fev
12
Posted on 12-02-2010
Filed Under (Artigos, Regina) by vitor on 12-02-2010

Aninha Franco leva drama…

===================================================
…dos “cordeiros” ao palco

Postado originalmente como comentário ao artigo do músico Paquito sobre o carnaval de Salvador, o texto da advogada Regina Soares, colaboradora deste site-blog que mora há décadas na área da belissima Baia de San Francisco, na Californa, sem tirar os olhos de sua Baia de Todos os Santos, sobe agora para o espaço principal do Bahia em Pauta, por seu contaúdo e propriedade. Confira. (VHS)

=====================================================

REGINA SOARES

SAN FRANCISCO (CA-USA) – A escritora, advogada, dramaturga e administradora do Theatro XVIII http://www.theatroxviii.com.br , localizado no Pelourinho, Aninha Franco, uma legítima cidadã “pelourinhense”, que acompanhou com atenção todas as etapas pelas quais passou o local, sempre interferindo em seu destino, escreveu uma peca sobre os “cordeiros” em 2005, “Esse Glauber”, que representava um dialogo entre dois desses homens e mulheres que tem essa função no Carnaval da Bahia.

Na história, o carnaval acabou e o tema do ano na cidade foi “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, em homenagem ao cineasta Glauber Rocha. Todo Mundo (RitaAssemany) e Qualquer Um (Diogo Lopes Filho), aguardam o pagamento pelos dias trabalhados separando dois mundos: o do interior dos blocos e o da multidão excluída. O texto é de Aninha Franco, a direção de Marcio Meirelles (então amigos de outros carnavais) e a trilha sonora original de Jarbas Bittencourt.

Os depoimentos colhidos e que fazem parte do dialogo são impactantes. O que os faz segurar aquela corda por cerca de oito horas, expostos a todo tipo de violência e discriminação, com direito a apenas um pacote de biscoito recheado e duas garrafinhas de água por dia? Dinheiro, claro. O valor em questão assusta ainda mais. “Me prometeram uma diária de R$10, mas na hora só pagaram R$8. Acho um absurdo, mas vou reclamar com quem? Tenho três filhos pequenos pra criar, precisava do dinheiro”, diz a jovem cordeira, sem querer se identificar, revelando que já apanhou muito e já bateu também quando “o bicho pega na avenida”.

Regina Soares, advogada, foliã desde menina, mora em Belmont, área da Baia de San Francisco, Califórnia, há mais de 30 anos, com antena voltada para sua Baia de Todos os Santos, que ferve em mais um carnaval)

  • Arquivos