set
20


====================================================
Enquanto os torcedores do Vitória seguem festejando intensamente o triunfo de sábado por 2 a 0 contra o Internaciona gaúcho, no Barradão, a música para encerrar o domingo, 20, é “Zanzibar”, com guitarrista baiano Armandinho à frente da Cor do Som. Vai para animar ainda mais a festa da torcida vermelho e preta da Bahia, apesar da letra falar em “tricolor colar”. Quem sabe um estímulo para a recuperação do time do Bahia, tão mal das pernas na segunda divisão!.

Além disso, com Zanzibar este site-blog preenche uma lacuna quando da publicação na sexta-feira do artigo de Janio Ferreira Soares sobre a falta que faz o cronista Armando Oliveira em Salvador, em cujo texto lembra da música e a Cor do Som. No dia, o editor não conseguiu encontrar Zanzibar no universo do You Tube. Mas lá da Califórnia, Regina mais uma vez deu um jeito em garimpagem que varou a madrugada, mas valeu a pena.

Afinal, é como diz uma ouvinte em comentário no You Tube: “Naum minha querida belzinha, o Armandinho não é um guitarrista, ele? é um VIRTUOSE. Sabe aquele cara que faz o que quer, se quiser, mas que para não ser bossal apenas toca música… Viva esse Gênio musical baiano, Viva Armando, filho de Osmar e cria do Trio baiano!”.

Viva! Confira, e boa noite

(Postado por Vitor Hugo Soares)

set
20
Posted on 20-09-2009
Filed Under (Newsletter) by vitor on 20-09-2009

Deu na VEJA

Na coluna Radar, assinada pelo jornalista Lauro Jardim, saiu na revista Veja que está nas bancas, a seguinte nota:


Quem quer vender?

“O grupo Oi procura um jornal para comprar. Já fez uma tentativa em Brasília. Não vingou. Mas continuará na busca”.

set
20
Posted on 20-09-2009
Filed Under (Newsletter) by vitor on 20-09-2009

Deu na coluna
===============================================

O jornalista Augusto Nunes informa na sua coluna desta semana na revista VEJA:

“Os deputados federais recolocaram em movimento o trem da alegria que pretende despejar nas Câmaras Municipais mais de 7.000 cabos eleitorais a bordo. O trem vai parar no meio do caminho”.

set
20

Mãe Hilda: lacuna no Curuzu
Hildadoilê
===============================================

Sob aplausos e muita emoção na cerimônia com expressivos momentos marcado pelo forte sincretismo religioso baiano, a ialorixá Mãe Hilda , líder espiritual do terreiro Ilê Axé Jitolu, do bairro do Curuzu, – área de nascimento da comunidade cultural do famoso bloco bloco afro Ilê Aiyê – foi sepultada na manhã deste domingo, 20, no cemitério Jardim da Saudade, em Salvador.

Antes do sepultamento, a que compareceram o governado Jaques Wagner, de religião judaica, e o prefeito evangélico João Henrique Carneiro – que decretou três dias de luto na cidade – centenas de filhos e filhas de santo ligados ao terreiro Ilê Axé Jitolu permaneceram em vigília durante toda a noite de sábado e madrugada de domingo.

Por volta das 8h30 , todos se reuniram em volta do caixão para entoar os cânticos e dar início ao comovente cortejo fúnebre, seguindo os rituais dos cultos de Candomblé. Entidades dos cultos afro-brasileiros incorporadas lideraram o cortejo, que seguiu até a entrada do Curuzu. A cerimônia teve sequência no Jardim da Saudade onde, por volta das 10h30, Mãe Hilda foi sepultada sob aplausos dos presentes, quase todos vestidos de branco.

Vovô, filho de Mãe Hilda e principal dirigente do bloco afro Illê Ayê, informou que o terreiro permanece de luto e realiza rituais pelos próximos sete dias. Os projetos com o Ilê Aiyê deverão continuar, mas ainda não se sabe como os trabalhos serão conduzidos a partir de agora.

AMIGA DE LULA- Mãe Hilda era a grande incentivadora dos projetos culturais do Ilê Aiyê e tinha um carinho especial pela escola do Curuzu que leva o seu nome, visitada por Lula – amigo pessoal da ialorixá falecida – na campanha de 2002, quando ele prometeu “olhar com especial carinho para o projeto de Mâe Hilda, que vejo como um exemplo para o país”.

Além da educação formal, os alunos da Escola Mãe Hilda recebem formação artística e de cidadania. A instituição é também uma das referências no ensino de História da África e Cultura Afro-Brasileira.

Mãe Hilda, consagrada a Obaluaê, é que presidia também, todos os anos, a belíssima cerimônia religiosa do Curuzu transmitida para várias partes do mundo, antes do tradicional desfile do Ilê no sábado, no carnaval de Salvador.

(Postada por: Vitor Hugo Soares)

set
20

Luis Francisco: sem trégua para Hilderando
lufrancisco
=============================================
Deu no Blog da Amazônia

Esta matéria está no correto Blog da Amazonia (www.blogdaamazonia.blog.terra.com.br) do jornalista Altino Machado. Vale reprodução no Bahia em Pautaa , para reflexão neste domingo, 20, pois a mídia brasileira tentou “matar” o procurador Luis Francisco, mas ele continua na ativa e muito bem obrigado. Amanhã, dia 21 de setembro, será o julgamento do ex-deputado Hildebrando Pascoal.

(Maria Olívia, jornalista)

==============================================

Luiz Francisco Fernandes de Souza

Na segunda-feira, 21, quando sentar no banco dos réus para ser julgado pelo “crime da motosserra”, o ex-deputado Hildebrando Pascoal haverá de ser atormentado pela lembrança do procurador da República Luiz Francisco Fernandes de Souza, 47 anos, principal responsável por desarticular a organização criminosa da qual era o líder e que submeteu o Acre ao terror e barbárie nas décadas dos 1980 e 1990.

Luiz Francisco estava com 33 anos quando desembarcou em Rio Branco para chefiar o Ministério Público Federal no Acre. Obcecado por deter as ofensivas de Pascoal e seu bando, chegava a passar dias e noites sem tomar banho, alimentando-se precariamente. Exausto, se recolhia por no máximo três horas num quarto que se limitava a precário banheiro, minúsculo guarda-roupa, rádio de pilha e colchão no chão.

O procurador nasceu em Brasília, é ex-seminarista da Ordem dos Jesuítas, ex-bancário e ex-sindicalista. Dias antes de ingressar no Ministério Público Federal, em 1995, cancelou a filiação ao PT, fez as malas e veio para o Acre para a sua primeira e mais espetacular ação como símbolo de uma geração de procuradores destemidos que despontava no país.

Luiz Francisco, como é mais conhecido, continua o mesmo: solteiro, mas há dois anos deixou a casa dos pais, financiou a compra de uma casa e pilota o terceiro fusca (dois foram roubados) de sua vida. Continua desengonçado, não suporta gravata e seus ternos pedem socorro.

Na segunda-feira, a partir de seu escritório em Brasília, o procurador regional do Distrito Federal estará antenado no andamento do julgamento do ex-deputado que mandou para a cadeia.

Diz que não guarda rancor de Hidebrando Pascoal e espera que seja condenado mais uma vez.

– Espero também que ele, na prisão, pegue a Bíblia, leia, se acerte com Deus direitinho e possa até cuidar melhor da esposa e dos filhos dele. Ele e eu, quando morrermos, vamos nos encontrar com Deus. É bom que a gente tenha coisas boas para poder mostrar a Deus. O “diacho” é que foram muitos crimes que ele praticou. Claro que não tenho a menor raiva de ninguém, graças a Deus, e torço para que não aconteça nada de mal com ele. Eu só não gosto da impunidade. Quando uma pessoa é serrada viva, neste caso não pode ter impunidade.

O procurador sempre esteve envolvido em diversas polêmicas, mas registra em sua carreira um fracasso nas denúncias que lançou contra Eduardo Jorge Caldas Pereira, secretário-geral da Presidência da República no governo Fernando Henrique.

Eduardo Jorge foi absolvido das denúncias e o Conselho Nacional do Ministério Público reconheceu que ele fora alvo de perseguição política. Condenado a 45 dias de suspensão, Luiz Francisco recorreu, alega que o caso está prescrito, mas não se dá por vencido.

– Na verdade Eduardo Jorge não foi inocentado porque ele nem chegou a ser investigado. Quebrei o sigilo dele três vezes. A investigação dependia disso, mas todas às vezes ele conseguiu suspender a quebra do sigilo.
============================================
Leia íntegra da entrevista no Blog da Amazônia)
=============================================
BLOG DA AMAZÔNIA – Você chegou ao Acre no dia 27 de junho de 1995 e retornou para Brasília no dia 12 de julho de 1996. Em um ano você desmobilizou e fez as denúncias que culminaram por levar Hildebrando Pascoal à prisão. Como se sente?
LUIZ FRANCISCO FERNANDES DE SOUZA – Foi um trabalho de equipe do qual participaram pelos menos 15 procuradores da República. Mas foi, acima de tudo, um trabalho em parceria com a sociedade organizada acreana, inclusive contigo, Altino. Também colaboraram outros jornalistas e pessoas como o bispo dom Moacir Grechi ou pessoas que romperam após trabalhar para Hildebrando Pascoal. Trabalhamos até com pistoleiros dele, que nos passavam informações. Pessoas bem próximas do Hildebrando, não suportaram as barbaridades que ele cometia e o entregaram. Foi um trabalho coletivo, não foi um trabalho meu. Até delegados, como o Carlos Bayma, nos ajudaram. Além disso, foi o trabalho dos jornalistas acreanos que levantaram tudo, o que inclui o pessoal da Gazeta, você, Página 20, todo mundo.

Você estava com apenas 33 anos. Foi a impetuosidade da idade que o fez se expor tanto contra uma organização criminosa?
Eu estava cercado de pessoas muito boas para fazer o trabalho, como Henrique Corinto, você, além de jornalistas como Charlene Carvalho e Angélica Paiva. Havia também o pessoal do Comitê Chico Mendes, a então deputada Naluh Gouveia. Eram vocês que faziam a minha linha de proteção. Eu não me expus tanto. Você se expôs bem mais porque esteve na toca da onça quando foi realizar aquela entrevista na casa dele. Por uma palavra ou outra, naquela ocasião ele poderia ter matado você, dar um tiro brincando porque é desequilibrado. Foi o mesmo risco ao qual se expôs o desembargador Gercino José da Silva, que presidia o Tribunal de Justiça. Foi um bom trabalho acreano.

De todas aquelas histórias envolvendo o crime organizado, qual o episódio que mais chocou a você?
Foi o seqüestro da Clerisnar, mulher do José Hugo, assassino de um irmão de Hildebrando. Ela foi seqüestrada com seus filhos e aquilo foi o que me fez mexer. Ela ficou nas mãos de seus algozes e foi levada para São Paulo. Chocou-me por pensar no sofrimento e agonia da mulher com os filhos.

Fiquei chocado mesmo quando você me chamou ao seu gabinete para mostrar as fotos do “Baiano” com os braços e pernas serrados, emasculado, com um prego na testa e crivado de balas.
Aquilo também me chocou. Para tirar aquelas fotos teve gente que arriscou a vida no Instituto Médico Legal. As fotos são decisivas. Qualquer pessoa com a mínima consciência passava a querer fazer alguma coisa.

Acredita que Hildebrando Pascoal possa ser absolvido pelo júri por causa do “crime da motosserra”?
Espero que não. Espero também que ele, na prisão, pegue a Bíblia, leia, se acerte com Deus direitinho e possa até cuidar melhor da esposa e dos filhos dele. Ele e eu, quando morrermos, vamos nos encontrar com Deus. É bom que a gente tenha coisas boas para poder mostrar a Deus. O “diacho” é que foram muitos crimes que ele praticou. Claro que não tenho a menor raiva de ninguém, graças a Deus, e torço para que não aconteça nada de mal com ele. Eu só não gosto da impunidade. Quando uma pessoa é serrada viva, neste caso não pode ter impunidade.

A defesa vai argumentar de que não existem provas de que foi Hildebrando Pascoal quem serrou o “Baiano” e que o ex-deputado é um preso político.
Existe um caminhão de provas, que mostram que ele estava envolvido e coordenou muito mais coisas. Acredito que o júri vai decidir de outra forma. Ele não tem nada de preso político. Os fatos que envolvem a família do Hildebrando, desde a morte da mãe dele, quando mataram um médico, capitão do Exército, porque julgaram que ele havia sido negligente no atendimento da mulher, é mais uma evidência de que cometiam crimes comuns. Não tem nada de crime político. Foram grandes crimes que foram cometidos e que a sociedade acreana se movimentou para livrar o Acre da barbárie. Eu ocupava um cargo que me permitia ser como um catalizador, alguém que estava na foz, onde desaguam as águas. Mas a reação contra ele veio da sociedade, de coronéis da PM que o denunciaram, de delegados antigos que depuseram contra ele, de pessoas que trabalhavam com ele dentro da casa dele e até de pistoleiros e traficantes.

Hildebrando já tem 88 anos de condenação. Vai morrer na prisão?
Ninguém pode ficar mais de 30 ano na cadeia. Mesmo que tenha mil anos de condenação, o teto é 30 anos. Alguns acham que isso é uma benesse, mas não é favor para os criminosos. Na Europa, em geral, as penas são de 10 a 20 anos. É irrisória a quantidade de pessoas que sobrevive a 30 anos de cadeia. Quase todos morrem após 20 anos de prisão. Quase ninguém consegue permanecer 30 anos preso.

Um médico que já atendeu várias vezes Hildebrando nos últimos anos, disse que ele está destruído. Segundo o médico, ele é uma flor murcha, com problemas graves de diabetes, hiperpetensão, cardíaco, além de uma profunda depressão que o leva ao choro todos às vezes que é chamado de coronel.
A pessoa, assim como um bicho, não foi feita para estar presa. A tendência é definhar, enfraquecer, enlouquecer. Por isso que o Hildebrando tem que encontrar a paz dentro do presídio. É muito importante que as pessoas que amam ele, o visitem, levem livros, para que ele possa resistir sem ficar doido. Após os 30 anos, ele tem o direito de sair, como todo preso brasileiro.

Algum temor por causa da atuação mais destacada para desmobilizar o crime organizado no Acre e mandar Hildebrando Pascoal para a prisão?
Eu nunca tive nenhum temor. A única vez que fui ameaçado no Acre aceitei como segurança apenas um rádio para comunicação direta com a Policia Federal. Durante a CPI do Narcotráfico, em 1999, fiquei 20 dias no Acre sob proteção da Polícia Federal. Quando voltei para Brasília, jamais pedi proteção. Continuo caminhando na rua normal. Se acontecer alguma coisa comigo, terei uma morte muito bonita, sem o menor problema. Caso Hildebrando ou qualquer outro queira me matar, é muito simples: contrata um pistoleiro e manda para cá porque a coisa mais fácil do mundo é me matar. Não tenho nenhuma segurança e sequer ando armado.

O Acre mudou após a prisão de Hildebrando?
Sim. Acho que o governo Lula mudou o país. Claro que poderia ter sido muito melhor. Poderia ter rompido não pagando a dívida pública externa, não aderindo à política financeira do PSDB, acabando com o latifúndio, erradicando o analfabetismo. Acho que o governo Lula poderia ter feito coisas que o presidente Hugo Chávez está fazendo na Venezuela. Pelo menos não está tendo entrega do patrimônio público no Brasil. Os projetos do Pré-sal, por exemplo, são todos eles para deixar que o Estado, a Petrobras e o povo brasileiro controlem a massa imensa de petróleo, onde a gente tinha reserva de 14 bilhões e vai ter agora de 114 bilhões. É uma riqueza gigantesca sob controle do povo brasileiro, enquanto o governo anterior pegou a Vale do Rio Doce, praticamente do mesmo tamanho da Petrobras, e entregou de graça por 3 bilhões. A Vale, que detém as maiores jazidas de ferro do Planeta.

Seus críticos dizem que você anda sumido do noticiário político-policial, que não atua contra a gestão do presidente Lula da mesma forma que atuava contra a gestão do então Fernando Henrique Cardoso. Como avalia?

Avalio muito bem. Minha pressão arterial caiu de 16 para 11. Eu nunca gostei de ficar no foco. O que sempre gostei foi de processar quem eu bem entendia. Lido com mais de 40 tipos de recursos de 14 estados com 62 milhões de pessoas – toda as regiões Norte, Centro-Oeste, mais Minas, Bahia, Maranhão e Piauí. É uma massa de trabalho enorme. Os últimos trabalhos que fiz foram a abertura da CPi do Banestado e de procedimento contra Henrique Meirelles, presidente do Banco Central. Tenho muito orgulho disso, assim como tenho muito orgulho de ter feito o senador ACM renunciar. Aqui em Brasília eu levei três senadores à renúnica: Luiz Estevão, Joaquim Roriz e José Roberto Arruda. Me sinto muito bem por ter brigado contra essa gente. Sinto alegria de ter brigado contra Jorge Bornhausen e Fernando Henrique. É mentira quando dizem que não agi contra o governo Lula. É verdade que agi menos contra o governo Lula, mas porque o governo dele deu muito menos razão para a gente agir. Não foi apenas eu, mas o Ministério Público, de modo geral, processou bem menos o governo Lula do que o governo FHC. Mas isso é porque tem bem menos ilicitudes no atual governo.

set
20

Neste 20 de Setembro em que os gaúchos comemoram mais um aniversário da Revolução Farroupilha com hinos, discursos, churrascos dos bons ,bate, bombachas e justificado orgulho regional , a música para começar o dia é “Rio Grande do Sul”. Aqui vai interpretada pelo célebre e inimitável Conjunto Farroupilha, na gravação usada na abertura da programação da TV Guaiba de Porto Alegre nos anos 90.

Só para clarear a memória é preciso dizer que, em 1835, um grupo de revolucionários iniciou, no Rio Grande do Sul, uma luta contra o poder central. Segundo os historiadores, cerca de 20 mil participaram dos combates, que durou dez anos e se constituiu no mais prolongado e épico conflito na América do Sul. A batalha tirou a vida de 3.500 pessoas. Entre as principais causas do levante estavam a grande taxação dos produtos agropecuários, especialmente o charque e a expropriação e desvio de recursos acumulados no estado.

A Revolução Farroupilha é tema de tratados, romances, novelas, seriados, filmese belas canções como esta que Bahia em Pauta oferece neste dia aos seus leitores ouvintes ( um abraço especial para a gaúcha Helga, incentivadora do BP), ao tempo em que abraça e homenageia todos os gaúchos, inclusive os torcedores do Internacional, que ontem baqueou frente ao Vitória, no Barradão. É isso tché, de batalhas com vitorias (sem segunda intenção) e derrotas é que se faz a vida. Boa festa, gauchada!

(Vitor Hugo Soares)

  • Arquivos

  • setembro 2009
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930