nov
06
Postado em 06-11-2009
Arquivado em (Artigos, Claudio) por vitor em 06-11-2009 19:13

Burgos:”ânsia renovadora e libertária”
Burgos
==============================================

MEMÓRIAS, ESPANTOS E SAUDADES

Claudio Leal

Morre Magno Burgos. Memórias, espantos e saudades. Por ora, recupero uma lúcida análise do amigo, da época da transição democrática. Para aqueles que o conheceram e os que não saborearam sua lucidez derramada em uísques e cafés, mas nunca turvada pelo cigarro, segue o texto que talvez tenha sido o preferido do nosso guru. Escrito no calor dos revanchismos e das pazes finais (definitivas?) da ditadura militar.

Em 12 de agosto de 1979, o jornalista Tarso de Castro republicou esse artigo de Magno sobre a Anistia no lendário Folhetim, da Folha de S. Paulo. A pedido do romancista e ex-editor-chefe da Tribuna da Bahia, João Ubaldo Ribeiro, Tarso introduziu o texto na edição especial às vésperas da votação no Congresso.

No arquivo da Folha, em São Paulo, tirei uma cópia da página do caderno cultural, dividida por Ubaldo e Magno: “Um ato de coragem. De generosa coragem”. Belo desfile de erudição e equilíbrio, palavras que se projetam para o Brasil contemporâneo, quando se discute os limites da anistia a torturadores. A seguir, a apresentação de Tarso e o artigo de Magno. (Claudio Leal, jornalista, para Bahia em Pauta))

================================================

“Na terça-feira, dia 7, o jornal ‘Tribuna da Bahia’ trazia um artigo do seu comentarista econômico Magno Burgos, em que ele surpreendia os leitores ao deixar de lado o emaranhado de temas que envolve a sua área para se debruçar sobre a questão da Anistia. Apesar de concluir, logo no início, que é ‘mais fácil lutar pela anistia ampla geral e irrestrita, do que escrever sobre ela, porque muitos já o fizeram, praticamente esgotando o assunto, com talento e muito amor’, Magno Burgos acrescenta em seu artigo ‘Conviveram em democracia’, uma contribuição lúcida e apaixonada à análise do tema. Comovido, João Ubaldo Ribeiro passou a mão na tesoura e enviou para o Folhetim, o artigo de Magno Burgos. E nós o transcrevemos aqui em seus principais tópicos. Tem razão o João Ubaldo. Nosso leitor deve tomar conhecimento dessa contribuição do Magno Burgos, justo no momento em que está nas mãos do Congresso a decisão de uma Anistia sem adjetivos, que ajude esta Nação a reencontrar-se com a sua história.”

=====================================================

Conviveram em democracia

Por Magno Burgos

A luta pela anistia é incessante ao longo da História. Desde o seu etmo “Amnestia” (esquecimento) do fecundo gênio grego, no arcontado de Solon, às lutas do CBA no Brasil de hoje, o homem agitou-se movido pela ânsia renovadora e libertária, em face das idéias dominantes. Por isso, em todas as épocas e em todos os meios, os lutadores pela anistia dos vencidos desses embates, escreveram páginas de heroísmo e desenvolveram a teoria do esquecimento do delito político, deixando à História o julgamento dos acontecimentos e dos personagens.

Muitas vezes, no rolar do tempo, o julgado, o penalizado, o bandido torna-se o herói perante a História. Outras tantas, as idéias que produziram mártires, quando triunfantes, produzem vítimas.

Ser cristão era crime hediondo no tempo dos césares e pagava-se na arena com a vida. Já na Idade Média, não ser cristão era crime igualmente hediondo e pagava-se com a vida nos tribunais da Inquisição.

Esta tem sido a dolorosa contingência da vida em sociedade.

No Brasil, não tem sido diferente. Somos herdeiros de uma história pontilhada de lutas fratricidas pela disputa do poder político, culminando todas, passada a refrega, pela anistia ampla, geral e irrestrita.

Assim, no Império, foram anistiados os Cabanos, os Balaios, os Farrapos, os Praieiros etc. Na república sucedem-se as anistias desde 1892, que completam uma série de dez ou doze, incluindo Aragarças e Jacareacanga.

Destaque-se para glória do homem brasileiro, que todas foram amplas, gerais e irrestritas, porque alcançavam todos os delitos políticos, todos os condenados, procurados e exilados, sem qualquer restrição ao exercício e às vantagens da atividade anterior, quer militar quer civil.

Tanto assim que exercitando a anistia, esta Pátria levou à Câmara, ao Senado, ao Ministério do Exército, aos Governos de Estados e até à Presidência da República, cidadãos anistiados como: Euclides Figueiredo (2 vezes), Filinto Muller, Estilac Leal, Octávio Mangabeira e Gaspar Dutra.

Isto demonstra, que na melhor tradição brasileira, os caminhos do poder político passam pelos cárceres, pelo exílio e pela anistia.

Vai daí, a anistia agora proposta pelo general Figueiredo é indigna da tradição que por duas vezes anistiou o seu pai. É mesquinha e covarde porque nem tudo esquece e nada repara. Por ela seu pai não seria deputado, nem Gaspar Dutra presidente da República.

Os jovens que empunharam armas, assaltaram bancos e mataram e morreram, o fizeram contra um Governo violento e ilegítimo, que seqüestrou, torturou e negou o habeas-corpus.

Tanto é crime seqüestrar um embaixador quanto um cidadão comum, não importa se o autor foi um jovem desesperado ou um Governo arbitrário.

A guerrilha urbana, que deixou um saldo de mortos e feridos, foi uma resposta à violência institucionalizada. Talvez ingênua, talvez intempestiva, mas sem dúvida heróica e essencialmente política.

O conceito universal de terrorismo que se aplica às Brigadas Vermelhas, não é o mesmo para a OLP nem seria meses atrás para os sandinistas hoje juízes dos seus algozes.

Com efeito, as Brigadas Vermelhas atuam numa sociedade livre, sem qualquer restrição ao pensamento ou à atividade política, ao contrário do que ocorria no Brasil onde tudo era proibido pela repressão, inclusive pensar e discordar.

Mais do que pragmático, hipócrita e frágil, o regime político que reconhece a OLP e nega anistia aos jovens que a ele resistiram a pretexto de haverem cometido crime de sangue. Não que seja incorreto o reconhecimento da OLP mas, enquanto não for concedida internamente a anistia ampla, geral e irrestrita, o gesto não será mais do que uma barganha imoral, indigna do povo brasileiro e dos combatentes palestinos.

Rui Barbosa, combatendo uma proposta de anistia restritiva, do alto do seu saber jurídico chamou-a de “anistia inversa e penal”.

Isto quer dizer que em anistia não há meio termo. Ou é ampla, geral e irrestrita ou é um instrumento punitivo.

A anistia, como reclama a Nação brasileira, jamais será uma dádiva. Em qualquer circunstância será sempre um ato de coragem. De generosa coragem.

Se o Congresso assim o entender e num gesto de grandeza transformá-la em ampla, geral e irrestrita, dele poderemos dizer como Tucídides, o grande historiador grego, escreveu sobre os estadistas de sua pátria: “Eles esqueceram e daí avante conviveram em democracia”.

(Magno Burgos – Transcrito da “Tribuna da Bahia” de 7/08/79).

Be Sociable, Share!

Comentários

Olivia on 7 novembro, 2009 at 9:59 #

Belíssimas palavras Luizito. Seu Magno deixou uma saudade danada, ela chega a doer. Estou reunindo forças para descer até o Shopping Barra, tá difícil, acordei com um “ressaca” braba.


Luis Leal Filho on 7 novembro, 2009 at 11:28 #

Você foi lá no fundo do baú buscar este texto antológico dele. Como na canção
do Sergio, para o pai Jacob, “a saudade dele tá doendo”, resta aquela mesa no canto, onde, certamente, ele sempre será recordado. Chico Buarque traduziu muito bem o sentimento da saudade, em frases fenomenais, tipo: “a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu”, ou: “a saudade é o pior tormento
É pior do que o esquecimento
É pior do que se entrevar”. Ele, felizmente não caiu no rol dos desaparecidos, mas a saudade é o que Chico descreve com a tinta de um tempo infeliz da nossa história, que Magno ajudou a mudar.
Fico feliz por trazer de volta estas recordações quase esquecidas e que nos trouxe como feliz recordação neste momento de grande pesar e que muito nos conforta. Nossa tristeza é tão exata, mas ele e a geração dele nos deixaram um legado muito bonito que não pode ser esquecido, como um bandolim.


vitor on 7 novembro, 2009 at 13:24 #

Luis:

No meio das memórias, espantos e saudades, como assinala Claudio sobre a morte de Magno Burgos, surgem alentos renovados para ajudar familiares, amigos e admiradores que ficam, a aguentar o baque. Um desses alentos são as palavras que vc escreve em dois comentários repletos de sentimentos misturados com conteúdo informativo , analítico e opinativo da melhor qualidade.

Bahia em Pauta sente muito orgulho em tê-lo entre seus leitores e ouvintes. Em nome dos que pensam e fazem este site-blog, o editor pergunta: que tal ser um de seus colaboradores? Em troca só podemos prometer, por enquanto, o respeito intelectual e afeto, além de um tapete vermelho a ser aberto quando vc decidir. Chega mais!

Grande abraço e obrigado

Vitor Hugo


Daniel de Castro Burgos on 7 novembro, 2009 at 18:36 #

Claudinho,

Com certeza este é o texto que meu pai mais gostava. E realmente é espetacular e apesar de estarmos a 30 anos daqueles acontecimentos, ainda assim me parece atualíssimo, são estas coisas que vai mantê-lo sempre vivo na memória de todos nós.

Um grande abraço,

Daniel


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • novembro 2009
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30