ago
30
Postado em 30-08-2009
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 30-08-2009 14:27

Uauá: dois momentos
uauá
=================================================
Neste sábado do último fim de semana de agosto, o governador Jaques Wagner visitou Uauá, a 416 quilômetros da capital, uma das cidades símbolos do semi-árido baiano, localizada na chamada região do Polígono da Seca do Nordeste brasileiro.

No noticiário (quase todo com base em realeses oficiais) sobre a visita para o anúncio de corpo presente de um “pacote de bondades” do governo petista, que incluiu a duplicação do sistema de abastecimento de água da cidade, Uauá é citada sempre como “a Terra do Bode”, com um rebanho de 300 mil caprinos e ovinos. Algumas referências também ao espírito festeiro de seu povo, que promove um dos mais animados festejos juninos do estado.

Praticamente nenhuma referência, porém, nem das autoridades e políticos da caravana de visitantes, nem dos informes jornalístico sobre a importância histórica da cidade visitada por Wagner no cenário político e social da Bahia.

Afinal, em Uauá, como registram os livros de historia e o escritor Euclides da Cunha em páginas marcantes de “Os Sertões”, aconteceu a primeira grande batalha da Guerra de Canudos, em novembro de 1896, quando o governo estadual baiano em busca de uma solução para conflitos sociais na região, mandou contra o arraial um destacamento policial de cem praças, sob o comando do tenente Manuel da Silva Pires Ferreira.

Os conselheiristas, vindo ao encontro dos atacantes, surpreenderam a tropa em Uauá, em 21 de novembro, obrigando-a a se retirar com vários mortos. Enquanto aguardavam uma nova investida do governo, os seguidores do beato Antonio Conselheiro fortificavam os acessos ao arraial, para enfrentar mais tarde tropas do Exército.

Esta semana o governo do estado chegou desarmado e levando água para o povo sedento. Menos mal!

(Vitor Hugo Soares)

Be Sociable, Share!

Comentários

Sócrates Santana on 31 agosto, 2009 at 9:28 #

Vitor, falha da reportagem não citar o histórico épico.
Contudo, ao menos o governador na oportunidade não apenas citou, mas, enalteceu Conselheiro e, especialmente, no ano centenário, Euclides da Cunha.
De qualquer maneira, vale encaminhar referido importante sinalização ao responsável pela equipe de reportagem.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos