fev
16
Postado em 16-02-2010
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 16-02-2010 11:42

Mudança vai pra cima de Arruda
/>
==================================================

Com a proibição das carroças puxadas por burros, jegues e cavalos e a “oficialização” do desfile dominado entidades assistencialistas e ONGs patrocinadas pelos governos estadual e federal, a Mudança do Garcia perdeu grande parte de sua capacidade crítica, seu espírito anáquico e o poder de atração da participação popular e dos visitantes.

No desfile desta segunda-feira, 15, praticamente só restou o espaço do desfile livre das cordas que enforcam cada vez mais os circuitos do carnaval baiano e uma ou outra grata surpresa. Uma das melhores, ontem, a comemoração dos 40 anos de desfiles ininterruptos do bloco FILHOS DE FILÓ E SOFIA, nascido na antiga Faculdade de Filosofia, no bairro de Nazaré, na resistência estudantil contra a ditadura dos anos 60, na Universidade Federal da Bahia.

O local do encontro e concentração – o Bar e Lanchonete Mirante, na rua Leovigildo Filgueiras – dos Filhos de Filó… – foi pura e animada festa, comandada pelo professor Sergio Guerra, ex-presidente da secção baiana da Associação dos Professores Licenciados do Brasil (APLB) e um dos fundadores do bloco (como estudante), por outro fundador e compositor do bloco, professor da UFBA , Normando Batista, à frente do conjunto de samba “Raízes Brasileiras”. Professores, jornalistas, publicitários, velhos e novoa amigos reunidos graças ao desfile do antigo “Ranca Toco”, “Faxina do Garcia”, e atual “Mudança”.

No desfile propriamente dito da “ Mudança do Garcia” , ontem restou pouco nas ruas da tradicional troça carnavalesca criada em Salvador em 1927, mas que ressurgiu com força em 1958 e teve seu período áureo nos anos 60/70 da ditadura militar, como parte popular relevante e histórica do movimento de resistência social, política e cultural na capital baiana.

Mas, mesmo com todas as perdas e danos em sua história e integridade, ainda valeu a pena para muitos observadores e participantes. O protal Terra, por exemplo, anotou em sua cobertura do desfile: o tradicional e “desorganizado” bloco, que mistura partidos políticos, movimentos sindicais e sociais, outros blocos carnavalescos, carroças puxadas por cavalos e muito protesto político, lotou, no início da tarde de hoje (15), as ruas do bairro Garcia em direção ao circuito Campo Grande, onde desfilam entre os trios elétricos Chiclete com Banana, Banda Eva e Banda Cheiro do Amor.

Milhares de pessoas participam do Mudança do Garcia, que não cobra abadás e não é limitado por cordas. Nesse bloco, a criatividade é o limite. Podem participar pessoas com ou sem fantasias, com ou sem faixas, em grupos ou sozinhas.Faixas de protesto criticavam a política educacional na Bahia e a política nacional. Algumas alertavam para a violência contra a mulher.

“Na Bahia de Todos os Santos, Encanto e Axé, não cabe a violência contra a mulher. Ligue 180”, dizia uma delas. Outras faixas diziam: “O pré-sal é nosso”, “Arruda: a Justiça é cega, mas não é muda. O seu lugar é na Papuda”, “Não basta prender o governador do Distrito Federal. Tem que dar uma injeção de cupim na sua cara de pau” e “Congresso Nacional: Olimpíadas da Corrupção, da Impunidade e da Omissão”., registra Terra sobre o desfile de ontem.

As críticas ácidas e criativas às mazelas dos políticos e governantes locais, no entanto, praticamente desapareceram dos cartazes levados para as ruas nesta segunda –feira, no desfile que misturava raros momentos de alegria e bom humor, com muita melancolia. O bloco que, segundo alguns relatos, foi i inspirado na história de uma prostituta que decidiu se mudar do bairro, no centro da cidade, em uma segunda-feira de carnaval, depois de ter sido expulsa pela elite da época, que se sentia incomodada com sua presença, parece ter fugido de seu leito principal. Preferiu voltar as vistas para Brasília, mas não para o governo federal, como antes , e sim para esculachar com “Mensalão do DEM” e, principalmente com o seu mentor, o governador do Distrito Federal”, José Roberto Arruda, que passa o carnaval preso nas depend~encias da Polícia Federal.
===============================================

Amigos do Bahia em Pauta na Mudança do Garcia 2010
Entre outros: o editor, Maria Olívia, Lídice da Mata, Patrícia França. Thais Bilenky (ex-Terra Magazine-SP), Aurora Vasconcelos,,,A foto é de outro grande amigo do BP, Claudio Leal, repórter de Terra Magazine.

(Postado por Vitor Hugo Soares, velho folião ds “Mudança do Garcia”, com informações do portal Terra e Jornal da Mídia ).

Be Sociable, Share!

Comentários

Lucas Jerzy Portela on 16 Fevereiro, 2010 at 12:08 #

esse ano teve carroça, cavalos e mulas no Mudanção.

não teve jegues, infelizmente.


Valdecy on 16 Fevereiro, 2010 at 13:57 #

Meus parabéns pelo blog e não deixe de ler matéria sobre: POR QUE NINGUÉM MAIS QUER SER PROFESSOR? Basta acessar meu blog, clicando em:
http://www.valdecyalves.blogspot.com

Não deixe de ler poesias de minha autoria vendo video-poesia, clicando em:

http://www.youtube.com/watch?v=jj0tAsBOkO8


Daniel on 16 Fevereiro, 2010 at 20:16 #

Lamentavelmente, a “Mudança do Garcia” de hoje, é dominada por sindicatos pelegos e partidos políticos aproveitadores. Não há mais aquela manifestação genuína do povo. Triste.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos