ago
29
Postado em 29-08-2009
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 29-08-2009 17:43

Deu no jornal

Publico, um dos mais credenciados jornais de Portugal, acaba de postar o seguinte texto, sobre as últimas homengens antes do sepultamento do senador democrata Edward Kennedy, na cidade de Boston, capital do estado de Massachusets, que o elegeu por sete mandatos seguidos. Na despedida ao companheiro de partido, amigo pessoal e principal aliado político, o presidente Barck Obama, visivelmente emocionado, definiu Ted Kennedy como “um heroi, um gigante, uma força da natureza, o roched de uma dinastia americana”

Veja no Bahia em Pauta a íntegra do texto de Público sobre as últimas homenagens a Ted Kennedy neste sábado, 29 de agosto. (VHS)
==================================================
Curvados a um leão
Tekennedy
============================================
“Um herói, um gigante, uma força da natureza, o rochedo de uma dinastia americana. O Presidente Barack Obama descreveu hoje o seu amigo e companheiro político Edward Kennedy, o bebê que se tornou o patriarca da família que deu à América um Presidente, um Procurador-Geral, o senador, vários congressistas e alguns dos mais reputados líderes da sociedade civil — e que, em certo sentido, é o mais próximo que os Estados Unidos têm de uma família real.

Mas “hoje não choramos por ele por causa do prestígio do seu nome ou do seu cargo”, observou o Presidente, responsável pelo elogio fúnebre de Kennedy, que morreu na quarta-feira com um câncer no cérebro, aos 77 anos de idade. “Choramos porque adorávamos este generoso e carinhoso herói que sempre perseverou na dor e na tragédia, não por ambição ou vaidade, não por riqueza ou poder, mas apenas pelas pessoas e pelo país que ele amava”, declarou.

LEÃO LIBERAL – Foi uma fala emocionada e profundamente pessoal, em que Obama assinalou o impressionante trabalho de Ted Kennedy no Senado através de anedotas que revelavam o caráter jovial e brincalhão do velho leão liberal. Ele foi “o maior” e “mais bem sucedido” legislador do Senado, considerou o Presidente, mas também o colega mais dedicado aos seus correlIgionários, aos seus eleitores e ao seu país.

Esse, frisou, será o principal legado de Kennedy — que “usemos os nossos dias com propósito, mostrando aos mais próximos que gostamos deles, tratando os outros com gentileza e respeito”. “Todos nós podemos aprender com os nossos erros e crescer com as nossas falhas. E todos nós podemos lutar, a todo o custo, para fazer o mundo melhor, para fazer a diferença”, referiu.

Todos os antigos presidentes, com excepção de George H. Bush, se sentaram juntos para participar no serviço religioso que encheu por completo a basílica de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro de Boston, onde Ted Kennedy rezava frequentemente. A longa lista de participantes incluía dezenas de senadores e congressistas, toda a hierarquia do Partido Democrata e centenas de convidados. A missa foi transmitida ao vivo por todos os canais de televisão.

O cortejo fúnebre deixou depois a cidade de Boston em direcção à capital, Washington, onde o senador seria enterrado ao final da tarde, na mesma colina do cemitério nacional de Arlington onde repousam os seus irmãos John e Robert, ambos assassinados na década de 60.

LÁGRIMAS E GARGALHADAS- As despedidas começaram na véspera, com um tributo no Museu e Biblioteca John F. Kennedy de Boston, dedicado ao seu irmão e que era um dos lugares preferidos do senador. De acordo com a sua vontade, a cerimônia reproduziu o ambiente de um “velório irlandês”, com discursos, canções e mais gargalhadas do que lágrimas.

Os seus sobrinhos lembraram como depois da morte dos seus pais foi sempre no “tio Teddy” que eles puderam confiar, e de como ele esteve sempre presente na vida da família. Os seus aliados falaram da sua influência e do seu legado político, vertido em centenas de leis que dão conta dos progressos sociais do país nos últimos 50 anos. E os seus adversários políticos, que combateu vigorosamente, enalteceram a sua lealdade ao processo legislativo.

Apesar de todos os elogios, “ele não era perfeito, longe disso”, admitiu o seu filho mais velho Ted. “Mas ele nunca desistiu, nunca se rendeu. E ensinou-me que apesar da tragédia e das dificuldades, não há nada que seja impossível”, disse, lembrando o dia em que o pai o ensinou a voltar a caminhar, aos doze anos, depois de ter perdido uma perna na sequência de um câncer. Assoberbado pela emoção, Ted Kennedy júnior foi louvado com um prolongado aplauso.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos