ago
14
Postado em 14-08-2009
Arquivado em (Newsletter) por vitor em 14-08-2009 00:55

Globo x Record: guerra continua/ Imagem Cris Rodrigues
guerra
———————————————————-
Os dois principais noticiários do horário nobre da televisão brasileira – o Jornal Nacional e o Jornal da Record – voltaram a dedicar seus melhores espaços na noite desta quinta-feira (13), a uma espécie de guerrilha santa que já se prolonga há três dias, repleta de lances de acusações por parte da Globo ao bispo Edir Macedo e mais nove membros da Igreja Universal do Reino de Deus, citados em processo do Ministério Publico de São Paulo por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Em resposta, a Record não apenas defende o líder religioso das acusações, mas lança outras, bastante pesadas, contra a emissora do Jardim Botãnico e seus proprietários – a família Marinho. Em seguidas aos dois noticiários de ontem, a revista digital Terra Magazine postou matéria assinada pelos repórteres Claudio Leal e Thais Bilenky, com os novos lances da guerra, cuja denominação as duas emissoras recusam, mas sem largar as armas de ataques em seus respectivos noticiários.

Bahia em Pauta reproduz, em seguida, o que Terra Magazine acaba de postar sobre os novos lances desta noite da guerrilha Globo x Record, com o bispo Macedo no meio.

(Vitor Hugo Soares)
=====================================================

“Celso Freitas, apresentador do Jornal da Record, depois de série de ataques frontais à Rede Globo: “A Record não está em guerra com ninguém”. Mas durante longos minutos televisivos a emissora controlada pela Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd) voltou a atacar o grupo de comunicações da família Marinho em horário nobre.

A longa reportagem do Jornal da Record começou recuperando imagens da edição de 12 de agosto de 2009 do Jornal Nacional, com as denúncias do Ministério Público contra o bispo Edir Macedo. Salta, então, para dezembro de 1995, com o JN fazendo “as mesmas denúncias” por ter “medo de perder o monopólio de transformar a verdade em mentira”, sustentou a Record.

Apresentado pelos ex-globais Celso Freitas e Ana Paula Padrão, o telejornal acusa a Globo de fazer agressões sem nenhuma novidade e, ao contrário das demais emissoras da televisão brasileira, se estender na cobertura do caso Igreja Universal. Diferentemente da Cultura, por exemplo, que não o noticiou, a Globo dedicou dez minutos ao caso, ressaltou a concorrente.

RELIGIÃO E AUDIÊNCIA – A Record acusa a Globo de desrespeitar a liberdade religiosa ao exibir imagens de cultos e insinuar roubos na instituição protestante. Usar câmera escondida, segue a emissora de Macedo, para mostrar imagens que podem ser vistas abertamente na programação da madrugada da Record e em horários nobres de outras emissoras, esvaziam a cobertura “agressiva” do caso.

Nesta quinta, o Jornal Nacional voltou a dedicar um bloco de reportagens sobre as investigações contra a Iurd. Amparado no jornal Estado de S. Paulo – destacado na edição -, o repórter César Tralli relatou que o dízimo de fiéis foi usado pela igreja de Edir Macedo para comprar imóveis (carros, emissoras de rádio e mais 19 empresas), como constatou o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) e o Ministério Público de São Paulo.

Entre os imóveis comprados pelo grupo, um prédio de R$ 8 milhões, em Salvador, e um terreno de R$ 8,48 milhões no Rio de Janeiro. O dinheiro passaria por “empresas de fachada”, segundo o MP. O advogado da Iurd, Arthur Lavigne, não concedeu entrevista à Rede Globo, mas em nota alegou não ter o inquérito do MP na íntegra.

Os dois grupos de comunicação recorreram a parlamentares para opinar sobre as investigações. A Globo ouviu os senadores Álvaro Dias (PSDB), Arthur Virgilio (PSDB), Eduardo Suplicy (PT) e Garibaldi Alves (PMDB).

A Record direcionou as entrevistas com os congressistas para a guerra entre as emissoras e a quebra do monopólio da Globo. Entre os entrevistados, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc (que defendeu o “não monopólio”), o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), Magno Malta (PR-ES) e o bispo Marcelo Crivella (PRB-RJ). Um membro do Ministério Público da Bahia, Almiro Sena, criticou indiretamente o trabalho dos colegas paulistas, ao falar em preconceito contra a religião. Cristovam Buarque se referiu à queda de audiência do “Jornal Nacional”.

Em nota enviada a Terra Magazine nesta quinta, a Central Globo de Comunicação afirma que está dando ao caso Universal “tratamento equivalente” ao que deu a outros fatos jornalísticos, como a deflagração da Operação Satiagraha, em julho de 2008.

Já a central de comunicação da Rede Record afirmou, oficialmente, que “não está atacando ninguém, apenas respondendo às acusações feitas e aos ataques que partiram da Rede Globo”.

O Ministério Público de São Paulo, na denúncia acolhida pela Justiça, incriminou o bispo Edir Macedo e outros nove membros da Igreja Universal por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. O MP apontou oito empresas de comunicação entre as dez favorecidas por transferências eletrônicas da Igreja – noutras palavras, o dízimo dos fiéis irrigaria, entre outras empresas, a TV Record.

Na noite da quarta-feira, 12, durante cerca de 15 minutos, o Jornal da Record rebateu as denúncias, destacou os trabalhos sociais da Igreja e se concentrou nos ataques à rival. Controlada pela Iurd, a Record usou imagens de arquivo para vincular a Globo à ditadura militar e aos escândalos Time-Life e Proconsult. E destacou que a emissora carioca ignorou o movimento Diretas-Já, em 1984.

Na sequência, a Record defende a prática do dízimo recorrendo à definição no dicionário, falas da população nas ruas e do livro de Edir Macedo, “O Bispo”. Nele, Macedo diz que o dízimo “revela fé na prática” e assegura que a Universal “não impõe nada, não cobramos nada de ninguém. Apenas conscientizamos as pessoas dessa prática”.

A reportagem argumenta, de acordo com o bispo no livro, que o crescimento da Igreja Universal explica e justifica as doações de fieis. Se o dinheiro fosse para “os bolsos do bispo”, não sobraria para a instituição se expandir. E se expande, mostra a reportagem, não apenas pelo Brasil, mas pelo mundo.

A Record cita, então, denúncias feitas à “família Marinho”, como do prejuízo do BNDES, “ocupação com submundo dos negócios”, acusações de um ex-funcionário de que a Globo desviaria dinheiro público para construir o Projac, questão “até hoje não devidamente esclarecida”, diz o telejornal.

A Record, então, atribui uma explicação: “Por trás dos ataques, a verdade: a queda de audiência (da Globo), e o crescimento da Record”, anuncia o repórter. Ao comparar o share, auferido pelo Ibope, entre 2004 e 2009, a Record informa que, enquanto cresceu oito pontos, a concorrente caiu dez.

=====================================================
LEIA INTEGRA SOBRE O CASO EM TERRA MAGAZINE
(http://terramagazine.terra.com.br)

===========================================================

Be Sociable, Share!

Comentários

fabio on 16 agosto, 2009 at 22:03 #

eu tenho uma duvida,porq a rede globo ñ faz uma entrevista com o bispo edir marcedo seria melhor para qui eles apurem os fatos relatados entre ambos as partes etc


Roberto on 18 agosto, 2009 at 12:23 #

Esse tal Almiro Sena precisa ser censurado PUBLICAMENTE. Sua postura é absurdamente anti-ética, até porque ele mantém coluna no site da Record. Sabe Deus quais outros interesses existem…


Roberto on 18 agosto, 2009 at 12:32 #

Bom, pelo menos os promotores de SP já sabem que se precisarem fazer investigação em conjunto com o MP da Bahia terão que se precaver em relação ao promotor supracitado…


claudinei on 23 agosto, 2009 at 12:25 #

nao coloco minha mao no fogo pelo edir…mas q ele ta fazendo um favor para o brasil, isso ta…procurem ver o documentario da bbc feito em 93…mostra as barbaries da globo para com o brasil…so a compra da NEC q na epoca valia u$ 350 milhoes e pagaram menos de um milhao…favorecido pelo ministro das comunicaçoaes magalhaes comparça do marinho…


Roberto on 27 agosto, 2009 at 12:51 #

Sou mais a Globo. Sendo o que for, torço pra que destrua esse picareta. Edir Macedo é uma séria ameaça para o Brasil e ninguém hoje acredita. Mas quem viver, verá.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos