fev
06
Postado em 06-02-2010
Arquivado em (Multimídia) por vitor em 06-02-2010 09:52


====================================================
Neste sábado soteropolitano a música do baiano Tom Zé para começar o dia no Bahia em Pauta, foi postada na casa de um parente próximo deste Bahia em Pauta:O Blogbar do Fontana ( http://fontanablog.blogspot.com/ ).

Casa cibernética onde o visitante de bom gosto se sente à vontade:música de primeira, bebida não “batizada”, cultura, informação que interessa, opinião sempre, tudo postado com extremo zelo e senso estético do cidadão brasileiro Luiz Alfredo Motta Fontana.

Ah, tem muita poesia, que o dono da casa é poeta de primeira, e criou a Tabacaria do blog, que só vendo!

Quanto à música de Ton Zé é um achado do garimpo de quem sabe ( e gosta muito) do assunto. Nela, entre outras delícias, o ouvinte encontra o que o próprio artista de Irará considera um dos melhores versos de toda a sua vida de grande compositor: “Quando eu vi, que o Largo dos Aflitos, não era bastante largo pra caber minha aflição/Eu fui morar na Estação da Luz , porque estava tudo escuro dentro do meu coração” . Confiram os dois: a música de Tom Zé e o Blogbar do Fontana.

Tim Tim.

(Vitor hugo Soares)

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 6 Fevereiro, 2010 at 10:24 #

Tô sufocado!!!

VHS, esse blogueiro de vagas horas, não merece tanto afago!

Eu, como você mesmo disse, apenas garimpo, e na mina de Tom, esse Zé todo lírico, o que abunda é malícia, poesia, e surpresas de esquinas inesperadas.

Lembra disso?

“Oh senhor cidadão,
eu quero saber, eu quero saber
com quantos quilos de medo,
com quantos quilos de medo
se faz uma tradição?”
(Senhor Cidadão – Tom zé)

Eu quando muito, posso escrevinhar:

“Antes

A razão educo

busco,

muitas vezes em vão

A poesia tateio

busco,

e apenas reconheço

Está, antes de mim, presente”

Caro VHS.estou grato, tua acolhida me comove, frequentar tua Bahia em Pauta, é “apenas” honra e deleite.

Tim! Tim!

Em tempo:

Ainda vou ouvir:

“- A ponte sumiu, editou-se e… escafedeu-se!”

Ao som da voz, e do violão de Caymmi, num murmúrio que o vento traz do lado de lá!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos