ago
22
Postado em 22-08-2009
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 22-08-2009 11:42

Deu na Tribuna da Bahia

Em sua coluna política no jornal Tribuna da Bahia , edição deste sábado, 22, o jornalista Ivan de Carvalho comenta o recente encontro do governador petista Jaques Wagner com o prefeito de Salvador, João Henrique de Barradas Carneiro, que segue gerando polêmica, fofocas, encrencas e novas arrumações do poder no Estado e do município.

Até as barulhentas cigarrras de Ondina, de que fala o saudoso ex-deputado pessedista Raimundo Reis, em uma de suas mais belas e expressivas crônica, ficaram em silêncio na hora da conversa do prefeito com o governador, sem o  ministro da Integração, Geddel Vieira Lima, por perto.

Olhar e ouvidos atentos, Ivan, a seu modo e estilo inimitáveis, tira conclusões preciosas e bem humoradas do encontro. Confira, a seguir, na reprodução do artigo neste Bahia em Pauta.

E ótimo fim de semana para todos

(Vitor Hugo Soares)

==============================================
Wagner e João: cigarras silenciam
jwagner
==============================================
ARTIGO/POLÍTICA BAIANA

Ivan de Carvalho

Duas conclusões

Ivan de Carvalho (22/08/2009)

No contexto do enfrentamento entre o governismo baiano e o PMDB – observando-se o conjunto dos fatos e dados conhecidos e de alguns outros apenas supostos, porque ainda encobertos por uma cortina de sigilo de variável opacidade – dá para chegar a uma conclusão. Ou melhor, a duas.

A primeira e mais simples é a de que o encontro entre o governador Jaques Wagner e o prefeito João Henrique extrapolou o caráter meramente administrativo, destinado a desembaraçar as importantes obras de saneamento básico e urbanização do bairro do Imbuí, realizadas pela prefeitura com recursos do Ministério da Integração Nacional a elas destinados pelo ministro Geddel Vieira Lima.

Obras embaraçadas por órgão – o Ingá – do próprio Estado da Bahia, responsável (ou irresponsável, no caso específico) pelo meio ambiente no que este está relacionado com obras, a exemplo das de saneamento e urbanização. Embaraçadas pelo governo do Estado e pelo governador, afinal, desembaraçadas.

Bem, o encontro – articulado de modo a ser envolvido em mistério que teria o suposto objetivo de torná-lo, digamos, muito discreto, para não dizer sigiloso, o que acabou garantindo mil especulações e uma boataria infernal capaz de confundir a realidade com a “imaginação política criadora” – extrapolou mesmo o caráter administrativo relacionado sobre as obras no Imbuí e, à parte as polêmicas geradas, serviu para restabelecer as relações entre o governador, o prefeito e, é legítimo supor, seus respectivos governos.

Pode-se detectar, a partir do que se afirma do encontro entre o governador e o prefeito, que eventuais divergências pontuais entre João Henrique e o ministro Geddel Vieira Lima hajam ocorrido, mas nada em nível que fuja ao normal e que pudesse comprometer a ligação política entre eles, no momento os dois principais políticos do PMDB da Bahia. Quanto a este repórter, não encontrou o menor indício de que o ministro haja solicitado ao prefeito espaço na administração municipal para nela incluir peemedebistas que deixaram o governo do Estado, especialmente o ex-secretário estadual de Infraestrutura, Batista Neves, o mais cotado na boataria.

A segunda conclusão a que fortemente me inclino a chegar – e neste espaço já mais de uma vez por conta do episódio de imposição ao PDT baiano, pelo presidente nacional licenciado do partido, ministro Carlos Lupi, é a de que o presidente Lula, enquanto elogiava publicamente seu ministro Geddel, atuou nos bastidores para viabilizar as alianças que Wagner buscou negociar com o PP e o PDT e, no primeiro caso, agiu também para valorizar políticamente sua formalização.

Esta ação de Lula, agora óbvia na pressão sobre Lupi para forçar o PDT baiano a apoiar o governo e a reeleição de Wagner, não pode, porém, ser vista na presença do ministro pepista das Cidades, Márcio Fortes, na posse do deputado João Leão na Secretaria de Infraestrutura. Fortes também prestigiou o ingresso do PP no governo municipal peemedebista de João Henrique, há uns tempos.

A evidência de que Lula apoiou as articulações de Wagner para atrair o PP está é em certos conteúdos dos discursos do governador, do ministro e do novo secretário estadual João Leão. Eles puderam dizer publicamente que Lula incentivou a aliança sem meias palavras e, se disseram, foi porque para isto estavam autorizados. Não relatariam até frases do presidente se este não houvesse lhes dito que podiam fazê-lo.

Posto isto, convém assinalar que o que foi dito não significa que Lula tenha intenção de hostilizar, reduzir influência ou atrapalhar a caminhada que o ministro Geddel resolveu, junto com o PMDB da Bahia, empreender. Além disso, as eleições serão somente em outubro do ano que vem e as convenções, em junho. A política, como as nuvens, pode mudar muito de configuração nesses amplos períodos. Um marco importante, decisivo, será a sucessão no Ministério da Integração Nacional, junto com os demais ministérios cujos titulares vão se desincompatibilizar para concorrer às eleições. Lula acolherá a sugestão de Geddel sobre seu sucessor no ministério ou não? Há, provavelmente, que esperar até março, começo de abril – limite do prazo para os candidatos deixarem de ser ministros – para se ter esta informação crucial.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos