out
31
Postado em 31-10-2009
Arquivado em (Entrevistas, Newsletter) por vitor em 31-10-2009 12:48

Geddel e Dilma: “só carinho”
gedilma
==================================================
No comando da pasta da Integração Integração Nacional do governo Lula , o ministro Geddel Vieira Lima insiste em proclamar à toda altura a sua condição de pré-candidato do PMDB na Bahia, contra o governador petista Jaques Wagner. Enquanto isso, costura a aliança das duas legendas nacionalmente, e parece não ter motivos de arrependimento ou temer desgaste político causado pelas críticas ácidas que recebe de adverários em seu estado.

Ao contrário, como revela na entrevista concedida ao repórter baiano Eliano Jorge, postada neste sábado, 31, na revista digital Terra Magazine.

“Só tenho recebido do presidente Lula e da ministra Dilma demonstrações de carinho, de apreço e estou sendo uma pessoa que tem procurado articular muito o PMDB nacional, quebrar resistências para viabilizar uma apoio forte à ministra Dilma Rousseff”, deixa claro. E Geddel ressalva: “A disputa na Bahia não contamina o projeto nacional. Da nossa parte.”

“Falar de Partido dos Trabalhadores com Geddel Vieira Lima suscita opiniões extremas. Do apoio exacerbado ao rompimento total. Ir de um lado desse a outro é como atravessar uma fronteira bem definida. No caso estrito, a da Bahia’, assinala TM na apresentação da entrevista. Confira trechos da conversa do ministro Geddel em Terra magazine, que Bahia em Pauta reproduz a seguir. (VHS)

===============================================

Terra Magazine – Houve palanque duplo para eleição em Salvador, em 2008. O que o senhor acha desta nova ocorrência para a disputa pelo governo da Bahia?

Geddel Vieira Lima – É um fato absolutamente natural. Infelizmente o PMDB e o PT da Bahia deixaram de se entender. O PMDB identificou uma série de quebras de compromissos dos pontos de vista administrativos e políticos. O que nós imaginamos e sonhamos em 2006 começou a desmontar em 2008, quando o PT deixou a administração do prefeito João Henrique. Depois de negociar inclusive a ampliação do espaço, lançou uma candidatura. Foi colocado de forma clara. Aliado a este posicionamento político do PT com uma série de desarranjos administrativos, nós entendemos que não cabia mais preservar esta aliança.

Terra Magazine –Existe alguma chance ainda de o senhor compor com o PT baiano…?

Não, não, não, não, não. Não vislumbramos. Não vislumbramos. Cada um vai sair com seu projeto próprio. O que pode nos manter unido é a avaliação de que o projeto nacional é um projeto bem-sucedido. Ou seja, o Lula tem sido excepcional para o Brasil, o Wagner não tem sido bom pra Bahia. Portanto, nós vamos disputar esta eleição, oferecendo um apoio à candidatura que preserve o projeto do presidente Lula.

Terra Magazine –E o que o senhor acha da avaliação de que sua candidatura fica enfraquecida sem o apoio do governo estadual?

Só pode ser uma avaliação dos meus adversários. O Jaques Wagner ganhou uma eleição no passado, numa postura contra o governo estadual. Estar no governo estadual não significa você ter sucesso, significa você fazer uma boa administração. Não é o caso do que está acontecendo na Bahia. Estou extremamente otimista.

Terra Magazine – Como tem sido seu entendimento com a ministra Dilma e o presidente Lula?

Excepcionalmente bem. Só tenho recebido do presidente Lula e da ministra Dilma demonstrações de carinho, de apreço e estou sendo uma pessoa que tem procurado articular muito o PMDB nacional, quebrar resistências para viabilizar uma apoio forte à ministra Dilma Rousseff.

Terra Magazine – O acirramento da disputa na Bahia não pode deteriorar o pré-acordo entre PMDB e PT pela candidatura nacional?

Por quê? Não vejo qual é a ligação que têm uma coisa e outra. Nós vivemos numa federação, não há obrigação de o que acontece nacionalmente se repetir nos mais diversos estados. Já não aconteceu na eleição passada. Em Pernambuco, havia a candidatura do Eduardo Campos e a do Humberto do Costa. Este fato que acontece na Bahia acontecerá em outros lugares. Eu tenho tido com a direção nacional do PT e com o presidente Lula e a ministra Dilma a melhor das relações. E o PT nacional também tem visto posições extremamente ponderadas, moderadas, diferentemente das posições do PT da Bahia, que vivem, entre outras coisas, tentando plantar – e o termo é este – plantar, na mídia amiga, intriga, cizânia, divisão. Já tenho experiência suficiente para não morder este tipo de isca.

Terra Magazine – Na verdade, foi o jornal O Globo que publicou nesta sexta-feira…

Mas eu não estou falando especificamente deste assunto, estou lhe falando de vários assuntos.

LEIA ÍNTEGRA DA ENTREVISTA DO MINISTRO GEDDEL EM TERRA MAGAZINE 

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • outubro 2009
    S T Q Q S S D
    « set   nov »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    262728293031