010 at 21:04 #

Aninha, Cheguei hoje na Bahia, depois de 3 anos em Boston e Harvard. Maravilhosa experi^encia. Seu texto tem sacadas brilhantes, ali’as, como n~ao poderia deixar de ser de uma inteleig^encia sempre lucida, bjs, rosane


Gilson Nogueira on 18 Fevereiro, 2010 at 23:21 #

Com bossaudade dos trios, como o Bossa Jazz, pautemos, sempre, a Bossa, no BP, para o bem de todos, grande Vitor. Que novos bossa-novistas apareçam!


Lucas Jerzy Portela on 18 Fevereiro, 2010 at 23:45 #

“o Governador Jaques Wagner, através do Secretário Marcio Meirelles, vem se indispondo com artistas desde 2007”

[ironic mode ON] artistas como Ricardo Castro, que criou o Neojibá sob o Governo Wagner, como João Filgueiras da Gama Lima, só agora tratado como o grande arquiteto que sempre foi, e Morotó Slim, virtuose autor do melhor disco do ano no país – Retrofoguetes ChaChaCha. [ironic mode OFF]

Assim diz Aninha Franco: sapatão ideológica, encrenqueira e preguiçosa terrorista cultural.

dá pra dar alguma atenção a esta semi-mulher?!


Lucas Jerzy Portela on 18 Fevereiro, 2010 at 23:48 #

a Revista Muito, no ultimo Dia Mundial Sem Carro, fez uma materia de duas paginas sobre cicloativismo.

entrevistou dois funcionarios do proprio A Tarde (Demais…). Ambos desconheciam as leis de transito para bicicletas, um dizia que era perigoso e desincentivava o uso de bike, o outro pregava que se pedalasse na contramao numa avenida.

o A Tarde recebeu release sobre palestra minha no PLANSERV, onde trabalho, sobre cicloativismo. O Tribuna foi la conferir – o A Tarde, cuja sede é defronte, nem tchum…

e lança na Muito uma matéria leniente dessas, como se coisa séria fosse.

além de semanalmente publicar os episodios delirantes que Aninha Franco, e só Aninha Franco, tem.

não dá pra levar a sério. Por isso que chamo o A Tarde de “Jornal Já Vai Tarde” ou “Jornal Tarde Demais”.


Mariana Soares on 19 Fevereiro, 2010 at 8:37 #

Seja bem vinda, Aninha, ao Bahia em Pauta! Seu texto é maravilhoso, verdadeiro e extremamente realista!


Claudio on 19 Fevereiro, 2010 at 11:30 #

Depois de ler um ataque a Aninha Franco, do tal Lucas, qualificando-a como “sapatão ideológica”, só nos resta citar Cazuza para confrontar essas técnicas stalinistas de debate:

“Te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro/
Transformam um país inteiro num puteiro /
Pois assim se ganha mais dinheiro”


Marcos Vinícius on 19 Fevereiro, 2010 at 11:53 #

Claudio,
Essa gente não merece resposta, quando li o comentário do tal do Lucas meu estômago revirou, mas você achou a resposta certa.


gilberto on 19 Fevereiro, 2010 at 11:54 #

Mas eu acho mesmo que quem representa o povo são os políticos não os artistas, estes, como povo tem o direto de se manisfestarem, não em nome do povo. O que nós povo queremos, para o nosso conforto, prazer e alegria é a PONTE.


Olivia on 19 Fevereiro, 2010 at 11:57 #

Tá difícil continuar acreditando no ser humano, não tem limite essa gente mal educada, medíocre e babaca. Na falta de argumentos, segue com as piores baixarias. Será que esse “rapaz” conhece Aninha Franco? Tenho quase certeza que não. Fico com os Titãs: Bichos Escrôtos.


rosane santana on 19 Fevereiro, 2010 at 14:16 #

Completando Olivia “ratos de esgotos”


Lucas Jerzy Portela on 19 Fevereiro, 2010 at 16:34 #

Conheço Aninha Franco.

a que, punhao de anos atrás, montava excelentes peças no Teatro XVIII

e a atual, que insiste em não reconhecer a excelência de uma gestão que até premiada já foi, e que nos garante avanços fundamentais dentro da Reforma Cultural Brasileira.

insistir em negar a realidade, como ela faz, é um problema dela.

Fazê-lo com a total falta de civilidade que ela fez em relação a seu então amigo Marcio Meirelles merece todo o meu escárnio.


Lucas Jerzy Portela on 19 Fevereiro, 2010 at 16:36 #

Caberia alguém perguntar a Aninha: com que verba o XVIII foi recuperado e reabriu?

COM VERBA DIRETA DO FUNDO DE CULTURA DO ESTADO DA BAHIA!

Aí, cabe a cada um si perguntar: de quem é mesmo o revanchismo cego? De onde vem o ressentimento primordial, inclusive no sentido freudiano do termo? Vem de Marcio? Não me parece…


Lucas Jerzy Portela on 19 Fevereiro, 2010 at 16:42 #

Aninha se arroga o direito de falar em nome da “classe artistica” – mas ela nao representa senao uma parte, pequenissima e caduca, desta “classe artistica”

a maior parte da “classe artistica” está satisfeitissima com a gestao de Marcio, e diz isso pra quem quiser ouvir. Pergunte aos maestros Ricardo Castro e Letieres Leite, a Morotó, a qualquer um do grupo Dimenti, Ivan Huol, a diretoria dos blocos afro todos, a Armandinho Macedo, etc.

e, se o ataque vem por canções, vamos a ela. A Aninha eu dedicaria Rato, de Pedro Pondé (alias, apoiador ostensivo da gestão de atual da SECULT):

“Pelo visto
aquele rato
aquele rato gordo esteve
esteve aqui
roeu meus sonhos novamente
deliquente
minha fome mestra junta o que restou

alguns trapos, meus remendos
tudo agora nutre aquele
aquele bicho
aquele rato estranho e gordo
roi o bom
e deixa o osso para mim”

(não me admira que os apoiadores de Aninha desconheçam o trabalho de O Circulo, do Retrofoguetes, da Rumpilezz. São passadistas convictos!)

http://www.youtube.com/watch?v=LJpMBwYoG2o


Lucas Jerzy Portela on 19 Fevereiro, 2010 at 16:44 #

e a Revista Muito segue a baixa qualidade dos jornalões atuais.

sua editoria é, na melhor das hipoteses, leniente e preguiçosa.

em geral, é mau-carater mesmo. Não leio o Ja Vai Tarde – jornal que um dia foi anti-carlista, e atualmente é anti-carlista pras negas dele…


luiz alfredo motta fontana on 19 Fevereiro, 2010 at 17:03 #

Uma pequena história triste com umenredo velho e batido.

Era uma vez, numa encantada Bahia, uma unidade quase utópica, mas com sérios sintomas de autismo.

Assim, olhavam o mundo pelo seu reflexo e propalava-se algo como o repetido no artigo:

“A diferença entre políticos e artistas, governador, é que nós nos admiramos e respeitamos como pares, sem partidos, sempre por um mundo mais belo e honesto.”

A velha história de dividir o mundo em “nós” e “eles”, desde que qualidades enfeitem o “nós”.

Acontece que “eles” são matreiros, e inventaram algo que os desuniu para sempre.

Assim como quem não quer nada, inspirados na Grécia, criaram o patrocínio, vertente tupiniquim do mecenato.

E já não eram pares, sendo que poucos podem sobreviver como ímpares.

A Bahia e, fundamentalmente a baía merecem mais do que troca inoportuna de “gentilezas”.


luiz alfredo motta fontana on 19 Fevereiro, 2010 at 17:22 #

Por fim e não por último

A prosa de João Ubaldo está muito acima desse pobre conceito de “nós artistas”.

Pensar é arte, requer no mínimo estatura.


Daniel on 19 Fevereiro, 2010 at 19:03 #

Chega de discussões politico-partidárias, isso contamina o debate.

Sou favorável a construção da ponte, mas não gosto da gestão Wagner. Não devemos misturar as coisas.


luiz alfredo motta fontana on 19 Fevereiro, 2010 at 20:26 #

Que o olhar de João Ubaldo prevaleça.

“Queimar” 1,5 a 2,0 bi, numa ponte e seus 13 km (como seduz esse número), para que Jaques, o Wagner, possa sorrir ao acessar o Google Earth, admirando seu capricho, é no mínimo desprezar as prioridades de quem é abençoado pelo horizonte ainda intacto da Baía de Todos os Santos.

Jaques, por certo, encontrará outras proezas para afagar seu ego tão Wagneriano.


Olivia on 19 Fevereiro, 2010 at 20:43 #

Com certeza Fontana, ainda falta tanta coisa, prioridade mesmo, a ser feita nesta terra.


Regina on 19 Fevereiro, 2010 at 21:17 #

Calma, gente! A gente pode discordar sem ofender a dignidade do discordante. O tema da discussão é a ponte e haverá muitas opiniões a favor e contra, o que é absolutamente normal e esperado, não se trata de desmoralizar as pessoas que apresentam comentários nem tão pouco a escritora/dramaturga/advogada Aninha Franco que esta muito bem apoiada por seu trabalho de mais de quase quatro décadas dedicado ao teatro e a comunidade baiana em diversas formas de expressão e que não pode ser negado. Os problemas privados de cada um não nos cabe julgar, pois, tenho certeza que nos falta os dados e a competência.
Regina Soares


Rosane Santana on 20 Fevereiro, 2010 at 0:05 #

Francamente, nao entendi a indicacao de Marcio Meirelles para a Secretaria de Cultura, depois do retunbante fracasso no governo de Waldir Pires. Todo mundo sabe disso. No mais, esses ataques de baixo nivel, rasteiros, a figura de Aninha Franco cheiram a missa encomendada. Essa gente que vivia criticando o estilo ACM e pior, muito pior mesmo, do que ele. E como diz Regina, Aninha tem contribuicoes relevantes a cultura baiana ha quatro decadas. E diria mais, nunca se vendeu, nunca abriu mao dos seus sonhos, sempre foi alguem que foi fiel aos sonhos e as coisas em que acredita. E um ser humano digno, uma mulher digna, que merece respeito.


Rosane Santana on 20 Fevereiro, 2010 at 0:07 #

corrigindo: RETUMBANTE fracasso


Rosane Santana on 20 Fevereiro, 2010 at 0:08 #

Corrigindo: RETUMBANTE


Lucas Jerzy Portela on 20 Fevereiro, 2010 at 18:33 #

Aninha tem contribuicoes fundamentais a cultura bahiana por 20 anos.

ninguem nega.

o que impressiona é que, no momento em que seu entao amigo Marcio Meirelles assume a Secretaria de Cultura, e faz uma gestão pra lá de bem-sucedida, capaz de levar premio de gestão Caixa para o Escritorio de Referencia do Centro Antigo, criar o Neojiba, mudar a feição da OSBA, e triplicar a frequencia a museus – quando Aninha Franco tem a chance de contribuir com sua longa experiencia para com isso, nao contribui.

não só não contribui: parte pro axincalhe.

e não só para o axicalhe: para o terrorismo cultural, levando em manada a produção teatral bahiana a NÃO se inscrever nos Editais do TCA esse ano.

e não só faz terrorismo cultural. Parte para o Vejismo, negando todos os evidentes avanços da Gestão de Marcio Meirelles na SECULT.

é um misto de psicose, auto-erotismo intelectual, e falta de carater. Com pitadas de preguiça e inveja.

É por isso que eu, que a admirava, não lhe dou nenhum crédito desde 2007. E só me refiro a ela como Cassandra de Hospicio e Boiadeira da Mediocridade.

os apelidos são auto-explicativos…


Lucas Jerzy Portela on 20 Fevereiro, 2010 at 18:35 #

questiona-se: o que quer Aninha Franco com a oposicao cega que faz não apenas a Marcio, mas aos fatos mesmo?

(isto é: alem de ser atropelada pela historia. Brigar com os fatos não é bom negocio pra ninguem…)

que quer ela com seu terrorismo cultural (repito: ignorando psicoticamente a realidade)?!

ser Secretaria de um eventual Governo Geddel?

ou, como todo invejoso, apenas destruir o objeto da inveja – a excelente gestão de Marcio – para só assim se satisfazer?

eis a pergunta que ninguem faz – e menos gente ainda responde…


ana on 20 Fevereiro, 2010 at 19:11 #

Lucas, o melhor a fazer é vc se recolher… Depois de suas frases de esgoto, como homofobia, porcas e desrespeitosas, não tente se emendar com comentários supostamente equilibrados e gentis com o passado de Aninha… Vc foi torpe, amigo, caia fora… nunca li tanta bajulação de baixo nível a marcio meirelles


rosane santana on 21 Fevereiro, 2010 at 9:04 #

Alias, Ana, ressalte-se que Aninha e a torcida do Bahia fazem criticas a gestao Marcio Meirelles, ja vaiado publicamente, todo mundo sabe, de quem todos reconhecem o retumbante fracasso na gestao de Waldir Pires, em 1986. Na defesa de Meirelles so vi ate o momento o Lucas, que nao conheco, mas que Ana define com precisao, e um conhecido escriba que recebe a peso de ouro para, dizem, reparar imagens, como ja fez com gente de peso do PFL baiano e agora esta a servico de Marcio Meirelles. Tudo com dinheiro publico! Isso mesmo, esse escriba ja andou tecendo elogios, com pincadas pseudointelectuais, nacionalmente.


Lucas Jerzy Portela on 21 Fevereiro, 2010 at 13:57 #

não foi uma frase homofóbica.

eu nada tenho contra lésbicas em geral, nem sei se Aninha é lésbica, e isso pra mim não muda nada.

eu disse que ela aje como uma sapatão-caminhoneira – movida por uma fúria de depredar os homens que encontra pela frente.

e age mesmo.

de resto, esgoto se combate com esgoto. E quem começou o esgoto foi esta senhora, há 3 anos atrás.

para azar dela, e sorte nossa, a história é implacável – e a atropelará, aliás já está atropelando.


Lucas Jerzy Portela on 21 Fevereiro, 2010 at 14:02 #

Quem faz críticas a Marcio Meirelles não forma nem metade dos artistas do estado, nem metade do publico consumidor de cultura.

A outra metade o apoia, e muito.

Uma pergunta que já fiz aqui, mas os detratodres de Marcio se recusam a responder. Farei portanto de novo:

– o que pensam os anti-Marcio do fato de haver hoje um programa específico para o Carnaval Pipoca (combatendo de fato o axe-sistem), outro pro Carnaval dos Afoxés (o Ouro Negro), três sinfonicas juvenis no estado (o Neojibá), e a frequencia de museus ter triplicado?

Acham ruim? Irrelevante? Ou ignoram estes fatos que são mais do que evidentes?

só é possível discutir a gestão da SECULT hoje a partir de se responder estas questões. Não, como faz Aninha e você, com uma realidade vista a partir do retrovisor.

Entao, que pensas tu, Rosane Santana, por exemplo, sobre o Neojibá? Você é contra? Ou é a favor mas acha irrelevante?

O que pensa você sobre o fato de que o Maestro Letieres Leite, da Orkestra Rumpilezz, ter dito que o Neojibá faz pela Bahia o que Winton Marsalis fez por New Orleans 20 anos atrás?

você discorda? concorda? acha irrelevante?

sem responder isso, é impossível discutir. Vira psioce vejística – que é o que Aninha Franco e o Jornal Já Vai Tarde vem fazendo.

eu sou escritor e sou consumidor cultural. E nunca estive tão satisfeito com uma gestão estadual de cultural.

como eu, muita gente – atualmente muito mais relevante do que Aninha Franco. Ou você acha o Retrofoguetes irrelevante? e o maestro Ricardo Castro?


Lucas Jerzy Portela on 21 Fevereiro, 2010 at 14:05 #

eu não faço bajulação a ninguém, minha senhora.

E torpe mesmo é o que Aninha faz, não com Marcio (já seria torpe o suficiente…), mas com a Bahia – que avança de modo invejavel na Reforma Cultural Brasileira, por vezes guiando o Ministerio da Cultura.

O que Aninha faz atualmente é equivalente ao que fazem Diogo Mainardi e Reinaldo Azevedo com o país.

Isto é: Aninha mente, mente, e mente. E mente com fúria! Des-informa ativa e ostensivamente, a interesse próprio e talvez de outrem.

E isso anula todo o possível passado relevante que ela tenha tido.


Lucas Jerzy Portela on 21 Fevereiro, 2010 at 14:10 #

Aninha Franco devia seguir o conselho de Luis Fernando Verissimo em 2006: “olhe em volta com quem você está fazendo coro”.

Ela hoje faz coro com Mario Kertzs! MARIO KERTZS! Um cara que ta sendo investigado criminalmente sobre seu envolvimento com Geddel, a OAS, o SETEPS e João Henrique Carneiro!

Ela devia ver com que porcos tem se sentado ao jantar… Para o bem dela própria: ela está completamente queimada junto a muita gente do meio cultural bahiano. Você não saber disso é mais um sinal de uma leitura nefelibata da realidade.

Marcio foi vaiado? Nunca vi nem nunca soube. Mas já vi diversas vezes ele ser ovacionado e receber elogios rasgados em público. Quem estava na pipoca de Armandinho em 2009 viu, ou na Praça Castro Alves em 2010; ou na saida do Ilê em ambos os anos.

Ou Aninha Franco se considera mais relevante que o Ilê Ayê? Ou você a considera?

Não me venha dizer que não discute mais comigo porque fui torpe. Você foge da discussão porque desconhece e ignora (ignora = “não sei, não quero saber e tenho raiva de quem sabe”) os inúmeros e momentosos avanços da Cultura na Bahia desde que Marcio tomou a frente.

dia 5 a Orquestra Jovem Dois de Julho apresenta o Rapsody In Blue, de Gershwin, no TCA. Sugiro que vá ver para entender o que de fato a SECULT tem feito…

(é hilário: 3 anos de coluna na Revista Muito Ruim, do Ja Vai Tarde, e Aninha nunca citou sequer o nome “Neojibá” uma única vez!

a orquestra é matéria de capa em Santa Catarina. Mas na Bahia não merece uma citação numa coluna de uma sub-dramaturga num jornal decadente…!)


rosane santana on 21 Fevereiro, 2010 at 17:12 #

Ora bolas, senhor Lucas, quem anda tao por cima assim, como o senhor julga estar a gestao do senhor Marcio Meirelles, nao precisa, como tudo indica, pagar por servicos de especialistas em “administracao de crise” e “recuperacao de imagem”, como queiram, ou V.Sa acha que esta falando com babacas? Essa, alias, e uma questao que interessa ao publico, em geral, pois, ao que tudo indica, sao servicos pagos com dinheiro publico, pois quem o faz, seguramente nao faz caridade. E, ora vejam, ja prestou servico a gente gra’uda do antigo PFL e atual DEM, na Bahia.


rosane santana on 21 Fevereiro, 2010 at 17:13 #

E repito: nao so nao faz caridade, como cobra a peso de ouro!


rosane santana on 21 Fevereiro, 2010 at 17:50 #

Ali’as, Vsa, tao empenhado na defesa de Meirelles, deve responder se, efetivamente, existe tal contrato a que me refiro, se houve dispensa de licitacao e porque, quem paga etc e tal. Afinal, tenha a certeza, muita gente que faz teatro popular na Bahia, como Vsas da Secult gostam de colocar, nao tem em maos a grana que o especialista em administracao de crises, se efetivamente, como tudo indica, foi contratado, ter’a, por exemplo, por um contrato de tres meses.


ana on 21 Fevereiro, 2010 at 17:56 #

eu vi mesmo foi o governo comprar uma edição da revista bravo! pra dizer que fez alguma coisa…
esse tipo de coisa os garanhões do campo da pólvora faziam melhor. dizer que fez é uma modalidade de sexo oral provinciano…
menos bajulação, lucas.


ana on 21 Fevereiro, 2010 at 17:59 #

é simplismente patético louvar a Orquestra Jovem Dois de Julho apresentando o Rapsody In Blue, de Gershwin. por si só isso nào quer dizer nada, culturalmente. temos que avaliar a qualidade. marcio meireles não entende nada de música, o que vemos aqui é um cenário periclitante, com bell marques comprando jatinho de 17 milhões e uma panelinha de gente que baba o ovo de marcio – sem excluir pseudo-escritores sem obra – ganhar um lugar ao sol. digo: um lugar na varanda elétrica


rosane santana on 21 Fevereiro, 2010 at 18:13 #

Tudo como dantes no quartel de Abrantes!!!!!!


Lucas Jerzy Portela on 22 Fevereiro, 2010 at 0:38 #

O Orquestra Jovem Dois de Julho é, segundo Alex Klein, O fato mais importante da música erudita brasileira, em décadas.

Vou repetir: não UM dos fatos – mas O fato.

isso ele disse na abertura no último FEMUSC.

realmente, dialogar com quem relativiza a importancia de termos, hoje, três sinfonicas jovens é como discutir biologia com um pastor evangelico…

sobre a Edição Especial de Bravo!:

1) ela não tratava nem em 1/3 de seu volume sobre ações da SECULT. Antes, bem o contrário, há pelo menos uma reportagem inteira mostrando a importância de trabalho de gente que critica a SECULT. Inclusive de Aninha Franco e do Teatro XVIII;
2) Antes se dizia que a SECULT não divulgava o que acontecia culturalmente no Estado – e era um erro. Hoje se diz que divulga – e que é um erro. Preso por ter cão, preso por não ter.

Alguém aí tem algum argumento mais consistente, ou vão ficar nesse reme-reme?


Lucas Jerzy Portela on 22 Fevereiro, 2010 at 0:44 #

a única bajulação que vejo é de vocês, a uma senhora que mente, mente e mente. E a um orgão de imprensa pra lá de caduco.

Além de uma franca ignorância (não é desconhecimento, é horror ao conhecimento!) da realidade.

Questionar se o Neojibá tem “qualidade artistica”?! Ora, isso é nunca tê-los visto tocar, é ignorar a Turnê Nordeste (patrocinada pelo Bradesco, diga-se de passagem, integralmente). E ainda que não tivesse: só o fato de haver hoje um sistema programático de ensino de música erudita para crianças e jovens no estado não seria louvável?!

Antes, errado era deixar a molecada ao deus-dará da batucada agrafa. Hoje, errado é não deixar, e haver o Neojibá.

de novo: preso por ter cão, preso por não ter.

Críticas a gestão de Marcio? Eu tenho inúmeros, faço-as lá no blog e a ele pessoalmente quando posso. Todas são baseadas em evidências, e são feitas com cordialidade.

As de vocês e as da Boiadeira da Mediocridade, a Cassandra de Hospício, são totalmente delirantes.

vou perguntar de novo: vocês querem discutir política de cultura a sério? Ou querem ficar dizendo que eu sou “bajulador” e que Aninha Franco merece a beatificação canônica?

Dá pra sair desse reme-reme, e partir aos fatos e a racionalidade sobre eles? Ou vai predominar o “modo Veja de ser”, na melhor escola Primeiro de Abril (de 1964) por aqui?!


Lucas Jerzy Portela on 22 Fevereiro, 2010 at 0:51 #

e, pra pararem com essa ladainha de gente que não vê o mundo senão pela lente da Globo (e pela última folha de uma revista dominical de um jornal decadente, escrita por uma histérica em crise de ressentimento) de que só eu defendo a gestão de Marcio Meirelles, aí vai: http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4223380-EI6783,00.html

texto de Francisco Viana, na Terra Magazine (onde alias trabalha o des-administrador deste blog, Victor Hugo Soares – des- porque nunca o vi participar das discussões nem moderar comentários, que têm aqui erradamente liberação automática).

Francisco Viana diz aí tudo que tenho dito, e que Aninha Franco merece ouvir e já ouviu (inclusive em público, de modo polido da boca de Fernando Marinho – que se opõe a Marcio mas é um gentleman, e não ignora a realidade) – mas segue se fazendo de surda.

Em resumo: que a SECULT é atacada por seus acertos. No que ela erra, ninguém (salvo eu) nunca vi criticarem.

É Vejismo puro e torpe o que a Cassandra de Hospício pratica: http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4223380-EI6783,00.html

note: não sou eu quem diz, e sim a mais importante revista eletrônica de política do país!

Dêem-se ao trabalho de ler para não sairem repetindo sandices de Aninha Franco no Jornal Já Vai Tarde…


rosane santana on 22 Fevereiro, 2010 at 7:36 #

Senhor Lucas: VSa agride a todos, qual cachorro louco, e nao responde aos fatos: pode me dizer quanto custa a assessoria para “reparar a imagem do senhor Marcio Meirelles” paga a peso de ouro e, obvio, com dinheiro publico? Como ‘e paga? Por que o referido especialista foi contrato, se a gestao do secretario Marcio Meirelles anda essa maravilha que o senhor divulga? Houve licitacao, como deve ser a praxe, nesse casos, ou os servicos eram tao especiais e relevantes que foram dispensados os ritos? Ou VSa quer fazer acreditar que o tal especialista dispensou os honorarios por amor a cultura baiana?


rosane santana on 22 Fevereiro, 2010 at 7:40 #

E quanto foi, afinal, o valor pago ao especialista, que cobra a peso de ouro, todo mundo sabe? E a duracao do contrato?


Lucas Jerzy Portela on 22 Fevereiro, 2010 at 10:40 #

Rosane,

você relativiza, por politiquice, a importância do Neojibá.

Alex Klein, catarinense, não relativiza.

que mais posso dizer? É caso perdido o seu!

esse argumento UDNista da “gastança” e da “moralidade” interessa a Revista Veja, que você deve ler (e acreditar!) toda semana. A mim não interessa. Interessam os resultados – que me agradam muito.


ana on 22 Fevereiro, 2010 at 10:49 #

os fins justificam os meios. é uma vergonheira


rosane santana on 22 Fevereiro, 2010 at 10:59 #

Oh, meu caro, voce esta trocando as bolas, nao relativizei nada, sequer falei no Neojiba. Fique menos furioso, leia com atencao e responda ao assunto tratato, sem agressoes, achando que ‘e o dono do peda’co e que todo mundo que e contra Marcio nao tem inteligencia. Fiz uma pergunta objetiva e estou aguardando sua resposta. So isso. Nao significa tambem que voce sera obrigado a responder as perguntas. Come down. Fiz perguntas ‘obvias, porque se Marcio Meirelles esta fazendo uma gestao maravilhosa, como voce diz, nao precisa pagar a um profissional para levantar/reparar os danos a sua imagem na iumprensa, usando metodos antigos que todos que estao agora no poder condenavam. Novamente, quanto custa a assessoria do profissional contratao para “reparar” a imagem de Meirelles na midia? Sei que cobra a peso de ouro e j’a trabalhou para peixe grande do ex-pefele na Bahia.


rosane santana on 22 Fevereiro, 2010 at 11:20 #

Esclarecendo: este e um assunto que considero fundamental por duas razoes:

1- Poe em xeque a versao de que a gestao Marcio Meirelles e uma maravilha, como voce diz, alias, so faltou dizer revolucionaria. Imaginem…

2- Tira duvidas sobre a “espontaneidade” de recente artigo publicado, nacionalmente, sobre a gestao Marcio Meirelles, que foi distribuido para todo mundo na provincia.


Alice on 23 Fevereiro, 2010 at 9:32 #

ô ô Lukete, de quem vc é tiete? Esqueceu de tomar seu remedinho, foi? Acabou, lá no postinho que vc trata mal seus pacientes? Vc tá num surto e acha que é dono da verdade (aprendeu tudo nos textos pagos da Secult, parece!) Procura o psi, pq o q vc sabe, de nada serve. A cidade toda sabe quem é e do é (in)capaz o secretáro. Quanto a vc, estamos sabendo: é babaca, preconceituoso, escritorzinho de última e cheira-cu de MM: vai fazer assessoria pra ele, vai, coisinha!


[…] há uma galera do Cultura na UTI que acha que não. Observem no blog do Victor Hugo Soares (que apesar de bom jornalista, tem o mal-habito de não moderar os comentários de seus leitores […]


ana on 24 Fevereiro, 2010 at 23:31 #

lucas, você reclama que este blog não tem moderação. acho que deve ter, sim, mas para atingir um sujeito como você, que chamou Aninha Franco de “sapatão”. baixo nível, subescritor, baixo nível, puxa-saco de Marcio Meireles…


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos